Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Terceira Guerra Mundial se aproxima – Exatamente como foi Planejado

Se o despovoamento massivo do planeta é um objetivo final, como muitos defendem, então o apoio contínuo às guerras da Ucrânia e Israel é o caminho a seguir. Os conflitos militares entre países não são o resultado do acaso. O planejamento deliberado está envolvido. É instrutivo observar o que aconteceu à Ucrânia em 2014, em torno do golpe apoiado pelo governo dos EUA e pelos seus aliados ocidentais.

Terceira Guerra Mundial se aproxima – Exatamente como foi Planejado

Fonte: Rússia Today

Com a vitória de Viktor Yanukovich nas eleições presidenciais de 2010, a Rada (parlamento ucraniano) votou pela retirada das aspirações de adesão à OTAN da estratégia de segurança nacional da Ucrânia. Talvez precisamente por causa disso, Yanukovich foi deposto inconstitucionalmente em golpe executado pela CIA/MOSSAD. 

Vendo o caos fabricado do Maidan e temendo as consequências, Moscou agiu para reincorporar a Crimeia em março de 2014, a fim de garantir os seus recursos militares [Frota Naval do Mar Negro] no país e proteger a população étnica russa da ira de Kiev. Foi realizado um referendo e os habitantes locais votaram esmagadoramente pela adesão à Federação Russa.

Escrevendo para o conservador americano, o especialista em política externa Dominick Sansone  comentou:

“A mudança para a Crimeia veio como uma resposta, para garantir os principais interesses navais da Rússia no porto de águas quentes de Sebastopol. As revoltas coincidentes no Donbass foram adicionalmente uma resposta à situação em Kiev… A posição oficial do Kremlin foi subsequentemente que estes cidadãos etnicamente russos não deveriam ser forçados a viver sob o domínio de um grupo rebelde ilegítimo que chegou ilegalmente ao poder por derrubar o governo devidamente eleito.”

“Com relação à Ucrânia”, escreveu John Mearsheimer, da Universidade de Chicago, um talentoso cientista político americano e estudioso de relações internacionais:

“É muito importante compreender que, até 2014, não prevíamos a expansão da OTAN e a expansão da UE como uma política que visava “conter” a Rússia. Ninguém pensava seriamente que a Rússia era uma ameaça antes de 22 de Fevereiro de 2014. O que aconteceu é que esta grande crise eclodiu e tivemos de atribuir culpas, e é claro que nunca iríamos culpar-nos a nós próprios. Íamos culpar os russos, por isso inventámos esta história de que a Rússia estava decidida a atacar a Europa de Leste.”

A justificação para a criação da OTAN após a II Guerra Mundial foi que esta seria uma aliança defensiva para impedir a antiga União Soviética de invadir a Europa Ocidental. No entanto, quando a União Soviética entrou em colapso em 1991, se as suas afirmações fossem verdadeiras, esta organização teria sido desmantelada, sendo o seu suposto propósito agora discutível. Em vez disso, desde meados da década de 1990, sucessivas administrações dos EUA têm pressionado regularmente a expansão da OTAN na direção da Europa Oriental, até encurralar a Rússia.

A República Checa, a Hungria e a Polônia aderiram ao bloco  em março de 1999. Cinco anos depois, a Bulgária, a Roménia, a Letónia, a Lituânia e a Estónia também aderiram. Depois, durante uma cimeira de Abril de 2008 em Bucareste, a OTAN considerou admitir a Geórgia e a Ucrânia, o que os russos sustentavam que representaria uma “ameaça direta” à sua segurança nacional. .

É claro que Moscou razoavelmente viu isso como uma traição à promessa feita pelo governo dos EUA e seus aliados sobre a queda do Muro de Berlim, de que a OTAN nunca avançaria “uma polegada para o leste.”

Neste contexto, a atual crise na Ucrânia é principalmente o resultado de uma tentativa do governo dos EUA de atrair decisivamente outro país da Europa do Leste para a sua órbita e estrutura de defesa, através da adesão/parceria com a OTAN e um acordo de associação explicitamente anti-Moscou com a UE.

A Ucrânia é agora um “parceiro próximo” da OTAN, que informa fornecer de apoio militar ao seu governo” em níveis sem precedentes. Até à data, os estados membros da OTAN forneceram bilhões de dólares e euros em equipamento militar à Ucrânia. Estão a enviar armas, munições e muitos tipos de equipamento militar ligeiro e pesado, incluindo sistemas antitanque e antiaéreos, obuses e drones.

“Desde 2014,” o site oficial da OTAN afirma:

“A OTAN ajudou a reformar as forças armadas e as instituições de defesa da Ucrânia, inclusive com equipamento e apoio financeiro. Os Aliados também forneceram treino a dezenas de milhares de soldados ucranianos e as forças ucranianas também desenvolveram as suas capacidades através da participação em exercícios e operações da OTAN.”  

Sob o presidente Vladimir Zelensky, Kiev promulgou uma série de leis destinadas à “desrussificação” do país. Como consequência, os livros russos e até mesmo, a língua e a música russa foram proibidos, e apenas livros em ucraniano, ou “nas línguas indígenas da União Europeia”, podem ser publicadas no país.

Zelensky é um judeu khazar acólito do Fórum Econômico Mundial (WEF) de um judeu khazar Klaus Schwab, a organização por detrás da “Grande Reinicialização”. De acordo com Leon Kushner, um escritor que foi criado por sobreviventes do Holocausto na Ucrânia:

“Desde 2014, os oligarcas comandam o estilo mafioso e escolheram o então ator Zelensky para ser seu fantoche presidencial. Klaus Schwab, do WEF, vangloriou-se de ter ajudado a elegê-lo e ao seu equivalente fantoche canadense, o pusilânime Justin Trudeau. Quase todos os jogadores ricos e famosos já estiveram na Ucrânia. E voltaram com ainda mais dinheiro. Desde o psicopata Bill Gates ao senil demente Joe Biden, de George Soros aos Clintons. Todos sabem que a Ucrânia está aberta aos negócios.”

Curiosamente, o apoio total da Austrália ao governo ucraniano subiu agora para $ 790 milhões de dólares australianos (US$ 520 milhões). Esta é a maior contribuição de uma nação não pertencente à OTAN e mais apoio do que o oferecido por alguns dos 32 membros do bloco.

A administração Biden nos EUA já enviou dezenas de bilhões de dólares em assistência militar à Ucrânia. Se o objetivo é evitar o derramamento de sangue, bem, esta não é a maneira correta de faze-lo.

Se, como alguns especulam, existe um plano oligárquico de despovoamento humano massivo, então as guerras planejadas são a forma ideal de o conseguir. Já aconteceu antes. Na Primeira Guerra Mundial, morreram 21,5 milhões, dos quais 13 milhões eram civis. As mortes de civis foram causadas em grande parte pela fome, doenças, confrontos militares e massacres. Na Segunda Guerra Mundial, 40-50 milhões morreram, na maior de todas as guerras.

Atualmente, estamos assistindo a fases avançadas justamente disto, já que os EUA e os seus aliados da OTAN têm manobrado durante muitos anos para uma guerra mundial com a Rússia. Eles gritam que é para proteger a “liberdade e a democracia” enquanto extorquem a riqueza tanto da suposta vítima manipulada e controlada assim como do agressor.

Precisamos de acordar para estas táticas apocalípticas dos oligarcas ocidentais psicopatas e resistir a todos os seus esforços para nos imporem os seus objetivos destrutivos num armagedom final.


SEJA UM ASSINANTE DO BLOG: Para os leitores do Blog que ainda não são assinantes e desejam acessar as postagens em seus endereços de E-Mail, solicitamos, por favor, que façam a sua inscrição aqui neste LINK: https://linktr.ee/thoth3126

Convidamos também a conhecerem e seguirem nossas redes sociais:
Instagram: https://www.instagram.com/th.oth3126/
Facebook: https://www.facebook.com/thoth3126.blog
X (antigo Twitter): https://twitter.com/thoth3126_blog
Youtube: https://www.youtube.com/@thoth3126_blog

Siga o canal “Blog Thoth3126” no WhatsApp: https://www.whatsapp.com/channel/0029VaF1s8E9Gv7YevnqRB3X


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *