Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

‘End Game’ (Fim do Jogo) do Petrodólar chega ainda Mais Rápido

Serei o primeiro a admitir que dois dos principais temas deste blog – os EUA – é o país mais pobre do mundo. Ambas, a crise da dívida soberana e a inexorável deterioração do petrodólar – têm sido teses extraordinariamente lentas. Em ambos os casos, houve desenvolvimentos [artificiais] que contrariam as minhas afirmações. Por exemplo, os índices bolsistas dos EUA continuaram a subir, apesar da nossa economia estar paralisada, e os países BRICS ainda não desenvolverem e criaram a sua própria moeda de reserva para combater o dólar, como sugeri que possa acontecer.

‘End Game’ (Fim do Jogo) do Petrodólar chega ainda Mais Rápido

Fonte: QTR’s Fringe Finance

Eles também não apoiaram nenhuma das suas moedas soberanas com ouro, como também sugeri, apesar das compras massivas da Rússia e da China na compra do metal dourado. Embora o momento não tenha provado que estou certo tão rapidamente quanto gostaria, isso não significa que as coisas não estejam avançando para essas duas realidades futuras.

E, no caso da morte do petrodólar e a consequente crise da dívida soberana, com o fim do imperialismo dos EUA/G-7, houve um enorme desenvolvimento no final de Novembro que foi subnotificado e despercebido [intencionalmente] pelo mercado.

A morte do petrodólar é um dos principais pontos de referência para o dólar americano perder o estatuto de moeda de reserva internacional, como já escrevi longamente no passado. E embora o dólar americano fosse a única moeda com a qual as nações estrangeiras comercializavam petróleo, isso agora chegou a um impasse insuportável.

A Arábia Saudita não apenas negocia petróleo em outras moedas que não o dólar (principalmente o Yuan), mas agora parece que os Emirados Árabes Unidos também estão se afastando estrategicamente do dólar americano em suas transações petrolíferas, marcando uma mudança significativa no cenário financeiro global.

Esta medida, que envolve potenciais acordos com até 15 países, incluindo a China, a Rússia e o Egito, coincidentemente, todos são BRICS, faz parte da tendência de desdolarização que previ, liderada pelo setor petrolífero. Liderada pela aliança BRICS, a medida está redefinindo lenta, mas inevitavelmente a economia global e a desafiar e a por um fim no domínio do dólar americano no comércio internacional.

Quando se tem isto em conta, juntamente com o fato de a Rússia estar reforçando os seus laços com a China, Irã, EAU e a Arábia Saudita, é difícil pensar outra coisa senão que ainda estamos solidamente no caminho da desdolarização global. Ainda ontem foi relatado que a Rússia estava trabalhando em estreita colaboração com a Arábia Saudita, EAU e a OPEP — que também tem muitos países membros no consórcio BRICS — nos cortes de produção nos volumes de petróleo.

Pouco depois da inesperada visita do presidente russo Vladimir Putin a Riad e Dubai para se encontrar com o príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman e Mohammed bin Zayed Al Nahyan dos EAU, foi divulgada uma declaração conjunta da Rússia e da Arábia Saudita. A OPEP, juntamente com a Rússia e outros aliados, concordaram em cortes voluntários na produção totalizando cerca de 2,2 milhões de barris de petróleo por dia, liderados predominantemente pela Arábia Saudita e pela Rússia, mantendo os seus cortes de 1,3 milhões de bpd.

Pedi ao meu amigo Andy Schectman, da Miles Franklin Precious Metals sua opinião exclusiva sobre a situação geopolítica atual sobre o petrodólar para meu Leitores da Fringe Finance. Ele é uma das pessoas mais inteligentes que conheço quando se trata de entender o dólar globalmente e quase previu o cenário exato do que está ocorrendo. Aqui está seu depoimento:

“Os membros da OPEP aceitaram em 1973/4 fixar o preço de todas as vendas de petróleo em dólares americanos e investir qualquer excesso de caixa em títulos do Tesouro dos EUA em troca de proteção militar dos EUA. Foi assim que o sistema do petrodólar começou e, durante os últimos 50 anos, devido a este acordo, criou uma procura ‘sintética’ pelo dólar e estabeleceu o dólar americano como referência para o comércio de petróleo a nível mundial”, explicou-me ele.

Ele continuou: “O [des]governo dos EUA fez mais para destruir este país nos últimos anos do que qualquer inimigo externo alguma vez poderia ter feito. Ao utilizar sanções e outras formas de coerção, transformámos a moeda dos EUA e o sistema SWIFT em armas que forçaram a saída de uma grande parte da população global, criando uma reação global que está acelerando.”

“Sem dúvida, a emergência deliberada de novas potências regionais cooperantes está causando uma significativa mudança de poder global que o mundo está atualmente a experimentar. A emergência dos BRICS, na minha opinião, é o exemplo mais notável. Mais seis nações estrategicamente importantes foram adicionadas ao grupo em agosto: Argentina, Arábia Saudita, Egito, Etiópia, Emirados Árabes Unidos e Irã”, disse Andy.

Quando perguntei a Andy por que é importante que as pessoas levem as nações BRICS a sério, ele me disse:

“Com mais de 40 países demonstrando interesse em aderir ao grupo de países BRICS e relatos de muitos mais expressando interesse crescendo diariamente, parece que esta união crescente do BRICS está ganhando legitimidade e força séria.”

“Juntamente com os seus novos membros, os países BRICS controlam atualmente dois dos três maiores arsenais de armas nucleares do planeta, a maior parte dos produtos estratégicos do mundo, são grandes produtores de commodities agrícolas, capacidade de produção de petróleo e gás, reservas enormemente crescentes e acúmulo de metais preciosos e, surpresa, a maioria dos metais de terras raras necessários para a produção de baterias e outras aplicações de energia verde e renovável.”

Ele também falou sobre a importância do papel da Arábia Saudita quando questionado sobre a recente viagem de Putin para visitar MbS:

“Nos últimos anos, a Arábia Saudita, a pedra angular da hegemonia do petrodólar, juntou-se à Iniciativa Belt Road (BRI) da China, em expansão exponencial, juntamente com todos os outros países membros da OPEP. Os sauditas também aderiram ao BRICS, à Organização de Cooperação de Xangai, que é a maior organização financeira e militar regional do mundo, e ao Novo Banco de Desenvolvimento do BRICS, e isso tudo é muito SINTOMÁTICO.”

“O [os psicopatas do Hospício do] Ocidente está recebendo uma mensagem muito clara desta progressão imparável”, disse-me Andy. “Mas se isso não estivesse suficientemente claro, o ministro das Finanças da Arábia Saudita deixou bem evidente no WEF-Fórum Económico Mundial de 2023, em Janeiro, que o Reino está aberto a negociar com outras moedas que não o dólar americano pela primeira vez em 48 anos.”

Quando lhe perguntei sobre os EAU já não aceitarem dólares por petróleo, ele disse-me:

“Embora possa não ser tão dramático como a Arábia Saudita e o resto da OPEP fazem a mesma coisa, não se iluda, isto é um evento extremamente significativo. As ramificações tornam-se muito mais preocupantes quando vistas à luz da crescente progressão da desdolarização global e do grande número de acordos comerciais unilaterais que usurpam o dólar e o sistema SWIFT.”

“Considere isso”, Andy me disse:

“Este anúncio chocante foi feito em 28 de novembro, apenas dois dias antes da 33ª Cúpula Anual da ONU sobre Mudanças Climáticas (COP28), que dura duas semanas e está sendo realizada atualmente em Dubai. A Cúpula tem representantes de mais de 200 países participando e, ironicamente, a conferência está sendo presidida pelo Sultão al-Jaber, chefe do negócio petrolífero estatal dos Emirados Árabes Unidos-EAU.”

[Al-Jaber afirmou durante a 33.ª Conferência das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP28): “Aceitei vir a este encontro para ter uma conversa sóbria e madura. Não estou de forma alguma aderindo a nenhuma discussão alarmista. Não há nenhuma ciência, ou nenhum cenário, que diga que a eliminação progressiva dos combustíveis fósseis é o que vai atingir [a meta de] redução da temperatura de 1,5°C”]

“O que será realmente assustador”, disse ele, “é o que acontecerá quando a Arábia Saudita e o resto da OPEP seguirem o exemplo e se afastarem oficialmente do dólar como única solução para o petróleo, como venho prevendo há 4 anos em mais de 1.200 vídeos no YouTube.”

“Imaginem como seria o mundo se todas as nações que foram forçadas a acumular dólares durante os últimos 50 anos para comprar petróleo, de repente não tivessem motivos para o fazer e estivessem a abandonar os dólares. As terríveis ramificações econômicas imediatas para os Estados Unidos são precisamente o que deveria preocupar infinitamente todos os americanos. Isso me preocupa, isso preocupa você? Deveria!

Como observei em um post há alguns meses, o timing é tudo, mas acho que Andy está no caminho certo em sua clara análise.

E enquanto a “debacle” do dólar americano parecer continuar a nível global, acredito que não só é provável, mas é completamente inevitável, que o metal precioso amarelo acabe por continuar a valorizar-se [bem como a Bitcoin].


“Parece duvidoso se, de fato, a política de “Botas no rosto” pode continuar indefinidamente.  Minha própria convicção é que a oligarquia governante encontrará maneiras menos árduas e perdulárias de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas formas serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo [uma verdadeira profecia publicada em 1932].  Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento INFANTIL e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que e prisões e campos de concentração, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito sugerindo às pessoas que amem sua servidão ao invés de açoita-los e chutando-os até à obediência. ” – Carta de Aldous Huxley  EM 1949 para George Orwell autor do livro “1984”


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.311 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

NOSSOS PRODUTOS

Indicações Thoth

Seja um Anunciante

Divulge seu produto ou serviço em nosso portal!
Converse com a equipe comercial no WhatsApp