browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Coronavírus apenas expôs o “Cassino” de Wall Street e as fraquezas da economia dos EUA

Posted by on 25/03/2020

Um pacote de US$ 2 trilhões pela “impressão” para doação de dinheiro por si só não vai corrigir o problema: Enquanto o Congresso e o presidente Trump discutem sobre um enorme pacote de estímulo financeiro projetado para manter a economia americana de pé, eles precisam enfrentar as reais questões existenciais que o país enfrenta.  Apesar de toda a disputa política, haverá um pacote nacional de estímulo econômico aprovado pelo Congresso e assinado pelo presidente. O imperativo político doméstico garante que o mesmo saia. A economia americana fechou em grande parte devido ao bloqueio social exigido pela pandemia de coronavírus, e sem um pacote de estímulos, todo o sistema econômico, mas especialmente o financeiro, entraria em colapso com pouca esperança de se recuperar totalmente.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

O coronavírus Covid-19 expôs como a economia e a sociedade americanas estão quebradas, falidas – um pacote de cerca de US$ 2 trilhões por si só não vai corrigir o problema

Fonte:  https://www.rt.com/op-ed/

Scott Ritter é um ex-oficial de inteligência do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA. Ele serviu na União Soviética como inspetor implementando o Tratado INF, na equipe do General Schwarzkopf durante a Guerra do Golfo e de 1991 a 1998 como inspetor de armas da ONU. Siga-o no Twitter @RealScottRitter

O custo do pacote será de aproximadamente US$ 2 trilhões, mais ou menos algumas centenas de bilhões. Não importa qual seja o valor final, ele excederá de longe os quase US$ 1,5 trilhão de pacotes combinados de resgate / estímulo aprovados pelos presidentes George W. Bush e Barack Obama para se recuperar da crise econômica de 2008.

O pacote de 2008, no entanto, foi um contrato único; o estímulo ao coronavírus cobre um período de aproximadamente um mês, após o qual a economia é reiniciada, ou o Congresso e o presidente analisarão a necessidade de um pacote de estímulo subsequente de tamanho e escopo semelhantes.

A pandemia de coronavírus expôs algumas verdades desconfortáveis ​​sobre o estado da América hoje. Primeiro e acima de tudo, é a atual fragilidade da economia americana. Depois de anos terceirizando a fabricação, os Estados Unidos construíram uma economia em que as indústrias de serviços representam cerca de 55% da atividade econômica geral. Na era da globalização, com a interconectividade funcionando perfeitamente, esse modelo conseguiu gerar a aparência de prosperidade, com um mercado de ações em expansão e aumento do PIB.

A realidade, no entanto, é que a economia americana carece de resiliência em tempos de crise. A guerra comercial em curso com a China, combinada com um mercado global de petróleo deprimido, estava expondo essa realidade antes da pandemia do coronavírus chegar. O bloqueio nacional e a paralisação econômica resultante apenas aceleraram o que era uma recessão econômica gradual em andamento. Mesmo que a economia dos EUA pudesse ser retirada do suporte de vida impulsionado por estímulos, as condições que precederam a paralisação ainda existem e, se é que alguma coisa, só foram exacerbadas e pioradas pelo impacto da pandemia na saúde econômica global.

Demonstrou-se que as empresas americanas têm pouca capacidade de planejar contingências em “dias de chuva”, concentrando todos os seus recursos econômicos na geração de lucro a curto prazo NA ESPECULAÇÃO DOS CASSINOS DE WALL STREET. E a classe trabalhadora americana também foi exposta como vivendo à beira de uma catástrofe, com poucos americanos capazes de recorrer a economias que lhes permitiriam enfrentar um período de inatividade econômica sustentada ou, pior ainda, pagar por serviços de saúde de emergência.

A outra verdade desconfortável sobre a América que foi exposta pela crise do coronavírus é a fragilidade geral da sociedade americana. A emergência médica provocada pela necessidade de tratar esse vírus mostrou que o que passa para um sistema nacional de saúde é, de fato, uma construção frágil de instituições com fins lucrativos, suscetíveis de serem rapidamente sobrecarregadas e incapazes de funcionar quando o fluxo de caixa de cuidados de saúde muito caros foram cortados.

A crise do coronavírus revelou a realidade do sistema de saúde dos EUA hoje – a maioria dos americanos não tem os meios necessários para obter assistência médica de qualidade quando necessário – o custo desses cuidados é proibitivo, assim como os prêmios de seguro que se deve pagar para cobri-los.

O presidente Trump, ao apoiar o pacote de estímulo econômico de emergência, questionou se essa abordagem é sustentável. A resposta curta é que não é. Além dos aproximadamente US$ 2 trilhões que o estímulo está adicionando à dívida do Tesouro dos EUA, o Federal Reserve injeta trilhões adicionais no mercado acionário americano, disponibilizando dinheiro praticamente sem juros para resgatar as perdas dos bancos e financiadores norte-americanos.

O objetivo dessa injeção livre de dinheiro é estimular o crescimento econômico em um sistema que pretende ser construído com base nos princípios [do bom uso] do capital privado. Mas quando um mercado de capital ostensivamente privado deve ser estimulado por infusões de capital pelo governo, ele não é mais privado nem líquido, [pois os lucros da especulação ficam no bolso de poucos e quando a banca quebra é “socializado” para todos os contribuintes].

Trump está lutando com a horrível realidade de que, para tirar a economia americana da dependência do apoio do governo, ele deve suspender as restrições à socialização que foram impostas para desacelerar e reduzir a transmissão humano-a-humano da doença por coronavírus. Ainda não se sabe se esse movimento é economicamente sólido, clinicamente aconselhável ou politicamente viável. Mas uma coisa é certa – os EUA estão em uma encruzilhada em sua história que será definitiva.

O melhor cenário de Trump é que ele pode dar um salto inicial na economia dos EUA, recuperando-a em todos os cilindros para retomar de onde parou antes do desligamento inspirado no coronavírus. Mesmo que esse plano funcionasse, no entanto, não resolveria as deficiências subjacentes no modelo econômico e social [nota de Thoth: em absoluto DESARRANJO pela polarização da sociedade e porque Wall Street e os mercados financeiros são verdadeiros cassinos e casas de prostituição] dos EUA que foram expostas como resultado da crise.

A outra alternativa é reconhecer a realidade da situação que os EUA enfrentam atualmente – que a crise quebrou fundamentalmente a economia americana em todos os seus fundamentos, juntamente com “o modelo americano de sociedade” que a impulsionou e sustentou.

Corrigir as inúmeras falhas e questões que foram desmascaradas e expostas pelo Covid-19 exigirá um nível de intervenção econômica do governo ao longo do tempo que afastará para sempre os Estados Unidos da visão de prosperidade inspirada pelo capitalismo que aspirava, rumo a uma forma mais igualitária de sociedade fundada [também no falido] no modelo europeu que muitos americanos alegam desdém.

Trump, o capitalista por excelência, reconhece essa realidade. Ele sabe que a decisão de reiniciar a economia americana é muito mais do que uma questão de simples economia. Estamos naquele momento da história que toca na sobrevivência existencial da América como a conhecemos.

Acha que seus amigos estariam interessados? Compartilhe esta história!


Estamos vendo o uso do surto global do coronavírus COVID-19 [fabricado em laboratório]  sendo usado em todo o mundo para colapsar mercados e criar instabilidade financeira maciça. George Soros entrou em colapso de todo o sistema financeiro britânico sozinho, com certeza ficou quieto ultimamente, eu me pergunto o que ele tem feito nisso tudo. 

Aqui na América, acredito que a mídia MSM Pre$$titute e os democratas que eles amam tanto estão trabalhando incansavelmente o tempo todo para armar o COVID-19 para impedir a releição de Trump em novembro. Há anos que estamos avisando que esse dia chegará, já chegou? Fique ligado pois os próximos dias serão eletrizantes.


Você quer mesmo saber como esse coronavírus “surgiu na China” e se espalhou pelo mundo em pouco tempo? Ao pesquisar os arquivos de registros de patentes nos EUA on-line, foi descoberto o registro de uma patente de Coronavírus concedida para o C.D.C. –  Centers for Disease Control and Prevention [se trata do principal instituto nacional de saúde pública dos EUA. O C.D.C. é uma agência federal dos EUA sob o United States Department of Health & Human Services (HHS)] que tem sua sede em Atlanta, Geórgia. Assim emerge um fato indiscutível, o de que o “DONO” DESSE VÍRUS MORTAL E SEU CRIADOR é o PRÓPRIO C.D.C. (Centro de Controle e Prevenção de Doenças)

O coronavírus do surto atual não teve origem na China, mas FOI IMPLANTADO neste país asiático com a clara intenção de causar o maior dano possível aos chineses. A consequência natural, quando  [se já não descobriu] a China perceber que a eclosão do surto pode ter sido um ataque de BIOWEAPON ao seu território e contra seu povo, qual será o tipo de resposta a ser dada pela China aos [ir]responsáveis pela contaminação. Começamos a ano de 2020 com muitos que operam nas sombras desejando aumentar o caos no planeta.

PATENTE de criação de um CORONAVÍRUS fornecida ao CDC (Centers for Disease Control and Prevention)  US7220852B1 – SOBRE A CRIAÇÃO DE CORONAVÍRUS [SARS] ….

Na patente acima, do registro de um CORONAVÍRUS [uma BIOWEAPON], você encontrará 72 páginas de conteúdo para poder julgar esse letal “surto repentino e desconhecido de coronavírus” na ChinaLeia a patente nesse link primeiro, faça o download e compartilhe este artigo amplamente antes que os AGENTES do DEEP STATE a excluam. Mantenha-se sábio, com discernimento e saudável!


“E ouvireis de guerras e de rumores de guerras; olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim.  Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá FOMES, PESTES e TERREMOTOS, em vários lugares. Mas todas estas coisas são [APENAS] o princípio de dores. 

Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos ão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome. Nesse tempo muitos serão escandalizados, e trair-se-ão uns aos outros, e uns aos outros se odiarãoE surgirão muitos FALSOS PROFETAS, e enganarão a muitos. E, por se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos esfriará. Mas aquele que perseverar até ao fim, esse será salvo”.  Mateus 24:6-13

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.