Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

EUA Explodiram Gasodutos Nord Stream 1 e 2 da Rússia no ano passado, afirma premiado jornalista norte-americano

De acordo com o jornalista investigativo Seymour Hersh, ganhador do prêmio Pulitzer, desde o começo, os EUA e seus parceiros europeus, principalmente a Noruega, não viram com bons olhos a construção do Nord Stream 1 e 2 pela Rússia, e que a decisão de os sabotar aconteceu após mais de nove meses de debates altamente secretos dentro da comunidade de segurança nacional de Washington”.

EUA Explodiram Gasodutos Nord Stream 1 e 2 da Rússia no ano passado, afirma premiado jornalista norte-americano

Fonte: SputnikNews

Ainda segundo o jornalista, a decisão do governo norte-americano de sabotar os gasodutos ocorreu “após mais de nove meses de debates altamente secretos dentro da comunidade de segurança nacional de Washington” e que a missão levou todo esse tempo não “por uma questão de não a cumprir“, mas sim de como realizá-la sem deixar nenhuma pista clara sobre quem seria o responsável”.

“Em junho do ano passado, mergulhadores da Marinha [dos EUA], operando sob a cobertura de um exercício da OTAN amplamente divulgado no meio do verão [europeu], conhecido como BALTOPS 22, plantaram os explosivos acionados remotamente que, três meses depois, destruíram três dos quatro gasodutos Nord Stream, de acordo com uma fonte com conhecimento direto do planejamento operacional”, escreveu Hersh.

Hersh também acrescenta que, “desde os seus primeiros dias, o Nord Stream 1 foi visto por Washington e seus parceiros antirrussos da OTAN como uma ameaça ao domínio [do Hospício] ocidental.

“Os temores políticos dos Estados Unidos eram reais: [Vladimir] Putin teria agora uma importante fonte de renda adicional e muito necessária, e a Alemanha e o restante da Europa se tornariam viciados em gás natural de baixo custo fornecido pela Rússia”, continua o jornalista.

Ao mesmo tempo, o especialista ressaltou que o gasoduto “Nord Stream 1 já era perigoso o suficiente, na opinião da OTAN e de Washington, mas o Nord Stream 2 […], se aprovado pelos reguladores alemães, dobraria a quantidade de gás barato que estaria disponível para a Alemanha e [o resto da] Europa”, acrescentando que enquanto isso “as tensões aumentavam constantemente entre a Rússia e a OTAN, apoiadas pela agressiva política externa [dos manipuladores e controladores] do governo Biden.

Sobre o Nord Stream 2, o jornalista relata que a oposição à construção do segundo gasoduto explodiu na véspera da posse de Joe Biden em janeiro de 2021, quando os republicanos do Senado, liderados por Ted Cruz, levantaram repetidamente a ameaça política do gás natural russo barato para a Europa durante a audiência de confirmação de Antony Blinken como secretário de Estado. A essa altura, um Senado unificado havia aprovado com sucesso uma lei que, como Cruz disse a Blinken, “interrompeu [o gasoduto] em seu curso“.

O Planejamento da Sabotagem

Hersh indica que o planejamento para explodir os gasodutos começou em dezembro de 2021, dois meses antes de começar a operação russa na Ucrânia, quando o conselheiro de Segurança Nacional, Jake Sullivan, convocou uma reunião de uma força-tarefa envolvendo membros do Estado-Maior Conjunto, da CIA e dos Departamentos de Estado e do Tesouro, e pediu recomendações sobre como responder à operação russa do gasoduto.

“Seria a primeira de uma série de reuniões ultrassecretas, em uma sala segura no último andar do Old Executive Office Building, adjacente à Casa Branca, que também abrigava o Conselho Consultivo de Inteligência Estrangeira do Presidente [PFIAB] […] O que ficou claro para os participantes, de acordo com a fonte com conhecimento direto do processo [citada por Hersh], é que Sullivan pretendia que o grupo apresentasse um plano para a destruição dos dois gasodutos Nord Stream, e que ele estava cumprindo os “desejos” do presidente”, diz o jornalista.

Ainda segundo o artigo, a Marinha dos EUA propôs o uso de um submarino recém-comissionado para atacar diretamente o gasoduto; a Força Aérea discutiu o lançamento de bombas com fusíveis retardados que poderiam ser ativados remotamente e a CIA argumentou que o que quer que fosse feito, teria que ser secreto. Todos os envolvidos entenderam o que estava em jogo. “Isso não é coisa de criança”, disse a fonte. Se o ataque fosse rastreável aos Estados Unidos, “É UM ATO DE GUERRA.

THE PLAYERS Left to right: Victoria Nuland, Anthony Blinken, and Jake Sullivan.

Sendo assim, no início de 2022, o grupo de trabalho da CIA finalmente relatou ao grupo interagências de Sullivan: “Temos uma maneira de explodir os gasodutos”, afirmou Hersh.

Em 7 de fevereiro, menos de três semanas antes da operação na Ucrânia, Biden se reuniu em seu escritório na Casa Branca com o chanceler alemão Olaf Scholz, que, depois de algumas oscilações, agora estava firmemente no time americano. Na coletiva de imprensa que se seguiu, Biden disse desafiadoramente: “Se a Rússia invadir […a Ucrânia] não haverá mais um Nord Stream 2. Vamos acabar com ele.”

Com o “anúncio público” de [‘Dementia’Joe] Biden, Hersh diz que “vários dos envolvidos no planejamento da missão ficaram consternados com o que consideraram referências indiretas ao ataque” e que a ideia “era que as opções fossem executadas após a invasão e não anunciadas publicamente antes mesmo da invasão da Rússia à Ucrânia. Biden simplesmente não entendeu ou ignorou”, disse uma fonte ao jornalista.

A Operação de Sabotagem

Segundo Hersh, a Noruega foi o local escolhido para os norte-americanos desenvolverem seu plano em ação, uma vez que “nos últimos anos, os militares dos EUA expandiram enormemente sua presença dentro da Noruega […] o Pentágono criou empregos e contratos com altos salários no país escandinavo, em meio a alguma controvérsia local, investindo centenas de milhões de dólares para atualizar e expandir as instalações da Marinha e da Força Aérea americana no país” localizado ao lado da Rússia.

“Hoje, o comandante supremo da OTAN é Jens Stoltenberg, um anticomunista convicto, que serviu como primeiro-ministro da Noruega por oito anos antes de se mudar para seu alto posto na OTAN, com apoio americano, em 2014. Ele era linha dura em tudo relacionado a Putin e Rússia, e cooperou com a comunidade de inteligência americana desde a Guerra do Vietnã. Ele tem sido totalmente confiável desde então, ele seria ‘a luva que se encaixa na mão americana'”, afirmou uma fonte ao jornalista.

Em algum momento de março passado, continua o texto, alguns membros da equipe norte-americana voaram para a Noruega para se encontrar com o Serviço Secreto e a Marinha do país. Uma das questões-chave era onde exatamente no mar Báltico era o melhor lugar para plantar os explosivos, sendo que a Marinha norueguesa foi rápida em encontrar o local certo, nas águas rasas do mar Báltico, a alguns quilômetros da ilha dinamarquesa de Bornholm.

Para efetuar a missão, foram recrutados mergulhadores da Cidade do Panamá, segundo Hersh: “Os melhores mergulhadores com qualificações de mergulho profundo são uma comunidade restrita, e apenas os melhores são recrutados para a operação e instruídos a se prepararem para serem convocados pela CIA em Washington“, ele afirma.

Agora, os noruegueses e americanos tinham localização e agentes, mas havia outra preocupação: qualquer atividade subaquática incomum nas águas de Bornholm poderia chamar a atenção das Marinhas sueca ou dinamarquesa, que poderiam denunciá-la.

Mas os noruegueses apresentaram uma solução: durante todo mês de junho, nos últimos 21 anos, a 6ª Frota Americana patrocinou um grande exercício marítimo da OTAN no mar Báltico envolvendo dezenas de navios aliados em toda a região. O exercício atual, realizado em junho, conhecido como BALTOPS22, e os noruegueses propuseram que esta seria a cobertura ideal para plantar as minas nos gasodutos.

Do lado norte-americano, um elemento vital foi oferecido: eles convenceram os planejadores da 6ª Frota a acrescentarem um exercício de pesquisa e desenvolvimento ao programa BALTOPS22 como cobertura das atividades de sabotagem.

“O evento no mar seria realizado na costa da ilha de Bornholm e envolveria equipes da OTAN de mergulhadores plantando minas, com equipes concorrentes usando a mais recente tecnologia subaquática para encontrá-las e destruí-las […] Os mergulhadores da Cidade do Panamá fariam o que precisavam e os explosivos C4 estariam no local no final do BALTOPS22, com um cronômetro de 48 horas anexado. Todos os americanos e noruegueses já teriam ido embora na primeira explosão”, diz Hersh.

Uma vez instalados, os dispositivos de cronometragem atrasados ??ligados a qualquer um dos quatro gasodutos podem ser acionados acidentalmente pela complexa mistura de ruídos de fundo do oceano em todo o mar Báltico de tráfego marítimo intenso – de navios próximos e distantes, perfuração subaquática, eventos sísmicos, ondas e até criaturas do mar.

Para evitar isso, a boia do sonar, uma vez posicionada, emitiria uma sequência de sons tonais únicos de baixa frequência – muito parecidos com os emitidos por uma flauta ou um piano – que seriam reconhecidos pelo dispositivo de cronometragem e, após um horário predefinido de atraso, acionaria os e detonaria os explosivos implantados.

Em 26 de setembro de 2022, um avião de vigilância P8 da Marinha Norueguesa fez um voo aparentemente rotineiro e lançou uma boia de sonar. O sinal se espalhou debaixo d’água, inicialmente para o Nord Stream 2 e depois para Nord Stream 1.

Algumas horas depois, os explosivos C4 de alta potência foram acionados e três dos quatro gasodutos foram explodidos. Em poucos minutos, poças de gás metano que permaneceram nos dutos fechados puderam ser vistas se espalhando na superfície da água e o mundo soube que algo irreversível havia acontecido com os gasodutos da Rússia.

“Imediatamente após a explosão do gasoduto, as pre$$tituta$ da mídia americana o tratou como “um mistério” não resolvido. A Rússia foi repetidamente citada como provável culpada, estimulada por vazamentos calculados da Casa Branca – mas sem nunca estabelecer um motivo claro para tal ato de auto sabotagem, além de uma simples retribuição”, escreveu o jornalista.

Embora nunca tenha ficado claro pelas pre$$titutas da mídia do por que a Rússia tentaria destruir seu próprio gasoduto lucrativo, uma justificativa mais reveladora para a ação de Biden veio do secretário de Estado, Blinken. Questionado em uma coletiva de imprensa em setembro passado sobre as consequências do agravamento da crise energética na Europa, Blinken descreveu o momento como “potencialmente bom“.

“É uma tremenda oportunidade para remover de uma vez por todas a dependência da energia russa e, assim, tirar de Vladimir Putin a armação da energia como meio de avançar em seus desígnios imperiais. Isso é muito significativo e oferece uma tremenda oportunidade estratégica para os próximos anos”, disse Blinken citado pelo jornalista.

O relato de Hersh foi publicado hoje (8), e mais tarde, o próprio jornalista confirmou à Sputnik que o texto era autêntico e de sua autoria. A Casa Branca, através da porta-voz Adrienne Watson, rejeitou as alegações e as classificou como “falsas e completa ficção”, diz o texto.

Seymour Myron Hersh é um premiado jornalista investigativo há mais de 50 anos e ganhou um prêmio Pulitzer de Reportagem Internacional, assim como prêmios Polk e George Orwell. Ele é especializado em geopolítica, atividades dos serviços secretos e assuntos militares dos Estados Unidos. Hersh ganhou vários prêmios importantes por seus artigos em jornais e revistas, bem como por seus livros. Ele foi creditado por expor o escândalo de tortura de Abu Ghraib em 2004 e afirmou em 2015 que o governo do presidente Barack Obama forjou o assassinato de Osama bin Laden em 2011.


E ouvireis de Guerras e de rumores de Guerras; olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim. Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá FOMES, e PESTES, e TERREMOTOS, em vários lugares. Mas todas estas coisas são [APENAS] o princípio das dores. Mateus 24:6-8


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *