Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

‘Fora PCC ! Fora Xi Jinping !’ Protestos irrompem em toda a China contra as Tirânicas Restrições do Covid-19

Protestos eclodiram em Xangai e dos estudantes em campi universitários em todo o país no fim de semana, com multidões pedindo a renúncia do Partido Comunista Chinês (PCC) e seu principal líder, em uma rara demonstração de dissidência pública da população chinesa que o país não via há décadas. Em Xangai, multidões de manifestantes se reuniram para uma vigília na Wulumuqi Middle Road, uma rua com o nome de Urumqi, na noite de 26 de novembro, de acordo com vídeos online e participantes.

Fora PCC ! Fora Xi Jinping ! Protestos irrompem por toda a China contra as Tirânicas Restrições do Covid-19

Fonte: The Epoch Times – Por Dorothy Li e Sophia Lam

última onda de raiva generalizada, desde a capital de Pequim à cidade de Nanjing, no sul, ocorreu depois  que protestos em massa eclodiram na região de Xinjiang, no extremo oeste, onde restrições rígidas e tirânicas COVID-19 foram responsabilizadas por 10 mortes e nove feridos em um incêndio em um apartamento em Urumqi, capital da região. As autoridades locais negaram a acusação.

Em Xangai, multidões de manifestantes se reuniram para uma vigília na Wulumuqi Middle Road, uma rua com o nome de Urumqi, na noite de 26 de novembro, de acordo com vídeos online e participantes.

“Exigimos liberdade!” Pessoas podiam ser ouvidas gritando em vários vídeos, que foram amplamente divulgados nas redes sociais do condado antes de serem retirados de circulação. “Xi Jinping”, cantou um homem em um vídeo . “Cai Fora!”, como um brado de guerra.

“Partido Comunista”, alguns gritavam; “Se afasta!” outros responderam. Eles repetiram os cantos de protesto enquanto as pessoas podiam ser vistas segurando papel branco em branco ou gravando a cena com seus telefones.

Eva Rammeloo, repórter do jornal holandês Fidelity que estava no local do protesto, disse que “nunca viu nada assim” nos 10 anos de suas reportagens na China. Ela estimou que havia mais de 1.000 manifestantes na madrugada de 27 de novembro.

A polícia começou a prender os manifestantes. Alguns manifestantes podiam ser ouvidos gritando: “Não usem de violência!” Um homem disse à polícia: “Vocês são a polícia do povo, devem servir ao povo!”

Rammeloo perguntou a um policial se ele concordava com os manifestantes. “Ele sorriu com um silêncio muito longo. ‘Não podemos fazer nada a respeito. Mei banfa’”, escreveu Rammeloo no Twitter.

Imagens de vídeo mostram que a polícia empurrou os manifestantes para dentro de veículos policiais. O Epoch Times não pôde verificar imediatamente a autenticidade dos videoclipes. Wulumuqi Middle Road foi barricada, mas há protestos ao longo da estrada, de acordo com Rammeloo.

Epoch Times Foto
Um homem é preso enquanto pessoas se reuniam em uma rua em Xangai em 27 de novembro de 2022. (Hector Retamal/AFP via Getty Images)

Esse tipo de demonstração nacional de explosão de raiva não é visto na China há décadas. O PCC reprimiu incansavelmente as vozes críticas, especialmente durante a pandemia. Vários jornalistas cidadãos e residentes que tentavam documentar o balanço dos primeiros dias do COVID-19 foram presos e silenciados.

Desde que o primeiro surto de COVID-19 foi relatado em Wuhan, o regime chinês combateu o vírus com duras medidas de controle social em um esforço para eliminar todas as infecções entre as comunidades.  Bloqueios instantâneos, testes repetidos, vigilância em massa e quarentena obrigatória de qualquer pessoa que eles considerem um risco estão entre os métodos que os funcionários do PCC adotaram para implementar sua política de “zero-COVID”.

Três anos depois, muitos esperavam que o regime comunista se afastasse da tirânica abordagem que privou a renda dos residentes confinados e causou inúmeras tragédias envolvendo pacientes não-COVID devido ao atraso nos cuidados médicos.

Epoch Times Foto
Polícia e pessoas são vistas durante alguns confrontos em Xangai em 27 de novembro de 2022. (Hector Retamal/AFP via Getty Images)

“Ninguém gosta do PCC ou de Xi Jinping”, disse um morador de Xangai de sobrenome Wang ao Epoch Times. Ele acrescentou que o povo chinês está “farto” das políticas draconianas de COVID zero.

“Todos os setores estão sofrendo. Precisamos nos alimentar, sustentar nossas famílias. Sem renda, como poderíamos sobreviver?” o homem disse em uma entrevista por telefone em 27 de novembro. As autoridades bloquearam contas que divulgam vídeos sobre os protestos do fim de semana, disse outro morador de Xangai ao Epoch Times.

No entanto, imagens que inundam as mídias sociais mostram que os protestos ocorreram em várias universidades importantes em todo o país no início de 27 de novembro. Na prestigiada Universidade Tsinghua de Pequim, dezenas de pessoas realizaram um protesto pacífico contra as restrições do COVID, durante o qual cantaram o hino do PCC, de acordo com imagens e vídeos publicados nas redes sociais.

Em um vídeo, um estudante universitário de Tsinghua convocou uma multidão animada para falar.

“Se não ousarmos falar porque temos medo de ser difamados, nosso povo ficará desapontado conosco.  Como estudante universitário de Tsinghua, vou me arrepender por toda a minha vida.” O Epoch Times não pôde verificar imediatamente o vídeo.

Epoch Times Foto
Funcionários chineses de controle de epidemia usam roupas de proteção para evitar a propagação do COVID-19 enquanto montam guarda atrás do portão trancado de um prédio de apartamentos no Central Business District em Pequim em 26 de novembro de 2022. (Kevin Frayer/Getty Images)

Apesar da raiva crescente do público, o People’s Daily, o principal jornal do PCCh, mais uma vez pediu ao país que mantenha a política de ZERO COVID. A abordagem de zero COVID, que agora se tornou uma política de assinatura para Xi, deve ser entendida como uma campanha política para o PCC, de acordo com Rory Truex, professor assistente de política e assuntos internacionais da Universidade de Princeton.

No entanto, o descontentamento nacional e a abordagem tirânica pareciam representar o maior desafio para Xi. No mês passado, Xi concedeu a si mesmo o terceiro mandato recorde durante o 20º Congresso do Partido comunista chinês. Instalando seus aliados nos principais órgãos de decisão do Partido, Xi é agora o líder mais poderoso do país desde o primeiro governante, Mao Zedong. Feng Chongyi, professor de estudos sobre a China na Universidade de Tecnologia de Sydney, vê os protestos como um ponto de virada na política chinesa.

“Grandes mudanças políticas na China exigem um processo de três etapas, de levantes civis a motins e golpes. Se a polícia não quiser reprimir as pessoas, seus superiores irão forçá-los a reprimir ou até enviar policiais de outros lugares para reprimir os manifestantes, o que pode causar um motim. Isso causou uma reação em cadeia em todo o país, e a tirania do PCC pode acabar dessa forma.”

Luo Ya e Reuters contribuíram para este relatório.


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é fim-dominio-eua-otan-nabucodonosor-fim-roma.jpg

“Quando é chegada a tarde, dizeis: Haverá bom tempo, porque o céu está rubro. E, pela manhã: Hoje haverá tempestade, porque o céu está de um vermelho sombrio. Hipócritas, sabeis discernir a face do céu, e não reconheceis os sinais dos tempos? Uma geração má e adúltera pede um sinal, e nenhum sinal lhe será dado . . .” – Mateus 16:2-4


Artigos Relacionados:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *