Destruição Intencional: Primeiro o Covid, as Guerras, agora vem “The Great Taking”

A Grande Depressão em 1929 foi um plano muito bem executado para confiscar bens, riquezas, empobrecer a população e refazer a sociedade nos moldes que seus perpetradores queriam, no estilo atual do “GREAT RESET” dos psicopatas globalistas do WEF-Fórum Econômico Mundial. O que vem a seguir é pior… Um livro recente de David Webb lança uma nova luz sobre exatamente o que aconteceu durante a Grande Depressão. Na opinião de Webb, especialista na área, tudo foi uma armação muito bem programada, e vai se repetir em maior escala, a GLOBAL.

Destruição Intencional: Primeiro o Covid, Guerras, agora vem “A Grande Tomada”

Fonte: Substack de Doug Casey – De autoria de Matthew Smith

Webb é um ex-banqueiro de investimentos e gestor de fundos de hedge bem-sucedido, com experiência nos mais altos níveis do sistema financeiro. Ele publicou The Great Taking há alguns meses e recentemente o complementou com um documentário em vídeo. Completo, conciso, compreensível e GRATUITO. Por que? Porque ele quer que todos entendam o que está sendo feito.

O The Great Taking descreve o roteiro para colapsar o sistema INTENCIONALMENTE, suprimir as pessoas e confiscar todos os seus bens. E inclui os recibos.

Você já não possui nada

O livro de Webb ilustra, entre outras coisas, como as alterações no Código Comercial Uniforme-CCU converteram a propriedade de ativos num direito de segurança. A designação de “direito” tornou a propriedade pessoal uma mera reivindicação contratual. A pessoa “titulada” é um proprietário “beneficiário”, mas não mais o proprietário legal.

No caso de uma instituição financeira ser insolvente, falir, o proprietário legal é a “entidade que controla o título com garantia real”. Em essência, os ativos dos clientes pertencem aos bancos. Mas é muito pior do que isso. Não se trata simplesmente de perder o seu dinheiro devido ao resgate bancárioTodo o sistema financeiro internacional foi preparado para uma demolição controlada.

Webb descreve em detalhes como a armadilha foi armada e como a Grande Depressão oferece um precedente. Em 1933, FDR declarou “feriado bancário”. Por ordem executiva, os bancos foram fechados. Mais tarde, apenas aqueles aprovados pelo Fed [o “pseudo” Banco central dos EUA controlado pelos banqueiros Rothschild] foram autorizados a reabrir. 

Milhares de bancos foram deixados para morrer. As pessoas com dinheiro nessas instituições desfavorecidas perderam tudo, bem como tudo o que tinham financiado (casas, carros, empresas) e que agora não podiam pagar. Depois, alguns bancos “escolhidos” consolidaram comprando todos os ativos do sistema.

Centralização e Risco Sistêmico

Como mostra Webb, o bolo já está pronto há anos. Mas esta semana veio um sinal de que está saindo do forno. Na segunda-feira passada [11], A Bloomberg admitiu que as medidas tomadas para aparentemente “proteger o sistema” na verdade amplificam o risco.

Na esteira da crise financeira de 2008, os “líderes” do G-20; determinaram que todos os derivados padronizados de balcão (OTC) fossem compensados ​​através de contrapartes centrais (CCP), aparentemente para reduzir o risco da contraparte e aumentar a transparência do mercado. A CCP mais conhecida nos EUA é a Depository Trust and Clearing Corporation (DTCC), que processa trilhões de dólares em transações de títulos todos os dias. 

Antes de 2012, as negociações de derivados OTC eram bilaterais e o risco de contraparte era gerido pelas partes de uma transação. Ao fazer negócios diretamente com outras empresas, cada uma tinha que ter certeza de que estava negociando com partes confiáveis. Se tivessem má reputação ou não fossem dignos de crédito, as contrapartes poderiam considerá-los tóxicos e excluí-los das negociações. Isto, de acordo com “a sábia liderança” dos {marionetes corruptos] políticos do G-20, era demasiado arriscado.

Com a introdução de mandatos de compensação central, o risco de contraparte foi transferido, através das CCP, das empresas que negociavam para o próprio sistema. A qualidade de crédito e a reputação foram substituídas por garantias e modelos complexos. 

Corretores, bancos, gestores de ativos, fundos de hedge, empresas, companhias de seguros e outras chamadas “partes de compensação” participam no mercado depositando primeiro garantias sob a forma de Margem Inicial (IM) junto da CCP. É através deste MI e de um Fundo de Inadimplência (DF) separado e muito menor mantido na CCP que o risco de contraparte é gerenciado.

Para ‘mutualizar’ perdas

Transferir o risco das partes individuais para o coletivo é uma receita para criar problemas. Mas, conforme explicado em um recente relatório do BIS, é pior que isso. A própria estrutura dos PCCs pode causar “espirais de margem” e “risco de direção errada” em caso de turbulência no mercado.

Em episódios de fuga para a segurança, as CCP aumentam os requisitos de margem. De acordo com o BIS, “Aumentos repentinos e grandes de IM forçam a desalavancagem das contrapartes de derivativos e podem precipitar vendas precipitadas que levam a maior volatilidade e aumentos adicionais de IM nas chamadas espirais de margem.”

Já tivemos uma ideia de como isso pode ser. Espirais de margens semelhantes “ocorreram no início de 2020 (Covid-19) e 2022 (invasão da Ucrânia), refletindo a natureza sensível ao risco dos modelos de MI. “

Títulos do governo como fonte de problemas

A segunda área de risco sistêmico [quebra generalizada] é a dupla utilização de obrigações [títulos] governamentais como garantia e como ativos subjacentes em contratos de derivados. A volatilidade no mercado de obrigações governamentais pode levar a uma procura de mais garantias subjacentes aos mercados de derivados, precisamente quando os preços das obrigações governamentais estão diminuindo. A queda dos preços das obrigações corrói o valor do MI existente. As exigências de garantias disparam ao mesmo tempo que o valor das garantias atuais e potenciais está a evaporar-se.

Novamente, o BIS:

A dinâmica de risco errônea pareceu desempenhar um papel durante a crise da dívida soberana irlandesa de 2010-2011. Nessa altura, os investidores liquidaram as suas posições em obrigações do governo irlandês depois de uma CCP ter aumentado os descontos sobre essas obrigações quando utilizadas como garantia. Isto levou a preços mais baixos das obrigações do governo irlandês, desencadeando novas margens de avaliação, novos encerramentos de posições e, em última análise, uma espiral descendente de preços.

É Projetado para falhar

O BIS não admite isso, mas Webb diz que os próprios PCCs são deliberadamente subcapitalizados e projetados para falir. Quando isso acontecer, serão os “credores garantidos” que assumirão o controle de TODAS as garantias subjacente. O início de uma nova CCP é planejado e pré-financiado. 

Mais uma vez, o BIS:

…para mutualizar potenciais perdas por incumprimento superiores às do MI, as CCP também exigem que os seus membros contribuam para um fundo de incumprimento (FD). Como resultado, as CCPs estão no comando de grandes conjuntos de ativos líquidos.

Se você ainda não leu “The Great Taking” ou assistiu ao documentário, recomendo que você se sirva de uma bebida forte e assista agora:

Esse “grande conjunto de ativos líquidos” é o universo completo de títulos negociados em bolsa.

Num colapso do mercado, as ações e obrigações que o investidor comum pensa possuir serão sugadas para o fundo de incumprimento (DF) como garantia adicional para a evaporação do valor do complexo de derivados. Este é o planejado “The Great Taking [A Grande Tomada].

A famosa frase de Buffett soa verdadeira: “Você só descobre quem está nadando nu quando a maré baixa”. A maioria de nós está prestes a aprender que somos nós que estamos completamente sem roupa porque a “maré” esta baixando sobre nossas cabeças.


SEJA UM ASSINANTE DO BLOG: Para os leitores do Blog que ainda não são assinantes e desejam acessar as postagens em seus endereços de E-Mail, solicitamos, por favor, que façam a sua inscrição aqui neste LINK: https://linktr.ee/thoth3126

Convidamos também a conhecerem e seguirem nossas redes sociais:
Instagram: https://www.instagram.com/th.oth3126/
Facebook: https://www.facebook.com/thoth3126.blog
X (antigo Twitter): https://twitter.com/thoth3126_blog
Youtube: https://www.youtube.com/@thoth3126_blog

Siga o canal “Blog Thoth3126” no WhatsApp: https://www.whatsapp.com/channel/0029VaF1s8E9Gv7YevnqRB3X


Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.328 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth