Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Cometa 12P/Pons-Brooks é o mais Estranho de todos os tempos

O cometa 12P/Pons-Brooks continua a confundir e assombrar os astrônomos, que estão monitorando as consequências de sua quarta grande erupção criovulcânica em 2023. Erupções anteriores em julho e outubro produziram “chifres do diabo”. A maior e mais recente explosão de 14 de novembro transformou o cometa em uma esfera verde-perolada com uma faixa escura em seu interior.

Cometa 12P/Pons-Brooks É O MAIS ESTRANHO DE TODOS OS TEMPOS ? 

Fontes: SpaceWeather.comCanaltech.com

O que você precisa saber:

  • O objeto cósmico denominado de 12P/Pons-Brooks (12P) é um cometa criovulcânico;
  • Ele é composto de uma concha dura e gelada cheia de gás, poeira e gelo, com diâmetro de cerca de 17 quilômetros [é muito grande] e uma cauda feita do material que vaza do seu interior;
  • Seu apelido, “Cometa do Diabo” é devido ao formato de chifre que sua cauda assume quando ele entra em erupção;
  • O cometa tem uma órbita elíptica que dura cerca de 71 anos;
  • Boa parte desse tempo, a bola de gelo viaja pelo Sistema Solar externo, e é facilmente observada pelos astrônomos somente quando está se aproximando do Sol. 

Os “chifres do diabo” de Julho e Outubro foram provavelmente causadas pela topografia complexa da superfície do cometa. A exaustão dos vulcões de gelo pode ser bloqueada e redirecionada por obstáculos, criando formas estranhas. Nesse caso, a faixa escura nos escombros em expansão deste mês pode ser apenas mais um bloqueio.

Eliot Herman, astrônomo amador e professor aposentado, capturou imagens do Cometa 12/P Pons-Brooks e seus chifres do diabo usando dois telescópios remotos em Utah. UAU!!

https://twitter.com/Me36140329Me/status/1719438295212396721?ref_src=twsrc%5Etfw%7Ctwcamp%5Etweetembed%7Ctwterm%5E1719438295212396721%7Ctwgr%5E51ed8ac90e0cd2216b8247f39d5f1af0b70060a6%7Ctwcon%5Es1_&ref_url=https%3A%2F%2Folhardigital.com.br%2F2023%2F11%2F09%2Fciencia-e-espaco%2Fcometa-do-diabo-explode-pela-terceira-vez-em-quatro-meses%2F

Eliot Herman, que fotografa o cometa todas as noites, tem uma ideia diferente: “Acho que a subestrutura é uma sombra”. ele diz. Numa fotografia com contraste melhorado do núcleo do cometa, Herman vê uma pluma brilhante, que pode remontar a uma abertura vulcânica específica:

“A faixa escura é curva e sua curvatura parece corresponder à da emissão de ventilação brilhante”, disse ele. ele observa. “Isso dá a impressão de que a faixa escura pode ser uma sombra da pluma mais brilhante projetada no coma.”

O cometa 12P/Pons-Brooks muda todas as noites, por isso o monitoramento é incentivado. O cometa está atualmente brilhando com magnitude 9, o que o torna um alvo fácil para telescópios amadores. Procure-o na constelação de Hércules, não muito longe da estrela brilhante Vega. [mapa do céu]

Os astrônomos observaram o cometa 12P sofrer sua primeira explosão em 69 anos no dia 20 de julho, o que tornou seu coma milhares de vezes maior que o seu núcleo. Depois, em outubro, foi registrada uma erupção ainda mais intensa nele. Quando o 12P/Pons-Brooks entra em erupção, seu coma forma as estruturas alongadas que lembram chifres.

As erupções acontecem devido ao grande núcleo do cometa, que mede 17 quilômetros de diâmetro e tem uma espécie de entalhe em sua superfície. A estrutura bloqueia o fluxo de criomagma que seguiria ao espaço, e faz com que o coma fique com formato irregular.

Cometa McNaught (C/2006 P1), também chamado de o Grande Cometa de 2007, é um cometa não periódico descoberto em 7 de agosto de 2006 pelo astrônomo  anglo-australiano Robert H. McNaught. Foi o mais brilhante cometa dos últimos 40 anos, e pôde ser observado a olho nu em ambos os hemisférios da Terra entre janeiro e fevereiro de 2007.

O cometa 12P/Pons-Brooks

O 12P é um cometa formada por um núcleo sólido que, em seu interior, tem gelo, gás e poeira. Este núcleo é cercado pelo chamado coma, uma nuvem difusa de materiais que escaparam do interior do cometa.

Além disso, o 12P/Pons-Brooks é um cometa criovulcânico. As erupções acontecem porque a luz do Sol aquece seu interior, fazendo com que a pressão ali aumente até romper a estrutura do núcleo. Quando isso acontece, estruturas congeladas do cometa são expelidas ao espaço, deixando seu coma mais brilhante em nossa perspectiva.

Em sua órbita elíptica, o 12P se aproxima do Sol e depois é lançado para longe no Sistema Solar externo. Ele vai chegar ao periélio (ponto de maior proximidade do Sol em abril de 2024, ficando a 116,7 milhões de quilômetros do astro. Em junho, o cometa vai fazer sua aproximação máxima da Terra, passando por 231,9 milhões de quilômetros de distância do nosso planeta.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *