browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Natureza também reage à pandemia pelo Covid-19 com uma “Grande Pausa”

Posted by on 25/06/2020

Cientistas declaram que vivemos uma ‘antropausa’ sem precedentes na natureza devido à pandemia pelo Covid-19: Recentemente, pumas foram vistos andando pelas ruas de Santiago, no Chile e coiotes vasculhando San Francisco, na Califórnia, enquanto ratos se tornaram cada vez mais agressivos em sua busca por restos cada vez mais escassos e gangues de macacos urbanos famintos  brigando por alimentos. Algumas pessoas começaram a chamá-lo de “Grande Pausa”. Agora, os cientistas criaram uma maneira mais precisa e técnica de descrever essas circunstâncias excepcionais, devido ao impacto do Covid-19, descrevendo o que podemos aprender com seus efeitos.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Cientistas declaram uma ‘antropausa’ sem precedentes na natureza devido à pandemia pelo Covid-19

Fonte:  https://www.sciencealert.com/the-pandemic-has-changed-our-interactions-with-wildlife-scientists-are-calling-it-the-anthropause

pandemia atual pelo Covid-19 não afeta apenas os seres humanos, mas também afeta a vida selvagem e à natureza. À medida que o mundo trava, numa quarentena planetária, para evitar a disseminação do devastador  coronavírus , de repente há muito menos carros nas estradas, aviões nos céus e navios nas águas em rios, mares e oceanos, há menos poluição no ar e mais silêncio. E a natureza certamente percebeu isso, em todos os seus reinos e reagiu de acordo.

Recentemente, pumas foram vistos andando pelas ruas de Santiago, no Chile e coiotes vasculhando San Francisco, na Califórnia, enquanto ratos se tornaram cada vez mais agressivos em sua busca por restos cada vez mais escassos e gangues de macacos urbanos famintos  brigando por alimentos. 

imagem do artigo principal

Com a “pausa” das atividades humanas pela pandemia do Covid-19 a natureza dá sinais de recuperação em larga escala.

Algumas pessoas começaram a chamar esse fenômeno de “Grande Pausa”. Agora, os cientistas criaram uma maneira mais precisa e técnica de descrever essas circunstâncias excepcionais, descrevendo o que podemos aprender com os seus efeitos. O termo “antropause”, explicam eles , é uma referência à “considerável desaceleração global das atividades humanas modernas, notadamente as viagens e produção industrial” – que seríamos tolos em não estudar suas consequências.

“A prioridade da sociedade deve ser enfrentar a imensa tragédia e dificuldades humanas causadas pelo COVID-19 “, escrevem os pesquisadores  em um comentário recente para Nature Ecology and Evolution . “Mas não podemos perder a oportunidade de traçar – pela primeira vez em escala global – até que ponto a mobilidade humana moderna afeta a vida selvagem e à natureza”.

Esse impacto da atividade humana incessante nem sempre pode ser óbvio, percebido ou esperado. Enquanto os atuais bloqueios em todo o mundo deixaram alguns animais prosperando em paz e sossego, outros correm mais riscos do que antes. As espécies ameaçadas de extinção, por exemplo, estão sofrendo mais caça furtiva  durante esse período, à medida que as dificuldades econômicas atingem mais algumas regiões remotas do que outras e a exploração dos recursos naturais aumenta devido à escassez de recursos.

Agora é o momento perfeito para estudar ainda mais essas complexas interações, argumenta a equipe. É de suma importância que os biólogos de campo continuem coletando dados, mesmo durante os bloqueios e lockdowns, desde que sejam tomadas as devidas precauções e o financiamento não seja desviado do trabalho de linha de frente contra o vírus .

De acordo com um dos coautores do estudo, o biólogo comportamental Matthias-Claudio Loretto, do Instituto Max Planck de Comportamento Animal, na Alemanha, com esses dados inestimáveis,  poderemos “investigar se os movimentos de animais nas paisagens modernas são predominantemente afetados por estruturas construídas ou pela presença de seres humanos “.

E isso é grande coisa. A pesquisa atual não foi capaz de separar esses dois fatores, e as circunstâncias atuais são ideais para observação adicional. É por isso que os pesquisadores estão pedindo uma nova Iniciativa de Bio-Logging COVID-19 para reunir recursos e conhecimentos sobre peixes, aves e mamíferos de todo o mundo; eles já receberam mais de 200 conjuntos de dados, de acordo com Francesca Cagnacci, pesquisadora sênior da Fundação Edmund Mach, na Itália.

O plano é usar dispositivos de rastreamento eletrônico conectados a animais, chamados ‘bio-loggers’, para registrar seus movimentos, comportamento, atividade, fisiologia e habitats, durante esse período sem precedentes da história humana. Uma iniciativa adicional integrará dados de vários programas de monitoramento de espécies para avaliar os impactos da mobilidade e atividade humanas.

“Em todo o mundo, os biólogos de campo equiparam os animais com dispositivos de rastreamento em miniatura”,   diz o biólogo Christian Rutz, da Universidade de St. Andrews, do Reino Unido. “Esses ‘bio-loggers’ fornecem uma mina de ouro de informações sobre o movimento e o comportamento dos animais, que agora podemos explorar para melhorar nosso entendimento das interações entre humanos e animais selvagens, com benefícios para todos”

Este é um momento trágico para os seres humanos, sem dúvida, mas os pesquisadores esperam que o conhecimento científico que possamos obter durante esta crise nos ajude a enfrentar a próxima, reduzindo o sofrimento humano e animal no futuro. Atualmente, a Terra está em seu sexto evento de extinção em MASSA conhecido , e nossa convivência com a vida selvagem  deixa muito a desejar. Talvez as circunstâncias atuais possam nos ensinar algo sobre como compartilhar melhor este planeta cada vez mais lotado e explorado em seus recursos naturais.

“Ninguém está pedindo aos humanos que permaneçam em aprisionamento permanente”, diz o especialista em comportamento animal Martin Wikelski, do Instituto Max Planck. “Mas podemos descobrir que mudanças relativamente pequenas em nossos estilos de vida e redes de transporte podem trazer benefícios significativos para os ecossistemas e os seres humanos”.

De fato, o atual nível reduzido de movimento e atividades humanas que estamos experimentando atualmente nos leva de volta ao passado em algumas décadas; Embora muita coisa tenha mudado nesses anos, refletir sobre essa mudança e fazer pequenas modificações em nossos estilos de vida modernos podem trazer benefícios consideráveis.

Pequenas alterações em nossas redes de transporte, por exemplo, podem reduzir drasticamente os efeitos perturbadores no movimento dos animais. “A pesquisa coordenada global da vida selvagem durante a “antropause” fará contribuições que vão muito além de informar a ciência da conservação – desafiará a humanidade a reconsiderar nosso futuro na Terra”, conclui o comentário  .

“Haverá oportunidades imprevistas para reinventar a maneira como vivemos nossas vidas e forjar uma coexistência mutuamente benéfica com outras espécies. Seria maravilhoso se uma pesquisa cuidadosa durante esse período de crise nos ajudasse a encontrar maneiras inovadoras de controlar nosso estilo de vida cada vez mais expansivo [e predador], a redescobrir a importância de um ambiente saudável para o nosso bem-estar e a substituir o senso de propriedade por um sentimento de pertencer à Terra e de unidade”.

O estudo foi publicado na Nature Ecology and Evolution .


“E ouvireis de guerras e de rumores de guerras; olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim.  Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá FOMES, PESTES e TERREMOTOS, em vários lugares. Mas todas estas coisas são [APENAS] o princípio de dores.  Mateus 24:6-8

“E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas, Para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome. Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento, calcule o número da besta; porque é o número de um homem, e o seu número é seiscentos e sessenta e seis“.  –  Apocalipse 13:11-18


Leitura adicional:

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.