Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

O Livro (Etíope) de Enoch, Anjos Caídos, Anunnaki, Nephilim, os Vigilantes – Introdução

Introdução: Baseei este livro na tradução acadêmica de Michael A. Knibb dos Manuscritos etíopes, (The Ethiopic Book of Enoch, Oxford University Press), que acredito ser a melhor tradução disponível atualmente. Eu ouvi pela primeira vez sobre o Livro de Enoch alguns anos atrás, quando eu estava pesquisando sobre as profecias do “Fim dos Dias”. Quando eu finalmente consegui ter uma cópia em minhas mãos, descobri que era um livro muito estranho e incomum. A primeira vez que o li fiquei cético e um tanto perplexo; eu me perguntei quem teria escrito um livro tão extraordinário como este.

O Livro (Etíope) de Enoch, Anjos Caídos, Nephilim, Anunnaki, os Vigilantes, INTRODUÇÃO

Fonte: The Ethiopic Book of Enoch – Oxford University Press

¹⁸ E viveu Jared cento e sessenta e dois anos, e gerou a Enoch. ¹⁹ E viveu Jared, depois que gerou a Enoch, oitocentos anos, e gerou filhos e filhas.²⁰ E foram todos os dias de Jared novecentos e sessenta e dois anos, e morreu.²¹ E viveu Enoch sessenta e cinco anos, e gerou a Matusalém.²² E andou Enoch com Deus, depois que gerou a Matusalém, trezentos anos, e gerou filhos e filhas.²³ E foram todos os dias de Enoch trezentos e sessenta e cinco anos.²⁴[o mesmo número de dias do ano solar] E andou Enoch com Deus; e não apareceu mais, porquanto Deus para si o tomou.²⁵ E viveu Matusalém cento e oitenta e sete anos, e gerou a Lameque. ²⁶ E viveu Matusalém, depois que gerou a Lameque, setecentos e oitenta e dois anos, e gerou filhos e filhas.²⁷ E foram todos os dias de Matusalém novecentos e sessenta e nove anos, e morreu. ²⁸ E viveu Lameque cento e oitenta e dois anos, e gerou um filho,²⁹ A quem chamou Noé, dizendo: Este nos consolará acerca de nossas obras e do trabalho de nossas mãos, por causa da terra que o Senhor amaldiçoou. – Gênesis 5:18-29


Eu sabia que Enoch, (Hanokh em hebraico), era mencionado de forma muito favorável em Gênesis, e descobri que o livro de Enoch descreve o Êxodo e Moisés muito favoravelmente (embora não pelo nome).

Então, minha primeira teoria era que poderia ter sido escrito na mesma época que a Torá, talvez por volta de 1.400 aC. No entanto, após várias leituras, eu não consegui encontrar teorias plausíveis. A profecia dos animais é extremamente escrita com precisão e, obviamente, refere-se a eventos bem depois de Moisés (ver minhas notas sobre esse capítulo). Além disso; quem teria ousado produzir um livro com personagens como Moisés descrito em termos de animais de fazenda?

Michael Knibb, cuja tradução usei para produzir este livro, estudou todos os manuscritos e fontes disponíveis, e é claro que este livro já era bem conhecido e estudado por muitos povos de diferentes países bem antes da época de Jesus. Os fragmentos e citações sobreviventes mais antigos conhecidos em várias línguas mostram que este é o mesmo livro, e que os etíopes o preservaram muito bem.

No final, eu estava convencido de que o livro é realmente o verdadeiro relato de Enoch de eventos [tão antigos, como anteriores ao Dilúvio, ou seja, do final dos tempos de Atlântida] que de outra forma foram esquecidos e que ocorreram nos primeiros tempos; eventos sobre os quais não temos nenhum outro registro sobrevivente [existem escritos muito mais antigos, nos escritos sagrados da antiga Índia, os Vedas, Upanishads, Mahabharata, etc].

Enoch nos deixou um livro que descreve pessoas de uma cultura avançada; – pessoas de longos cabelos loiros que o povo de Enoch considerava Anjos de Deus, e isso foi escrito pela instrução dos anjos.

A visão acadêmica padrão parece ser que alguns fanáticos religiosos ligeiramente dementes escreveram o livro – não muito antes dos fragmentos mais antigos, (200 ou 300 BC). Eu acho que é impossível apoiar essa visão.

Esse autor teria que ser capaz de escrever o livro inteiro a partir do ponto de vista de uma pessoa que não sabia nada sobre nomes de antigos países [pre dilúvio] ou religiões. Em seguida, ele passa a descrever os [duzentos] Anjos como homens loiros, que fugiram dos céus [Anjos Caídos, Fallen Angels] para serem promíscuos com as mulheres da Terra.

Não acredito que esse seja o tipo de visão de mundo que teria sido bem recebido ou amplamente aceito em qualquer lugar do mundo em torno de 200 aC. Isso tudo mais as profecias precisas de fatos que aconteceram, como o Dilúvio, são provavelmente as razões pelas quais o livro foi “perdido” pelas religiões que costumavam considerá-lo inspirado e sagrado.

Concluí que o livro é provavelmente o que parece ser; com seu conteúdo bem preservado, antigo e genuíno. Enoch era o bisavô de Noé, e pai de Matusalém, e seu livro dá uma visão única do mundo antes do grande Dilúvio inundar a Terra; que uma pesquisa recente sugere que pode ter ocorrido há muito tempo, em torno de 17.000 aC [de fato o dilúvio (o afundamento final de Atlântida) ocorreu em 10.986 a.C.].

A História do Livro de Enoch

O Livro de Enoch foi considerado como perdido por milhares de anos, com muitas fontes antigas referindo-se a ele, e até citando partes, mas nenhuma cópia era conhecida. Então, em 1773, o explorador escocês James Bruce trouxe três cópias consigo da Etiópia, tendo passado alguns anos explorando o país em busca da nascente do Rio Nilo.

Enoch tinha duas razões principais para escrever seu livro. O primeiro foi porque os anjos ‘Observadores’ [Watchers, Fallen Angels/Anjos Caídos] instruíram-no a fazê-lo, (ver seção 15 em 81.5 e 81.6). A Segunda razão; era salvar sua família e descendência [de Enoch] do dilúvio.

Enoch escreveu seu livro, depois que seu neto Lamech nasceu, mas antes de Noé ter nascido. Noé só é nomeado na seção que Matusalém escreveu, (Ver seção 10 em 107.3) e, claro, em sua própria seção (seção 11, O Livro de Noé). Assim, ainda podem ter existido 40 a 80 anos antes do Dilúvio, no tempo em que Enoch escreveu seu livro.

Há um longo intervalo entre o tempo do dilúvio e o tempo em que Moisés deu louvor a Enoch em Gênesis. A escrita do Livro do Gênesis data de cerca de 1.400 a.C., e faz parte da Torá judaica (Pentateuco, os cinco primeiros livros da Bíblia).

Em Gênesis, há a família de Enoch; como nomeado por ele neste livro, e uma recapitulação rápida de algumas das histórias de Enoch. Parece, portanto, provável que cópias do Livro de Enoch sobrevivessem no início dos tempos egípcios, em torno de 3.500 aC, o início da nossa atual civilização e fosse conhecido por Moisés cerca de 2.000 anos mais tarde.

Moisés presumivelmente tomou uma cópia do livro de Enoch [das bibliotecas egípcias?] com ele quando todos os hebreus partiram do Egito, e sem dúvida ficou satisfeito ao ver a profecia de Enoch sendo cumprida. O livro provavelmente existiu principalmente em hebraico durante os mil anos após o êxodo hebraico do Egito. Não existem hoje cópias em hebraico [conhecidas], embora existam algumas passagens hebraicas citadas em alguns dos fragmentos aramaicos que sobreviveram alguns séculos antes de Cristo.

A aparência do livro na Etiópia deve-se provavelmente a eventos em Jerusalém durante o reinado de Manassés de Judá, (695 – 642 aC), que estão documentados na Bíblia, (2 Crônicas 33: 1 – 20, e em 2 Reis 21: 1 – 18). O rei Manassés não era da fé judaica, ele erigiu um altar a Baal [Lúcifer] e Asherah no Templo de Salomão. Em Reis em 21:16, diz que tanto sangue inocente foi derramado que encheu Jerusalém de ponta a ponta. Neste tempo, o establishment religioso deixou o país, levando a Arca da Aliança dos hebreus e todos os textos religiosos importantes com eles.

Depois de vários anos no Egito, os refugiados foram mais para o sul, próximo à nascente do rio Nilo, no Lago Tana, na Etiópia. Os descendentes destes hebreus são os atuais nativos Falashas, que ainda hoje seguem a forma do Judaísmo que tinha sido praticado em Israel apenas antes de 620 a.C. Os etíopes traduziram O Livro de Hanokh em Ge’ez, e tinham bastante respeito para cuidar dele. Entretanto, todas as versões hebraicas desapareceram, mas uma parte do Livro tinha sobrevivido em grego, e algumas partes em aramaico, mas até que o explorador escocês James Bruce, retornar da Etiópia em 1773, com três exemplares dos manuscritos do Livro de Enoch, ninguém no ocidente nunca tinha visto o livro inteiro.

As duas traduções geralmente disponíveis foram feitas logo depois e o Livro foi recebido com um silêncio constrangedor, em sua maior parte, e não foi bastante lido. Este livro é baseado em uma nova tradução publicada em 1978, que foi produzido como resultado da pesquisa de um grande número de Manuscritos e uma revisão de todos os outros fragmentos sobreviventes. Minha esperança é que a presente edição seja a melhor versão do livro de Enoch disponível em Inglês.

Eu sinto que este é um livro com um conteúdo muito importante [especialmente para o nosso presente], e eu tenho feito o meu melhor para apresentá-lo tão claramente como possível, e de uma forma que espero que o próprio Enoch teria aprovado.

A Condição do texto

Acredito que o texto esteja em boas condições em geral. Parece ser quase completo, com um começo e um fim, e é auto consistente. Ainda mais significativa é a maneira como o caráter e o estilo de Enoch ainda estão aparentes. As únicas partes que eu suspeito que foram escritas por diferentes autores separados, como o Livro de Matusalém e o Livro de Noé, (Capítulos 10 e 11).

A tradução de Michael Knibb, em inglês, é muito boa, e eu tive que fazer muito pouco para o texto, a fim de mudá-lo de uma boa tradução para um inglês claro. Eu adicionei um monte de pontuação e melhorei a apresentação, mas fiz apenas pequenas alterações no texto (por exemplo, como substituindo “antes” por “na frente de” quando apropriado. Em poucos Lugares substituí o “céu” pelos Céus onde faz o significado mais claro onde Enoch diz “o rosto dos Céus” ele significa outro ambiente, mas eu deixei inalterado. Eu só mudei o céu para o Céus, onde eu tinha certeza de que era o significado pretendido [um lugar celestial].

Da mesma forma, tentei usar “Terra” com maiúscula onde eu acho que o significado é todo o planeta e “terra”, em minúscula, onde o significado pode ser apenas o solo de determinada região – que Enoch frequentemente se refere como “solo seco”, e não a “Terra”.

Felizmente, o estilo de Enoch era de usar um vocabulário simples [a verdade é simples, não precisa de construções empoladas], e ele assumiu ter nenhum pre-conhecimento pelo leitor. Qualquer coisa complicada, ele explica em detalhes, com bastante repetição.

Isso ajudou a preservar o livro através de muitas traduções. Tem Alguns lugares, mesmo assim, onde há problemas, eu marquei estes com Pontos (…..) onde algumas palavras parecem ter sido perdidas. Felizmente, não existem muitos destes casos, e nada importante parece estar faltando.

Eu encontrei algumas transliterações no texto:

• O livro de Matusalém tinha sido inserido perto da parte de trás,

• O livro de Noé e ‘The Storehouses’ [Os Armazéns] foram inseridos na Terceira Parábola.

• Parte da Profecia das Dez Semanas estava na ordem errada.

Tenho mantido os números etíopes de “capítulo e verso”, em todos os casos, para que minhas alterações à ordem de apresentação possam ser facilmente vistas. Eu dividi o livro em seções – onde parece haver uma ruptura natural, e dei a cada uma um título.

Eu inseri as obras de Noé e Matusalém no meio – onde parece ser uma ruptura importante no livro de Enoch. A primeira seção de Enoch é principalmente a história do que ocorreu enquanto a segunda parte é principalmente escrita das notas que Enoch tomou enquanto estava com os anjos caídos, os “Vigilantes” [Watchers].  Além disso, o final do livro curto de Noé serve convenientemente como um Introdução ao Livro das Parábolas de Enoch.

Andy McCracken – (Agosto de 2002)


“A sabedoria (Sophia) clama lá fora; pelas ruas levanta a sua voz. Nas esquinas movimentadas ela brada; nas entradas das portas e nas cidades profere as suas palavras:  “Até quando vocês, inexperientes, irão contentar-se com a sua inexperiência? Vocês, zombadores, até quando terão prazer na zombaria? E vocês, tolos [ignorantes], até quando desprezarão o conhecimento?  Atentai para a minha repreensão; pois eis que vos derramarei abundantemente do meu espírito e vos farei saber as minhas palavras [o conhecimento]”. – Provérbios 1:20-23


Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *