browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Federal Reserve destruirá Mercados Financeiros Globais para implementar o “Great Reset”?

Posted by on 02/01/2022

Parece cada vez mais provável que o Federal Reserve dos EUA, os oligarcas, Wall Street, a “City” de Londres e as potências globalistas existentes usem o aumento dramático da inflação como desculpa para derrubar os mercados financeiros dos EUA e Europa, com isso, finalmente estourar a maior bolha financeira da história. Ao contrário do que nos é dito, isto é INTENCIONAL, vem sendo planejado, é deliberado e gerenciado há longo tempo.

O sistema de Bancos Centrais e o Federal Reserve destruirão os Mercados Financeiros Globais para implementar o “Great Reset”?

Fonte: Global Research

O enorme aumento da inflação desde os tirânicos bloqueios dos políticos e autoridades de saúde pela Covid-19 e os trilhões de dólares em gastos emergenciais por governos, juntamente com a continuação das políticas sem precedentes de taxa de juros quase zero do Fed e compras de ativos de bilhões em títulos para manter a bolha inflada um pouco mais de tempo – prepararam o terreno para um colapso iminente do mercado financeiro global. Ao contrário do que nos é dito, isto vem sendo planejado, é deliberado e gerenciado há longo tempo.

Desde as interrupções e a desestruturação na cadeia de suprimentos da Ásia, a quebra da produção generalizada de bens de consumo até o transporte normal de caminhões na América do Norte estão alimentando a pior inflação em quatro décadas nos EUA. O cenário está armado para o sistema de bancos centrais derrubarem o sistema inchado de dívidas [Fiat Money] e prepararem o cenário para a “Grande [Great Reset] Reinicialização” do sistema financeiro mundial. No entanto, esta não é uma questão de inflação como um processo misterioso ou “temporária”, como declarou o senil marionete Joe Biden.

O contexto é fundamental. A decisão de quebrar o sistema financeiro está sendo preparada há bastante tempo em meio às medidas pandêmicas globais de longo alcance que devastaram a economia mundial desde o início de 2020. Ela está chegando enquanto as potências da OTAN, lideradas pelo [des]governo Biden, estão colocando o mundo em uma potencial situação de Guerra por erro de cálculo. Eles estão despejando armas e conselheiros na Ucrânia, provocando uma resposta da Rússia.

Eles estão aumentando as pressões sobre a China em relação a Taiwan e travando guerras por procuração contra a China na Etiópia e no Chifre da África e em inúmeros outros locais.

O colapso iminente do sistema do dólar, que derrubará a maior parte do mundo econômico-financeiro devido aos laços da dívida, ocorrerá quando as principais nações industrializadas entrarem em plena autodestruição econômica por meio de seu chamado Green New Deal na UE, nos EUA e além.

As ridículas políticas de Carbono Zero para eliminar o carvão, o petróleo, o gás e até mesmo a energia nuclear já trouxeram a rede elétrica da UE à beira de grandes apagões de energia neste inverno, já que a dependência de energia eólica e solar não confiáveis ​​constituem a maior parte da rede. Em 31 de dezembro, o novo governo “verde” da Alemanha supervisiona o fechamento forçado de três usinas nucleares que geram eletricidade equivalente a todo o país da Dinamarca. O vento e a energia solar não podem, de forma alguma, preencher as lacunas. Nos EUA, as políticas erroneamente chamadas de “Build Back Better” do marionete senil Joe Biden levaram os custos de combustível a níveis recordes. Aumentar os juros nesta conjuntura vai devastar o mundo inteiro, o que parece ser exatamente esse o plano.

Os dados falsos da inflação dos EUA

Desde o início dos anos 1970, quando o presidente Nixon pediu a seu amigo, Arthur Burns, então chefe do Federal Reserve, para encontrar uma maneira de se livrar dos dados mensais da inflação ao consumidor politicamente prejudiciais que refletiam a alta dos preços do petróleo junto com os grãos, o Fed tem usado o que eles chamaram de “núcleo da inflação”, o que significa que os preços ao consumidor sobem MENOS a energia e alimentos. 

Na época, a energia respondia por expressivos 11% dos dados de inflação. Os alimentos tinham peso de 25%. Em Presto, em 1975, um aumento de 400% nos preços do petróleo da OPEP e um aumento de 300% no preço global dos grãos devido a quebras de safra na região soviética, a “inflação básica” caiu significativamente. Isso, apesar do fato de os consumidores americanos terem de pagar muito mais pela  gasolina e pelo pão . Muito poucas pessoas reais podem viver sem energia ou comida. O núcleo da inflação é uma farsa.

Em 1975, Burns do Fed eliminou os principais custos de moradia e outros fatores, deixando um Índice de Preços ao Consumidor que era de meros 35% da cesta original de commodities medida. A essa altura, a inflação diária real estava fora de controle. No mundo real, a gasolina dos EUA hoje é 58% mais cara do que em 2020 e, nos últimos 12 meses, os preços dos alimentos subiram mais de 6% em média. Hoje, o Índice de Preços ao Consumidor dos EUA não inclui o custo de compra e financiamento das casas, e também não inclui os impostos sobre a propriedade ou a manutenção e reforma da casa. Esses fatores aumentaram vertiginosamente na América no ano passado. Agora tudo o que falta é uma declaração do Fed de que a inflação é mais alarmante do que eles pensavam e exigia aumentos agressivos das taxas para “tirar a inflação do sistema,

O absurdo e inchado mercado [um verdadeiro cassino] de ações dos EUA

Os mercados de Wall Street, hoje com ações em máximas históricas inchadas, auxiliados por taxas do Fed próximas a zero e US$ 120 bilhões em compras mensais de títulos [ações] pelo Fed também, estão em um ponto em que uma política de reversão do Fed, esperada agora no início de 2022, poderia iniciar uma saída de pânico das ações para “sair enquanto é possível obter algum preço.” Isso, por sua vez, provavelmente desencadeará vendas em pânico e um colapso do mercado em forma de bola de neve, que fará com que o recente colapso do mercado imobiliário e das ações da China Evergrande pareça nada.

Desde a crise financeira [por especulação no mercado imobiliário] global de setembro de 2008, o Federal Reserve e outros grandes bancos centrais, como o BCE na UE e o Banco do Japão, têm buscado taxas de juros zero sem precedentes e, muitas vezes, compras de títulos de “flexibilização quantitativa” [QE] para resgatar as principais instituições financeiras e bancos de Wall Street e da UE. Tinha pouco a ver com a saúde da economia real. Tratou-se do maior resgate da história de bancos e fundos financeiros com morte cerebral. O resultado previsível das políticas sem precedentes do Fed e de outros bancos centrais foi a inflação artificial da maior bolha especulativa de ações da história.

Como presidente, Donald Trump apontava constantemente para novos aumentos recordes nas ações do S&P 500 como prova da economia em expansão, embora, como empresário experiente, soubesse que era uma mentira. Estava subindo por causa da política de taxa de juros zero do Fed. As empresas estavam tomando empréstimos a taxas baixas, não para expandir o investimento em instalações e equipamentos para aumento de produção, mas para recomprar suas próprias ações do mercado. Isso teve o efeito de impulsionar os preços de ações de empresas como Microsoft, Dell, Amazon, Pfizer, Tesla e centenas de outras. Foi uma manipulação que os executivos corporativos, possuindo milhões de ações da própria empresa como opções, adoraram. Eles ganharam bilhões em alguns casos, embora não criassem nenhum valor real na economia.

Qual é o tamanho da bolha atual do mercado de ações dos EUA hoje? Em outubro de 2008, logo após a crise do Lehman Brothers, as ações dos EUA foram listadas em um total de US$ 13 trilhões de capitalização. Hoje é mais do que US$ 50 trilhões, um aumento de quase 400% e mais do que o dobro do PIB total dos EUA. Só a Apple Corp. “valeria” US$ 3 trilhões.

No entanto, com a escassez massiva de mão de obra, bloqueios, quarentenas, distanciamento social, etc em toda a América e enormes interrupções nas cadeias de abastecimento comerciais, especialmente da China, a economia está afundando e a falsa conta de “infraestrutura” de Biden fará pouco para reconstruir a infraestrutura econômica vital de rodovias, portos, estações de tratamento de água e geração e distribuição de energia elétrica. Para milhões de americanos após o colapso imobiliário de 2008, a compra de ações tem sido sua melhor esperança de renda na aposentadoria. Uma quebra das ações em 2022 está sendo preparada pelo Fed, só que desta vez será usada para dar início a uma verdadeira Grande Depressão pior do que a de 1930, quando dezenas de milhões de americanos comuns tiveram suas economias perdidas.

Jogo de recompra de ações

Nos últimos quatro trimestres, as empresas S&P 500 compraram US$ 742 bilhões de suas próprias ações. O quarto trimestre de 2021 provavelmente verá um aumento recorde nesse número, à medida que as empresas correm para bombear suas ações antes de um imposto criado pelo senil marionete Joe Biden sobre recompras de ações corporativas. Desde o início de 2012, as empresas S&P 500 compraram de volta quase US$ 5,68 trilhões de suas próprias ações. Esta não é uma coisa pequena. A dinâmica é tão insana que em meio a uma decisão da Microsoft no mês passado de comprar de volta cada vez mais ações, o CEO da Microsoft, Satya Nadella, se desfez de mais de 50% de suas ações da Microsoft em um dia. Mas as ações mal se moveram porque a própria Microsoft estava ocupada comprando ações de volta. Isso indica o nível de irrealidade no mercado americano de hoje. Os insiders sabem que está prestes a quebrar. Elon Musk, da Tesla, acabou de vender US$ 10 bilhões de suas ações, supostamente para pagar impostos.

Tornando o mercado de ações ainda mais vulnerável a uma liquidação de pânico, uma vez que esteja claro que o Fed aumentará as taxas de juros, há quase US$ 1 trilhão em dívida de margem a partir dos dados de outubro, dívida para quem compra ações com dinheiro emprestado de seus corretores. Assim que uma grande liquidação do mercado começar, provavelmente no início de 2022, os corretores exigirão o reembolso de sua dívida de margem, as chamadas chamadas de margem. Isso, por sua vez, acelerará a venda forçada para aumentar as chamadas de dinheiro criando um efeito retroalimentador de vendas.

Taper?

Há muita discussão sobre quando o Fed reduzirá sua compra de títulos do Tesouro dos EUA, bem como títulos hipotecários vinculados ao governo. Essa compra foi enorme. Desde o início da histeria pandêmica Covid em fevereiro de 2020, as participações totais do Federal Reserve em tais títulos mais do que dobraram de US$ 3,8 trilhões para cerca de US$ 8 trilhões no final de outubro de 2021. Isso manteve as taxas de hipotecas residenciais artificialmente baixas e alimentou o pânico na compra de casas. os cidadãos percebem que as taxas baixas estão prestes a acabar. O fato de o Fed chamar de “taper”, reduzindo a compra mensal de títulos a zero ao mesmo tempo em que aumenta as taxas de juros, é um golpe duplo. Isso é enorme, e o sangue fluirá de Wall Street no início de 2022, quando a redução do Fed ganhar impulso no início de 2022, combinada com o aumento das taxas.

Já em novembro o Fed começou a reduzir seu mercado mensal apoiando a compra. “À luz do progresso substancial que a economia fez em relação às metas do Comitê de máximo emprego e estabilidade de preços”, declarou o FOMC em suas últimas atas. Anunciou que está diminuindo a quantidade de compras de títulos garantidos pelo Tesouro e por hipotecas em novembro e dezembro.

Desde a era da Guerra do Vietnã, sob o presidente Lyndon Johnson, o governo dos Estados Unidos manipulou os dados de emprego e também os números da inflação para dar uma imagem muito melhor do que a existente. O economista privado John Williams, da Shadow Government Statistics, estima que o desemprego real nos EUA, longe dos 4,2% relatados em novembro, está na verdade acima de 24,8%. Como Williams ainda observa, “O aumento da inflação reflete a criação extrema de oferta de dinheiro, gastos com déficits federais extremos e expansão da dívida federal, rupturas pandêmicas e escassez de oferta; Isso não reflete uma economia de superaquecimento. ” Os déficits orçamentários federais atingiram um recorde de US$ 3 trilhões por ano, sem fim à vista.

O aumento das taxas nesta conjuntura precária derrubará o frágil sistema financeiro americano e global, abrindo caminho para uma crise em que os cidadãos podem implorar por ajuda de emergência na forma de dinheiro digital e por, finalmente, uma “Grande Reinicialização“. É importante notar que todos os grandes crashes do mercado de ações dos EUA desde outubro de 1929, incluindo 2007-8, foram resultado de ações deliberadas do Fed, disfarçadas sob as alegações de “conter a inflação”.

Desta vez, o dano pode ser definitivo. Em setembro, o Institute of International Finance, com sede em Washington, estimou que os níveis de dívida global, que incluem dívidas governamentais, domésticas, corporativas e bancárias, aumentaram US$ 4,8 trilhões para um total de absurdos US$ 296 trilhões no final de junho, US$ 36 trilhões acima dos níveis pré-pandêmicos. Desse total, US$ 92 trilhões são devidos por mercados emergentes como Turquia, China, Índia e Paquistão.

O aumento das taxas de juros desencadeará crises de inadimplência em todo o mundo, pois os tomadores de empréstimos não conseguirão pagar . Isso foi deliberadamente criado pelos bancos centrais, liderados pelo Fed, desde a crise de 2008, empurrando as taxas de juros para zero ou mesmo negativas.

F. William Engdahl é consultor de risco estratégico e palestrante, ele é formado em política pela Universidade de Princeton e é um autor de best-sellers sobre petróleo e geopolítica. Ele é Pesquisador Associado do Centro de Pesquisa sobre Globalização (CRG). A fonte original deste artigo é Global Research


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é controle-mental-escravos-sistema.jpg

““O indivíduo é [TÃO] deficiente mentalmente [os zumbis], por ficar cara a cara, com uma conspiração tão monstruosa, que nem acredita que ela exista. A mente americana [humana] simplesmente não se deu conta do mal que foi introduzido em seu meio. . . Ela rejeita até mesmo a suposição de que as [algumas] criaturas humanas possam adotar uma filosofia, que deve, em última instância, destruir tudo o que é bom, verdadeiro e decente”.  – Diretor do FBI J. Edgar Hoover, em 1956


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

One Response to Federal Reserve destruirá Mercados Financeiros Globais para implementar o “Great Reset”?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.