Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Fracassos dos “Assassinos Econômicos” na Turquia: Erdogan foi Reeleito

A reeleição do presidente Erdogan na Turquia é um fracasso monumental da pressão do hospício ocidental para derrubá-lo. Por causa disso, é hora de tirar os olhos da Ucrânia e olhar para um cenário diferente da Terceira Guerra Mundial com implicações iguais, senão maiores. As eleições na Turquia é outra em uma longa série de operações fracassadas de assassinos econômicos com revoluções coloridas. O último grande a falhar foi na Bielorrússia em 2020, após a reeleição de Alexander Lukashenko, o maior aliado de Putin.

Fracassos dos “assassinos econômicos” na Turquia: Erdogan foi reeleito

Fonte: TomLuongo.me

A Turquia tem sido alvo de uma campanha de sete anos [dos manipuladores, controladores do G-7] para se livrar de Erdogan, começando com a tentativa de golpe de 2016 organizada a partir da base aérea da OTAN [EUA] em Incerlik. 

A Turquia passou por uma desvalorização brutal e persistente de sua moeda, a lira, por cinco anos, vendo-a cair de menos de 2 em relação ao dólar americano para quase 21 esta semana após a vitória de Erdogan.

Cobri essa história em detalhes (veja meus arquivos da Turquia aqui) sendo uma das vozes solitárias tentando analisar as ações de política monetária de Erdogan, que, segundo argumentei, buscavam desdolarizar os passivos cambiais da Turquia e forjar um caminho independente.

Erdogan, astuto como uma raposa, há anos joga habilmente os EUA e a Rússia/China um contra o outro, posicionando a Turquia simultaneamente como membro da OTAN, o ‘porteiro’ do acesso ao Mar Negro e a encruzilhada financeira e comercial que liga o Oriente ao Ocidente.

A campanha do Ocidente para derrubar o presidente Assad na Síria, iniciada em 2011, não poderia ter avançado sem a ajuda de Erdogan. Ele concordou com isso de boa vontade, tendo sido prometido a Turquia a província de Idlib no oeste e tomando a maior parte do norte sírio. Vladimir Putin aceitando o convite de Assad para ajudar na luta contra o ISIS e os animais de estimação de Erdogan em Idlib (Hay’at Tahrir al-Sham ou HTS) começou a desvendar esses planos [tudo isso pôs areia na oculta agenda dos interesses de ISRAEL, via EUA, de expansão territorial dos judeus na Síria].

A Turquia abatendo um caça SU-31 russo em novembro de 2015 deveria levar Putin à guerra contra a Turquia, dando à OTAN todos os motivos para enfrentar os russos diretamente. Mas Putin e Erdogan chegaram a um entendimento sobre esse “incidente”, sugerindo que não foi por ordem de Erdogan que o avião russo foi abatido, mas sim os suspeitos de sempre em Foggy Bottom, Langley [CIA], GCHQ-MI-6 em Londres e o Mossad israelense.

Se você se pergunta por que nunca estou preocupado com a última tentativa esfarrapada de atrair a Rússia para um conflito mais amplo na Ucrânia por eventos como os bombardeios do gasoduto Nordstream 1 e 2 ou da ponte no Estreito de Kerch, foi a maneira como Putin lidou com este momento com Erdogan e depois o abate do Avião russo IL-20 ELINT sobrevoando a Síria por alguém que definitivamente não foi a Síria, que assumiu a culpa para evitar a Terceira Guerra Mundial.

Esses foram momentos em que a Rússia e a OTAN estavam sendo pressionadas e empurradas para o conflito e Putin se recusou a seguir o roteiro pronto de estilo Tom Clancy preparado para ele pelos psicopatas que controlam o ocidente {com os judeus khazares em destaque] que nunca parecem ficar sem rebatidas, não importa quantas vezes eles ataquem.

É neste contexto que temos de analisar o completo fracasso da campanha dos psicopatas do hospício do Ocidente para derrubar Erdogan e seu partido AKP do poder na Turquia.

Os anos do ZIRP [Zero interest-rate policy] no Ocidente coincidiram com a grande degradação das finanças da Turquia, quando Erdogan atraiu investimentos ocidentais para o país para apoiar suas ambições territoriais. Mas, Erdogan, conforme apontado por Baris Doster, da Universidade de Marmara, observou:

O governo à frente de Turquia é extremamente pragmático, o que se expressa na capacidade de fazer uma mudança brusca na sua política externa”, disse Doster à Sputnik. “Existem muitos exemplos disso: são as relações com Israel, Catar, Emirados Árabes Unidos, Egito, Arábia Saudita. Quando as relações com o Oriente não vão bem, a Turquia se volta para o Ocidente e, em caso de dificuldades com o Ocidente, se volta para o Oriente. No entanto, na situação atual, acredito que o vetor político existente permanecerá intacto.”

Concordo com o diagnóstico. Com efeito, o pragmatismo de Erdogan o levou a quase todos os movimentos que ele fez na última década, acompanhando a OTAN quando eles estavam na ofensiva, mas rapidamente girando e cortando a isca em uma política no minuto em que foram colocados na defensiva, cfe meus comentários acima sobre a Síria.

Na verdade, é fácil argumentar que o ponto de ruptura de Erdogan com o Ocidente sobre a Síria é o que tem dominado as manchetes geopolíticas nos últimos sete anos. Ele aprecia o papel do cara que tem influência sobre toda a política da OTAN no Mediterrâneo Oriental e no Mar Negro, cujo acesso seu país controla graças ao Tratado de Montreaux de 1936.

Ele ainda mantém refém a entrada da Suécia na OTAN, algo que tenho a sensação de que o novo governo de Estocolmo prefere seja mantido.

Com sua reeleição e as finanças da Turquia melhorando, a importância da Turquia só aumentará. Ele não deixará a OTAN voluntariamente, em vez disso, usará seu poder de veto para retardar o avanço dos [psicopatas] neocons, eurocratas e globalistas que traíram não apenas ele, mas a Turquia. Apesar de todas as suas aspirações, Erdogan é um nacionalista turco por completo.

Ele agora jogará mais areia na engrenagem dos planos da OTAN para um conflito mais amplo na região, da Ucrânia ao Irã e à Armênia, até que o Ocidente expulse a Turquia ou “alguém” o assassine.

Enquanto isso, ele continuará a convidar dinheiro russo, iraniano e chinês para investir na Turquia com o objetivo de reduzir sua dependência de negócios estrangeiros de energia liquidados em dólares.

O povo turco deu a ele mais cinco anos para completar esta transição do Ocidente para um centro comercial independente. Se o Ocidente for esperto, eles não irão antagonizá-lo ainda mais.


O Sputnik News me perguntou sobre meus pensamentos no início desta semana sobre essas questões diretamente. Você pode encontrar meus comentários nestes dois artigos (aqui e aqui). Como sempre, estou publicando as perguntas e respostas completas abaixo do intervalo para fins de transparência e para garantir que o contexto de meus comentários não seja perdido.


No período que antecedeu as eleições, em 28 de maio, a lira turca sofreu uma pressão sem precedentes dos principais gigantes financeiros. Por exemplo, analistas dos bancos ocidentais JPMorgan Chase e HSBC Holdings começaram a divulgar informações sobre o inevitável enfraquecimento da lira para níveis de 24-25 liras por dólar. Também vimos muitos outros investidores financeiros ocidentais vendendo a descoberto a lira turca.

Aqui estão as perguntas sobre as quais estávamos pensando:

Por que você acha que os gigantes financeiros ocidentais tomaram essas medidas contra a lira nos últimos dias? Isso poderia ser um esforço para influenciar a eleição turca?

Sim absolutamente. Os EUA não esconderam sua infelicidade com a maneira como o presidente Erdogan conduziu a política externa nos últimos anos. Eu senti e publiquei anteriormente que a lira turca está sob ataque consistente de atores estrangeiros desde o verão de 2018, quando esse problema apareceu pela primeira vez.

Naquela época, apenas a admissão de que os bancos italianos e franceses haviam se enchido de dívidas corporativas turcas denominadas em dólares, colocando seus balanços patrimoniais em risco, acabou com aquela rodada de pressão. Erdogan, por sua vez, viu a situação como ela era e assumiu o controle do banco central turco para arrancar o controle da política monetária das mãos do FMI.

Havia pouca opção e a lira estava destinada a essa hiperdesvalorização frente ao dólar. A posição passiva cambial líquida da Turquia, que em 2018 era superior a US$ 240 bilhões, era seu calcanhar de Aquiles.

Hoje, esse número caiu para cerca de US$ 80 bilhões, de acordo com dados recentes do Banco da Turquia. Portanto, embora a situação esteja melhorando, ainda é o vetor no qual Erdogan é mais vulnerável. Para consertar isso, Erdogan convidou corretamente o capital chinês e russo para a Turquia e fechou grandes acordos de [construção de um Hub de] energia com Putin para mitigar seus déficits crônicos de conta corrente e comercial como um grande importador de energia.

Então, sim, instabilidade financeira e monetária, hiperinflação esmagadora da lira turca e intervenções geopolíticas questionáveis ??minaram o apoio popular de Erdogan, colocando-o no segundo turno da eleição de hoje.

As notas recentes dos bancos americanos estão simplesmente levando a situação ao extremo. A Turquia tem poucas opções a não ser continuar a desdolarizar.

Quem você acha que o administrador de Biden e os gigantes financeiros ocidentais preferem nesta eleição? E Por que?

Claramente não era Erdogan. Eles colocaram um apoio considerável por trás de seu oponente Kemal Kilicdaroglu, reunindo uma coalizão “Tabela dos Seis” Não-Erdogan, que é a única coisa em que concordam. É uma reminiscência da coalizão Not-Orban do ano passado na Hungria.

Os resultados lá foram muito mais embaraçosos para os neoliberais da UE/EUA porque Orban não estava lidando com as crônicas questões monetárias que atormentavam Erdogan. Dito isto, a vitória de Erdogan não estava realmente em dúvida após a eleição geral que ele quase venceu de imediato.

Biden e a Europa querem uma Turquia leal à OTAN e seu programa para enfrentar ao máximo o eixo Rússia/China/Irã. Erdogan tem sido um espinho nesse programa desde o final de 2015 e a intervenção da Rússia na Síria revelou a cumplicidade dele e da OTAN em balcanizá-lo.

Ele jogou os dois times um contra o outro para abrir um caminho independente para a Turquia. Muitos de seus movimentos foram questionáveis, mas vistos por essa lente, o padrão de seu comportamento é bastante claro. Suas tentativas de forjar um acordo de paz entre a Ucrânia e a Rússia no ano passado provavelmente foram a gota d’água para o Ocidente.

A Turquia é o eixo central do Mediterrâneo Oriental e da presença contínua dos EUA no Oriente Médio.  Apesar dos problemas econômicos da Turquia, ele foi capaz de comunicá-los como um comportamento antiárabe continuado dos EUA. A partir daqui, com ele no poder por mais quatro anos (e provavelmente os últimos quatro), ele tem uma grande tarefa pela frente para estabilizar as finanças da Turquia. Ele já defendeu com sucesso que a OTAN deu as costas à Turquia, agora ele terá que transformar isso em uma política definitiva.

A política monetária pouco ortodoxa de Erdogan tem sido tema de extensa discussão entre os economistas ocidentais. Qual é a sua avaliação sobre isso?

Eu escrevi sobre isso em detalhes no passado aqui. A política monetária ‘não convencional’ de Erdogan foi a base para sua estratégia de saída do Ocidente para a Turquia. Erdogan desafiou a política convencional do FMI de aumentar as taxas de juros para atrair investidores estrangeiros.

Por que você iria querer atrair as mesmas pessoas que anteriormente retiraram seu dinheiro de seu país, desestabilizando-o? A entrada de capital estrangeiro nesse modelo é apenas chantagem, deixando o governo dependente da generosidade estrangeira.

Se eles não gostam de suas políticas, eles retiram seu dinheiro, quebram a moeda e esperam efetuar reformas políticas mais a “seu gosto” e agendas ocultas. O que Erdogan fez no final de 2021, quando a lira atingiu um pico de 18,2 em relação ao dólar, foi usar o balanço relativamente limpo da Turquia (menos de 40% da dívida em relação ao PIB) para encorajar os turcos a economizar e investir em lira (que eu entrou em detalhes no artigo vinculado acima), enquanto incentivava o investimento russo e chinês na dívida soberana turca e em projetos de infraestrutura/comércio.

Esses têm sido excelentes investimentos para esses investidores. Em novembro de 2021, a dívida turca de 10 anos estava rendendo mais de 23%. Hoje esse número é de 9,2%. A lira desvalorizou-se de uma média de 15 para os atuais 20 em relação ao dólar. Mesmo contabilizando as perdas cambiais, esses retornos têm sido excelentes. Lembre-se de que os preços dos títulos sobem à medida que o rendimento cai.

Agora, com sua reeleição, Erdogan e a Turquia estão do outro lado do risco político de novas lideranças mudarem o rumo. A Turquia ainda não está fora de perigo, mas os dados econômicos estão melhorando, em algumas áreas como Confiança de Manufatura (108) e Utilização da Capacidade (75,4%) com bastante rapidez.

A estabilidade política é o que é necessário agora. Aventureirismo militarista não é. Erdogan recebeu mais quatro anos para completar a reviravolta e reimaginar a economia turca.


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é controle-mental-escravos-sistema.jpg

Parece duvidoso se, de fato, a política de “Botas no rosto” pode continuar indefinidamente. Minha própria convicção é que a oligarquia governante encontrará maneiras menos árduas e perdulárias de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas formas serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo [uma verdadeira profecia publicada em 1932]. Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento INFANTIL e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que prisões e campos de concentração, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito “SUGERINDO” às pessoas para que “AMEM A SUA SERVIDÃO” ao invés de açoita-los e chuta-los até obter sua obediência“. – Carta de Aldous Huxley  EM 1949 para George Orwell autor do livro “1984”


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1

Artigos Relacionados:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *