Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Guerra Total para ‘Cancelar’ a Rússia

A essa altura, está bem claro que a campanha russofóbica neo-orwelliana “Two Minute Hate” lançada pelo “Empire of Lies” [Império das Mentiras] após o início da Operação Z é na verdade “Ódio 24/7”. Vastas faixas do OTAN foram encurraladas para se comportar como uma turba de linchamento russofóbica.  Nenhuma dissidência é tolerada. O psyops completo de fato atualizou o Império das Mentiras para o status de Império do Ódio em uma Guerra Total – híbrida ou não – para ‘cancelar’ a Rússia.

A GUERRA TOTAL PARA CANCELAR A RÚSSIA

Fonte:  Strategic-Culture.org – Por Pepe Escobar

O ódio, afinal, tem muito mais força do que meras mentiras, que agora estão se transformando em ridículo abjeto, como na “inteligência” dos EUA recorrendo a – o que mais – mentiras para travar a guerra da informação contra a Rússia.

Se o excesso de propaganda foi letalmente eficaz entre as massas ocidentais zumbificadas – chame-o de “vitória” na guerra de relações públicas – na frente onde realmente importa, dentro da Rússia, é um grande fracasso.

O apoio da opinião pública à Operação Z e ao presidente Putin é sem precedentes. Após vídeos de tortura de prisioneiros de guerra russos por militares ucranianos que causaram repulsa generalizada, a sociedade civil russa está até se preparando para uma “Longa Guerra” que dura meses, não semanas, desde que os alvos do Alto Comando Russo – na verdade ainda um segredo militar – sejam cumpridos.

Os objetivos declarados para consumo público, por enquanto, são “desmilitarização” e “desnazificação” de uma futura Ucrânia neutra – mas geopoliticamente vão muito além: o objetivo é virar o arranjo de segurança coletiva europeu pós-1945 de cabeça para baixo, forçando a OTAN a entender e chegar a um acordo com o conceito de “segurança indivisível”. Este é um processo extremamente complexo que chegará à próxima década.

A esfera do Otanstan simplesmente não pode admitir em público uma série de fatos que um analista militar do calibre de Andrei Martyanov vem explicando há anos. E isso aumenta sua dor e raiva coletiva.

A Rússia pode enfrentar a OTAN e destruí-la em 48 horas. Pode empregar sistemas avançados de dissuasão estratégicos inigualáveis ??em todo o Ocidente. Seu eixo sul – do Cáucaso e da Ásia Ocidental à Ásia Central – está totalmente estabilizado. E se as coisas ficarem realmente difíceis, o Sr. Zircon pode entregar seu cartão de visita nuclear hipersônico com o outro lado sem saber o que o atingiu.

“A Europa escolheu o seu destino”

Pode ser esclarecedor ver como esses processos complexos são interpretados pelos russos – cujos pontos de vista estão agora completamente bloqueados em todo o [hospício da] OTAN. Tomemos dois exemplos. O primeiro é o tenente-general LP Reshetnikov, em nota analítica examinando fatos da guerra terrestre.

Algumas dicas importantes:

– “Na Romênia e na Polônia existem aeronaves de alerta antecipado da OTAN com tripulações experientes, há satélites de inteligência dos EUA no céu o tempo todo. Relembro que apenas em termos de orçamentos para nosso Roscosmos alocamos US$ 2,5 bilhões por ano, o orçamento civil da NASA é de US$ 25 bilhões, o orçamento civil da SpaceX sozinho é igual ao Roscosmos – e isso sem contar as dezenas de bilhões de dólares anualmente para todos os EUA, desdobrando febrilmente o sistema de controle de todo o planeta”.

– A guerra está se desenrolando de acordo com “os olhos e o cérebro da OTAN. Os Ukronazis nada mais são do que zumbis controlados livremente. E o exército ucraniano é um organismo zumbi controlado remotamente [pelo ocidente].”

– “As táticas e estratégias desta guerra serão objeto de livros didáticos para academias militares de todo o mundo. Mais uma vez: o exército russo está esmagando um organismo zumbi nazista, totalmente integrado com os olhos e o cérebro da OTAN”.

Agora vamos mudar para Oleg Makarenko, que se concentra no Big Picture.

– “O Ocidente se considera ‘o mundo inteiro’ apenas porque ainda não recebeu um soco suficientemente sensível no seu nariz. Acontece que a Rússia agora está dando a ele este clique: com o apoio discreto da Ásia, África e América Latina. E o Ocidente não pode fazer absolutamente nada conosco, já que também está atrás de nós em termos de número de ogivas nucleares”.

– “A Europa escolheu o seu destino. E escolheu o destino para a Rússia. O que você está vendo agora é a morte da Europa. Mesmo que não se trate de ataques nucleares a centros industriais, a Europa está condenada. Numa situação em que a indústria europeia fica sem fontes de energia e matérias-primas russas baratas – e a China começará a receber esses mesmos transportadores de energia e matérias-primas com desconto, não se pode falar de qualquer possibilidade de concorrência real com a China da Europa. Como resultado, literalmente tudo entrará em colapso – depois da indústria, a agricultura entrará em colapso, o bem-estar e a previdência social entrarão em colapso, a fome, o banditismo e o caos começarão [nas grandes cidades ocidentais].”

É justo considerar Reshetnikov e Makarenko como representantes fiéis do sentimento geral russo, que interpreta a falsa bandeira grosseira de Bucha como uma cobertura para obscurecer a tortura do exército ucraniano de prisioneiros de guerra russos.

E, mais profundo ainda, as fake news de Bucha permitiu o desaparecimento dos laboratórios de armas biológicas do Pentágono da mídia pre$$titute$ ocidental, completo com suas ramificações: evidência de um esforço americano concertado para finalmente implantar armas reais de destruição em massa contra a Rússia.

A farsa de vários níveis de Bucha teve que incluir a presidência britânica do Conselho de Segurança da ONU realmente bloqueando uma discussão séria, um dia antes do Ministério da Defesa russo se esforçar para apresentar à ONU – previsivelmente menos os EUA e o Reino Unido – todos os fatos sobre armas biológicas que os russos desenterraram na Ucrânia. Os chineses ficaram horrorizados com as descobertas.

O Comitê de Investigação da Rússia pelo menos persiste em seu trabalho, com 100 pesquisadores desenterrando evidências de crimes de guerra em Donbass para serem apresentadas a um tribunal em um futuro próximo, provavelmente instalado em Donetsk.

E isso nos traz de volta aos fatos no terreno. Há muita discussão analítica sobre o possível final da Operação Z. Uma avaliação justa incluiria a libertação de toda a Novorossiya e o controle total da costa do Mar Negro que atualmente faz parte da Ucrânia.

Na verdade, a “Ucrânia” nunca foi um estado independente; sempre foi um anexo de outro estado ou império, como a Polônia, a Áustria-Hungria, a Turquia e, crucialmente, da própria Rússia.

O marco do estado russo foi Kievan Rus. “Ucrânia”, em russo antigo, significa “região de fronteira”. No passado, referia-se às regiões mais ocidentais do Império Russo. Quando o Império começou a se expandir para o sul, as novas regiões anexadas principalmente pelo domínio turco foram chamadas de Novorossiya (“Nova Rússia”) e as regiões do nordeste, Malorossiya (“Pequena Rússia”).

Coube à URSS no início da década de 1920 misturar tudo e nomeá-lo “Ucrânia” – acrescentando a Galiza no oeste, que historicamente era não-russa.

No entanto, o desenvolvimento chave é quando a URSS se separou em 1991. Como o Império das Mentiras controlava de fato a Rússia pós-soviética, eles nunca poderiam ter permitido que as verdadeiras regiões russas da URSS – isto é, Novorossiya e Malorossiya – fossem novamente incorporada à Federação Russa.

A Rússia está agora reincorporando-os – de uma maneira “Eu fiz, do meu jeito”.

Vamos dançar no Porto Rico europeu

A essa altura também está bem claro para qualquer análise geopolítica séria que a Operação Z abriu uma caixa de Pandora. E a suprema vítima histórica de toda a toxicidade finalmente liberada é a Europa.

O indispensável Michael Hudson, em um novo ensaio sobre o dólar norte-americano devorando o euro , argumenta em tom de brincadeira que a Europa também pode entregar sua moeda e continuar como “uma versão um pouco maior de Porto Rico”.

Afinal, a Europa “praticamente deixou de ser um estado politicamente independente, está começando a se parecer mais com o Panamá e a Libéria – ‘bandeira de conveniência’ centros bancários offshore que não são ‘estados’ reais porque não emitem suas próprias moedas, mas usa o dólar americano.”

Em sincronia com alguns analistas russos, chineses e iranianos, Hudson avança que a guerra na Ucrânia – na verdade em sua “versão completa como a Nova Guerra Fria” – provavelmente durará “pelo menos uma década, talvez duas na medida que os EUA estendem a luta entre o neoliberalismo e o socialismo [significando o sistema chinês] para abranger um conflito mundial.”

O que pode estar seriamente em disputa é se os EUA, após “a conquista econômica da Europa”, serão capazes de “fechar em países africanos, sul-americanos e asiáticos”. O processo de integração da Eurásia, em andamento há 10 anos, conduzido pela parceria estratégica Rússia-China e se expandindo para a maior parte do Sul Global, não terá barreiras para impedi-lo.

Não há dúvida, como afirma Hudson, que “a economia mundial está sendo inflamada” – com os EUA armando o comércio. Ainda no Lado Certo da História temos o Rublegas , o petroyuan, o novo sistema monetário/financeiro que está sendo desenhado em uma parceria entre a União Econômica da Eurásia (EAEU) e a China.

E isso é algo que nenhum insignificante ‘Cancel Culture War’ dos psicopatas ocidentais pode apagar.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *