Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

O Balé de Neutralidade da Rússia sobre o conflito Israel-Palestina

Será possível que o presidente russo Vladimir Putin esteja lenta mas seguramente a refazer a sua avaliação geopolítica de Israel? Chamar a isto o enigma chave nos corredores do poder de Moscou é, na verdade, um eufemismo. Não há sinais exteriores de tal mudança sísmica – pelo menos no que diz respeito à posição russa oficialmente “neutra” no intratável drama Israel-Palestina [judeu/árabe].

O Balé de Neutralidade da Rússia sobre o conflito Israel-Palestina

Fonte: The Cradle – Por Pepe Escobar

Exceto por uma declaração impressionante na sexta-feira passada na Cúpula da Comunidade de Estados Independentes (CEI) em Bishkek, quando Putin criticou os “métodos cruéis” utilizados por Israel para bloquear Gaza, e comparou-os com “o cerco de Leningrado durante a Segunda Guerra Mundial”.

“Isso é inaceitável”, declarou o presidente russo, e alertou que quando todos os 2,2 milhões de civis de Gaza “têm de sofrer, incluindo mulheres e crianças, é difícil alguém concordar com isto”.

 Os comentários de Putin podem ter sido um indício das mudanças em curso na frustrantemente opaca relação Rússia-Israel. Em segundo lugar está este artigo muito importante publicado na sexta-feira passada no Vzglyad, um site de estratégia de segurança próximo do Kremlin, diplomaticamente intitulado “Porque a Rússia permanece neutra no conflito no Médio Oriente”.   

É crucial notar que há apenas seis meses e refletindo um quase consenso entre a comunidade de inteligência da Rússia, os editores do Vzglyad apelavam a Moscou para transferir o seu considerável peso político para apoiar a questão número um para os mundos árabe e islâmico.  

O artigo destacou os pontos-chave que Putin expressou em Bishkek: não há alternativa às negociações; Tel Aviv foi submetida a um ataque brutal e tem o direito de se defender; um verdadeiro acordo só é possível através da criação, aprovada pela ONU, de um Estado palestino soberano e independente com capital em Jerusalém Oriental.  

O presidente russo é a favor da solução original de “dois estados” da ONU e acredita que um Estado palestino deve ser estabelecido “por meios pacíficos”. Mas, por mais que o conflito tenha sido “um resultado direto da política falhada dos Estados Unidos no Oriente Médio”, Putin rejeita os planos de Tel Aviv de lançar uma operação terrestre em Gaza. 

Esta cobertura qualificada não é certamente prova de que Putin está se inclinando para aquilo que é quase um consenso entre o Estado-Maior russo, os siloviki em várias agências de informação e o seu Ministério da Defesa: Eles consideram que Israel pode ser um inimigo de fato da Federação Russa, sendo um aliado com a Ucrânia [Zelensky é judeu], os EUA e a OTAN.

Siga o dinheiro

Tel Aviv tem sido extremamente cautelosa para não antagonizar frontalmente a Rússia na Ucrânia, e isto pode ser uma consequência direta das relações notoriamente cordiais entre Putin e o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu.  

No entanto, muito mais importantes do que Israel no tabuleiro de xadrez geopolítico são as atuais relações de Moscou com os estados árabes islâmicos, especialmente a Arábia Saudita, parceira da OPEP+ e a partir de janeiro,q24 também do BRICS, que ajudou a frustrar os esforços ocidentais para controlar os preços do petróleo.

Também altamente central na elaboração de políticas regionais da Rússia é a sua parceria estratégica com o Irã, que colheu dividendos na Síria e no Cáucaso, e que ajuda a conter o expansionismo territorial de Israel e dos EUA.  Finalmente, as idas e vindas complexas e multifacetadas de Moscou com Ancara [Turquia] são cruciais para as ambições econômicas e geopolíticas russas na Eurásia.  

Todas as três potências da Ásia Ocidental são Estados de maioria muçulmana, filiações importantes para uma Rússia multipolar que acolhe a sua própria população muçulmana considerável. E para estes três atores regionais, sem distinção, a atual punição coletiva de Gaza transgride qualquer possível linha vermelha.     

Israel também já não é tão significativo nas considerações financeiras de Moscou, que se livrou do domínio dos banqueiros judeus khazares ocidentais e seu sistema de banco central [criado e controlado pelos judeus khazares Rothschilds]. Desde a década de 1990, imensas quantidades de fundos russos têm transitado para Israel via judeus russos, mas agora, uma parte substancial está regressando diretamente à Rússia. 

O notório caso do bilionário banqueiro russo judeu khazar nascido na Ucrânia, Mikhail Friedman ilustra bem esta nova realidade. O oligarca deixou a sua casa no Reino Unido e mudou-se para Israel uma semana antes do lançamento da operação Al-Aqsa Flood do Hamas em sete de outubro – o que por sua vez o levou a agarrar às pressas o seu passaporte russo e fugir para Moscou em busca de abrigo e segurança. 

Friedman, um oligarca judeu-russo bilionário que lidera o Grupo Alfa com grandes interesses em telecomunicações, bancos, varejo e seguros, e é um rico sobrevivente da crise financeira de 1998, é suspeito pelos russos de “contribuir” com até $ 150 milhões de dólares para o regime inimigo em Kiev.

A reação do presidente da Duma, Vyacheslav Volodin, não poderia ter sido mais contundente – ou menos preocupada com os sentimentos de Israel sobre o assunto: 

“Qualquer pessoa que tenha deixado a Rússia e se tenha envolvido em atos repreensíveis, celebrando tiros em território russo e desejando a vitória ao regime nazista de Kiev, deveria perceber que não só não é bem-vindo aqui, mas se regressar, Magadan (um notório porto de trânsito para o gulag na era Stalin) está esperando por eles.”   

A Russofobia encontra punição coletiva

Enquanto o [Hospício do] Ocidente coletivo recorreu a um monomaníaco discurso de “Somos todos israelitas agora”, a estratégia do Kremlin é posicionar-se visivelmente como o mediador de escolha neste conflito – não apenas para os mundos árabe e muçulmano, mas também para o Sul Global/Maioria Global. .

Esse foi o objetivo do projeto de resolução russo apresentado esta semana no Conselho de Segurança da ONU, apelando a um cessar-fogo em Gaza, que foi previsivelmente derrubado pelos suspeitos de sempre como de costume. 

Três membros permanentes do Conselho de Segurança – EUA, Reino Unido e França, além da sua neo-colônia Japão – votaram contra. Para o resto do mundo, isto parecia exatamente o que parecia ser : a irracional russofobia ocidental e os Estados fantoches dos EUA a validar o bombardeamento genocida de Israel sobre Gaza, densamente habitada por civis.  

Extraoficialmente, os analistas de inteligência apontam para como o Estado-Maior Russo, o aparelho de inteligência e o Ministério da Defesa parecem estar organicamente alinhados com os sentimentos globais sobre as agressões excessivas de Israel.  

O problema é que as críticas oficiais e públicas russas à incitação psicótica e em série à violência de Netanyahu, juntamente com o seu ministro de direita da Segurança Nacional, Itamar Ben-Gvir, e o ministro das Finanças, Bezalel Smotrich, têm sido inexistentes. 

Pessoas internas de Moscou insistem que a posição oficial “neutra” do Kremlin entra em conflito frontal com as suas agências de defesa e segurança – especialmente GRU e SVR – que nunca esquecerão que Israel esteve diretamente envolvido no assassinato de russos na Síria. 

Essa opinião reforçou-se desde Setembro de 2018, quando a Força Aérea de Israel utilizou um avião de reconhecimento eletrônico Ilyushin-20M como cobertura contra mísseis sírios, fazendo com que fosse abatido e matando todos os 15 russos a bordo.    

Este silêncio nos corredores do poder é espelhado pelo silêncio na esfera pública. Não houve debate na Duma sobre a posição russa em relação a Israel-Palestina. E não há debate no Conselho de Segurança desde o início de Outubro.

No entanto, uma sugestão sutil foi dada pelo Patriarca Kirill, líder da Igreja Ortodoxa Russa, que sublinhou que a “coexistência pacífica” tem uma “dimensão religiosa” e requer “paz justa”. Isto não se alinha exatamente com a anunciada limpeza étnica de [palestinos] “animais humanos” (direitos de autoria do Ministério da Defesa de Israel) em Gaza.  

Ao longo de alguns corredores próximos do poder, há um rumor alarmante de um intrincado jogo de sombras entre Moscou e Washington, em que os americanos negociarão com Israel em troca dos russos negociarem com a Ucrânia. 

Embora isto selasse o processo já em curso do Ocidente de atirar para debaixo do ônibus o palhaço e ator suado de Kiev [Zelensky], é altamente improvável que o Kremlin confie em qualquer acordo americano, e certamente não num que marginalize a influência russa na estratégica Ásia Ocidental.

Esta solução de dois estados está morta 

O balé da “neutralidade” da Rússia continuará. Moscou está transmitindo a Tel Aviv a noção de que mesmo no âmbito da sua parceria estratégica com o Irã, armas que possam ameaçar Israel – como, por exemplo, acabar com o Hezbollah e o Hamas – não serão exportadas. A contrapartida deste acordo seria que Israel também não vendesse nada a Kiev que pudesse ameaçar a Rússia. 

Mas, ao contrário dos EUA e do Reino Unido, a Rússia não designará o Hamas como organização terrorista. O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, tem sido muito franco nesta questão: Moscou mantém contatos com ambos os lados; a sua “prioridade número um” é “o interesse dos cidadãos (russos) do país que vivem tanto na Palestina como em Israel”; e a Rússia continuará a ser “uma parte com potencial para participar nos processos de resolução”.  

A neutralidade, é claro, pode chegar a um beco sem saída. Esmagadoramente, para os estados árabes e muçulmanos ativamente cortejados pelo Kremlin, o desmantelamento do imperialismo de colonos judeus [na Cisjordânia] liderados pelos sionistas judeus radicais deveria ser a “prioridade número um”.

Isto implica que a solução de dois Estados, para todos os efeitos práticos, está totalmente morta e enterrada. No entanto, não há provas de que alguém, sobretudo Moscou, esteja disposto a admitir isso.


“Precisamos do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição nos ajuda a nos mantermos à tona. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288.


AVISO PARA OS ASSINANTES DO BLOG: Para os leitores assinantes do Blog, que recebiam o link para acessar as postagens em seus endereços de E-Mail, solicitamos, por favor, que refaçam a sua inscrição aqui neste LINK: https://linktr.ee/thoth3126, devido à problemas técnicos e perda de dados que tivemos com a migração de servidor. Também avisamos aos nossos leitores que estamos preparando uma NOVA VERSÃO do Blog que em breve será disponibilizada para todos.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *