browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Conheça seus Novos Senhores da Biotecnologia, como a Covid inaugurou próxima geração de Controle Digital

Posted by on 14/06/2022

Alguns anos atrás, comentaristas argumentavam que “armazenamento e venda de dados são o novo petróleo”[1]: um bem precioso que faz o mundo girar. Em vez de guerras pelo controle de recursos naturais, à la Iraque, Líbia e Síria, as novas batalhas serão travadas em paisagens informacionais por monopólios tecnológicos tirânicos cujo software é baseado em projetos que surgiram do setor militar financiado pelo Estado e cujo poder é grande demais para os governos quebrarem. 

Conheça seus Novos Senhores da Biotecnologia, como Covid inaugurou próxima geração de Controle Digital

Fonte: New Dawn Magazine

O transumanismo com fins lucrativos era o plano o tempo todo. Referindo-se aos implantes cerebrais, o fundador e chefe do que se tornou o Fórum Econômico Mundial[WEF], Klaus (Rothschild) Schwab, disse em 2016:

“primeiro vamos implantá-los em nossas roupas como ‘vestíveis’ e depois podemos imaginar que os implantaremos em nossos cérebros ou na nossa pele.” 

Schwab disse que isso eliminará as fronteiras entre o espaço digital e físico.[2] Em 2017, Jun Wang, cofundador da empresa de saúde iCarbonX, disse:

“Queremos uma figura 3-D exata de você: a gordura, o músculo – todo o formato do seu corpo, além do reconhecimento facial e o que está acontecendo com sua pele.”[3]

As respostas dos governos à pandemia de Covid em todo o mundo deram aos nossos novos senhores da biotecnologia a oportunidade perfeita de lançar e impor uma infinidade de gadgets de próxima geração para o controle total da humanidade. 

VENDENDO SEUS DADOS

Considere como as forças antidemocráticas exploraram os serviços nacionais de saúde para obter lucro. O empresário bilionário de tecnologia Peter Thiel escreveu uma vez: “Não acredito mais que liberdade e democracia sejam compatíveis”.[4] A In-Q-Tel é uma empresa de financiamento inicial da Agência Central de Inteligência [CIA] dos EUA cujos investimentos, com outros parceiros, ajudaram a criar o Google e a Palantir de Thiel: uma empresa de inteligência artificial e analítica.[5]

A Palantir recebeu contratos do Departamento de Defesa dos EUA em campos de batalha estrangeiros, incluindo o Afeganistão, para construir bancos de dados biométricos do mundo.[6]

O NHSX é uma unidade do Serviço Nacional de Saúde Britânico (NHS) projetada para colocar os últimos pregos no caixão do NHS digitalizando o atendimento ao paciente. Em julho de 2019, muito antes de o mundo estar ciente da crescente pandemia, Louis Mosley, da Palantir UK, jantou com o presidente do NHS England, David Prior. A dupla discutiu a venda de dados do NHS para a empresa norte-americana.[7]

Em 2020, com o Covid se espalhando pela Grã-Bretanha, a Palantir recebeu um contrato de £ 23 milhões sob o secreto Crown Commercial Services G-Cloud 11 Framework.[8] Mais tarde, o NHS desenvolveu seu próprio aplicativo para rastreamento, que em abril de 2021 o secretário de Transportes, Grant Shapps, disse que poderia ser usado para passaportes de viagem de vacina.[9]

A GenVis é uma empresa australiana especializada em análise de vigilância. Ele descreve a si mesmo e seus produtos como construindo e apresentando “casos criminais convincentes baseados em vídeo forense”, “inteligência em tempo real” e “gerenciamento de pessoas”.[10]

Um vídeo elegante da GenVis promove o aumento de 500% no CCTV da Austrália na última década, acrescentando que 80% das imagens não são utilizadas devido aos custos de monitoramento. O software de “mapeamento de caminho de inteligência” da GenVis pode corrigir esse suposto problema rastreando alvos e usando recursos visuais para facilitar a compreensão dos dados.[11]

As autoridades do sul e oeste da Austrália deram à GenVis um contrato para monitorar pacientes Covid em quarentena por meio do aplicativo G2G Now, que a polícia também utiliza para impor restrições de viagem.[12]

VACINAS E RASTREAMENTO

A Accenture é uma empresa com presença australiana que fornece vários serviços, incluindo inteligência artificial, segurança cibernética e análise de dados.[13] A Accenture também ganhou contratos de consultoria militar e promove o setor aeroespacial em seu site.[14] Em março de 2021, o governo australiano se uniu a várias empresas, incluindo a Accenture, para entregar vacinas à população. Greg Hunt, Ministro da Saúde e Cuidados ao Idoso, disse:

“A Accenture fornecerá o rastreamento das doses da vacina, além de permitir o monitoramento geral da implementação do programa”.[15] As reservas de vacinas seriam gerenciadas pela HealthEngine: uma empresa que possui 1,5 milhão de usuários mensais, a maioria dos quais são 70.000 GPs e clínicas de saúde da Austrália. Mas a empresa já havia sido multada por compartilhar ilegalmente dados de seus pacientes.[16]

A International Business Machines (IBM) forneceu sistemas de cartões perfurados Hollerith para a Alemanha nazista, que o regime usava para codificar e tabular não-arianos para trabalho escravo e extermínio.[17] A IBM também ganhou dinheiro à custa do contribuinte americano. Na década de 1950, por exemplo, o computador IBM 701 processava 17.000 instruções por segundo para pesquisadores e o governo dos EUA.[18]

A pandemia Covid deu à IBM a oportunidade de utilizar sua coleta e processamento de dados para serviços de saúde pública. O governo dos EUA contratou a IBM para desenvolver um Digital Health Pass. A operação é descrita da seguinte forma: “Farmácias e laboratórios podem emitir credenciais verificáveis ​​– como resultados de testes ou certificados de vacina Covid-19 – e enviar para o smartphone de um indivíduo”. [19]

De acordo com o Estado de Nova York, o Excelsior Pass “fornece uma maneira gratuita, rápida e segura de apresentar provas digitais de vacinação contra Covid-19 ou resultados negativos de testes”.[20] O Excelsior Pass é baseado no Digital Health Pass da IBM.[21] A Carbon Health, Commons Project, CARIN Alliance, Evernorth, Mayo Clinic, Microsoft, MITRE Corporation e muitos outros geraram uma mini indústria de vacinas/passaportes de teste por meio de aplicativos e iniciativas como Change Healthcare, FirstVitals e VaxYes.[22]

VIDA ACORRENTADAS

Os sistemas da IBM são construídos em um novo modelo de armazenamento de dados que cria novos terminais vinculados a informações anteriores: blockchain. Os defensores do Blockchain reconhecem que os dados de ponta a ponta podem acelerar os resultados dos testes e os certificados de vacinas.[23]Mas o blockchain potencialmente ameaça a privacidade ao incluir na cadeia todos os pontos informativos de saúde sobre uma determinada pessoa. 

Por décadas, os defensores da privacidade alertaram sobre os passos incrementais em direção a uma sociedade sem dinheiro em que cada transação de cada cidadão não é apenas rastreada, registrada e analisada, mas também comercializada e controlada na forma de capitalismo de vigilância. Os hábitos de compra formam perfis pessoais do consumidor dos quais lucram companhias de seguros, corretores de dados e anunciantes. O sistema Blockchain foi criado especificamente para transações de dinheiro digital sem dinheiro chamado criptomoeda.[24]

O medo de pegar Covid tornou um número crescente de consumidores e vendedores de lojas cada vez mais relutantes em lidar com dinheiro, tanto que, em novembro de 2020, quase seis em cada 10 consumidores estavam dispostos a pagar taxas bancárias para fazer transações não físicas.[25]

Assim como as empresas de dados, os designers de criptomoedas usaram o Covid como uma oportunidade para promover seus produtos. “Os governos estão muito interessados ​​na sociedade sem dinheiro”, diz o Financial Times. Nos EUA, o Federal Reserve colocou seu dinheiro em quarentena. O Partido da Comunidade Chinesa, favorável ao comércio eletrônico, que já havia incentivado o pagamento por códigos QR, literalmente desinfectou seu dinheiro. O Reserve Bank of India tem incentivado ativamente os pagamentos eletrônicos.[26]

VOCÊ É OS SEUS DADOS

A tecnologia financeira (fintech) é outro setor ativamente estimulado pelos governos. A revista FinTech relata que o tipo de biometria idealizado por Klaus Schwab surgiu no século 19 com o eugenista Francis Galton. À medida que um número crescente de aplicativos e softwares em iPhones, iPads e outros dispositivos oferecem aos usuários a opção ou, de fato, exigem reconhecimento de impressões digitais, impressões palmares, reconhecimento de voz e varreduras oculares, as criptomoedas andam de mãos dadas com a biometria. Criado pelo empresário Mihai Draghici, o PayByFace, por exemplo, usa algoritmos de reconhecimento facial para viabilizar transações instantâneas. Empresas semelhantes se concentraram no reconhecimento dos olhos à luz dos mandatos de máscara que inutilizam o software de reconhecimento de rosto inteiro.[27]

Nos Estados Unidos, o Scripps Research Translational Institute “objetiva tornar a medicina individualizada uma realidade para todos. Usamos as ferramentas da genômica e da medicina digital combinadas com técnicas de informática de ponta para entender melhor cada indivíduo e, finalmente, tornar os cuidados de saúde mais eficazes” [28]

Ao longo dos anos, o Instituto recebeu dinheiro do Departamento de Defesa dos EUA, incluindo doações para construir um sistema imunológico artificial.[29] Em agosto de 2020, os funcionários do Sistema de Trânsito Metropolitano de San Diego usaram o relógio Fitbit, produzido pelo Instituto, projetado para identificar os primeiros sintomas do Covid.[30]

Em 2018, a Amazon adquiriu a Wholefoods por US$ 13,4 bilhões. Alguns meses atrás, foi relatado que nas lojas Wholefoods em Seattle, os clientes poderão acenar com as palmas das mãos em dispositivos de pagamento biométricos, como faziam anteriormente nas lojas Amazon One.[31] A notícia chega em um momento em que os motoristas do Amazon Prime estão se demitindo devido às exigências da empresa de que eles concordem em fornecer seus dados biométricos na forma de vigilância no carro que os monitora para autenticar sua identidade e rastrear seus níveis de fadiga enquanto dirigem.[32]

Rompendo o espaço interior soberano 

Em uma era do que o Pentágono dos EUA chama de “dominância de espectro total”[??], esses nós separados de tecnologia criam um todo coeso que escaneia, rastreia e monitora não apenas todos os movimentos e transações digitais, mas, cada vez mais, o espaço interno muito íntimo e soberano. do ser humano. 

A antiga sabedoria que ensina a falta de separação entre o humano e o infinito de Deus está sendo substituída por um novo paradigma filosófico: o humano como um ponto de dados no universo infinito de 0s e 1s, cujos deuses são os capitalistas de vigilância e transumanistas, como Jun Wang e, mais poderosamente, Klaus (Rothschild) Schwab e sua laia tecnofascista. 

Este artigo foi publicado em New Dawn 187 .


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é thoth-3126-1.png

“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.