Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Judeus Histéricos interrompem ‘com raiva’ visita após os EUA permitirem que Resolução de Cessar Fogo da ONU em Gaza fosse Aprovada

khazarian-mafia-judeus

Numa votação nessa segunda-feira, o Conselho de Segurança das Nações Unidas (CSNU) aprovou pela primeira vez uma resolução que apela a um cessar-fogo imediato em Gaza. Foi apresentada pelos membros não permanentes do conselho e catorze países [Argélia, Equador, Guiana, Japão, Malta, Moçambique, Serra Leoa, Eslovênia, Coreia do Sul e Suíça.] apoiaram a resolução, enquanto os EUA se abstiveram, o que enfureceu [como se isto fosse difícil] a delegação israelense em visita à Washington DC.

Judeus Histéricos interrompem ‘com raiva’ visita após os EUA permitirem que Resolução de Cessar Fogo da ONU em Gaza fosse Aprovada

Fonte: Zero Hedge

A resolução aprovada pela ONU, finalmenteexige um cessar-fogo imediato durante o mês do Ramadã, respeitado por todas as partes, conduzindo a um cessar-fogo permanente e sustentável, e também exige a libertação imediata e incondicional de todos os reféns.

A linguagem teria sido meticulosamente elaborada para evitar um veto de Washington DC, que ocorreu em várias tentativas anteriores de votação de cessar-fogo. Até agora, os EUA vetaram nada menos que quatro projetos anteriores. No entanto, na sexta-feira passada, a Rússia e a China vetaram um projeto de resolução, alegando que a linguagem essencialmente permitia uma luz verde para Israel entrar em Rafah e continuar matando civis palestinos.

A resolução de segunda-feira foi apresentada pelos seguintes membros não permanentes do conselho de segurança: Argélia, Equador, Guiana, Japão, Malta, Moçambique, Serra Leoa, Eslovênia, Coreia do Sul e Suíça. Também manifestou preocupação “com a situação humanitária catastrófica dos palestinos na Faixa de Gaza” e condenou os atos de terrorismo e a tomada de reféns, mas não conseguiu identificar o Hamas pelo nome.

Sobre a questão da controversa decisão dos EUA de não vetá-lo, embora o administrador Biden quisesse ver uma linguagem específica condenando o Hamas, a Al Jazeera escreve:

Desta vez, os EUA deixaram isto passar; negociaram-no, tentaram mudá-lo um pouco e não ficaram satisfeitos com o fato de não condenar o Hamas. Duas fontes diplomáticas afirmaram que, no período que antecedeu a votação, os EUA estavam propondo a sua própria alteração para estabelecer uma linha de condenação do Hamas, mas decidiram não o fazer .

Isto ilustra que a administração Biden se encontra cada vez mais na defensiva em relação ao crescente isolamento internacional de Israel, atualmente um estado Pária entre as nações, pelo genocídio em Gaza, depois do número de mortos palestinos ter ultrapassado os trinta mil, em sua maioria civis, mulheres e crianças.

O Conselho de Segurança da ONU aprovou uma resolução na segunda-feira pedindo um cessar-fogo imediato em Gaza. Os Estados Unidos abstiveram-se depois de “certas edições importantes terem sido ignoradas, incluindo o nosso pedido para adicionar uma condenação ao Hamas”, segundo a Embaixadora Linda Thomas-Greenfield.

O embaixador francês na ONU, Nicolas de Riviere, saudou a adoção da resolução da ONU como uma demonstração de que o CSNU “ainda pode agir quando todos os seus membros fizerem o esforço necessário para cumprir o seu mandato”. Ele disse na sessão:

“O silêncio do Conselho de Segurança sobre Gaza estava tornando-se ensurdecedor, já é tempo de o Conselho finalmente contribuir para encontrar uma solução”.

A China também aproveitou a oportunidade para castigar Washington: “Depois de repetidos vetos às ações do Conselho, os Estados Unidos decidiram finalmente parar de obstruir as exigências do Conselho para um cessar-fogo imediato. Apesar de tudo isto, os EUA ainda tentaram encontrar todo o tipo de desculpas e fizeram acusações contra a China”, disse o enviado chinês Zhang Jun. E a Rússia disse que é um importante “voto a favor da paz”.

Israel não está feliz, vendo também nisto um exemplo da Casa Branca de Biden essencialmente cedendo às exigências pró-Palestina. Mais tarde, na manhã de segunda-feira, foi amplamente divulgado que o primeiro-ministro Netanyahu suspendeu uma visita planejada a Washington por uma delegação de israelitas. Esperava-se que os dois aliados discutissem as atuais tensões em torno de uma ofensiva terrestre em Rafah, na Casa Branca.

“A delegação, originalmente viajando para os EUA a convite da Casa Branca do presidente Joe Biden, deveria se reunir com autoridades dos EUA sobre a planejada invasão de Rafah por Israel”, detalha a mídia regional. A Casa Branca, em resposta, disse estar “muito decepcionada com o fato de os israelenses não virem”, ao mesmo tempo que enfatizou que a política oficial dos EUA em relação a Israel não mudou, apesar da aprovação da resolução da ONU.

O gabinete de Netanyahu explicou a medida drástica da seguinte forma: “Os EUA recuaram da sua posição consistente no Conselho de Segurança que ligava um cessar-fogo à libertação dos reféns” [leia-se, aos interesses genocidas dos sionistas judeus]


2 respostas

  1. Infelizmente, o jogo foi muito sujo com Israel, pois vestirem com roupa de civis os guerrilheiro foi fundamental para o resultado desta votação! Que a Paz relamente aconteça e a consciência destes sofrimento se eleve ao melhor do coletivo humano nos tornando dignos de transceder de Gaia espiação para regeneração……. Já è Bija… Amem. Namaster!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *