Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

É hora de repensar o apoio dos EUA a Israel

Na décima primeira semana da sua guerra genocida com o Hamas, Israel, indiferente às advertências dos EUA, continua a demolir uma Gaza já devastada e a massacrar os palestinos. À medida que altos funcionários americanos  entram dentro e fora de Tel Aviv para se reunirem com membros do governo de Netanyahu, uma questão gritante permanece sem resposta: quanta influência ganha a América com o seu apoio ardente, muitas vezes inquestionável, a Israel?

Os EUA deveriam exigir mais consideração pela sua lealdade acrítica à Israel

Fonte: Realclearwire.com – Por  Joe Buccino

Com mais de $ 300 bilhões de dólares em ajuda militar desde a Segunda Guerra Mundial, o compromisso dos EUA com Israel não é apenas uma questão de política externa, mas um reflexo dos nossos valores nacionais e interesses estratégicos. À medida que Israel transforma Gaza num inferno distópico face à indignação e protestos da comunidade internacional, é crucial examinar minuciosamente este fluxo de fundos, não apenas em dólares, mas em termos de posição internacional e autoridade moral.

Desde a sua fundação em 1948, os EUA deram a Israel muito mais ajuda militar do que a qualquer outra nação. O apoio acrítico dos EUA a Israel começou com o 33º presidente da América, Harry Truman  reconhecendo publicamente o estado judeu moderno 11 minutos após a sua criação pela ONU e continuou durante as sucessivas 13 presidências americanas. Durante a maior parte dos 75 anos que se passaram, um país menor que a área de Massachusetts e com cerca de um quinto do tamanho do Kentucky foi o principal beneficiário da assistência financeira militar americana e de apoio político inabalável.

A parceria EUA-Israel está enraizada em diversas considerações geopolíticas e internas, entre elas a identificação com uma democracia – embora recentemente a coligação de direita de Netanyahu ameace ser notada. Dwight Eisenhower, substituindo Truman na Casa Branca em 1953, via o Estado Judeu como uma nação que compartilha amplamente os valores sociais americanos numa parte do mundo que principalmente não praticava a democracia. Ike agarrou-se firmemente ao primeiro-ministro David Ben-Gurion e os corredores do poder americano o seguiram.

Lyndon Johnson, ascendendo ao papel de 36º presidente dos Estados Unidos após o assassinato de JFK em 1963, tinha talvez o apego emocional mais forte com Israel do que qualquer presidente americano. Uma convicção histórica e religiosa profundamente enraizada nos “direitos do povo judeu” de estabelecer um Estado nos seus territórios ancestrais animou LBJ.

Israel serviu como uma plataforma central na política externa de Nixon quando ele assumiu o cargo em 1969. O Conselheiro de Segurança Nacional e Secretário de Estado de Nixon, Henry Kissinger, um judeu khazar estabeleceu Israel como uma âncora do poder americano no Oriente Médio, um aliado de uma força militar de ponta na região mais volátil do mundo.

A maior parte do apoio dos EUA é fornecida através de subvenções de equipamento militar e, de 1950 a 2020, os Estados Unidos forneceram a esmagadora maioria de todo o equipamento das FDI. O Pentágono e o Departamento de Estado concedem a Israel acesso à tecnologia militar mais sofisticada do mundo, incluindo o Joint Strike Fighter F-35. Israel é o único estado do Oriente Médio a comprar o caça a jato de quinta geração. Israel tem uma frota de 50 F-35, adquiridos com assistência dos EUA, com mais 25 unidades à caminho [apesar do fracasso do novo avião].

Outro fator no vínculo da América com Israel – um fator extremamente importante entre os decisores de D.C. – é a enorme influência POLÍTICA de décadas de grupos de lobby pró-Israel. Esses grupos canalizam muito mais fundos para candidatos ao Congresso do que qualquer outro grupo – mais de seis vezes o dos defensores das armas lobby. Mas a principal e mais sensível “área de influência” dos judeus sobre as instituições norte americanas é o poder financeiro dos grande bancos de Wall Street, o controle de Hollywood, do Banco (FeD) Central, das mídias, e a infiltração na estrutura de governo do país, notadamente na área de Relações exteriores.

Durante décadas, os presidentes americanos declararam que nosso vínculo com Israel é “inabalável,” O compromisso de D.C. com o estado judeu “couraçado,” e o apoio americano a Israel como de longo prazo. Israel serviu como beneficiário de toda esta assistência inabalável: sem as armas dos EUA, as nações árabes já teriam dividido e/ou varrido do mapa Israel há muito tempo.

O fluxo de dinheiro continuou sem diminuir diante da expansão significativa dos assentamentos na Cisjordânia. A torneira americana continuou a despejar bilhões face ao projeto de reforma judicial de Netanyahu, que limitou o poder do Supremo Tribunal de Israel e mergulhou o país na divisão e no caos. O apoio americano inabalável a Israel é claro. O que está menos claro é como todo esse apoio promove os interesses americanos, se algum dia eles existiram.

Um apoio tão significativo durante um período tão longo teria presumivelmente oferecido à DC a capacidade de influenciar Israel. Não parece ser esse o caso, pois acontece exatamente o contrário. O presidente Biden criticou Israel pelos seus bombardeios indiscriminados que até agora destruíram grandes trechos de Gaza e mataram milhares de mulheres e crianças palestinas.

O Conselheiro de Segurança Nacional, Jake Sullivan, apelou publicamente às FDI para mudar para uma fase de combate mais precisa e direcionada. Até agora, Israel resistiu a esta pressão, continuando com os bombardeamentos aéreos versus ataques terrestres conduzidos pela sua inteligência. Enquanto a comunidade internacional lamenta a devastação em Gaza, a guerra ameaça prejudicar a posição americana no mundo.

Netanyahu também se recusa a aceitar um papel para qualquer órgão palestino na governança ou segurança de Gaza depois do Hamas, insistindo, em vez disso, que Israel exercerá controle sobre o enclave. Isto coloca Israel em conflito com a administração Biden, que quer que os palestinos governem os habitantes de Gaza. A Casa Branca espera que um acordo liderado pelos palestinos acabe por conduzir a uma melhoria das condições políticas e econômicas. Israel se recusa. Apesar destes contrastes gritantes, os funcionários da administração dos EUA minimizam publicamente qualquer divergência com o governo de Netanyahu sobre esta ou qualquer outra questão.

Nos próximos meses, o abraço de Israel pelos EUA provavelmente prejudicará a posição do país no mundo árabe. As imagens horríveis de crianças feridas de Gaza, destruição de hospitais e terrenos devastados ficarão gravados na psique da região. Entretanto, o arrogante Netanyahu provavelmente continuará a liderar os funcionários da administração dos EUA pelo nariz.

Depois que os protestos nas ruas americanas cessarem e os campi universitários seguirem em frente, as ruas árabes se lembrarão. O dano a longo prazo aos interesses americanos na região é incomensurável. Um prejuízo poderá ser os esforços, iniciados sob a administração Trump e que começaram a mostrar-se muito promissores apenas em Setembro passado, para construir uma arquitetura de segurança regional de países árabes sunitas que permitirão ao Pentágono transferir ativos para o Indo-Pacífico, a região prioritária para recursos de segurança nacional americana.

O apoio de longa data e inquestionável dos Estados Unidos’ aos judeus de Israel, exemplificado através de extensa ajuda militar e apoio político, exige uma reavaliação completa. Embora esta parceria tenha raízes históricas e geopolíticas, o julgamento da guerra em Gaza levanta questões sobre o alinhamento dos interesses e valores americanos com as ações e políticas do governo israelita.

A impermeabilidade de Israel à influência dos EUA coloca em risco a posição da América na comunidade internacional, particularmente na região do Oriente Médio. Chegou a hora dos Estados Unidos exigirem mais responsabilização e alinhamento com os seus princípios em troca do seu apoio ao judeus, redefinindo uma relação que respeite a soberania de Israel e esteja ciente das implicações mais amplas para a política externa e a reputação internacional dos EUA.


Joe Buccino é um coronel aposentado do Exército dos EUA que serviu como diretor de comunicações do Comando Central dos EUA de 2021 a setembro de 2023. Ele foi enviado para combate no Oriente Médio cinco vezes em sua carreira. Suas opiniões não refletem necessariamente as do Departamento de Defesa dos EUA ou de qualquer outra organização.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *