Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

‘Choque de Civilizações’ já está em andamento, na medida que Sul Global resiste à ‘ocidentalização’

O julgamento da China é sólido na tentativa de reunir as nações não europeias contra [a deturpação dos] os valores impostos pelos EUA e Europa. “A mais recente iniciativa da China de unir o mundo contra os valores ocidentais”,  diz a manchete do The Economist, um meio de comunicação bem conhecido por sua perspectiva de defesa da visão e agendas anglo-capitalista (G-7).

‘Choque de Civilizações’ já está em andamento, na medida que Sul Global resiste à “ocidentalização”

Fonte: Rússia Today

O artigo começa citando a tese do Choque de Civilizações de Samuel Huntington, que argumenta que um choque entre Oriente e Ocidente definiria o futuro pós-Guerra Fria como uma forma de conflito de identidade cultural e religiosa

Ao apresentar esse tema, o artigo mergulha no que Xi Jinping divulgou como sua ‘iniciativa de civilização global’ com base na premissa de que “as civilizações podem viver em harmonia”. O problema, conforme interpretado pelo The Economist, é que “o Ocidente deve parar de promover seus [falsos e deturpados] valores, ou Huntington terá razão”.

Indiscutivelmente, o mundo está em um conflito cultural há algum tempo, e não começou com a competição EUA-China. Afinal de contas, a ascensão do Islã político, perseguindo interpretações linha-dura da lei da Sharia, e até mesmo indo tão longe quanto o terrorismo e a insurgência, foi uma reação à ocidentalização no Oriente Médio, uma tentativa de tentar impor uma identidade islâmica contra a “ocidentalização”. Até certo ponto, a Guerra ao Terror foi um ‘choque de civilizações’ tanto quanto foi um choque de ideologias e identidades culturais que se viam mutuamente como ameaças existenciais.

Nos últimos 400 anos ou mais, as nações ocidentais dominaram o mundo. Os impérios europeus, assim como os Estados Unidos depois, subjugaram nações e construíram estados coloniais em todo o mundo. 

Isso foi feito principalmente por razões econômicas e políticas, permitindo que esses países se enriquecessem às custas de suas colônias e criando vastos impérios comerciais que eram reforçados pelo poder militar. 

Tais imperialistas se enquadravam como guardiões pseudo benevolentes que representavam uma “forma superior de civilização” e os seus valores que estavam sendo “trazidos” para os povos “bárbaros” colonizados [assim foi desde os tempos de Roma]. Assim, eles espalharam seus impérios pela África, América Latina, subcontinente indiano, Ásia e outros lugares, sem nenhum respeito pelas idiossincrasias e culturas nativas. Os ocidentais também procuraram expandir sua ideologia e sistemas de valores usando a tática “Divide et Impera” de Júlio César.

É por isso que “ocidentalização” e “globalização” sempre significaram efetivamente a mesma coisa, já que os impérios antigos foram os que uniram o mundo por meio do sistema econômico e comercial que criaram. Mas a partir do século XX, muitos dos países colonizados pelo Ocidente começaram a resistir a seus invasores opressores, e surgiram movimentos de independência e libertação. Um desses movimentos, é claro, foi a ascensão do Partido Comunista na China em 1949 liderado por Mao Zedong e todos os movimentos que ele inspirou.

Enquanto os EUA triunfaram na Guerra Fria original e inauguraram uma nova onda de globalização, denominada Pax-Americana, essa era chegou ao fim. Isso ocorre porque o mundo mudou, especificamente com a rápida recuperação da Rússia após o fim da URSS e a emergência da China como potência global. 

O conceito de “globalização” deixou de ser um fenômeno dominado pelo Ocidente, não mais sinônimo de “ocidentalização”, para um mais diverso no qual os EUA e o Ocidente coletivo percebem que não controlam mais. Em outras palavras, a “globalização” não é mais uma via de mão única pela qual o Ocidente impõe seus [deturpados e “acordados”] valores unilateralmente ao resto do mundo em conjunto com o domínio econômico. Países como a China, como visto por meio de programas como a Iniciativa da Nova Rota da Seda (BRI), também podem se beneficiar disso.

É aqui que entra o novo “choque de civilizações”, justamente porque a China e a Rússia desenvolveram a capacidade de desafiar a visão de mundo do Ocidente em uma escala nunca antes vista, superando inclusive a da ex-União Soviética. 

A China contemporânea enquadra-se como modelo dentro de uma ordem multipolar, efetivamente rejeitando a versão ocidental-cêntrica que dominou o mundo durante séculos e permitiu a esses países explorar e escravizar inúmeros outros povos. Ao fazer isso, a China recusa a “ocidentalização” e se posiciona como seu próprio “polo civilizacional”.

Claro, ela não está sozinha, e Pequim encontra apoio de muitas nações que também foram “perdedores líquidos” e seus povos sujeitos ao colonialismo, e que buscam um sistema internacional mais justo. Por exemplo, isso tem grande apelo para países da África, Oriente Médio, América Latina, Sul da Ásia e, claro, a Rússia. 

Muitos desses países veem o ataque às suas culturas pelos valores ocidentais não apenas como ameaças históricas à sua soberania nacional, mas também à sua própria identidade cultural. Por que, por exemplo, um país como os Emirados Árabes Unidos, um tradicional parceiro ocidental, é agora tão pró-China

Como um estado árabe e muçulmano altamente conservador, vê a busca do “liberalismo” (ideologia LGBTQ+, Transgenerismo, Transhumanismo, ‘acordado’, pedófilo, anti religião) ocidental como uma ameaça aos seus próprios valores islâmicos e vê apoio em um estado chinês que, mesmo adotando uma ideologia diferente, encoraja a pluralidade e o respeito por diferentes culturas em oposição ao [satanismo] evangelismo ocidental.

Além de países muito subservientes como o Japão e, especialmente a Alemanha, o resto do mundo nunca quis ser dominado pelo Ocidente. Isso não significa que eles sejam hostis ao Ocidente, mas representa um desejo de serem tratados como iguais e existirem em seus próprios termos, em vez de estarem no fundo de uma hierarquia econômica e de [ausência completa de] valores que beneficia apenas um pequeno grupo de países. 

Como tal, uma nova Guerra Fria poderia muito bem ser construída sobre um “ choque de civilizações”, porque é o “liberalismo ocidental” contra aqueles que optam por não viver de acordo com as suas premissas [e absoluta falta de valores dos países ocidentais].


“O indivíduo é deficiente mentalmente [os zumbis], por ficar cara a cara, com uma conspiração tão monstruosa, que nem acredita que ela exista. A mente americana [humana] simplesmente não se deu conta do mal que foi introduzido em seu meio. . . Ela rejeita até mesmo a suposição de que as [algumas] criaturas humanas possam adotar uma filosofia, que deve, em última instância, destruir tudo o que é bom, verdadeiro e decente”.  – Diretor do FBI J. Edgar Hoover, em 1956


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *