browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Enoch e os Vigilantes (Watchers): a verdadeira história de Anjos e Demônios proibida pelo Vaticano

Posted by on 31/10/2021

Em 2002, o jornal britânico The Sunday Telegraph informou que o Vaticano havia proibido a veneração daqueles anjos que não aparecem nos textos “autorizados” da Bíblia. Esta foi uma tentativa de conter a influência de grupos anônimos da Nova Era que supostamente recrutavam novos membros dentro da Igreja Católica Romana. No futuro, as orações deveriam ser dirigidas apenas aos três arcanjos Miguel, Gabriel e Rafael, que são mencionados na Bíblia. De acordo com o apócrifo e proibido Livro de Enoch esses eram os seres angélicos responsáveis ​​por prender os Anjos Caídos (Fallen Angels) iníquos ou Vigilantes (Watchers) que transgrediram a lei de Deus ao, literalmente, “descerem à Terra” e ”fornicarem” com as mulheres gerando descendência híbrida. 

Enoch e os Vigilantes (Watchers): a verdadeira história de Anjos e Demônios proibida pelo Vaticano

Fonte: New Dawn Magazine

A reportagem dizia que a Igreja primitiva havia excluído o livro, atribuído ao profeta e patriarca Enoch do Velho Testamento, da “versão autorizada” da Bíblia porque descrevia esses anjos caídos e suas atividades.

Quem são os Vigilantes (Watchers) ou os [200] Anjos Caídos (Fallen Angels) e por que a Igreja primitiva e o Vaticano moderno estão tão preocupados com o conhecimento da humanidade sobre estes “seres divinos”?

O Livro do Gênesis 6: 1-6 diz:

E aconteceu que, como os homens começaram a multiplicar-se sobre a face da terra, e lhes nasceram filhas,
Viram os filhos de Deus que as filhas dos homens eram formosas; e tomaram para si mulheres de todas as que escolheram. Então disse o Senhor: Não contenderá o meu Espírito para sempre com o homem; porque ele também é carne; porém os seus dias serão cento e vinte anos. Havia naqueles dias gigantes na terra; e também depois, quando os filhos de Deus “entraram” às filhas dos homens e delas geraram filhos; estes eram os valentes que houve na antiguidade, os homens de fama. E viu o Senhor que a maldade do homem se multiplicara sobre a terra e que toda a imaginação dos pensamentos de seu coração era só má continuamente. Então arrependeu-se o Senhor de haver feito o homem sobre a terra e pesou-lhe em seu coração”.
Gênesis 6:1-6

Tradicionalmente, os Ben Elohim ou ‘filhos dos deuses’ somavam várias centenas e desceram à Terra originariamente no Monte Hermon, na Palestina. Significativamente, esse era um lugar sagrado tanto para os cananeus quanto para os hebreus que invadiram sua terra sob o comando de Abraão. Em tempos posteriores, santuários aos deuses Baal [Lúcifer], Zeus, Helios e Pan e à deusa Astarte foram construídos em suas encostas.

Esses Ben Elohim ou ‘anjos caídos’ também eram conhecidos como os Vigilantes, os Grigori e os Irin. Na mitologia judaica, os Grigori eram originalmente uma ordem superior de anjos que viviam no céu mais elevado com Deus e se assemelhavam a seres humanos em sua aparência.[1] O título ‘Vigilante’ significa simplesmente ‘aquele que assiste’, ‘aqueles que assistem’, ‘aqueles que estão acordados’ ou ‘aqueles que não dormem’. Esses títulos refletem a relação única entre os Vigilantes e a raça humana desde os tempos antigos.

Na tradição esotérica Luciferiana, eles eram uma ordem de elite especial de seres angélicos criados por Deus para serem pastores terrenos dos primeiros humanos primitivos. Era sua tarefa observar e zelar pela espécie humana emergente e relatar seu progresso. No entanto, eles foram confinados pela primeira diretriz divina de não interferir na evolução humana. Infelizmente, eles decidiram ignorar o comando de Deus e desafiar suas ordens e se tornar “professores” para a raça humana, com repercussões infelizes para eles e para a humanidade.

A maior parte das informações que temos sobre os Vigilantes e suas atividades vem do livro apócrifo de Enoch . Na Bíblia ortodoxa, o profeta Enoch, do hebraico ‘hanokh’ ou instrutor, é uma figura misteriosa. Em Gênesis 4: 16-23, ele é descrito como filho de Caim, o “primeiro assassino”, e a primeira cidade construída por seu pai leva o seu nome. Mais adiante, em Gênesis 5: 18-19, e várias gerações depois, um outro Enoch é chamado de filho de Jarede, e é durante sua vida que os Vigilantes chegam ou encarnam em corpos humanos.

No livro apócrifo do Jubileu , supostamente ditado por “um anjo do Senhor” a Moisés no Monte Sinai quando ele também recebeu os Dez Mandamentos, está escrito que Enoch foi “o primeiro entre os homens nascidos na Terra [sic] que aprendeu a escrita, o conhecimento e a sabedoria”. ” Diz que Enoque escreveu “os signos do céu” (os signos do zodíaco) de acordo com seus meses em um livro. Isso para que os seres humanos conhecessem as estações dos anos em relação à ordem dos meses e suas respectivas influências estelares e planetárias. A indicação é que Enoch recebeu esta informação de fontes angélicas extraterrestres, ou seja, os Vigilantes, e portanto ele foi um exemplo cultural.

Os anjos caídos instruem a humanidade

Duzentos dos ‘anjos caídos’ desceram do reino celestial ao cume do Monte Hermon e ficaram tão impressionados com a beleza das mulheres humanas que, usando seus novos corpos materiais, fizeram sexo com elas. Isso provocou ainda mais a ira de Yahweh e, de acordo com a Bíblia, a consequência dessa miscigenação entre os caídos e os mortais levou à criação de uma prole meio angelical e meio humana (Gênesis 6: 4) de seres híbridos.

Essas crianças híbridas eram chamadas de Nefelim ou Nephilim e eles eram a raça gigante que uma vez habitou a Velha Terra. Os anjos caídos ensinaram às suas esposas e filhos uma variedade de novas habilidades tecnológicas, conhecimento mágico e sabedoria oculta. Isso sugere que as habilidades psíquicas e os poderes mágicos eram originalmente uma herança ancestral do reino angélico dada aos primeiros humanos. Na tradição Luciferiana, isso é conhecido em termos espirituais e metafóricos como ‘sangue de bruxa’, ‘sangue de elfo’ ou ‘sangue de fada’ que é possuído por bruxas e bruxos.

No Livro de Enoque ele diz que o líder dos anjos caídos era chamado de Azazel, e ele é freqüentemente identificado com Lúcifer (o Portador da Luz) ou Lumiel (‘a luz de Deus’). Ele ensinou os homens a forjar espadas e fazer escudos e couraças (armadura corporal). Azazel também lhes ensinou metalurgia e como extrair da terra e fabricar diferentes metais. Às mulheres ensinou a arte de fazer pulseiras, enfeites, anéis e colares com pedras e metais preciosos. Ele também mostrou como ‘embelezar suas pálpebras’ com kohl e o uso de truques cosméticos para se embelezar e atrair e seduzir o sexo oposto. A partir dessas práticas, Enoch diz que surgiu muita ‘impiedade’ e homens e mulheres cometeram fornicação, foram desencaminhados e se tornaram corruptos em seus caminhos.

Esta foi a base para a Igreja primitiva condenar os anjos caídos por ensinarem as mulheres a fazer colares com peças de ouro e pulseiras para seus braços e artifícios de embelezamento para sedução dos homens. São Paulo disse que as mulheres deveriam cobrir a cabeça na sinagoga (Coríntios: 11: 5-6). Isso acontecia porque os anjos caídos deveriam ser atraídos por mulheres humanas com longos cabelos esvoaçantes. O costume das mulheres cobrirem os cabelos nas igrejas ainda é encontrado no catolicismo romano e também nos costumes do islamismo.

O anjo caído Shemjaza, outra forma de Azazel, diz Enoch ter ensinado aos humanos o uso de cortes de raízes e a arte mágica do encantamento; o anjo caído Armaros ensinou a resolução (banimento) de encantamentos; Baraqijal ensinou astrologia; Kokabiel, o conhecimento das constelações (astronomia); Chazaqiel, o conhecimento das nuvens e do céu (conhecimento do tempo e adivinhação); Shamsiel, os signos do sol (os mistérios solares); Sariel, os cursos da lua (os ciclos lunares usados ​​na horticultura e agricultura e os mistérios lunares esotéricos que regem o ciclo da criação na mulher); Penemuel instruiu humanos na arte de escrever e ler; e Kashdejan ensinou o diagnóstico e a cura de doenças e a ciência da medicina.

É óbvio, a partir dessas descrições das habilidades de ensino dos Vigilantes, que eles foram exemplos culturais e os portadores da civilização para a raça humana primitiva. É, portanto, estranho que nos textos religiosos ortodoxos judaico-cristãos eles sejam mal representados como malignos e corruptores da humanidade.

Alguma idéia do status exaltado original e da natureza real dos ‘filhos de Deus’ e ‘os anjos do Senhor’ pode ser encontrada escondida nos antigos anais da tradição angelical. Por exemplo, Kokabiel é descrito como “um grande príncipe angelical que governa as estrelas”. [2] Nos Oráculos Sibilinos, Araqiel é um dos anjos caídos que guia as almas dos mortos para o julgamento no mundo subterrâneo.

