browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Clima: Timelapse [vídeo] das geleiras da Terra mudará sua perspectiva dos últimos 50 anos

Posted by on 25/06/2020

É, segundo os cientistas, uma ilustração clara do estrago causado pelas mudanças climáticas nas últimas cinco décadas. Novos vídeos de timelapse de satélites que monitoram a Terra há décadas revelaram a realidade chocante do derretimento do gelo a velocidades aceleradas em todo o planeta. A série se concentra em geleiras e mantos de gelo no Alasca, na Groenlândia e na Antártica, mostrando como, ao longo das últimas décadas, a maior parte do gelo está se retirando anualmente, se transformando em água e com as geleiras não voltando mais a crescer.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Este timelapse das geleiras da Terra mudará sua perspectiva das Mudanças Climáticas dos últimos 50 anos

Fonte:  https://www.sciencealert.com/

“Acho que a glaciologia observacional em termos de sensoriamento remoto é um campo muito rico em dados agora, comparado a 1972, quando você tinha apenas algumas imagens”, diz o glaciologista Mark Fahnestock, da Universidade do Alasca Fairbanks.

“Então, estamos começando a obter um registro histórico das velocidades do derretimento das geleiras e, assim, podemos observar a rapidez com que a superfície congelada está diminuindo à medida que as coisas aceleram ou onde estão se espessando.”

Usando imagens do satélite Landsat que datam desde 1972 e continuando até este ano por um total de quase 48 anos, a Fahnestock criou intervalos de tempo de seis segundos para todas as geleiras do Alasca e Yukon. Enquanto algumas das massas de gelo crescem ao longo desse tempo, a maioria diminuiu de maneira chocante.

Este vídeo em timelapse das geleiras da Terra mudará sua perspectiva das Mudanças Climáticas dos últimos 50 anos. É muito pior do que imaginávamos:

É, segundo os cientistas, uma ilustração clara do estrago causado pelas mudanças climáticas. Você vê, por exemplo, o glaciar Columbia permanecendo estável até meados dos anos 80, quando começa a se desintegrar e a recuar nas montanhas Chugach. Agora é uma das geleiras que encolhem mais rapidamente no mundo .

Nem mesmo as poucas geleiras em crescimento são claras, como a geleira Hubbard, no leste do Alasca. No final do lapso de tempo, um grande pedaço da geleira chega ao oceano.

“Esse nascimento de baias é o primeiro sinal de fraqueza da geleira Hubbard em quase 50 anos – está avançando nos recordes históricos”, disse Fahnestock “As imagens de satélite também mostram que esses tipos de novas baias  estavam presentes na década anterior ao encolhimento do Glaciar Columbia” no Alasca.

29 de julho de 1986

Foto do Glaciar Columbia (Alasca) em JUNHO DE 1986. FONTE

29 de julho de 1986

Foto do Glaciar Columbia em JUNHO DE 2018,a diminuição do gelo é espantosa. FONTE

As coisas não estão muito melhores na Groenlândia, onde, de acordo com dados de satélite coletados entre 1985 e 2018, as geleiras recuaram em média cinco quilômetros, acelerando-se notavelmente após 2000, com o gelo perdendo mais massa do que ganha. E o fenômeno não é geograficamente restrito.

“Uma coisa que notamos é que o retrocesso do gelo tem sido um padrão que vimos nas camadas de gelo da Groenlândia”, disse a glaciologista Michalea King, da Ohio State University . “Não se limita apenas a uma região”. Esse encolhimento nos fiordes glaciais – ou nas extremidades das geleiras – foi acompanhado pelo surgimento de lagoas de água derretida (foto abaixo) aparecendo em altitudes cada vez mais elevadas ao norte.

meltwater ponds

O lago esta no canto superior esquerdo da foto.

“Observamos quantos lagos existem por ano na camada de gelo e descobrimos uma tendência crescente nos últimos 20 anos: um aumento de 27% nos lagos”, disse o glaciologista James Lea, da Universidade de Liverpool, no Reino Unido “Também estamos percebendo o surgimento de cada vez mais lagos em altitudes mais elevadas – áreas que não esperávamos ver descongeladas até 2050 ou 2060”.

E na Antártica, imagens de radar de microondas revelavam lagos de água líquida sob o gelo e a neve, que permanecem líquidos mesmo nas profundezas do inverno. Esses lagos podem desestabilizar as prateleiras de gelo, acelerando o processo e colapso do gelo.

Conhecemos esses lagos  sob a camada de gelo da Antártica e da Groenlândia ; mas os dados dos pesquisadores sugerem que pode haver mais lagos subglaciais na Antártica do que sabíamos, sugerindo que a perda das prateleiras de gelo pode ser mais avançada .

nivel-oceano-subir-100metros-áreas-alagadas

Com a aceleração do derretimento do gelo na Antártida, na Groenlândia, e com nível das águas dos oceanos subindo 60 metros, o Brasil perde 14 capitais de estado que serão submersas pela elevação dos oceanos e a bacia amazônica será completamente inundada. Porto Alegre, Rio de Janeiro, Salvador, Vitória, Recife, Natal, Maceió, João Pessoa, Fortaleza, Montevidéu e Buenos Aires deixariam de existir..FONTE

Em conjunto, as décadas de dados de satélite mostram uma tendência que não é limitada por região: o gelo permanente do mundo inteiro, em todas as áreas está derretendo e esses vídeos demonstram essa realidade mais clara do que nunca. É apenas um dos muitos, muitos sinais de que a Terra está passando por rápidas mudanças climáticas; não é tarde demais para fazer algo sobre isso .

O pesquisador foi apresentado no Fall Meeting 2019 da American Geophysical Union .


“Haverá muitas mudanças dramáticas no clima do planeta, muitas mudanças nas condições meteorológicas  na medida em que o tempo da grande colheita se aproxima muito rapidamente  ao longo dos próximos anos. Você vai ver a velocidade do vento em tempestades ultrapassando 300 milhas (480 quilômetros) por hora, às vezes. Deverão acontecer  fortes tsunamis e devastação generalizada NAS REGIÕES COSTEIRAS, e emissão de energia solar (CME-Ejeção de Massa Coronal do Sol)  que fará  importante fusão e derretimento das calotas de gelo nos polos, e subseqüente aumento drástico no nível do mar, deixando muitas áreas metropolitanas submersas em todo o planeta“.  SAIBA MAIS no LINK


Muito mais informações, LEITURA ADICIONAL:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.