browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

EUA/OTAN (e WEF/Bilderberg) estão pressionando por Fome no Sul Global ?

Posted by on 10/06/2022

A razão pela qual duvido da ideia de que o Hospício do Ocidente esteja tentando precipitar a fome nas economias pobres é que o Reino Unido e a Europa sofrerão a pior escassez de alimentos neste outono e inverno desde a Segunda Guerra Mundial como resultado das sanções que adotaram contra a Rússia. Portanto, se os supostos líderes podem ser indiferentes à perspectiva de desestabilizar a sociedade ao sofrimento em larga escala em casa, parece mais provável que a fome na África e em partes da Ásia seja outro resultado não planejado, embora bem-vindo pelos psicopatas mais patológicos do hospício.

EUA/OTAN (e WEF/Bilderberg) estão pressionando por Fome no Sul Global ?

Fonte: NakedCapitalism.com

Alguns comentaristas estão prevendo revoltas e/ou mudanças do tipo placas tectônicas, como a Europa se alinhando com a Rússia ao invés dos EUA em nome da segurança alimentar e energia mais barata. Com os últimos 100 anos investidos em ódio aos soviéticos e agora ostensivamente contra o pais de Putin, é difícil ver acontecer até fome e racionamento na Europa, se os resultados mais extremos ocorrerem entre Rússia/Europa, produzindo esse grau de mudança política em meia geração.

O gatilho para esta postagem de Michael Hudson foi uma reunião do Presidente da União Africana, o Presidente do Senegal Macky Sall com Putin. Observações de Sall, extraída de uma transcrição parcial da reunião :

As sanções anti-Rússia pioraram esta situação e agora não temos acesso aos grãos da Rússia, principalmente ao trigo. E, o mais importante, não temos acesso a fertilizantes. A situação era ruim e agora piorou, criando uma ameaça à segurança alimentar na África.

Esta manhã, falei com o meu colega da Comissão da União Africana. Eu disse a ele que havia dois grandes problemas – a crise e as sanções anti Rússia. Devemos trabalhar juntos para resolver esses problemas, de modo que as sanções sejam levantadas sobre produtos alimentícios, em particular, grãos e fertilizantes.

Mais explicações de Nezavisimaya Gazeta: nações africanas buscarão a ajuda de Putin para evitar a fome ( traduzido da TASS ):

Falar sobre a ameaça de fome na África já vem acontecendo há algum tempo. Os embarques agrícolas através das rotas do Mar Negro estão paralisados, principalmente porque Kiev explorou as águas ao [colocar minas anti navio] redor de Odessa por medo de que a Rússia tente tomar o porto. De fato, a África procura superar dois choques de uma só vez porque, devido à pandemia de coronavírus, a situação econômica no continente deixou muito a desejar mesmo antes do lançamento da operação militar especial da Rússia na Ucrânia. Embora a Rússia e a Ucrânia produzam apenas um terço das exportações globais de trigo e cevada, muitas delas se concentram para países na África e não para os países mais ricos [mas muito pobres de “espírito”]. É por isso que questões de logística e sanções podem desencadear uma fome genuína na África.

“Na verdade, a visita da delegação da União Africana não é nada de extraordinário porque as partes trocam visitas de delegações algumas vezes por ano. É durante a pandemia que as questões de preços dos alimentos começaram a surgir. Além disso, complicações com pagamentos em moeda estrangeira e a Rússia sendo impedida de fazer pleno uso do transporte marítimo estão criando dificuldades adicionais. Em particular, mesmo que algumas empresas concordem em segurar navios russos, suas altas taxas inevitavelmente afetam os preços do frete e dos produtos para os clientes finais”, destacou o vice-diretor do Instituto de Estudos Africanos da Academia Russa de Ciências, Leonid Fituni.

Compare essa discussão com a reação do boletim europeu do site Politico à reunião Sall-Putin. Em vez de tentar aliviar a provável fome em muitos países pobres, os [psicopatas do hospício ocidental dos] EUA e a Europa estão cheios de que “a solução para qualquer problema é uma melhor propaganda”. De seu boletim europeu matinal:

GUERRA ALIMENTAR” DE PUTIN: PRESIDENTE DA UNIÃO AFRICANA COMPRA A PROPAGANDA DE ALIMENTOS DE PUTIN: Chega de parceria da UE na África. O presidente senegalês Macky Sall, que também é presidente da União Africana, pediu à UE que remova as sanções sobre trigo e fertilizantes da Rússia – embora nem os EUA nem a UE tenham proibido as importações de fertilizantes ou trigo russos – dando crédito a lógica distorcida de Vladimir Putin. Os comentários vieram depois que Sall se encontrou com o presidente russo em Sochi na sexta-feira. O Eddy Wax da POLITICO tem o write-up .

FATO OU FICÇÃO: Embora as autoridades da UE insistam que a UE não sancionou os fertilizantes russos, o quinto pacote de sanções da UE menciona potássio e fertilizantes combinados. Chegou a hora, segundo o Playbook, de fazer uma rápida recapitulação do que a UE está ou não está restringindo.

Fato: A UE não proibiu a importação de fertilizantes russos. De fato, o bloco continua importando esses produtos da Rússia.

Também fato: a UE sancionou os fertilizantes da Bielorrússia, aliado de Putin. E em seu quinto pacote de sanções, a UE colocou uma cota de fertilizantes russos para evitar a evasão pela Bielorrússia, com um limite anual de 837.570 toneladas de potássio e 1.577.807 toneladas de fertilizantes combinados contendo potássio – um limite que é maior do que as importações anteriores da UE da Rússia.

Ficção: Nem a UE nem os EUA sancionaram o trigo russo. Muitas empresas europeias e americanas pararam de trabalhar com a Rússia, então é provável que as importações de seus alimentos para a UE caiam este ano, mas é difícil entender por que isso é uma má notícia para a África. De fato, quanto menos trigo russo a UE comprar, mais haverá para os países africanos.

O que realmente está acontecendo: os preços do trigo, milho e óleo de girassol dispararam em todo o mundo – todos esses são os principais produtos de exportação ucranianos. Eles dispararam porque os mercados previam menos oferta da Ucrânia, por causa do bloqueio da Rússia aos portos ucranianos, bombardeio de seus silos de grãos e a colocação de minas em seus campos agrícolas.

Escusado será dizer que esta diatribe é uma combinação de paternalismo e fabricação de propaganda.  De acordo com o Politico, os líderes africanos não têm ideia de por que estão sofrendo com a crescente escassez de alimentos e fertilizantes, e foram enganados pelo malvado Putin a pensar que as sanções ocidentais pioraram sua situação já ruim.

Navios comerciais não presos nos portos da Ucrânia deixaram o Mar Negro assim que a guerra começou porque seu seguro não cobria o trânsito em uma zona de guerra. Comentaristas apontaram que armar a Ucrânia com wunderwaffen [armas milagrosas] para atirar em navios russos desde a costa torna os navios de carga menos propensos a querer voltar tão cedo ao Mar Negro.

Como apontamos repetidamente, a Rússia nunca bloqueou o Mar Negro; e abriu um corredor humanitário para o transporte marítimo e vem tentando abrir um segundo. Também está limpando as minas ucranianas do porto de Mariupol.

A ideia de que a Rússia minerou campos é outra invenção da Ucrânia; soldados russos foram instruídos a evitar alvos críticos na medida do possível. Moradores de Mariupol disseram que a Ucrânia estava minando estradas e alguns campos próximos. A Ucrânia tem divulgado imagens de uma explosão que alega ter sido a Rússia explodindo equipamentos de colheita de grãos. 

Observe que a Rússia não quer isso e não tem motivos para fazê-lo, então esta é mais uma bandeira falsa no nível de Kramatorsk ou, na melhor das hipóteses, a Ucrânia tornou a instalação um alvo militar armazenando equipamentos e/ou munições lá.

Mas o objetivo desta introdução prolixa é que a imprensa pre$$titutes e os funcionários da UE já estão pré-posicionando os canhões de culpa pelo próximo inverno frio e faminto solidamente em cima de Putin e a Rússia.

Essa é uma maneira prolixa de dizer que os psicopatas do hospício do Ocidente, particularmente a UE, impôs e continua a aumentar as sanções não por qualquer estratégia real, exceto um desejo fervoroso de prejudicar a Rússia. 

Eles simplesmente não podem admitir que as sanções não apenas falharam, mas que também estão prejudicando a eles próprios e a outros países muito mais. Eles continuam tentando atacar a Rússia ainda mais por causa da crença irracional de que causar mais danos econômicos terá que deixar a Rússia de joelhos, quando eles já se atrapalharam e estão a caminho da auto imolação.

A guerra dos EUA/OTAN por procuração na Ucrânia contra a Rússia está se tornando apenas uma preparação para algo maior, envolvendo a criação intencional de fome mundial e uma crise cambial para países com déficit de alimentos e petróleo?

É provável que muito mais pessoas morram de fome e por distúrbios econômicos do que no campo de batalha ucraniano. Portanto, é apropriado perguntar se o que parecia ser a guerra por procuração na Ucrânia é parte de uma estratégia maior para bloquear o controle dos EUA sobre o comércio e os pagamentos internacionais. 

Estamos vendo uma tomada de poder financeiramente armada pela Área do Dólar dos EUA sobre o Sul Global, bem como sobre a Europa Ocidental. Sem crédito em dólares dos EUA e sua subsidiária do FMI, como os países mais carentes e pobres podem se manter à tona? Quão duro os EUA vão agir para impedi-los de desdolarizar suas economias, optando por sair da órbita econômica dos EUA?

A estratégia da Guerra Fria dos EUA não está sozinha em pensar em como se beneficiar da provocação de uma crise de fome, petróleo e balança de pagamentos. O Fórum Econômico Mundial de Klaus Schwab teme que o mundo esteja superpovoado – pelo menos com o “tipo errado” de pessoas [os comedores inúteis]. 

Como o filantropo da Microsoft (o eufemismo habitual para o oligarca) Bill [Hell’s] Gates explicou: “O crescimento populacional na África é um desafio”. O relatório “Goalkeepers” de 2018 de sua fundação Bill & Melinda Gates alertou:

“De acordo com dados da ONU, a África deve responder por mais da metade do crescimento da população mundial entre 2015 e 2050. Sua população deve dobrar até 2050”, com “mais de 40 por cento das pessoas extremamente pobres do mundo… em apenas dois países: República Democrática do Congo e Nigéria.”[1]

Gates defende [e atua para] a redução desse aumento populacional africano projetado em 30%, melhorando o acesso ao controle de natalidade e expandindo a educação para “permitir que mais meninas e mulheres permaneçam na escola por mais tempo e tenham filhos mais tarde”. Mas como isso pode ser feito com a iminente redução de alimentos e petróleo nos orçamentos governamentais?

Os sul-americanos e alguns países asiáticos estão sujeitos ao mesmo salto nos preços de importação resultante das exigências da OTAN de isolar a Rússia. O chefe do JPMorgan Chase, Jamie Dimon, alertou recentemente os participantes de uma conferência de investidores em Wall Street que as sanções causarão um “furacão econômico” global.[2]

Ele repetiu o aviso da diretora-gerente do FMI, Kristalina Georgieva, em abril: “Para simplificar: estamos enfrentando uma crise em cima de uma crise”. Apontando que a pandemia de Covid foi limitada pela inflação, pois a guerra na Ucrânia tornou as coisas “muito piores e ameaça aumentar ainda mais a desigualdade”, ela concluiu que:

“As consequências econômicas da guerra se espalharam rapidamente e longe, para vizinhos e além, atingindo mais duramente as pessoas mais vulneráveis ​​do mundo. Centenas de milhões de famílias já estavam lutando com rendas mais baixas e preços mais altos de energia e alimentos.”[3]

O governo do marionete senil Joe Biden culpa a Rússia por “agressão não provocada”. Mas é a pressão de seu governo sobre a OTAN e outros satélites da Área do Dólar que bloqueou as exportações russas de grãos, petróleo e gás. Mas muitos países com déficit de petróleo e alimentos se veem como as principais vítimas dos “danos colaterais” causados ​​pela pressão dos EUA/OTAN.

A fome mundial e a crise da balança de pagamentos são uma política deliberada dos [controladores dos] EUA/OTAN?

Em 3 de junho, o presidente da União Africana, Macky Sall, presidente do Senegal, foi a Moscou para planejar como evitar uma interrupção no comércio de alimentos e petróleo da África, recusando-se a se tornar peões nas sanções dos EUA/OTAN. Até agora, em 2022, o presidente Putin observou: “Nosso comércio está crescendo. Nos primeiros meses deste ano, cresceu 34%.”[4] Mas o presidente do Senegal, Sall, temia que: “As sanções anti-Rússia pioraram esta situação e agora não temos acesso aos grãos da Rússia, principalmente ao trigo. E, o mais importante, não temos acesso a fertilizantes.”

Os diplomatas dos EUA estão forçando os países a escolher se, nas palavras de George W. Bush, “você está a nosso favor ou contra nós”. O teste decisivo é se eles estão dispostos a forçar suas populações a passar fome e fechar suas economias por falta de alimentos e petróleo, interrompendo o comércio com o núcleo eurasiano da China, Rússia, Índia, Irã e seus vizinhos.

A grande mídia [pre$$titute$] ocidental descreve a lógica por trás dessas sanções como a promoção de uma mudança de regime na Rússia. A esperança era que impedi-la de vender seu petróleo e gás, alimentos ou outras exportações reduziria à pó o rublo e “faria a Rússia gritar” (como os EUA tentaram fazer com o Chile de Allende para preparar o terreno para o apoio ao governo de Pinochet). 

A exclusão da Rússia do sistema de compensação bancária SWIFT deveria perturbar o sistema de pagamentos e as vendas da Rússia, enquanto a apreensão no sistema financeiro do ocidente dos US$ 300 bilhões em reservas em moeda estrangeira da Rússia retidas no Ocidente deveria fazer o rublo cair, impedindo os consumidores russos de comprar os bens ocidentais aos quais eles já se acostumaram. 

A ideia (e parece tão boba e idiota em retrospecto) dos psicopatas do hospício ocidental era de que a população da Rússia se rebelaria contra o governo de Putin para protestar contra o quanto custam as importações de luxo ocidentais de mercadorias sancionadas. Mas o rublo disparou em vez de afundar, e a Rússia rapidamente substituiu o SWIFT por seu próprio sistema ligado ao da China. E a população da Rússia começou a se afastar da inimizade agressiva dos psicopatas do Ocidente.

Evidentemente, algumas dimensões importantes estão faltando nos modelos de think tanks de segurança nacional dos EUA. Mas quando se trata de fome global, uma estratégia mais secreta e ainda maior estaria funcionando? Agora parece que o principal objetivo da guerra dos EUA na Ucrânia era apenas servir como um catalisador, uma desculpa para impor sanções que perturbariam o comércio mundial de alimentos e energia, e gerenciar essa crise de uma maneira que permitisse aos diplomatas dos EUA uma oportunidade de confrontar os países do Sul Global [não alinhados/submissos ao hospício dos EUA/OTAN] com a escolha “Sua lealdade e dependência neoliberal ou sua vida – e, no processo, “afinar” as populações não-brancas do mundo que tanto preocupavam Dimon, o WEF e o Grupo Bilderberg ?

Deve ter havido o seguinte cálculo: a Rússia responde por 40% do comércio mundial de grãos e 25% do mercado mundial de fertilizantes (45% se a Bielorrússia for incluída). Qualquer cenário teria incluído um cálculo de que, se um volume tão grande de grãos e fertilizantes fosse retirado do mercado, os preços subiriam para a estratosfera, assim como acontece para o petróleo e o gás.

Somando-se à perturbação na balança de pagamentos dos países que precisam importar essas vitais commodities, está subindo o preço da compra de dólares para pagar seus detentores de títulos estrangeiros e bancos por dívidas vencidas. O aperto das taxas de juros do Federal Reserve causou um prêmio crescente para dólares americanos sobre euros, libras esterlinas e moedas do Sul Global.

É inconcebível que as consequências disso em países fora da Europa e dos Estados Unidos não tenham sido levadas em conta, porque a economia global é um sistema interligado. A maioria dos aumentos está na faixa de 2 a 5 por cento, mas as sanções atuais dos EUA/OTAN estão tão longe do caminho histórico que os aumentos de preços subirão substancialmente acima da faixa histórica. Nada disso aconteceu nos últimos tempos.

Isso sugere que o que parecia em fevereiro ser uma guerra entre os ucranianos e a Rússia é realmente um gatilho destinado a “provocar INTENCIONALMENTE a reestruturação da economia mundial – e fazê-lo de forma a bloquear o controle dos EUA sobre o Sul Global. Geopoliticamente, a guerra por procuração na Ucrânia tem sido uma desculpa útil para os Estados Unidos se oporem à Iniciativa do Cinturão e Rota da China (BRI).

A escolha enfrentada pelos países do Sul Global: passar fome pagando seus credores e banqueiros estrangeiros, ou anunciar, como princípio básico do direito internacional:

“Como países soberanos, colocamos nossa sobrevivência acima do objetivo de enriquecer credores estrangeiros que fizeram empréstimos que foram mal reembolsados como resultado de sua escolha de travar uma nova Guerra Fria com a Rússia. Quanto aos conselhos neoliberais destrutivos que o FMI e o Banco Mundial, et caterva, nos deram, seus planos de austeridade foram destrutivos em vez de úteis. Portanto, seus empréstimos foram ruins. Como tal, eles se tornaram odiosos.”

A política da OTAN não deu aos países do Sul Global outra escolha a não ser rejeitar sua tentativa de estabelecer um estrangulamento alimentar dos EUA contra os países do Sul Global, bloqueando qualquer competição da Rússia, monopolizando assim o comércio mundial de grãos e energia. O principal exportador de grãos foi o setor agrícola americano fortemente subsidiado, seguido pela Política Agrícola Comum (PAC) altamente subsidiada da Europa. Esses eram os principais exportadores de grãos antes da entrada da Rússia. A demanda dos EUA/OTAN é reverter o relógio para restaurar a dependência da Área do Dólar e seus países lacaios da zona do euro [OTAN e UE].

O contraplano implícito russo e chinês

O que é necessário para os países com população mundial fora dos EUA/OTAN sobreviver é um novo sistema comercial e financeiro mundial. A alternativa é a fome mundial para grande parte do mundo. Mais pessoas morrerão com as sanções do que morreram no campo de batalha ucraniano. As sanções financeiras e comerciais são tão destrutivas quanto os ataques militares. Assim, o Sul Global está moralmente justificado em colocar seus interesses soberanos acima dos interesses dos fabricantes de armamentos financeiros e comerciais internacionais.

Primeiro, rejeite as sanções e reoriente o comércio para Rússia, China, Índia, Irã e seus colegas membros da Organização de Cooperação de Xangai (SCO) e do BRICS. O problema é como pagar as importações desses países, especialmente se os diplomatas americanos estenderem as sanções contra esse comércio.

Não há como os países do Sul Global pagarem pelo petróleo, fertilizantes e alimentos desses países e também pagar as dívidas em dólar que são o legado da política comercial neoliberal patrocinada pelos EUA sujeita ao protecionismo dos EUA e da zona do euro. Portanto, a segunda necessidade é declarar uma moratória da dívida – na verdade, um repúdio – das dívidas que representam empréstimos malsucedidos. 

Este ato dos países endividados seria análogo à suspensão de 1931 das reparações alemãs e das dívidas inter-aliadas devidas aos Estados Unidos. Muito simplesmente, as dívidas do Sul Global de hoje não podem mais serem pagas [como no caso da Argentina] sem submeter os países devedores à fome e à austeridade.

Um terceiro corolário que decorre desses imperativos econômicos é substituir o Banco Mundial e suas políticas pró-EUA de dependência comercial e subdesenvolvimento por um genuíno Banco Mundial de Aceleração Econômica. Junto com essa instituição está um quarto corolário na forma do irmão do novo banco: um substituto para o FMI livre da economia lixo de austeridade e do subsídio das oligarquias clientes da América, juntamente com ataques cambiais a países que resistem à privatização e à escravização pela vontade dos EUA.

O quinto requisito é que os países se protejam juntando-se a uma aliança militar como alternativa à OTAN-EUA, para evitar serem transformados em outro Afeganistão, outra Líbia, outro Iraque, Síria ou Ucrânia. O principal impedimento a essa estratégia não é o poder dos EUA, pois ele atualmente se mostrou um tigre de papel comandado por marionetes psicopatas e controlados pelo Deep State. O problema é de consciência econômica e vontade so Sul Global para enfrentar a situação.

[1]“Bill Gates tem um aviso sobre o crescimento populacional”, Fórum Econômico Mundial/Reuters, 19 de setembro de 2018. https://www.weforum.org/agenda/2018/09/africas-rapid-population-growth-puts -pobreza-progresso-em-risco-diz-portas .

[2]Lananh Nguyen, “’É um furacão.’Os chefes dos bancos alertam para uma economia enfraquecida”, The New York Times , 1º de junho de 2022.

[3] Kristalina Georgieva, Diretora Administrativa do FMI, “Facing Crisis Upon Crisis: How the World Can Responder

14 de abril de 2022. https://www.imf.org/en/News/Articles/2022/04/14/sp041422-curtain-raiser-sm2022.

[4]“Putin encontra-se com o Presidente da União Africana em Sochi, 3 de junho de 2022.” O Presidente Sall foi acompanhado por Moussa Faki Mahamat, Presidente da Comissão da União Africana. http://en.kremlin.ru/events/president/news/68564 . Para uma discussão entusiasmada das sanções, consulte https://www.nakedcapitalism.com/2022/06/sanctions-now-weapons-of-mass-starvation.html .


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

One Response to EUA/OTAN (e WEF/Bilderberg) estão pressionando por Fome no Sul Global ?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.