browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Fim do domínio Político e Econômico-Financeiro Global do (Hospício do) Ocidente

Posted by on 18/03/2022

O presidente russo, Vladimir Putin diz que o “mito do estado de bem-estar ocidental, do chamado bilhão de ouro, está desmoronando”. O presidente russo, Vladimir Putin, opinou que as últimas rodadas de sanções sem precedentes impostas à Rússia pelos EUA e seus aliados sobre a campanha militar do Kremlin na Ucrânia que marcam o início do fim de uma era. De acordo com Putin, a partir de agora o Ocidente perderá seu “domínio global” tanto política quanto econômica e financeiramente.

Fim do domínio Político e Econômico-Financeiro Global do (Hospício do) Ocidente

Fonte: Rússia Today

Falando na quarta-feira, o chefe de Estado russo proclamou que o “mito do estado de bem-estar ocidental, do chamado bilhão de ouro, está desmoronando”. Além disso, é “todo o planeta que está tendo que pagar o preço pelas ambições do Ocidente e suas tentativas de manter seu domínio a qualquer custo”, disse Putin.

O presidente da Rússia previu escassez de alimentos em todo o mundo, já que as sanções ocidentais contra a Rússia estão afetando negativamente toda a estrutura da economia global.

Tocando na decisão de várias potências ocidentais de congelar os ativos do banco central da Rússia, Putin afirmou que isso só serviria para minar irreparavelmente a confiança nessas nações e fazer outros países pensarem duas vezes antes de colocar suas reservas aos cuidados desses países. Segundo ele, quase metade dos ativos de Moscou foram  “simplesmente roubados” pelo Ocidente.

Dirigindo-se às pessoas no Ocidente, o líder russo disse que as sanções maciças impostas à Rússia já estavam saindo pela culatra nos próprios EUA e na Europa, com os governos tentando convencer seus cidadãos de que a Rússia era a culpada de todos os males.

Putin alertou as pessoas comuns no Ocidente que as tentativas de retratar Moscou como a principal fonte de todos os seus problemas eram mentiras, com muitas dessas questões sendo o resultado direto das “ambições” e “miopia política” dos governos ocidentais.

As elites ocidentais, segundo Putin, transformaram seus países em num “império de mentiras”, mas a Rússia continuará apresentando sua própria posição para o mundo inteiro, aconteça o que acontecer.

Como as sanções contra a Rússia afetarão a economia global? Economistas alertam para desaceleração do comércio mundial

Enquanto a Rússia está administrando a crise para sustentar sua economia dos efeitos do impacto das sanções ocidentais, países ao redor do mundo estão começando a sentir o efeito dessas sanções em suas próprias economias. Economistas estão levantando preocupações de uma forte recessão global iminente à medida que a turbulência financeira e econômica se intensifica.

  1. Impacto das sanções anti-Rússia na economia global
    As sanções impostas pelo Ocidente contra a Rússia terão um impacto maior no produto interno bruto (PIB) global do que o próprio conflito na Ucrânia, disse o Banco Mundial nesta segunda-feira. O Fundo Monetário Internacional (FMI) também alertou para um “severo impacto” na economia global e nos mercados financeiros, dizendo que as sanções anti-Rússia terão consequências significativas para muitos países.
  2. Comércio internaacional em farrapos
    Quase todas as economias já estão vendo uma queda no comércio internacional ligada a interrupções provocadas pelo conflito na Ucrânia e as subsequentes sanções econômicas, segundo dados do instituto alemão Kiel Institute. O comércio internacional começou a se recuperar da queda relacionada à pandemia em 2020, apenas para ser atingido novamente. A rota de carga ferroviária China-Europa que passa pela Rússia estava tendo um boom no ano passado devido ao congestionamento nos principais portos, mas agora está sofrendo cancelamentos crescentes de clientes europeus. As sanções à Rússia estão começando a causar estragos no comércio global, dizem analistas, apontando consequências devastadoras para os importadores internacionais.
  3. Os problemas da cadeia de suprimentos se intensificam
    Centenas de navios-tanque e graneleiros foram desviados dos portos russos e ucranianos no Mar Negro. Encalhados nos portos e no mar, os transportadores não conseguem descarregar suas cargas por causa das sanções. As cadeias de suprimentos globais que estavam funcionando há décadas já foram interrompidas pela pandemia de Covid-19, resultando em escassez massiva, interrupções e inflação de preços. Especialistas dizem que a crise na Ucrânia e as tensões causadas pelas sanções podem ter um efeito “terremoto como nunca visto antes” no movimento global de bens e serviços, que nunca mais será o mesmo.
  4. Escassez crítica de alimentos
    O conflito e as sanções ocidentais podem colocar em risco os meios de subsistência de milhões de pessoas. Os preços dos alimentos, que já estavam em alta desde o segundo semestre de 2020, atingiram um recorde histórico em fevereiro de 2022, devido à alta demanda, custos de insumos e transporte e interrupções nos portos. A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação disse na semana passada que a situação atual pode desencadear uma escassez global de alimentos, já que a Rússia e a Ucrânia desempenham um papel substancial na produção e fornecimento de alimentos no mundo.
    Dados da agência da ONU mostram que os preços globais do trigo e da cevada subiram 31% ao longo de 2021. Os preços do óleo de colza e do óleo de girassol subiram mais de 60%. A alta demanda e os preços voláteis do gás natural também aumentaram os custos dos fertilizantes. O presidente russo, Vladimir Putin, alertou que as sanções ocidentais a Moscou podem elevar ainda mais os preços globais dos alimentos, já que a Rússia é um dos principais produtores mundiais de fertilizantes, essenciais para a agricultura global.
  5. Picos de preços motivados por sanções
    À medida que os Estados Unidos e a Europa aumentam as sanções à Rússia, os consumidores ocidentais em breve enfrentarão custos mais altos para produtos de uso diário, dizem analistas. As pressões sobre os preços ocorrem quando a taxa de inflação dos Estados Unidos já está no nível mais alto em quase 40 anos. A Rússia é um dos principais exportadores de commodities, incluindo grãos, petróleo bruto, gás natural, carvão, todos os metais, minerais, terras raras, madeira e plásticos – todos usados ​​em todo o mundo em uma variedade de produtos e por uma infinidade de indústrias, de siderúrgicas a automóveis e eletrônicos. Sanções ocidentais incapacitantes já levaram os preços das commodities a atingir máximas históricas. O aumento dos custos de energia tem prejudicado os consumidores e as famílias globais. Analistas alertam que os custos podem subir em breve para níveis inacessíveis, apesar da liberação de reservas estratégicas por vários países.
  6. Retorno de sanções
    O presidente russo, Vladimir Putin, alertou que as sanções impostas contra seu país repercutiriam no Ocidente e em todo o mundo em um efeito bumerangue. Isso ocorreria de muitas formas, incluindo preços mais altos de alimentos e energia. Enquanto isso, Moscou resolveria seus problemas e emergiria mais forte, disse ele. A Rússia também começou a introduzir contra-sanções contra o Ocidente, pois proibiu as exportações de equipamentos de telecomunicações, médicos, automotivos, agrícolas, elétricos e tecnológicos, entre outros itens, até o final de 2022. No total, mais de 200 itens foram incluídos na lista de suspensão de exportação, que também abrangeu vagões ferroviários, contêineres, turbinas de aviões e outros bens. Se a Rússia decidir cortar o fornecimento de petróleo e gás para a Europa, os preços da energia dispararão e a economia da região mergulhará em recessão.
  7. Temores de recessão global
    Uma nova pesquisa do Bank of America (BofA) mostra que investidores nervosos começaram a acumular dinheiro devido a temores de recessão. De acordo com o estrategista-chefe de investimentos do BofA, Michael Hartnett, as expectativas de crescimento global entre os gestores de fundos estão na mínima de 14 anos. A maioria dos entrevistados espera que a inflação seja “permanente”. 
    Quanto aos riscos, a crise Rússia-Ucrânia é vista como o “risco de cauda” número um para os mercados, seguido de perto por uma recessão global. Economistas dizem que as pressões inflacionárias já vinham aumentando antes da crise. O aumento dos preços do petróleo e do gás fez soar os alarmes de recessão em todo o mundo. E agora a economia dos EUA começou a piscar um sinal de alerta de recessão.
    “A batida do tambor da recessão está ganhando volume”, declarou Nancy Tengler, CEO e CIO da Laffer Tengler Investments, em um relatório. Há muitas razões para se preocupar: “Inflação em alta, custos de energia crescentes, uma recessão quase certa na Zona do Euro e uma curva de juros perigosamente plana” , explicou ela.

“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

One Response to Fim do domínio Político e Econômico-Financeiro Global do (Hospício do) Ocidente

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.