Shamsiel, possível e originalmente era um deus do sol babilônico, era chamado de “o príncipe do Paraíso” porque era um dos anjos da guarda que vigiavam os portões do Éden. Nesse papel, ele levou Moisés para ver o jardim celestial e também cuidou dos tesouros do rei Davi e de seu filho Salomão, o Sábio. Essa referência pode ser a tesouros espirituais, em vez de ouro físico e joias. No Zohar judaico, ele é nomeado o principal ajudante de campo do poderoso arcanjo Uriel e carrega seu estandarte na batalha.

Sariel era um anjo associado à fertilidade da terra e ao equinócio da primavera (hemisfério norte) em março. Ele governou o signo marcial do zodíaco de Áries, o Carneiro, e foi invocado para proteção contra o poder maléfico do Mau-Olhado.

Azazel – Lúcifer – Lumiel

Azazel, o líder dos Vigilantes, como mencionado antes, foi identificado com Lúcifer ou Lumiel. No Alcorão é dito que Lúcifer-Lumiel (Iblis) se rebelou contra Allah porque lhe foi dito para se curvar e adorar o “homem da Terra” nascido no barro, Adão, e recusou. Ele foi forçado a lutar uma batalha no Céu com o Arcanjo Miguel comandante dos Exércitos do Senhor.  Como resultado, Lumiel e seus anjos rebeldes foram expulsos do Céu e caíram [encarnaram] na Terra. Aqui Lumiel se tornou o “Senhor do Mundo” e na mitologia cristã ele foi falsamente identificado com o bicho-papão Satanás. No entanto, esotericamente na tradição Luciferiana, Lumiel ou Lumial não é uma figura satânica maligna atraindo a humanidade para a tentação e atos de maldade como a Igreja o representa. Ele é “o anjo de Deus [que] se rebelou contra o status quo da humanidade, estabeleceu a ordem cósmica e colocou em movimento as forças de mudança e da evolução …[3]

É possível que Lumiel tenha se originado em Canaã como Shahar, o deus da estrela da manhã (Vênus). Ele tinha um gêmeo chamado Shalem, que também era simbolizado pelo planeta Vênus, mas como a estrela da noite. Esses gêmeos divinos brilhantes e escuros representavam a luz solar emergindo da escuridão da noite ao amanhecer e descendo ao anoitecer. Eles eram filhos da deusa Asherah, e há evidências arqueológicas no Oriente Médio de que os hebreus adotaram sua adoração quando se estabeleceram em Canaã e a praticavam junto com a reverência ao deus tribal da tempestade o irado Yahweh. 

O Antigo Testamento tem várias referências à adoração contínua de Asherah como “Rainha do Céu” pelos hebreus alegadamente monoteístas. Isso acontecia em santuários em bosques sagrados nas colinas, onde faziam oferendas de bolos e incenso à deusa. Na mitologia cananeia, Shahar, como o Senhor da Estrela da Manhã, foi lançado do céu por desafiar o deus El na forma de um raio. Nessa forma, ele fertilizou a Mãe Terra com sua divina força fálica.

Azazel é representado como um ferreiro e um feiticeiro ou mago que trabalha com fogo. Ele também foi comparado ao primeiro ferreiro bíblico Tubal-Cain, um descendente do “primeiro assassino” Caim. O nome real Azazel foi traduzido de várias maneiras como ‘deus da vitória’, ‘a força de Deus’, ‘o deus forte’ e até mesmo ‘o deus bode’.  No Apocalipse apócrifo de Abraão, ele é chamado de “o senhor dos pagãos”, sugerindo que ele era originalmente um deus pagão. Ele também foi identificado com a serpente no mito edênico que seduziu a primeira mulher e “Mãe de Todos os Vivos”, Eva. 

Em um texto persa conhecido como o Urm al-Khibab ou O Livro Primordial , que data do 8º século EC, diz-se que o anjo Azazil ou Azazel se recusou a reconhecer a superioridade de Adão sobre os anjos. Como resultado, Allah o expulsou e seus anjos rebeldes do reino celestial para viver na Terra. De forma mais geral, na tradição islâmica, Azazel ou Azrael é o anjo da morte e atua como um guia para as almas dos mortos.

Em Levítico 16: 8-10 e nos Manuscritos do Mar Morto, um curioso ritual hebraico é registrado que apresenta Azazel como o nome do ‘bode expiatório’ que assume os pecados comunais de Israel. Diz que o sumo sacerdote Arão tirou dois bodes do rebanho e lançou a sorte (adivinhação praticada) para escolher qual deles seria o bode expiatório e sacrificado como uma “oferta pelo pecado”. Os pergaminhos dizem que o sumo sacerdote confessou todas as “impurezas dos filhos de Israel” sobre a cabeça do bode Azazel. Por meio desse ato ritualmente simbólico, ele transferiu para o infeliz animal todas as suas culpas e pecados, para que eles pudessem ser absolvidos deles. A cabra era então lançada no deserto para morrer ou jogada em um penhasco para ser despedaçada nas rochas abaixo.

Esse conceito antigo e arquetípico do bode expiatório sacrificado pelos pecados da raça humana e abandonado no deserto é um motivo poderoso e que aparece várias vezes nos mitos bíblicos. Isso pode ser visto na história de Caim que se torna um errante exilado na Terra após ser marcado por Deus com um sinal na face e banido “a leste do Éden” após matar seu irmão Abel. Em uma lenda judaica, o sábio Rei Salomão, um poderoso mago que podia convocar e controlar demônios, caiu em desgraça porque “se prostituiu para os deuses estrangeiros” das mulheres estrangeiras do seu harém. Ele foi forçado por Deus a deixar Jerusalém e vagar pelo deserto disfarçado de mendigo.


{Excerto do post: Anjos Caídos (Livro de Enoch) presos na Antártida

OS 200 “ANJOS CAÍDOS” DO LIVRO DE ENOCH ESTARIAM PRESOS NA ANTÁRTIDA E PRESTES A DESPERTAR E SE LIBERTAREMEm 14 de março de 2017 Israel News Live contou uma história muito provocadora intitulada “Os Anjos Caídos estão Encarcerados na Antártida e ainda estão vivos”. O comentador, Steven Ben-Nun, analisou o apócrifo Livro de Enoch , que descreve as experiências de Enoch, uma figura bíblica ante-diluviana, que foi levada aos céus para testemunhar e desempenhar um papel fundamental em um grande conflito celestial. Ben-Nun cita passagens do Livro de Enoch, que são muito sugestivas de como a  Antártica de fato pode ser o local para onde Enoch foi levado pelos céus para testemunhar eventos “celestes”:

18.5 – E vi os ventos na terra que sustentam as nuvens e vi os caminhos dos anjos. Eu vi no fim da Terra; o firmamento do céu acima.

18.6 – E fui para o [polo?] sul, e ardia dia e noite, onde havia sete montes de pedras preciosas, três para o leste e três para o sul.

A Faixa da Cordilheira Sentinela, na Antártida, onde está situado o Monte Vinson, poderia ser os sete montes vistos por Enoch, FONTE

18.7 – E os do oriente eram de pedra colorida, e um era de pérolas, e outro de pedra de cura; e aqueles para o sul, de pedra vermelha.

18.8 – E o meio chegou ao céu, como o trono do Senhor, de stibium, e o topo do trono era de safira.

O que é interessante na passagem acima é que Enoch se refere a um local que “estava queimando dia e noite”. Ben-Nun acredita que isso se encaixa na descrição da Antártica durante a temporada de verão do Hemisfério Sul, quando há luz solar durante 24 horas.

Ben-Nun passa a discutir o Livro de Enoch e sua referência aos anjos caídos encarcerados que foram removidos de Mt Hermon para a Antártica (Monte Vinson / Sentinel Range):

18.14 – E, como um espírito que me interroga, o Anjo disse: “Este é o lugar do fim do Céu e da Terra; Esta é a prisão para as “estrelas do céu” e a anfitriã do céu.

18.15 – E as estrelas que rolam sobre o fogo, são estas que transgrediram o mandamento do Senhor, desde o princípio de sua ascensão, porque não saíram aos seus dias.

18.16 – E Ele se indignou contra eles, e os atou até o tempo da consumação do seu pecado, no Ano do Mistério (os tempos atuais).  

FIM DE CITAÇÃO }


Também após seu êxodo da escravidão no Egito, Moisés e os israelitas foram forçados a passar quarenta anos vagando no deserto antes de serem autorizados a entrar na Terra Prometida (Canaã). Na mitologia egípcia antiga, o deus das trevas Set é representado como um pária divino que mora no deserto e, depois que ela deixou Adão, sua primeira esposa Lilith ou Liliya fugiu para o deserto longe da habitação humana. No Novo Testamento, Jesus vagou pelo deserto por quarenta dias e noites. Ele não foi aceito como mestre em sua própria cidade de Nazaré e foi rejeitado como o messias prometido pelo “Senhor” ao seu povo. Quando Jesus foi crucificado, ele simbolicamente assumiu o papel de bode expiatório sacrificial que morre para limpar os pecados da raça humana.

É possível que o relato do ritual do deus-bode Azazel possa ter sido um equinócio de outono ou um rito de colheita de origem síria, hitita ou cananeu adotado pelos hebreus. Originalmente, uma cabra teria sido selecionada por meio de um ritual de adivinhação e então oferecida a um deus ou demônio do deserto que deveria ser aplacado com derramamento de sangue. Por fim, o sacrifício foi feito a Yahweh como uma petição para perdoar os pecados de seus seguidores. Acreditava-se que Azazel tinha um séquito de demônios cabritos peludos, conhecidos como se’irim , que, como os Vigilantes, cobiçavam mulheres humanas. Não pode ser uma coincidência total que a Igreja imaginou o Diabo ou Satanás na forma de um cabrito peludo meio-humano com um falo enorme e ereto que tinha relações sexuais com suas adoradoras no sábado das Bruxas.

Shemjaza é visto por alguns luciferianos modernos como o emissário de Lumiel ou um de seus avatares (um ser divino encarnado em forma humana). Ele não apenas se apaixonou por mulheres humanas, mas também pela divindade babilônica Ishtar, a deusa do amor e da guerra. Ela prometeu fazer sexo com ele se em troca ele revelasse o nome secreto de Deus. Quando Shemjaza disse a ela, Ishtar usou esse conhecimento proibido para ascender às estrelas e ela reinou sobre a constelação das Plêiades ou as Sete Irmãs. Enquanto os outros Vigilantes foram cercados pelos arcanjos e punidos por Deus, Shemjaza voluntariamente se arrependeu de seu erro e se sentenciou a ser enforcado de cabeça para baixo na constelação de Órion, o Caçador, com quem às vezes é identificado na tradição Luciferiana. Na tradição cabalística, Naamah. a irmã do primeiro ferreiro bíblico Tubal-Cain, seduziu Azazel e ela foi associada a Ishtar. [4]

“Uma raça entre Deuses e homens”

Como vimos, o resultado final das relações ilícitas entre os Vigilantes e “as filhas dos homens” foi, de acordo com a propaganda judaico-cristã, o surgimento de uma raça monstruosa de gigantes canibais bélicos e bebedores de sangue chamados de Nephilim. Gênesis 6: 4 os descreve de forma menos dramática como “os poderosos da antiguidade, homens de renome”. No início, eles foram alimentados com maná (ambrosia ou a comida dos Deuses?) Por Yahweh para impedi-los de consumir carne, mas eles rejeitaram. Eles abateram animais para comer e então começaram a caçar e comer presas humanas.

Especula-se que essa lenda é baseada nos hábitos culinários dos pastores nômades do deserto do Oriente Médio, que eram comedores de carne vorazes. No mito bíblico de Caim e Abel, a disputa entre os dois irmãos que levou ao primeiro assassinato é sobre a natureza das ofertas feitas a Yahweh. Abel, um “pastor de ovelhas” ou pastor nômade ofereceu as “primícias do rebanho …” e Caim, que era “lavrador da terra” ou fazendeiro-jardineiro ofereceu “o fruto da terra” (Gênesis 4: 2- 4). As ofertas queimadas de carne e sangue animal de Abel agradavam a [ao sanguinéario] Yahweh, mas ele rejeitou os vegetais, cereais e frutas oferecidos por seu irmão. Em um nível puramente material, em oposição a uma metáfora mítica e espiritual,

A ideia de heróis semidivinos nasceu dos antigos mitos de união entre os deuses e os mortais. O poeta e escritor Pindor (518-438 AEC) descreveu os heróis do passado como “uma raça entre deuses e homens”. Nos Manuscritos do Mar Morto, os terríveis Nephilim comedores de humanos são de fato descritos como os guardiões do conhecimento arcano que “conheciam todos os mistérios da natureza e da ciência”. Também há referências indiretas às técnicas de criação que eles ensinaram, que sugerem que eles instruíram os primeiros humanos na domesticação e criação de animais.

Referências adicionais também sugerem experiências que levaram à criação de ‘monstros’ pelo cruzamento de animais [quimeras] com espécies diferentes e não relacionadas. No ocultismo teosófico moderno, existem lendas sobre o continente perdido da Atlântida que afirmam que seus cientistas criaram híbridos metade humanos e metade animais como uma raça de escravos. Em nossa própria época, os cientistas estão fazendo experiências com pesquisas genéticas e experimentos de clonagem de animais. Há muitos rumores de que na China recentemente houve tentativas abortivas de criar uma nova espécie híbrida metade humana e metade animal. 

Esses experimentos genéticos não naturais levaram ao desastre cataclísmico que destruiu Atlântida. Isso também se relaciona com a destruição dos Nephilim e da primeira raça humana no Dilúvio bíblico. Registros de tal evento também podem ser encontrados na mitologia dos povos antigos em todo o mundo e especialmente entre os babilônios no Oriente Médio. Na verdade, afirma-se que a história de Noé e o Dilúvio no Antigo Testamento se originou nos mitos da Babilônia e da Suméria.

10.000 a.C. e o fim da idade do gelo

É sabido que por volta de 10.000 aC parece ter ocorrido uma explosão cultural que transformou a humanidade primitiva. No final da última Idade do Gelo, os primeiros sinais da agricultura apareceram no Oriente Médio com a mudança de um estilo de vida de caçadores-coletores nômades para o de uma agricultura sedentária. Isso marcou o início da civilização nesta área. Já em 9.500 aC, cevada [e a cerveja], trigo e centeio eram cultivados e aveia, ervilhas e lentilhas eram cultivadas por nossos ancestrais neolíticos no que hoje é o Curdistão moderno, entre a Turquia e o Iraque. Ao mesmo tempo, cães, cabras e ovelhas também foram domesticados. Em mil anos, a fundição de cobre e chumbo estava sendo praticada na Anatólia (moderna Turquia) e os arqueólogos acreditam que esse processo foi descoberto pela primeira vez no Curdistão, junto com a tecelagem e a fabricação de cerâmica.

Os curdos afirmam ser descendentes dos ‘Filhos dos Djinn’ (espíritos), a prole de um acasalamento entre os djinns e mulheres mortais. Em algumas partes do Curdistão, especialmente entre a seita de Yezedis, que adoram o Anjo Pavão (Azazel, o líder dos anjos caídos), podem ser encontradas pessoas altas, de cabelos claros e olhos azuis. Embora os antropólogos acreditem que eles podem ter ancestrais europeus antigos, a crença popular entre os curdos diz que eles são descendentes dos ‘Filhos dos Djinn’, que nos tempos antigos trouxeram a civilização para a humanidade primitiva.

Em geral, a antiga Mesopotâmia era conhecida como ‘o berço da nossa atual civilização’, com as primeiras cidades-estado sendo fundadas na área mesopotâmica (atual Iraque e Irã). Os primeiros povos nativos da região, os sumérios e acadianos, desenvolveram a primeira língua escrita, estudaram astronomia, criaram os primeiros códigos de leis e bibliotecas. Os babilônios e assírios os seguiram e na mitologia de todas essas raças estão histórias de como os deuses desceram à Terra e lhes ensinaram as artes da civilização.

No Livro de Enoch está escrito que quando Yahweh viu a ilegalidade, o caos, a corrupção e a imoralidade sexual que foram causadas pela interação dos Vigilantes e seres humanos, ele decidiu intervir por meio dos arcanjos Miguel, Rafael, Gabriel e Uriel. Ele ordenou a Raphael que amarrasse as mãos e os pés de Azazel como uma cabra de sacrifício e o jogasse em uma ravina profunda no deserto. Gabriel foi enviado em uma missão divina para destruir “os bastardos e réprobos” e “os filhos dos Vigilantes entre os homens”. [5] O Arcanjo Miguel, comandante do Exército de Deus, foi enviado para prender Shemjaza e amarrá-lo “sob a terra” até o Dia do Julgamento. Como vimos, o anjo caído se arrependeu de seus pecados e se sentenciou ao exílio cósmico entre as estrelas.

Livro do Jubileu diz que os arcanjos amarraram os Vigilantes “nas profundezas da terra” e na tradição judaica eles estão aprisionados em um misterioso “segundo céu”. No entanto, também é dito que alguns desses “poderosos guerreiros” têm um lugar especial reservado para eles no Sheol, o submundo judeu. Lá, dizem que estão em estado de estase “com escudo e lança intactos”.

Christian O’Brien sugeriu[6] que há uma conexão entre os Vigilantes bíblicos e os semidivinos e semimíticos Tuatha De Danann (Filhos da deusa Dana). Esta raça de antigos mágicos desceu à Terra na colina sagrada de Tara, na Irlanda pré-histórica. Com o advento do Cristianismo, os Tuatha De Danann foram banidos para as ‘colinas vazias’ e se tornaram os Sidhe (Shee) ou ‘Brilhantes’, os elfos e fadas do folclore irlandês. Sempre houve uma forte crença entre os camponeses da Irlanda de que as Boas Pessoas ou fadas eram originalmente os anjos caídos que se aliaram a Lúcifer na Batalha do Céu.

Neste artigo, constantemente nos referimos aos Vigilantes como seres angelicais com uma forma espiritual que encarnaram em corpos físicos para ter relações sexuais com mulheres mortais. Nos últimos anos, uma quantidade considerável de literatura especulativa foi publicada sugerindo que, em vez disso, eles eram de origem terrena. Autores de best-sellers populares, como Andrew Collins, [7] Graham Hancock e Ian Lawson afirmaram que o mito bíblico dos Vigilantes representa as memórias de uma ‘raça mais velha’ primitiva de super-humanos pertencentes a uma civilização perdida que ensinou sua tecnologia a pessoas mais primitivas. Lawson afirmou que esta (desconhecida) raça antiga pode ter sido almas espiritualmente avançadas que encarnaram para ajudar a humanidade primitiva e foram corrompidas por eles no processo. Collins também lançou recentemente um novo projeto para investigar os aspectos mágicos da lenda.

Simbolismo do Mito dos Anjos Caídos

Qual é o significado esotérico por trás do mito dos anjos caídos, a expulsão de Lúcifer e seus seguidores do céu e a queda do homem, conforme representado pela saga do Jardim do Éden? Na Bíblia, Lúcifer é freqüentemente descrito na forma reptiliana de um dragão ou serpente e no Ocidente esta criatura é um símbolo do mal e dos poderes do caos. Todos os mitos babilônicos, hititas, cananeus, persas, egípcios, gregos e nórdicos descrevem em várias formas uma luta entre um deus-pai supremo, representando a ordem e harmonia cósmica, e um deus rebelde mais jovem que desafia e tenta derrubar a autoridade divina. Embora esses conflitos geralmente ocorram em uma época pré-humana, às vezes também são descritos como ocorrendo na história mundial e estão frequentemente relacionados com a criação e o desenvolvimento inicial da espécie humana e o surgimento de civilizações antigas.

Simbolicamente, Lúcifer ou Lumiel é conhecido como o Senhor da Luz, pois é o primogênito da criação. Ele representa a energia cósmica ativa do universo e foi identificado com fogo, luz, poder fálico, pensamento independente, consciência, progresso, liberdade e independência. A fundadora da moderna Sociedade Teosófica, Madame Helena Blavatsky, descreveu o “Portador da Luz” [Lúcifer] como “o espírito da iluminação intelectual e a liberdade de pensamento”, sem cuja influência a humanidade “não seria melhor do que os animais”.[8]

Na Bíblia, Lúcifer (ou Satanás, como é erroneamente chamado) é freqüentemente descrito na forma reptiliana como um dragão ou uma serpente. Nas mitologias ocidentais, essa criatura é comumente representada erroneamente como um símbolo dos poderes das trevas, do caos e do mal. Em contraste, na mitologia oriental, o dragão é um bom presságio que representa fertilidade e boa sorte. Lumiel-Lúcifer é frequentemente identificado com a serpente no mito edênico descrito no Gênesis. Na tradição luciferiana, a serpente bíblica é considerada a personificação do conhecimento, da sabedoria e da iluminação que libertou os primeiros humanos da ignorância espiritual que Yahweh lhes impôs. A serpente é vista como o símbolo de uma força libertadora externa que literalmente abriu os olhos de Adão e Eva para a realidade do universo criado e as maravilhas do mundo material.

A cobra, serpente ou dragão é uma antiga imagem mítica e arquetípica do poder fálico solar ou força vital associada a Lúcifer e à explosão de luz após o evento celestial divino que criou o universo (conhecido pelos cientistas modernos como o Big Bang) . Quando o primeiro homem e a primeira mulher comeram o fruto proibido da Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal no jardim do Éden astral ou celestial, eles se tornaram conscientes. A primeira percepção deles foi que suas ‘capas de carne’ físicas estavam nuas. Eles correram para cobrir seus órgãos genitais, pois perceberam o chamado ‘poder [criador] da serpente’ ou a energia criativa da kundalini, que pode ser gerado por relações sexuais e atos sexuais não reprodutivos. Eles também comeram da Árvore da Vida, que iniciou o ciclo de nascimento, vida, morte e renascimento e das almas humanas encarnando na forma física.

Curiosamente, o antropólogo e professor xamânico Dr. Michael Harner descreveu uma experiência que teve na selva da Amazônia peruana após beber o alucinógeno cipó ayahuasca. Ele teve a visão de um navio com proa de dragão com uma tripulação de humanos com cabeça de pássaro. Ele então encontrou uma raça antiga de entidades reptilianas que ele acredita existir dentro de cada ser humano no tronco cerebral, na base do crânio e no topo da coluna vertebral. Essas formas de vida reptilianas disseram ao Dr. Harner que haviam chegado à Terra há éons, vindo das estrelas. Supostamente, eles criaram vida aqui para que tivessem um lugar para se esconder e eram os verdadeiros mestres do planeta. O antropólogo mencionou isso a um velho xamã indiano e ele disse que sabia sobre essas entidades e as chamou de “Mestres das Trevas Exteriores”. [9]

O mito dos Vigilantes, a Queda de Lúcifer e a Queda do Homem representam o Tempo do Sonho primitivo ou ‘Idade de Ouro’ da harmonia cósmica e terrestre e da inocência primordial que pode ter existido no plano material ou em algum tipo de astral ou pré- plano material. É a destruição física simbólica ou real deste paraíso celeste ou terreno, onde humanos e animais viviam juntos e se comunicavam por uma linguagem universal, que se reflete em tais mitos e lendas. Em termos xamânicos, é conhecido como a Grande Separação, quando os humanos não mais conheciam ou entendiam a linguagem dos animais e perderam sua conexão com “deus”. Foi também uma época em que os humanos começaram a se comunicar em diferentes línguas e isso é representado pela história bíblica da Torre de Babel.

O mito da Idade de Ouro ou Paraíso na Terra está intimamente relacionado com a queda de Lúcifer do Céu e a diminuição de sua condição anterior de primogênito da criação a se tornar o Senhor do Mundo. Em um nível simbólico e metafórico, bem como físico, também está ligado à separação do homem da natureza e de seu ambiente natural que se manifesta em nossos tempos modernos. Foi a intervenção deliberada de Lúcifer e dos anjos caídos na evolução humana, ao invés de qualquer desafio à autoridade cósmica, que acabou levando à queda da graça celestial. O único ‘crime’ dos Vigilantes foi querer ajudar o progresso de seu rebanho humano. No entanto, a recusa de Lúcifer-Iblis em reconhecer a criação dos seres humanos significa que a queda da graça celestial era inevitável.

Na tradição luciferiana, a Lumiel é prometida a redenção e a restauração de seu antigo status no plano cósmico. Isso só pode acontecer quando a raça humana evoluir espiritualmente. Portanto, é para o benefício de Lumiel e de seus anjos ensinadores nos ajudar a alcançar esse objetivo. A relação entre a humanidade e o líder dos Caídos é, portanto, muito simbiótica, pois eles e nós precisamos uns dos outros.

Este artigo foi publicado na New Dawn Special Issue 8

{“E andou Enoch com Deus; e não apareceu mais, porquanto Deus para si o tomou”.  Gênesis 5:24

“Pela fé Enoch foi trasladado (aos céus) para não ver a morte, e não foi achado, porque Deus o trasladara; visto como antes da sua trasladação alcançou testemunho de que agradara a Deus”.  Hebreus 11:5

“E foram todos os dias de Enoch trezentos e sessenta e cinco anos”.  Gênesis 5:23

“E andou Enoch com Deus, depois que gerou a Matusalém, trezentos anos, e gerou filhos e filhas”.  Gênesis 5:22}


NOTAS DE RODAPÉ:

1. G.A. Davidson, Dictionary of Angels, The Free Press, USA, 1971, p. 127.

2. Ibid, p.164.

3. Dr. Stephen Flowers, Fire and Ice, Llewellyn, USA, 1990, pp.43-44.

4. Michael Howard and Nigel Jackson, The Pillars of Tubal Cain, Capall Bann, UK, 2000 and 2003, p.65; Michael Howard, The Book of Fallen Angels, Capall Bann, UK, 2004.

5. R.H. Charles, The Book of Enoch, Society for the Promotion of Christian Knowledge, UK, 1912, p.37.

6. ChristianO’Brien, The Genius of the Few, Daintus, UK, 1985.

7. Andrew Collins, From the Ashes of Angels, Michael Joseph, UK, 1996; Andrew Collins, The Gods of Eden, Headline, UK, 1998.

8. Helena Blavatsky, The Secret Doctrine Vol: II, Theosophical Society, India, 1921, p. 171, 255, 539.

9. Dr. Michael Harner, The Way of the Shaman, Harper & Row, USA, 1980


“Precisamos do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é 24_Experience_of_Duality-greys-dracos-reptilianos.jpg

Parece duvidoso se, de fato, a política de “Botas no rosto” pode continuar indefinidamente. Minha própria convicção é que a oligarquia governante encontrará maneiras menos árduas e perdulárias de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas formas serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo [uma verdadeira profecia publicada em 1932]. Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento INFANTIL e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que prisões e campos de concentração, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito “SUGERINDO” às pessoas para que “AMEM A SUA SERVIDÃO” ao invés de açoita-los e chuta-los até obter sua obediência“. – Carta de Aldous Huxley  EM 1949 para George Orwell autor do livro “1984”


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

2 Responses to Enoch e os Vigilantes (Watchers): a verdadeira história de Anjos e Demônios proibida pelo Vaticano

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.