Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Divide et Impera: As pessoas precisam entender que estão ‘Sendo Usadas Umas Contra as Outras’

A maioria das pessoas não percebe que os EUA [e demais países] estão em guerra há muito tempo, mas não é uma guerra convencional – é uma guerra psicológica, disse um cineasta que lançou recentemente um documentário chamando a atenção das pessoas para esta importante questão. “É uma guerra de propaganda”, disse Mikki Willis, cineasta e criador da série de filmes “Plandemic”. A terceira parte, “Plandemic 3: The Great Awakening, sobre a farsa Covid, foi lançada em junho.

Divide et Impera: As pessoas precisam entender que estão ‘sendo usadas umas contra as outras’

Fonte: The Epoch Times

“É uma guerra para dividir as pessoas e enfraquecer a força de nossas comunidades colaborativas para fazer qualquer coisa sobre essas novas ideologias impostas aos americanos”, disse Willis em uma entrevista para o programa “American Thought Leaders” da EpochTV .

O novo filme não destaca muito sobre COVID-19 ou vacinas COVID, já que os cineastas ficaram longe desses tópicos, disse Willis. Em vez disso, o documentário ilustra “o que todas essas crises [relacionadas ao COVID] foram usadas para avançar agendas ocultas”.

Para explicar seu argumento, os cineastas fizeram uma comparação com algumas revoluções culturais da história – principalmente a Revolução Cultural de Mao Zedong na China – para mostrar que a única maneira de os ditadores do passado cometerem atrocidades e genocídio era atrair o povo em um feitiço hipnótico, para se tornar e canalizar sua força para fazer o mal, disse Willis.

Organizações como os Camisas Negras de Mussolini, a Juventude de Hitler, o Exército Vermelho de Lenin e os Guardas Vermelhos de Mao eram exemplos de tais forças formadas para cumprir os objetivos e agendas malignos dos ditadores, acrescentou Willis.

“É um verdadeiro alerta para as pessoas entenderem que estamos sendo usados ??uns contra os outros”, disse Willis. “Quando estamos unidos, é quando somos literalmente imparáveis.”

Na década de 1960, Mao Zedong, um líder do Partido Comunista Chinês que então governava a China comunista, lançou a Revolução Cultural , realizada por jovens fanáticos encorajados a esmagar, espancar, torturar e assassinar para destruir os chamados “quatro velhos” da China – os velhos costumes, a velha cultura, os velhos hábitos e as velhas ideias.

O número de mortos da Revolução Cultural na China foi estimado por muitos pesquisadores em um mínimo de 2 milhões, enquanto o professor americano R.J. Rummel, que pesquisou o assassinato em massa, escreveu em seu livro que a Revolução Cultural ceifou a vida de cerca de 7,73 milhões de pessoas.

Ditadura precisa de cumplicidade [dos zumbis, a imensa maioria]

Nenhum dos ditadores do passado teria conseguido cometer atrocidades ou genocídio sem atrair o povo para seus exércitos e aceitação de suas agendas, disse Willis.

“A maioria [dessas pessoas] são apenas cidadãos que foram alistados para lutar pelos ditadores e lutar contra seu próprio povo e, em muitos casos, contra suas próprias famílias.”

Há pessoas que faziam parte dos Guardas Vermelhos de Mao que agora estão saindo com profundo remorso por terem entregado seus próprios pais, disse Willis, “mas na época, eles estavam sob tal feitiço que comemoraram a prisão, a tortura e a execução de seus próprios pais e mães”.

“Eles pensaram que estavam fazendo algo tão justo para o mundo.”

Epoch Times Foto
Um cartaz exibido no final de 1966 em uma rua de Pequim mostra como lidar com o chamado “inimigo do povo” durante a Grande Revolução Cultural Proletária. (Jean Vincent/AFP/Getty Images)

O ex-guarda vermelho Zhang Hongbing, que denunciou sua mãe como uma “contrarrevolucionária” às autoridades na época – o que levou à sua execução – mais tarde, arrependido, iniciou uma campanha para tornar o túmulo de sua mãe um marco da Revolução Cultural, de acordo com uma reportagem de 2013 do Beijing News .

Zhang, radicalizado pela Revolução Cultural, tinha apenas 16 anos em 1970 quando denunciou sua mãe às autoridades comunistas por criticar os líderes políticos do Partido Comunista Chinês (PCC) por promover a idolatria e por apoiar o oponente político de Mao em uma discussão em família.

A mãe de Zhang foi presa e executada por um pelotão de fuzilamento após a sua denúncia.

Mais tarde, Zhang lamentou profundamente sua ação e, desde 2011, apelou às autoridades locais para que o túmulo de sua mãe fosse marcado e preservado como um marco histórico da Revolução Cultural, esperando que as pessoas aprendessem com sua trágica experiência.

“Que as pessoas me desprezem e me condenem. Quero servir como um exemplo negativo com o qual todos possam aprender, disse Zhang em 2013.

“É uma ideia assustadora pensar que somos capazes de nos voltar contra nossos próprios entes queridos, as pessoas que nos deram a própria vida”, apontou Willis. “É disso que trata esse alerta em ‘O Grande Despertar’.”

Deslocando a Atenção

“A sociedade enfrenta essa aquisição comunista, que é apenas um plano globalista para colocar todos em um estado de controle total”, disse Willis. “Podemos ser a primeira geração a reconhecer com responsabilidade, identificar o que está acontecendo e responder de acordo.”

“É hora de assumirmos a responsabilidade por permitir que tudo isso aconteça. Embora possamos não ter facilitado isso, certamente permitimos que isso se infiltrasse em nossas vidas de várias maneiras, pois estávamos [muitos AINDA estão] focados e distraídos [por] coisas sem sentido em nossas vidas”, disse ele.

Willis afirmou que, embora as pessoas passem um tempo no TikTok e os homens sejam obcecados por basquete e futebol, coisas estão acontecendo ao seu redor que destroem suas vidas e as vidas de seus entes queridos, principalmente de seus filhos.

É hora de as pessoas direcionarem sua atenção para essas questões destrutivas para que “possam se unir e realmente recriar um sistema que funcione para todos nós”, disse Willis.

“Nossa atenção é nossa mercadoria mais valiosa”, disse Willis. “Toda publicidade é sobre capturar nossa atenção.”

Experiência de Refugiado

Willis também entrevistou dissidentes chineses para o documentário e descobriu que “todos eles têm a mesma história”.

Epoch Times Foto
Adeptos do Falun Gong realizam uma vigília à luz de velas em frente ao consulado chinês para marcar os 24 anos de perseguição do Partido Comunista Chinês em Los Angeles em 23 de abril de 2023. (Emma Hsu/The Epoch Times)

O filme apresenta três refugiados, praticantes do Falun Gong perseguidos por suas crenças pelo regime comunista chinês, que fugiram de seu país.

Eles alertam os americanos sobre “o que está acontecendo e o que está por vir [nos EUA]”, disse Willis. “Eles estão arriscando suas vidas para fazer isso porque existem delegacias de polícia secretas [dos comunistas chineses] em todos os Estados Unidos, e grande parte do propósito dessas delegacias [é] caçar dissidentes”.

“Essas pessoas sabem que suas vidas estão ameaçadas, mas estão aqui realmente para servir ao propósito de garantir que isso não continue se espalhando para outras pessoas inocentes”.

Falun Gong é uma prática meditativa com princípios fundamentais de veracidade, compaixão e tolerância que tem sido severamente perseguida pelo PCC ateu na China nos últimos 23 anos.

Crystal Chen, uma praticante do Falun Gong e refugiada do PCC, disse no filme que foi detida em um centro de lavagem cerebral, algemada, pendurada em um cano com os pés mal tocando o chão por três dias e torturada por quatro presidiários até o limite da morte. A tortura foi interrompida apenas quando um dos perpetradores desmaiou repentinamente no chão, disse Chen.

Outra praticante do Falun Gong e refugiada do PCC, Minghui Wang, disse no documentário que, de 1 a 5 anos de idade, ela foi cuidada por seus avós porque seus pais estavam sempre detidos sendo torturados. A primeira lembrança clara de Wang sobre sua mãe foi quando ela foi levada a um centro de lavagem cerebral e viu sua mãe sofrendo por ter sido torturada com um tubo de alimentação forçada.

Essa experiência foi “muito traumatizante”, disse Wang. Ela também lembrou que o diretor da escola lhe disse várias vezes para não participar do que seus pais faziam e relatar [delatar as] suas atividades.

Revolução Cultural

Lily Tang Williams, uma imigrante e educadora chinesa apresentada no filme, vivia na China e tinha 2 anos quando a Revolução Cultural começou. Tang Williams disse que experimentou a doutrinação maoísta quando criança.

Tang Williams apontou semelhanças que notou entre a Revolução Cultural na China e a situação atual nos Estados Unidos, que ela chamou de “revolução americana” semelhante à chinesa.

Uma das semelhanças é que as crianças nos EUA estão sendo ensinadas a “não confiar mais em seus pais”, disse Tang Williams. As crianças então se sentem confusas e precisam recorrer a seus professores e outras figuras de autoridade, explicou ela.

Willis apontou uma pesquisa recente mostrando que quase um terço da geração do milênio na América escolheria ter câmeras de vigilância em suas casas conectadas ao governo para prevenir a violência doméstica.

Um relatório publicado pelo  CATO Institute em maio afirmou que 29% dos americanos com menos de 30 anos preferem câmeras de vigilância do governo no estilo orwelliano instaladas em todas as residências para “reduzir a violência doméstica, o abuso e outras atividades ilegais”.

“Imagine ser vigiado em sua casa, e um terço da nossa próxima geração acha que está tudo bem, disse Willis. “Como isso aconteceu? Como eles chegaram lá? Precisamos começar a fazer essas perguntas.”

Por que é necessário ‘Grande Despertar’

O título do documentário “The Great Awakening” foi um desdobramento intencional do “Great Reset” do nefasto WEF de Klaus Schwab, disse Willis.

O Great Reset é uma iniciativa global para reestruturar a economia mundial que foi pioneira e defendida pelo judeu khazar Klaus Schwab, fundador e presidente executivo do Fórum Econômico Mundial.

"O Grande Despertar"
“The Great Awakening” é a terceira e última parte da série de documentários “Plandemic” do cineasta Mikki Willis, lançada em junho de 2023. (Captura de tela/Série Plandemic)

Na opinião de Schwab, “a pandemia covid representa uma janela de oportunidade rara, mas estreita, para refletir, reimaginar e redefinir nosso mundo”, escreveu ele em junho de 2020.

“Um aspecto positivo da pandemia é que ela mostrou com que rapidez podemos fazer mudanças radicais em nossos estilos de vida. Quase instantaneamente, a crise forçou empresas e indivíduos a abandonar práticas consideradas essenciais, desde viagens aéreas frequentes até trabalhar em um escritório”, disse Schwab.

Willis disse que os arquitetos do “Great Reset” [e da falsa pandemia] cooptam a vida das pessoas com essa marca porque todos os psicopatas por controle sentem que é hora de um reset.

Em 25 de fevereiro de 2009, durante uma reunião [Council of Eugenics] da OMS, o judeu khazar Henry Kissinger declarou: “Uma vez que o rebanho (os bovinamente zumbis) aceita as vacinas obrigatórias, o jogo termina. Eles aceitarão qualquer coisa – doação forçada de sangue ou órgãos – para um bem maior, NÓS PODEMOS MODIFICAR GENETICAMENTE E ESTERILIZAR CRIANÇAS, para um bem maior – Controle as mentes das ovelhas e você controla o rebanho. Os fabricantes de vacinas devem ganhar bilhões. E muitos de vocês nesta sala são investidores. É uma grande vitória para todos. Nós reduzimos o rebanho e o rebanho nos paga pelos serviços de extermínio“.

“Portanto, estamos meio que cooptando essa mensagem de cooptação para dizer que é hora do ‘Grande Despertar’ [de toda a humanidade].”


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Você não é deste mundo. Você não é este corpo que habita. Você não é essas emoções, esses pensamentos, esse EGO com o qual se identifica. Você nem mesmo é sua vida ou a morte. Quando você é capaz de se distanciar dessas coisas, então o verdadeiro você, o você gnóstico, entra no foco de sua cognição. Mais puro que o éter, mais radiante que o sol, mais puro que a neve acumulada, cheio de vida e retirado do contexto da morte, este é o eu que você é. Para ajudá-lo a saber disso, Krishna, Buddha, Jesus e todos os outros grandes Mensageiros da Luz vieram a este mundo, fazendo o sacrifício de vir da plenitude para o caos para trazer isso [esse CONHECIMENTO] a você. Você deve saber disso, e deve fazer isso, porque sem ele você não está realmente vivo, não está realmente consciente, mas com ele, você é todas as coisas, você tem todas as coisas, e o Tudo se tornou você. Esta é a mensagem da GNOSE!  Richard, Duc de Palatine (1916–1977)


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *