Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Falência Global (do Hospício Ocidental) já Instalada

Raspem a complexidade e toda crise econômica e colapso se resumem à assimetria precária entre a garantia e a dívida garantida por esse colapso da [do valor da] garantia. É muito simples. Em eras de crédito fácil, tanto os tomadores de empréstimo confiáveis ??quanto os marginais podem repentinamente tomar mais empréstimos. Essa enxurrada de dinheiro novo em busca de retorno alimenta a demanda em alta por ativos convencionais considerados “investimentos seguros” (imóveis, ações, terras, escritórios e títulos de primeira linha), cuja demanda dada a oferta limitada de ativos “seguros” empurra a valorização desses ativos para a lua.

Falência Global (do Hospício Ocidental) já Instalada

Fonte: DailyReckoning.com

Na atmosfera eufórica gerada pelo crédito fácil e pelo aumento dos preços dos ativos, alguns dos créditos fáceis se transformam em investimentos marginais (terras agrícolas que são produtivas apenas brevemente se chover o suficiente, por exemplo), empreendimentos especulativos [a maioria ‘acordados’, ESG, ‘verdes’] de alto risco baseados em ‘ruído’ em vez de ativos reais e genuínas e definitivas fraudes como “oportunidades infalíveis” legítimas.

O preço que as pessoas estão dispostas a pagar por todos esses ativos sobe à medida que aumenta a demanda criada pelo crédito fácil e barato. E por que o crédito continua aumentando? Os ativos que aumentam de valor criam mais garantias, que então suportam mais crédito, numa legítima “roda de sansara”.

Esse feedback auto-reforçado “parece altamente virtuoso” na fase de expansão: a terra de pastagens comprada para colocar sob o arado dobrou de valor, então os proprietários podem tomar mais empréstimos e usar o dinheiro para expandir sua compra de mais terras de pastagem.

O mesmo mecanismo funciona em todos os ativos: casas, imóveis comerciais, ações e títulos. Quanto mais o ativo ganha valor, mais garantias ficam disponíveis para dar suporte a mais crédito.

A Ilusão da Segurança

Como há muitas garantias para sustentar os novos empréstimos, tanto os tomadores quanto os credores veem a expansão lucrativa do crédito como “segura”.

Essa segurança é ilusória, pois está apoiada em uma pilha de areia instável: avaliações de bolha impulsionadas pelo crédito fácil. Todos nós sabemos que o preço é definido pelo que alguém pagará pelo ativo em algum momento QUANDO ele for vendido. O que chama menos atenção é que o preço também é definido por QUANTO alguém pode pedir emprestado para comprar o ativo.

Uma vez que o mutuário tenha atingido o limite de sua capacidade de contrair empréstimos (sua renda e ativos possuídos não podem suportar mais dívidas) ou as condições de crédito se tornarem mais rígidas, aqueles que poderiam ter pago preços ainda mais altos pelos ativos se tivessem podido tomar mais dinheiro emprestado não podem mais emprestar o suficiente para dar um lance mais alto no ativo e nesse ponto a bicicleta para, não há mais ninguém para “pedalar”.

Uma vez que o preço é definido na margem (ou seja, pelas últimas vendas), a rotatividade normal de vendas é suficiente para empurrar as avaliações para baixo. A princípio, a euforia não diminui com o declínio do valor dos ativos, mas à medida que o crédito se torna mais restrito (as taxas de juros sobem e os padrões de empréstimo se apertam, eliminando compradores e empreendimentos marginais), os compradores tornam-se escassos e os alavancados e nervosos vendedores proliferam.

Surgem questões sobre avaliações fundamentais, e avaliações altíssimas são consideradas insuficientes, pois o aperto do crédito reduz as vendas, receitas e lucros, derrubando o preço de tudo. Uma vez que a história do “crescimento sem fim” enfraquece, as alegações de que os preços das bolhas são “valor justo” estouram e evaporam.

O Inevitável Deslizamento de Terra

À medida que a inadimplência nos empréstimos aumenta, os bancos são forçados a restringir ainda mais o crédito. As primeiras pedras que caem são ignoradas, mas eventualmente os defaults desencadeiam um deslizamento de terra e a bolha inflada de crédito nas superavaliações de ativos entra em colapso.

À medida que as avaliações despencam, também despencam as garantias que sustentam todas as novas dívidas. Dívidas que pareciam “seguras” pelos ativos em garantia logo são expostas como um possível empurrão para a insolvência. Quando o valor do bangalô dobrou de US$ 500.000 para US$ 1 milhão, a trajetória dos ganhos de avaliação parecia previsivelmente otimista:

A cada década, os preços das casas subiam 30% ou mais. Portanto, originar uma hipoteca de $ 800.000 em uma casa que parecia valer $ 1,3 milhão em alguns anos parecia seguro como uma rocha.

Mas o US$ 1 milhão era uma bolha baseada apenas em crédito fácil, abundante e de baixo custo. Quando o crédito aperta, a casa é lenta mas seguramente reavaliada em sua avaliação pré-bolha (volta para os $ 500.000) ou talvez muito mais baixa, se esse valor for apenas um artefato de uma bolha anterior não estourada.

Agora, o ativo da garantia vale $ 300.000 a menos que a hipoteca. O proprietário que fez um adiantamento de $ 200.000 será eliminado por uma venda forçada de $ 500.000, e o credor (ou proprietário da hipoteca) terá uma perda de $ 300.000.

Dado que o sistema bancário está configurado para absorver apenas perdas modestas e incrementais, perdas dessa magnitude tornam o banco credor do empréstimo insolvente. A base de capital do banco é drenada a zero pelas perdas e, em seguida, empurrada para um patrimônio líquido negativo por perdas contínuas.

A garantia colapsa quando as bolhas estouram, mas a dívida emprestada contra a garantia agora fantasma permanece.

Apenas um “Erro de Política”

Esta é a história da Grande Depressão, uma história que não é amada porque questiona a atual série de bolhas infladas pelo crédito e as crises financeiras delas resultantes. Portanto, a história é retrabalhada em algo mais palatável, como do tipo “o Federal Reserve cometeu um erro de política”.

Isso encoraja a fantasia de que, se os bancos centrais escolherem as políticas certas, as bolhas de crédito e as avaliações descoladas da realidade podem continuar se expandindo para sempre. A realidade é que as bolhas de crédito sempre estouram, pois a expansão dos empréstimos eventualmente excede a renda e as garantias dos tomadores marginais e esse tsunami de dinheiro eventualmente se derrama em empreendimentos meramente especulativos marginais de alto risco que vão à falência.

Não há como enfiar a agulha para que as bolhas de ativos de crédito nunca estourem. No entanto, aqui estamos nós, assistindo a bolha global de crédito finalmente começar a entrar em colapso, garantindo o colapso das garantias e de toda a dívida emitida sobre essas garantias, e a ralé está discutindo sobre quais ajustes de política são necessários para reinflar a bolha e salvar a economia global da falência. .

Desculpe, mas a falência global já está instalada. Muita dívida foi acumulada em garantias fantasmas e fluxos de renda derivados do aumento dos ativos da bolha (por exemplo, ganhos de capital, impostos sobre o desenvolvimento, etc.).

A assimetria agora é tão extrema que mesmo um declínio modesto nas avaliações de ativos/garantias devido a uma recessão do ciclo de negócios estilo jardim de infância de condições financeiras apertadas desencadeará o Colapso da Bolha de Tudo e a montanha da dívida global que repousa sobre o vento soprado nas areias de garantias de ativos fantasmas.

Existem razões persuasivas para suspeitar que a dívida global atual excede em muito o nível oficial em torno de US$ 300 trilhões, mais salientemente, o sistema financeiro paralelo amplamente opaco. Quando os ativos praticamente dobram de preço em alguns anos, a simetria da bolha sugere que as avaliações cairão de volta ao ponto inicial da bolha aproximadamente no mesmo período de tempo.

A resultante erosão/implosão no valor das garantias dadas causará o colapso da bolha de crédito global, uma reavaliação/redefinição que levará à falência a economia global (do Hospício Ocidental) e o sistema financeiro inteiro.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


E os dez chifres que viste são dez reis, que ainda não receberam o reino, mas receberão poder como reis por uma hora, juntamente com a BESTA (Inteligência Artificial). Estes têm um mesmo intento, e entregarão o seu poder e autoridade à BESTA (Inteligência Artificial). Estes combaterão contra o Cordeiro, e o Cordeiro os vencerá, porque é o Senhor dos senhores e o Rei dos reis; Vencerão os que estão com Ele, Chamados, e Eleitos, e Fiéis. E disse-me: As águas que viste, onde se assenta a prostituta [VATICANO-ROMA], são povos, e multidões, e nações, e línguas“. – Apocalipse 17:12-15


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *