Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

“Encontro com o Desastre”: Emissão Zero CO² está desligando o ‘Sistema Elétrico’ dos EUA, afirma novo documentário

A eletricidade está entre as fontes mais essenciais da prosperidade e produtividade incomparáveis ​​da América e de qualquer civilização. Sem eletricidade nada funciona e o colapso é total; é também a maior vulnerabilidade. Os Estados Unidos tornaram-se tão dependentes de um fornecimento ininterrupto de eletricidade acessível que, à medida que a nossa rede se torna cada vez mais frágil e obsoleta, sem manutenção, a sociedade americana também se torna fragilizada e à beira do precipício.

“Encontro com o Desastre”: Emissão Zero CO² está desligando o ‘Sistema Elétrico’ dos EUA, afirma novo documentário

Fonte: The Epoch Times – De autoria de Kevin Stocklin

O ex-diretor da CIA, James Woolsey, testemunhou perante o Senado dos EUA em 2015 que, se a rede elétrica da América ficasse fora do ar por um período prolongado, como um ano, “há essencialmente duas estimativas sobre quantas pessoas morreriam de fome, de inanição, da falta de água, combustíveis e por causa do caos da perturbação social.

Uma estimativa é que dentro de um ano ou mais, dois terços da população [210 milhões] dos Estados Unidos morreriam”, disse Woolsey . “A outra estimativa é que dentro de um ano ou mais, 90% da população dos EUA morreria.”

Chris Keefer, presidente da Canadians for Nuclear Energy, concordou. “A rede de distribuição e geração de eletricidade é um sistema de suporte à vida civilizacional e, sem ela, a sociedade moderna entra em colapso muito rapidamente”, disse ele.

Keefer é um dos especialistas apresentados no novo filme do analista de energia, autor e documentarista Robert Bryce, “Juice: Power, Politics and the Grid”. Esta série documental em cinco partes analisa como e porquê a América está agora a “fragilizar” e desestabilizar a maravilha da engenharia da rede elétrica que é o pilar central do bem estar da nossa sociedade.

Estamos vendo a confiabilidade, a resiliência e a acessibilidade da rede elétrica diminuindo”, disse o Sr. Bryce ao Epoch Times. “Queríamos que as pessoas e os decisores políticos compreendessem que a nossa rede energética mais importante está [intencionalmente] sendo fragilizada e ignoramos este perigo por nossa conta e risco”, disse Bryce.

Ele tem uma fixação pela rede elétrica dos Estados Unidos há décadas e é autor do livro de 2020, “A Question of Power, Electricity and the Wealth of Nations”, um dos estudos mais abrangentes sobre como as redes elétricas funcionam e por que podem não funcionar tão bem nos próximos anos.

Steven Pinker, autor e professor de psicologia de Harvard, escreveu numa resenha do livro que “a energia elétrica é a nossa principal defesa contra a pobreza, a desordem, a fome e a morte”. E, no entanto, muitas nações do Ocidente envolveram-se num jogo de roleta russa com as suas redes elétricas, numa tentativa de reduzir as temperaturas globais por causa das “Mudanças Climáticas”.

Um ‘Aviso Terrível’

Os alertas não vêm apenas dos analistas apresentados no documentário; os reguladores de eletricidade também estão se tornando mais expressivos ao soar o mesmo alarme.

Num relatório de maio de 2023, a North American Electric Reliability Corporation (NERC), encarregada de supervisionar a confiabilidade da rede, afirmou que a maior parte da rede americana está agora em níveis de risco elevados de interrupções. “Este relatório é um aviso especialmente terrível de que a capacidade da América de manter as luzes acesas está comprometida”, afirmou Jim Matheson, CEO da National Rural Electric Cooperative Association .

Foi o quase colapso da rede elétrica do Texas durante a tempestade Yuri de inverno em 2021 que obrigou Bryce a fazer o documentário. Ele fez parceria com o diretor de cinema Tyson Culver, que junto com Bryce vivenciou a crise em primeira mão enquanto morava em Austin, no Texas. “Não planejei fazer outro documentário depois de fazermos nosso primeiro filme, lançado em 2019”, disse ele. “Eu simplesmente pensei: ‘Não posso fazer isso; custa muito caro e demora muito”.

“Mas depois soubemos que a rede elétrica [do Texas] quase falhou e, se tivesse falhado, dezenas de milhares de pessoas teriam morrido”, disse ele. “E percebemos que, se isso pudesse acontecer no Texas, a capital mundial da energia, então a rede elétrica nos EUA estaria realmente sendo prejudicada.”

A rede elétrica norte-americana está passando rapidamente de uma rede onde o carvão já dominou para uma rede que registra uma participação cada vez maior de energia eólica, solar e gás natural. No processo, a rede elétrica da América está mudando de algo que outrora era tão confiável que os consumidores raramente pensavam nisso, para uma rede que apresenta cada vez mais apagões contínuos e pode, um dia, em breve, estar à beira de um fracasso a longo prazo.

A Trifeta Fatal

A desestabilização da rede elétrica é o resultado daquilo que a analista e autora Meredith Angwin considera a “trifecta fatal”.

“A rede do Texas quase entrou em colapso por causa do que chamo de trifeta fatal”, afirma a Sra. Angwin. “A primeira parte da trifeta fatal é a dependência excessiva das energias renováveis, que são ativadas e desativadas quando querem”.

A segunda parte é a dependência do gás natural, que é entregue na hora certa e pode ser interrompido na hora certa”, diz ela. “E a terceira parte é contar com a ajuda de um vizinho.”

Todos estes fatores entraram em jogo durante a tempestade de Inverno Yuri, no Texas, em 2021. As instalações eólicas e solares não funcionaram em climas extremamente gelados e o fornecimento de gás natural também foi interrompido por temperaturas congelantes, na medida em que como as pessoas precisavam desesperadamente/energia de eletricidade para aquecerem as suas residências.

De acordo com um relatório do órgão controlador do Texas, o gás natural forneceu 51% da eletricidade do Texas; energia eólica 25 por cento; e carvão 13 por cento. À medida que estas fontes ficavam offline, as empresas de serviços públicos decretavam apagões freneticamente para reduzir o consumo, temendo que uma incompatibilidade entre a oferta e a procura que durasse mais do que vários minutos pudesse causar danos a longo prazo ao hardware da rede elétrica.

Embora o Texas tenha perdido a interrupção de sua rede elétrica por apenas alguns minutos, os danos causados ​​pelas interrupções de curto prazo foram graves.

“Os apagões contínuos tinham como objetivo aliviar o estresse da rede elétrica, mas se transformaram em interrupções que – em algumas partes do estado – duraram vários dias”, afirmou o relatório. Nesse curto espaço de tempo, pelo menos 210 mortes foram atribuídas à interrupção, que também causou danos econômicos estimados em 195 bilhões de dólares .

A terceira etapa da “trifecta fatal” é a capacidade das regiões da rede se apoiarem umas às outras.

Apesar de todas as suas fontes, serviços públicos e regulamentações fragmentadas, a rede elétrica norte-americana está interligada de uma forma que permite que uma região transfira eletricidade para outra região se uma tiver um excesso e a outra uma escassez. As empresas de serviços públicos dependem rotineiramente disto para equilibrar a oferta e a procura em qualquer momento em qualquer lugar.

Cada vez mais, porém, com o excesso de reservas diminuindo à medida que as centrais a carvão são agressivamente encerradas nos Estados Unidos, esta capacidade de “ligar a um amigo” está a desaparecendo.

Seguindo a Europa e a Califórnia

Em muitos aspectos, o Texas seguiu o exemplo da Europa e da Califórnia na transição da sua rede para a energia eólica e solar, descontinuando centrais a carvão e, por vezes, também centrais nucleares, para travar o aquecimento global e agradar aos histéricos e “acordados” ativistas antinucleares. Como a energia eólica e solar dependem do clima, é necessária uma fonte de reserva confiável, e essa fonte é normalmente o gás natural.

Tal como a Europa, a Califórnia e o Texas aprenderam, esta transição “VERDE” cria vulnerabilidade em comparação com as centrais a carvão e nucleares, onde o combustível pode ser armazenado no local. Também levou a um aumento acentuado dos preços da eletricidade, uma vez que é necessário construir sistemas duais de produção de energia, juntamente com infra-estruturas de transmissão adicionais.

De acordo com um estudo de Princeton de 2021, depender da energia eólica e solar para atingir “Zero emissões líquidas CO²” até 2050 exigiria que a rede de transmissão de alta tensão da América triplicasse de tamanho, a um custo de 2,4 biliões de dólares.

No que parece ser uma rendição, ou pelo menos um recuo, da transição para emissões líquidas zero, alguns países europeus, como a Alemanha, estão a reiniciar as suas centrais a carvão, uma vez que a energia eólica e solar não conseguem satisfazer a demanda, mesmo a preços inflacionados.

“O que vemos na Europa a partir desta paixão equivocada pelas energias renováveis ​​é um aviso severo, e penso que podemos ver a mesma coisa na Califórnia – preços disparados da eletricidade e nenhuma redução significativa de CO² digna de nota”, disse Bryce.

Ao mesmo tempo, o esforço para alcançar emissões líquidas zero de CO² levou a campanhas políticas e empresariais para transferir cada vez mais produtos para a rede elétrica. Isso inclui itens essenciais como aquecimento doméstico, transporte e culinária.

As leis e regulamentos na Europa e nos Estados Unidos procuraram proibir ou eliminar gradualmente o aquecimento a óleo e a gás nas residências, juntamente com carros, caminhões e ônibus movidos a gasolina. O efeito disto será tornar as pessoas mais dependentes da eletricidade, ao mesmo tempo que aumentará o consumo para níveis que muitos dizem que a rede não conseguirá satisfazer.

“A rede elétrica já está cedendo devido à demanda existente”, disse Bryce. “Estamos vendo a confiabilidade, a resiliência e a acessibilidade da rede diminuindo, enquanto esses grupos de pressão tentam colocar ainda mais demanda nela. Este é um encontro com desastre.”

Energia Eólica e Solar Devoram Espaços Abertos

Soma-se a isso a fome insaciável da indústria eólica e solar pelo consumo de terras. De acordo com um relatório de maio da The Nature Conservancy (TNC), atingir a meta de emissões líquidas zero de dióxido de carbono (CO²) até 2050 consumiria mais de 250.000 milhas quadradas, ou 160 milhões de acres, de terra.

“Com as práticas atuais de localização, é necessária uma área do tamanho do Texas para acomodar a infraestrutura eólica e solar que precisamos para atingir emissões líquidas zero em todo o país até 2050”afirmou Katharine Hayhoe, cientista-chefe da TNC, uma defensora das energias renováveis.

Muitos especialistas em energia e ambientalistas estão chegando à conclusão de que a energia nuclear é a melhor escolha para gerar energia elétrica confiável e acessível, reduzindo ao mesmo tempo as emissões de CO². Apesar das grandes catástrofes nucleares nas centrais de Chernobyl, Three Mile Island e Fukushima, muitos países estão construindo novas centrais atômicas ou adiando o encerramento de centrais nucleares existentes, considerando-as a fonte de eletricidade mais limpa e menos prejudicial ao ambiente.

De acordo com um relatório do Instituto de Energia Nuclear, os parques eólicos requerem até 360 vezes mais área terrestre para produzir a mesma quantidade de eletricidade que uma instalação de energia nuclear, e as instalações solares requerem até 75 vezes mais área terrestre. Em comparação com as centrais a carvão e a gás natural, as energias eólica e solar consomem pelo menos 10 vezes mais terra, de acordo com a Brookings Institution, de tendência esquerdista.

Além de ocuparem menos espaço, as centrais nucleares também normalmente não exigem a construção de milhares de quilômetros de novas linhas de transmissão para a eletricidade chegar a locais remotos, onde normalmente são construídas instalações eólicas e solares.

Com a energia nuclear, disse Bryce, “não precisamos expandir a rede; podemos usar a grade que temos.”

Ativistas climáticos abraçam a energia nuclear

Mesmo os defensores fervorosos das iniciativas do novo acordo verde [New Green Deal] estão começando a aceitar que a energia nuclear deve ser pelo menos parte do plano. “O que estamos vendo no Congresso e, até certo ponto, na Casa Branca, é mais acomodação para a energia nuclear”, disse Bryce.

Um relatório de 2022 do Carnegie Endowment for International Peace relata que “a França, o principal estado atômico da UE com armas nucleares e cinquenta e seis reatores, está preparada para lançar um grande reinvestimento na energia nuclear”.

A Bulgária, a República Checa, os Países Baixos e a Polônia também estão a preparar-se para construir novos reatores nucleares, afirma o relatório, enquanto outras nações europeias – Áustria, Dinamarca, Alemanha, Luxemburgo e Portugal – continuam a opor-se à energia nuclear.

Enquanto isso, os reguladores da Califórnia optaram em dezembro de 2023 por manter a instalação nuclear do estado em Diablo Canyon aberta pelo menos até 2030, tendo previamente ordenado seu fechamento em 2025. Este é um recuo para um estado que tem sido atormentado por apagões contínuos enquanto saltava de cabeça para um futuro eólico e solar.

Se quisermos concordar que as alterações climáticas são um problema, com mais extremos [climáticos] durante mais tempo, é uma loucura total tornar a nossa rede energética mais importante dependente do clima”, disse Bryce. “O que Precisamos é de uma geração de energia elétrica resiliente e resistente às intempéries, e não de uma geração dependente das condições climáticas.”

“Com a Lei de Redução da Inflação e os créditos fiscais ao investimento, os créditos fiscais à produção, todos os incentivos financeiros no setor da geração de energia são para construir mais energia eólica e solar”, disse ele. “Para mim, essa é uma ideia absolutamente maluca.”

O documentário está disponível para assistir gratuitamente no YouTube ou em juicetheseries.com.


“Parece duvidoso se, de fato, a política de “Botas no rosto” pode continuar indefinidamente.  Minha própria convicção é que a oligarquia governante encontrará maneiras menos árduas e perdulárias de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas formas serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo [uma verdadeira profecia publicada em 1932].  Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento INFANTIL e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que prisões e campos de concentração, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito sugerindo às pessoas que amem sua servidão ao invés de açoita-los e chuta-los até obter sua obediência. ” – Carta de Aldous Huxley em 1949 para George Orwell autor do livro “1984”


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *