browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Cresce nº de militares ucranianos que estão se recusando a lutar nas linhas de frente do Donbass: “Enviados para morte certa”

Posted by on 21/06/2022

Muitos soldados ucranianos estão aterrorizados com as condições de combate nas linhas de frente e pedem ajuda nas redes sociais. Os soldados ucranianos estão cada vez mais abandonando suas posições e postando vídeos nas mídias sociais com reclamações sobre os seus comandos. Por que o número de deserções está aumentando no país devastado pela guerra?

‘Enviado para a morte certa’: por que um número crescente de militares ucranianos estão se recusando a lutar nas linhas de frente do Donbass

Fonte: Rússia Today

A assistência total dos países ocidentais à Ucrânia já ultrapassou o orçamento militar do país para 2022, que era de US$ 12 bilhões. E isso sem levar em conta as doações humanitárias de cidadãos comuns de todo o mundo. Muito em breve, a Ucrânia receberá outros US$ 20 bilhões para suas necessidades militares dos Estados Unidos.

Parece que essa enorme infusão de fundos e fornecimento incessante de armas do exterior deve resolver todos os problemas das Forças Armadas da Ucrânia. No entanto, seus soldados estão cada vez mais abandonando suas posições sem autorização, recusando-se a ir para a linha de frente em Donbass e publicando mensagens de vídeo online nas quais criticam seus comandantes. 

Neste artigo, a RT analisa por que, apesar da enorme ajuda externa à Ucrânia, o número de problemas envolvendo o envio de militares para o front está crescendo e por que os soldados ucranianos estão desertando com cada vez mais frequência.

Um escandaloso e incrível projeto de lei apresentado pela deputada Mariana Bezugla [do parlamento da Ucrânia] Verkhovna Rada, dando aos oficiais o direito de executar militares ucranianos por deserção, foi retirado em 24 de maio com autoridades estão soando o alarme.

De fato, as unidades das Forças Armadas da Ucrânia em Donbass estão cada vez mais enfrentando situações em que o apoio logístico é simplesmente inexistente: não há munição, comida, água ou apoio de artilharia. Muitos vídeos apareceram recentemente na web que foram postados pelos próprios soldados. 

Como regra, eles confirmam sua saída não autorizada da linha de frente, explicando suas razões. Muitos deles vêm de militares na área de Severodonetsk e Lisichansk, onde as batalhas mais brutais estão ocorrendo atualmente no Donbass.

Crítica à cadeia de comando

Talvez um dos vídeos mais sensacionais, publicado em 28 de abril, continha uma mensagem de membros da 79ª Brigada de Assalto Aerotransportada descrevendo a brutalidade de seus comandantes. Segundo os comandos, a unidade foi levada para uma floresta próxima ao vilarejo de Yampol, na região de Donetsk, e deixada ali para morrer. 

“Ficamos sentados lá por cinco ou seis dias, e os comandantes nos abandonaram… E agora estamos sendo feitos desertores pelo fato de termos sobrevivido… Há muitos cadáveres ainda ali naqueles poços.” 

Ressaltaram os sobreviventes que pediram ajuda, mas o comandante deu a ordem de “andar corpo a corpo contra os tanques”. Agora, os pára-quedistas sobreviventes enfrentam julgamentos por deserção.

Curiosamente, depois que o vídeo foi publicado, muitos leitores no segmento ucraniano da internet começaram a declarar que essa notícia era falsa, embora até o conselheiro presidencial ucraniano Alexey Arestovich a tenha confirmado

No entanto, logo apareceu um segundo vídeo, gravado por alguns paraquedistas que confirmaram a autenticidade da história no primeiro vídeo e tentaram explicar por que haviam apelado ao povo ucraniano. “Não vou mais usar o uniforme desta brigada, e metade de nós aqui sente o mesmo” , disse o paraquedista Andrey Berezinsky.

As críticas ao comando das Forças Armadas da Ucrânia por militares não têm sido incomuns nos últimos meses. A 115ª Brigada de Defesa Territorial informou que os soldados não haviam recebido nenhum treinamento sobre como cavar sob fogo de artilharia e morteiro. 

Soldados em Severodonetsk gravaram um vídeo no qual se queixavam ao presidente ucraniano Volodymyr Zelensky e ao comandante em chefe das Forças Armadas da Ucrânia, Valery Zaluzhny, sobre a falta de armas pesadas e reforços. Os soldados denunciaram a incompetência de seus comandantes, que disseram ter permanecido na retaguarda. “Estamos simplesmente sendo enviados para a morte certa. Não há liderança de combate, nem comandante de combate, nem respeito pelas pessoas”.

No entanto, o comando militar não gostou dessa diligência e acusou todos os soldados de ‘deserção’.  Consequentemente, um escândalo eclodiu com a participação de parentes dos militares, que pediram ajuda ao Gabinete do Presidente da Ucrânia:

“Meu marido foi para a guerra como voluntário e agora está sentado sob bombardeios em Severodonetsk.  Não há comando, eles são seus próprios comandantes. E as pessoas que deixaram a brigada foram presas como desertoras. Como?! Como eles podem lutar sem nada? Com pás, talvez, ou com o quê? disse uma das esposas de militares.“A 115ª Brigada não é desertora! Eles apenas os jogam como bucha de canhão. Eles estão enfrentando tanques com metralhadoras dos anos 80. Por que eles estão morrendo? Para que aqueles [oficiais] sentados no QG possam receber estrelas?” outra mulher se expressou com indignação.

Suprimentos

No início de junho, a Radio France Internationale informou de um local perto de Severodonetsk que “o declínio está se formando” nas Forças Armadas da Ucrânia à medida que os combates no Donbass se intensificam. “Um movimento de descontentamento está surgindo entre os soldados: eles estão se queixando cada vez mais da falta de suprimentos e apoio de seu comando”, observou, acrescentando que os soldados perto de Lisichansk descrevem o que está acontecendo no front como o inferno na Terra”.

Um dos principais problemas que desmoraliza muito os soldados continua sendo o abastecimento. O sargento Roman Ilchenko declarou diretamente aos jornalistas franceses que …:

 “… os soldados russos têm artilharia, veículos blindados, e suas forças são de cinco a seis vezes maiores que as nossas… Só tínhamos metralhadoras e RPGs de 1986. Uma metralhadora Degtyarov de 1943. E a Maxim metralhadora de 1933. Também temos um sistema de mísseis antitanque portátil NLAW sueco, mas a bateria não funcionou. Isso é tudo o que tínhamos”, disse Vladimir Khaarchuk, membro do 20º Batalhão, descrevendo sua última operação. 

O soldado Andrey Shevchenko acredita que, se as Forças Armadas da Ucrânia não fortalecerem sua artilharia, não poderão fazer nada.

Anteriormente, outro grande meio de comunicação estrangeiro havia relatado sobre os problemas de abastecimento do Exército ucraniano. No final de maio, o Washington Post noticiou a prisão do comandante da companhia ucraniana Sergei Lapko, que havia dado recentemente uma entrevista ao jornal dos EUA. 

O oficial ucraniano contou ao WaPo sobre a situação extremamente difícil no front, particularmente na área de Severodonetsk e Lisichansk. O Estado-Maior ucraniano, bem como o presidente da Administração Militar regional de Lugansk, Sergey Gaidai, também informaram sobre a difícil situação dos militares ucranianos na região de Lugansk. De fato, há um fluxo constante de mensagens desse tipo vindas de soldados ucranianos agora, mas a história de Lapko acrescentou muitos detalhes à imagem do que realmente está acontecendo.

“Antes de sermos enviados para o front, recebemos fuzis de assalto AK-47 e tivemos uma sessão de treinamento que durou menos de meia hora. Quando disparamos 30 balas, nos disseram que não conseguiríamos mais porque a munição é muito cara” , disse ele. 

Quando sua companhia foi enviada para Donbass, vinte pessoas se recusaram imediatamente e foram presas por deserção. “Quando estávamos vindo para cá, nos disseram que estaríamos na terceira linha de defesa. Em vez disso, fomos para a linha zero, a linha de frente. Não sabíamos para onde estávamos indo.”  De sua companhia de 120 homens, apenas 54 permaneceram nas fileiras – o restante morreu, foi ferido ou desertou.

“Vemos na televisão ucraniana que não há perdas. Não é verdade”, disse o comandante. Ele acredita que as perdas são mantidas em segredo para preservar o moral dos soldados e do público ucraniano em geral. O soldado observou que, apesar de todas as dificuldades, suas tropas lutaram bravamente, mas o combate causou grandes danos à sua companhia, bem como a outras unidades da região. 

O Washington Post escreve que a maioria das mortes ocorreu porque os soldados feridos não foram evacuados com rapidez suficiente, muitas vezes esperando 12 horas para serem transportados para o hospital militar de Lisichansk.

O soldado abordou separadamente as relações com o comando. “Nosso comando não assume nenhuma responsabilidade. Eles levam crédito apenas por nossas realizações. Eles não nos dão nenhum apoio” , disse. Ele também reclamou de problemas com água e má nutrição – os militares tinham que se contentar com uma batata por dia.

Poucas horas após a publicação da entrevista, o Serviço de Segurança da Ucrânia (SBU) deteve várias pessoas da companhia de Lapko sob a acusação de deserção. O próprio comandante da companhia foi suspenso do serviço e colocado em um centro de detenção pré-julgamento em Lisichansk, e seu futuro destino não foi relatado. No entanto, após sua entrevista ressonante, a mídia ucraniana começou a prestar mais atenção às mensagens de vídeo de soldados descrevendo problemas no front.

Deserção

Tal como acontece com as forças armadas de outros países, existem disposições legislativas na Ucrânia que responsabilizam legalmente os militares pela deserção – artigo 408 do Código Penal. Além disso, a deserção sob a lei marcial ou em situação de combate prevê punições bastante severas – de cinco a doze anos de prisão. No entanto, essas medidas não impediram que os soldados de algumas unidades das Forças Armadas da Ucrânia deixassem suas posições.

Mesmo no período inicial do conflito, soldados individuais deixaram voluntariamente suas unidades.  incapazes de suportar as duras condições do front, eles decidiram escapar de forma independente da frente de combate. Os primeiros casos de deserção do grupo começaram no final de abril e foram associados à deterioração da situação das Forças Armadas da Ucrânia em Donbass. Naquela época, o Ministério da Defesa russo afirmou que mais de 860 soldados haviam desertado das unidades da Guarda Nacional da Ucrânia.

Já escrevemos sobre um caso em que um pelotão inteiro da 115ª Brigada de Defesa Territorial apelou a Zelensky e Zaluzhny com a recusa de realizar uma missão de combate perto de Severodonetsk. Mais tarde, uma declaração semelhante foi registrada por unidades da 58ª Brigada e do 46º batalhão de fuzileiros separados. Os soldados acusaram o comando de jogá-los em uma situação desesperadora como bucha de canhão para tapar as áreas mais problemáticas do front. 

Eles estavam a caminho de Zaporozhye, mas acabaram na frente perto de Popasna – um dos pontos mais quentes de Donbass. Eles não tinham armas pesadas, não chegaram suprimentos e o comando se mostrou incompetente. Como resultado, eles sofreram pesadas perdas e tiveram que recuar de suas posições.

Literalmente ao mesmo tempo, outra gravação apareceu do Donbass, onde os militares da 71ª Brigada Jaeger se recusaram diretamente a cumprir uma ordem de seus oficiais para entrar no campo de batalha desarmados contra armas e obuses e filmar em vídeo. Os soldados consideraram a ordem “criminosa” e deixaram as posições. 

“Estamos com metralhadoras contra canhões, Grads e morteiros. Ninguém nos ajuda. Não temos armas pesadas, não há nada. Como podemos lutar por um país que não se importa conosco?” reclama um dos soldados. “Não queremos entrar no moedor de carne e sair carne moída. Não temos tanques, veículos de combate de infantaria, armas…” um segundo ecoa. No final do apelo, os combatentes acrescentaram que têm apenas algumas dúzias de morteiros e estes “só funcionam quando querem”.

Zelensky também recebeu um apelo de militares da unidade 7093 ligados à 57ª Brigada do Exército Ucraniano, que também não gostaram do front. Eles reclamaram da falta de armas pesadas e da ausência de oficiais, a maioria dos quais morreu durante os combates em Lugansk. Esses casos ressonantes indicam que, além de membros de unidades de defesa territorial, membros de unidades regulares do Exército ucraniano também estão se retirando de suas posições. 

Em outras palavras, mesmo que o Exército ucraniano tenha pessoal suficiente para formar novas brigadas, ele não tem o número mínimo de veículos blindados para abastecê-los, então é impossível criar formações prontas para o combate a partir dos recrutas.

Protestos da retaguarda

Ao mesmo tempo, os escândalos também estão chocando a retaguarda. Longe do combate em Stry, na região de Lviv, os parentes dos combatentes do 65º batalhão da 103ª Brigada da Defesa Territorial fizeram um protesto quando pegaram o comandante da unidade na cidade enquanto seus homens lutavam na linha de frente. Eles afirmaram que foram enviados diretamente para Donbass, despreparados e sem armas, em vez de proteger a região de Lviv.

Em uma reunião com representantes da Defesa Territorial das Forças Armadas da Ucrânia, os parentes dos soldados exigiram que os homens voltassem para casa porque, segundo eles, não estão prontos para o combate. “Os combatentes despreparados receberam uma metralhadora e duas granadas e foram enviados para parar um exército que excedia em muito nossos soldados”, reclamou Valentina Mamon, de Stry .

“Eles foram para a frente em seus próprios carros, que também tiveram que reabastecer. Eles passaram várias horas em poços com metralhadoras. E, mais importante, eles atiraram em seus próprios soldados em retirada. Ainda bem que não houve vítimas. Quando os voluntários trouxeram os walkie-talkies, o quartel-general do batalhão os levou”, acrescentou Galina Sidor. Muitas das mulheres também dizem que combatentes despreparados foram lançados para parar o inimigo apenas “com as próprias mãos”.

Os protestos também se espalharam para outra região no oeste da Ucrânia – Transcarpathia. Em Khust, mulheres atacaram um comissário militar pelo fato de seus homens terem sido enviados para Donbass sem coletes à prova de balas ou capacetes. Elas acusaram o escritório de alistamento militar de violações e suborno. De acordo com as informações delas, você pode escapar de ser enviado ao Donbass por US$ 3.000.

Também houve alegações de que pessoas com doenças cardíacas crônicas ou asma estão sendo enviadas para o front. “Com base em que essas pessoas despreparadas, que não passaram no exame médico, foram recrutadas e enviadas para o front? Especificamente meu marido, que teve um ataque cardíaco e precisa de um transplante de coração”, disse Inna Salautina, esposa de um dos militares da 101ª Brigada de Defesa Territorial.

No entanto, o Ministério da Defesa da Ucrânia não tem pressa em admitir seus erros, embora anteriormente o ministério tenha dito que não enviaria pessoas para o front sem treinamento prévio. Ao mesmo tempo, o comando observa que o envio de tropas de defesa territorial para Donbass das regiões ocidentais do país é legal.

“Existe uma lei existente, alterada em 27 de janeiro, segundo a qual, por ordem do Comandante-em-Chefe das Forças Armadas da Ucrânia, os batalhões de Defesa Territorial podem ser envolvidos em tarefas fora de suas regiões por determinados motivos”,  disse Vitaly Kupri, assessor do Comandante das Forças de Defesa Territoriais.

Numerosos casos de deserção e reclamações sobre suprimentos, juntamente com perdas e rendições voluntárias, indicam que as Forças Armadas da Ucrânia na defesa em Donbass estão enfrentando grandes problemas. Vídeos estão aparecendo cada vez mais na linha de frente em que os soldados ucranianos confirmam que estão desertando. Obviamente, a situação das Forças Armadas da Ucrânia nesta região sofre quando as posições são abandonadas sem autorização. 

Apesar da ajuda externa com armas, munições e inteligência, com o prolongamento das hostilidades, esses casos tendem a se tornar cada vez mais comuns, à medida que se fazem sentir cansaço, problemas econômicos, além da corrupção endêmica.

Por Petr Lavrenin,  jornalista político, especialista na Rússia e na antiga União Soviética.


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é thoth-3126-1.png

“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

2 Responses to Cresce nº de militares ucranianos que estão se recusando a lutar nas linhas de frente do Donbass: “Enviados para morte certa”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.