Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

O Cartel do Federal Reserve (4): um Parasita (um câncer) Financeiro

Os ‘Quatro Cavaleiros da Banca’ internacional (Bank of America, JP Morgan Chase, Citigroup e Wells Fargo) são donos dos ‘Quatro Cavaleiros do Petróleo ‘(Exxon Mobil, Royal Dutch/Shell, BP e Chevron Texaco); em conjunto com o Deutsche Bank, BNP, Barclays e outros gigantes europeus do dinheiro antigo.  Mas seu monopólio sobre a economia global não termina no limite da área do petróleo/bancos. De acordo com os registros da empresa 10K para a SEC, os ‘Quatro Cavaleiros da Banca’ estão entre os dez maiores acionistas de praticamente todas as empresas da Fortune 500.[1]

O Cartel do Federal Reserve (4): um Parasita (um câncer) Financeiro

Fonte: Global Research – Por Dean Henderson

Primeira parte: O Cartel do Federal Reserve (1): as Oito Famílias

“Dê-me o controle do dinheiro de uma Nação e pouco me importa quem faça suas leis.” – Judeu Khazar Mayer Amschel Bauer (ROTHSCHILD)


O pai do fundador dos Federalistas do Mundo Unido, o judeu khazar James Warburg, foi Paul Warburg, que financiou Hitler com a ajuda do parceiro da Brown Brothers Harriman, Prescott Bush. [1]

O coronel Ely Garrison era amigo íntimo do presidente Teddy Roosevelt e do presidente Woodrow Wilson. Garrison escreveu em Roosevelt, Wilson e o Federal Reserve : “Paul Warburg foi o homem que reuniu a Lei do Federal Reserve depois que o Plano Aldrich despertou tal ressentimento e oposição em todo o país. O mentor de ambos os planos foi o Barão (judeu khazar) Alfred Rothschild de Londres.”

O Plano Aldrich foi elaborado em uma reunião secreta em 1910 no resort privado do JP Morgan em Jekyl Island, entre Rockefeller, o tenente Nelson Aldrich e Paul Warburg da dinastia bancária alemã Warburg. Aldrich, um congressista de Nova York, mais tarde se casou com um membro da família Rockefeller. Seu filho Winthrop Aldrich presidiu o Chase Manhattan Bank. 

Enquanto os banqueiros se reuniam em Jekyl Island, o coronel Edward House, outro fantoche de Rockefeller e confidente próximo do presidente Woodrow Wilson, estava ocupado em convencer Wilson da importância da criação de um banco central privado e da criação de um imposto nacional sobre os rendimentos dos cidadãos. Um membro da equipe de House era o general Julius Klein, membro do MI6 Permindex britânico. [2]

Wilson não precisou de muito convencimento, já que estava em dívida com o magnata do cobre Cleveland Dodge, cujo homônimo Phelps Dodge se tornou uma das maiores empresas de mineração do mundo. Dodge financiou a carreira política de Wilson. Wilson até escreveu seu discurso inaugural no iate de Dodge. [3]

Wilson foi colega de classe de Dodge e Cyrus McCormick em Princeton. Ambos eram diretores do National City Bank de Rockefeller (hoje Citigroup). O foco principal de Wilson era superar a desconfiança pública nos banqueiros, o que o prefeito da cidade de Nova York, John Hylan, repetiu em 1922, quando argumentou:

“A verdadeira ameaça à nossa república é o governo invisível que, como um polvo gigante, espalha sua extensão viscosa sobre o nosso cidade, estado e nação. À frente está um pequeno grupo de casas bancárias, geralmente referidas como os banqueiros internacionais”. [4]

Mas as Oito Famílias prevaleceram novamente. Em 1913 nasceu o Federal Reserve Bank, sendo Paul Warburg o seu primeiro governador. Quatro anos depois, os EUA entraram na Primeira Guerra Mundial, depois que uma sociedade secreta conhecida como Mão Negra assassinou o arquiduque Ferdinand e sua esposa Condessa Sofia Chotek, em Sarajevo, Capital da Bósnia e Herzegovina. O amigo do arquiduque, o conde Czerin, disse mais tarde: “Um ano antes da guerra, ele me informou que os maçons haviam decidido sua morte.”[5]

Nesse mesmo ano, os bolcheviques derrubaram a monarquia Hohehzollern na Rússia com a ajuda dos judeus khazares Max Warburg e Jacob Schiff, enquanto a Declaração Balfour que levou à criação de Israel foi escrita pelo Sionista e judeu khazar Segundo Lorde Rothschild.

Na década de 1920, o Barão Edmund de Rothschild fundou a Comissão de Economia da Palestina, enquanto os escritórios de Kuhn Loeb em Manhattan ajudaram Rothschild a formar uma rede para contrabandear armas para esquadrões da morte sionistas empenhados em tomar as terras palestinas. 

O general Julius Klein supervisionou a operação e chefiou o Corpo de Contra-espionagem do Exército dos EUA, que mais tarde produziu Henry Kissinger, outro judeu khazar. Klein desviou a ajuda do Plano Marshall para a Europa para células terroristas sionistas na Palestina após a Segunda Guerra Mundial, canalizando os fundos através do Instituto Sonneborn, que era controlado pelo magnata da química de Baltimore, o judeu khazar Rudolph Sonneborn. Sua esposa Dorothy Schiff é parente dos Warburgs. [6]

Os Kuhn Loebs vieram para Manhattan com os Warburgs. Ao mesmo tempo, os khazares Bronfmans vieram para o Canadá como parte do Comitê de Colonização Judaica Moses Montefiore. Os Montefiores realizam o trabalho sujo da nobreza genovesa desde o século XIII. Os di Spadaforas cumpriram essa função para a Casa Italiana de Sabóia, que foi financiada pela família Israel Moses Seif. 

Lord Harold Sebag Montefiore é o atual chefe da Fundação Jerusalém, a ala sionista judeu khazar dos Cavaleiros de São João de Jerusalém. Os Bronfmans (o nome significa “homem de bebidas” em iídiche, um dialeto judaico) uniram-se ao judeu khazar Arnold Rothstein (um poderoso chefão da “máfia judaica de New York), um produto do império de produtos secos dos Rothschild, para fundar o crime organizado na cidade de Nova Iorque. Rothstein foi sucedido por Lucky Luciano, Meyer Lansky, Robert Vesco e Santos Trafficante. Os judeus khazares Bronfmans são casados ​​com os judeus khazares Rothschilds, Loebs e Lamberts. [7]

O ano de 1917 também viu a XVIª Emenda adicionada à Constituição dos EUA, cobrando um imposto de renda nacional, embora tenha sido ratificada por apenas dois dos 36 estados exigidos. O IRS é uma empresa privada registrada em Delaware. [8] Quatro anos antes, a Fundação Rockefeller foi lançada, para proteger a riqueza familiar das novas disposições do imposto sobre o rendimento, ao mesmo tempo que orientava a opinião pública através da engenharia social. Um de seus tentáculos era o Conselho de Educação Geral.

Na Carta Ocasional nº 1, o Conselho afirma: “Em nossos sonhos, temos recursos ilimitados e as pessoas se rendem com perfeita docilidade às nossas mãos moldadoras. As atuais convenções educativas desaparecem das suas mentes e, livres da tradição, exerceremos a nossa boa vontade sobre um povo rural agradecido e receptivo. Tentaremos não transformar essas pessoas ou qualquer um dos seus filhos em filósofos ou homens de conhecimento ou homens de ciência… dos quais temos amplo suprimento.”[9]

Embora a maioria dos americanos pense na Reserva Federal como uma instituição governamental, esta é uma propriedade privada das Oito Famílias. O Serviço Secreto dos EUA é empregado, e trabalha, não pelo Poder Executivo, mas pelos interesses das oito famílias do Federal Reserve. [10]

Uma conversa entre o senador Edward Kennedy (D-MA) e o presidente do Fed, Paul Volcker, nas audiências do Senado em 1982, é instrutiva. Kennedy deve ter pensado no seu irmão mais velho, John, quando disse a Volcker que se ele estivesse perante o comité como membro do Tesouro dos EUA, as coisas seriam muito diferentes. Volcker, fumando um charuto, respondeu arrogantemente:

“Isso provavelmente é verdade. Mas acredito que foi intencionalmente concebido desta forma”. [11] O deputado Lee Hamilton (D-IN) disse a Volcker que: “As pessoas percebem que o que aquele seu conselho faz tem um impacto muito profundo em seus bolsos, e ainda assim é um grupo de pessoas basicamente inacessível para elas e inexplicável a eles.”

O Presidente Wilson falou de “um poder tão organizado, tão completo, tão difundido, que é melhor que não falem alto quando falam em condenação dele”. O deputado Charles Lindberg (D-NY) foi mais contundente, criticando a Lei da Reserva Federal de Wilson, que tinha sido inteligentemente apelidada de “Lei do Povo”. Lindberg declarou que a Lei iria, “…estabelecer a confiança mais gigantesca do mundo…Quando o presidente assinar esta lei, o governo invisível do poder do dinheiro será legitimado. A lei criará inflação sempre que os trustes quiserem inflação. A partir de agora, as depressões serão criadas cientificamente. O governo invisível do poder do dinheiro, cuja existência foi comprovada pela Money Trust Investigation, será legalizado. Todo o conceito de banco central foi arquitetado pelo mesmo grupo do qual se deveria retirar o poder”. [12]

O Fed é composto por quase todos os bancos dos EUA, mas o Federal Reserve Bank de Nova Iorque controla o Fed em virtude dos seus enormes recursos de capital e de Wall Street, controlada pelos judeus khazares. O verdadeiro centro de poder dentro do Fed é o Comité Federal de Mercado Aberto (FOMC), no qual apenas o Presidente do Fed de Nova Iorque detém um assento de voto permanente. O FOMC emite diretivas sobre política monetária que são implementadas a partir do 8º andar do Fed de Nova Iorque, uma fortaleza inspirada no Banco de Inglaterra. [13]

No quinto subsolo do edifício de pedra de 14 andares encontram-se 10.300 toneladas de ouro, majoritariamente não americano, 1/3 das reservas mundiais de ouro e, de longe, o maior estoque de ouro do mundo. [14]

O mundo do dinheiro está cada vez mais informatizado. Com a introdução pelas Oito Famílias de instrumentos financeiros complicados como derivativos, opções, opções de venda e futuros; o volume de transações interbancárias deu um salto quântico (e se transformou em um enorme CASSINO). Para lidar com isto, o Fed construiu uma super-estrada estranhamente conhecida como CHIPS (Clearing Interbank Payment System), que tem sede em Nova Iorque e tem como modelo o Euro-Clear da Morgan, com sede na Bélgica – também conhecido como The Beast (A Besta).

Quando o Fed foi criado, cinco bancos de Nova Iorque – Citibank, Chase, Chemical Bank, Manufacturers Hanover e Bankers Trust – detinham uma participação de 43% no Fed de Nova Iorque. Em 1983, estes mesmos cinco bancos detinham 53% do Fed de Nova Iorque. No ano 2000, as recém-fundidas Citigroup, JP Morgan Chase e Deutsche Bank detinham pedaços ainda maiores, tal como a facção europeia das Oito Famílias. Coletivamente, eles possuem ações majoritárias em todas as empresas Fortune 500 e realizam a maior parte das negociações de ações e títulos. Em 1955, os cinco bancos acima mencionados representavam 15% de todas as negociações de ações. Em 1985, estavam envolvidos em 85% de todas as transações de ações. [15]

Ainda mais poderosos são os bancos de investimento que levam os nomes de muitas das Oito Famílias.  Em 1982, enquanto os banqueiros do Morgan presidiam as negociações entre a Grã-Bretanha e a Argentina após a Guerra das Malvinas, o presidente Reagan aprovou a Regra 415 da SEC, que ajudou a consolidar a subscrição de títulos nas mãos de seis grandes casas de investimento pertencentes às Oito Famílias: Goldman Sachs, Merrill Lynch , Morgan Stanley, Salomon Brothers, First Boston e Lehman Brothers. Estes bancos consolidaram ainda mais o seu poder através da mania de fusões das décadas de 1980 e 1990.

A American Express engoliu o Lehman Brothers-Kuhn Loeb – que se fundiu em 1977 – e o Shearson Lehman-Rhoades. O Banca della Svizzera Italiana, de Israel Moses Seif, comprou uma participação de 7% no Lehman Brothers. [16] A Salomon Brothers prendeu Philbro da família sul-africana Oppenheimer e depois comprou Smith Barney. Todos os três passaram a fazer parte do Traveller’s Group, liderado por Sandy Weill, da família David-Weill, que controla a Lazard Freres através do sócio sênior Michel David-Weill. 

O Citibank então comprou a Travelers para formar o Citigroup. SG Warburg, do qual o Chartered Consolidated dos Oppenheimer possui uma participação de 9%, juntou-se ao antigo Banque Paribas- que se fundiu com o Merrill Lynch em 1984. O Union Bank of Switzerland adquiriu o Paine Webber, enquanto o Morgan Stanley engoliu o Dean Witter e comprou as operações de cartão de crédito Discover da Sears.

O First Boston, controlado por Kuhn Loeb, fundiu-se com o Credit Suisse, que já havia absorvido a White-Weld, para se tornar o CS First Boston – o principal player no sujo mercado de Eurobonds de Londres. O Merrill Lynch – fundido no Bank of America em 2008 – é o principal interveniente do lado americano deste comércio. A Swiss Banking Corporation fundiu-se com a maior casa de investimentos de Londres, SG Warburg, para criar a SBC Warburg, enquanto a Warburg tornou-se mais interligada com a Merrill Lynch através da sua associação com a Mercury Assets em 1998. Os Warburg formaram outro empreendimento com o Union Bank of Switzerland-UBS, criando o poderoso UBS Warburg. O Deutsche Bank comprou o Banker’s Trust e Alex Brown para se tornar brevemente o maior banco do mundo, com US$ 882 bilhões em ativos. Com a revogação da Glass-Steagal, a linha entre investimento, banca comercial e a banca privada desapareceu.

Este punhado de bancos de investimento exerce um enorme controle sobre a economia global. Suas atividades incluem assessorar negociações de dívidas do Terceiro Mundo, lidar com fusões e separações, criar empresas para preencher um vazio econômico percebido por meio do lançamento de ofertas públicas iniciais de ações (IPOs), subscrever todas as ações, subscrever todas as emissões de títulos corporativos e governamentais e puxar o movimento no caminho da privatização e da globalização da economia mundial.

Um recente presidente do Banco Mundial foi James Wolfensohn, da Salomon Smith Barney. A Merrill Lynch tinha 435 bilhões de dólares em ativos em 1994, antes mesmo de o frenesi das fusões ter realmente começado. O maior banco comercial da altura, o Citibank, só podia reivindicar 249 bilhões de dólares em ativos.

Em 1991, o Merrill Lynch administrou 26,8% de todas as fusões bancárias globais. O Morgan Stanley fez 16,8%, o Goldman Sachs 16,3%, o Lehman Brothers 16,1% e o Credit Suisse First Boston 14,5%. O Morgan Stanley fez US$ 60 bilhões em fusões corporativas em 1989. Em 2007, refletindo a revogação da Glass-Steagel, os dez principais consultores da NMA na ordem eram: Goldman Sachs, Morgan Stanley, Citigroup, JP Morgan Chase, Lehman Brothers, Merrill Lynch, UBS. Warburg, Credit Suisse, Deutsche Bank e Lazard. 

No campo de subscrição de ações via IPO em 1991, os quatro primeiros foram Goldman Sachs, Merrill Lynch, Morgan Stanley e CS First Boston. Na arena da privatização global durante os anos 1985-1995, a Goldman Sachs liderou o caminho, realizando negócios no valor de US$ 13,3 bilhões de dólares. O UBS Warburg faturou US$ 8,2 bilhões, o BNP Paribas US$ 6,8 bilhões, o CS First Boston US$ 4,9 bilhões e Merrill Lynch, proprietária do Paribas, US$ 4,4 bilhões. [17]

Em 2006, o BNP Paribas comprou o famoso Banca Nazionale del Lavoro (BNL), que liderou o ataque ao armamento de Saddam Hussein. De acordo com a Global Finance , é hoje o maior banco do mundo, com quase US$ 3 bilhões de dólares em ativos.

Os principais subscritores de dívida dos EUA nos primeiros nove meses de 1995 tinham os mesmos nomes familiares. A Merrill Lynch subscreveu US$ 74,2 bilhões de dólares nos mercados de dívida dos EUA, ou 15,3% do total. O Lehman Brothers movimentou US$ 52,5 bilhões, o Morgan Stanley US$ 47,4 bilhões, o Salomon Smith Barney US$ 45,6 bilhões. CS First Boston, Chase Manhattan e Goldman Sachs completaram os sete primeiros. 

Os três principais subscritores de dívida municipal naquele ano foram Goldman Sachs, Merrill Lynch e UBS Paine Webber. No mercado do euro, os quatro principais subscritores em 1995 foram o UBS Warburg, o Merrill Lynch, o Deutsche Bank e o Goldman Sachs. [18] A sucursal Morgan Grenfell do Deutsche Bank planejou a farra de aquisições corporativas na Europa.

Os intervenientes dominantes nos mercados de futuros de petróleo, tanto na Bolsa Mercantil de Nova Iorque como na Bolsa de Petróleo de Londres, são o Morgan Stanley Dean Witter, o Goldman Sachs (através da sua subsidiária J. Aron & Company), o Citigroup (através da sua unidade Philbro) e o Deutsche Bank ( através da aquisição do Banker’s Trust). Em 2002, a Enron Online foi leiloada por um tribunal de falências para o UBS Warburg por US$ 0. O UBS deveria compartilhar os lucros do monopólio da Enron Online com o Lehman Brothers após os primeiros dois anos do acordo. [19] Com o fim do Lehman em 2008, o seu novo proprietário, o Barclays, receberá a sua parte.

Após o fiasco do Lehman Brothers e o colapso financeiro que se seguiu em 2008, os Quatro Cavaleiros do Sistema Bancário tornaram-se ainda maiores. Por centavos de dólar, o JP Morgan Chase recebeu o Bear Stearns e o Washington Mutual. O Bank of America confiscou a Merrill Lynch e a Countrywide. E o Wells Fargo assumiu o controle do banco Wachovia, então o número 5 dos EUA. O Barclays conseguiu um acordo favorável pelos restos do Lehman Brothers.

O ex-presidente do Comitê Bancário da Câmara, Wright Patman (D-TX), declarou sobre as oito famílias proprietárias do Federal Reserve : “Os Estados Unidos hoje têm em vigor dois governos. Nós somos o governo devidamente constituído. Então temos um governo independente, descontrolado e descoordenado no Sistema da Reserva Federal, operando os poderes monetários que são reservados ao Congresso pela Constituição”. [20]

Desde a criação da Reserva Federal, a dívida dos EUA (principalmente devida às Oito Famílias) disparou de US$ 1 bilhão para cerca de US$ 31,4 TRILHÕES de dólares atualmente. Isto ultrapassa de longe o total da dívida combinada de todos os países do Terceiro Mundo, dívida que é devida principalmente a estas mesmas Oito Famílias, que CONTROLAM a maior parte de todos os bancos centrais dos países do mundo. Um país que recentemente ZEROU seus débitos para com este sistema controlado pelos judeus khazares das Oito Famílias foi a RÚSSIA . . .

Como salientou o senador Barry Goldwater (R-AZ):

“Os banqueiros internacionais ganham dinheiro ao concederem crédito aos governos. Quanto maior for a dívida do Estado político, maiores serão os juros devolvidos aos credores. Os bancos nacionais da Europa (também) são propriedade e controlados por interesses privados. Reconhecemos de uma forma nebulosa que os Rothschilds e os Warburgs da Europa e as casas do JP Morgan, Kuhn Loeb & Co., Schiff, Lehman e Rockefeller possuem e controlam uma vasta riqueza. Como eles adquirem esse vasto poder financeiro e o utilizam [NÃO] é ​​um mistério para a maioria de nós.”[21]

Continua . . .

Notes

  • [1] Behold a Pale Horse. William Cooper. Light Technology Press. Sedona, AZ. 1991. p.81
  • [2] Dope Inc.: The Book that Drove Kissinger Crazy. The Editors of Executive Intelligence Review. Washington, DC. 1992.
  • [3] Democracy for the Few. Michael Parenti. St. Martin’s Press. New York. 1977. p.67
  • [4] Descent into Slavery. Des Griffin. Emissary Publications. Pasadena 1991
  • [5] The Robot’s Rebellion: The Story of the Spiritual Renaissance. David Icke. Gateway Books. Bath, UK. 1994. p.158
  • [6] The Editors of Executive Intelligence Review. p.504
  • [7] Ibid
  • [8] Ibid
  • [9] Ibid. p.77
  • [10] “Secrets of the Federal Reserve”. Discovery Channel. January 2002
  • [11] The Confidence Game: How Un-Elected Central Bankers are Governing the Changed World Economy. Steven Solomon. Simon & Schuster. New York. 1995. p.26
  • [12] Icke. p.178
  • [13] Solomon. p.63
  • [14] Ibid. p.27
  • [15] The Corporate Reapers: The Book of Agribusiness. A.V. Krebs. Essential Books. Washington, DC. 1992. p.166
  • [16] The Editors of Executive Intelligence Review. p.79
  • [17] “Playing the Middle”. Anita Raghavan and Bridget O’Brian. Wall Street Journal. 10-2-95
  • [18] Securities Data Corporation. 1995
  • [19] CNN Headline News. 1-11-02
  • [20] The Rockefeller File. Gary Allen. ’76 Press. Seal Beach, CA. 1977. p.156
  • [21] Rule by Secrecy: The Hidden History that Connects the Trilateral Commission, the Freemasons and the Great Pyramids. Jim Marrs. HarperCollins Publishers. New York. 2000. p.77

Dean Henderson é autor do livro Big Oil & Their Bankers in the Persian Gulf: Four Horsemen, Eight Families & Their Global Intelligence, Narcotics & Terror Network, de onde este resumo foi retirado, e The Grateful Unrich: Revolution in 50 Countries. Seu blog Left Hook está em www.deanhenderson.wordpress.com

O livro de Dean Henderson… abre as portas para expor uma cabala secular de oligarcas globais, cujo controle sobre a economia global é baseado na hegemonia sobre as três commodities mais valiosas do planeta: petróleo, armas e drogas – combinadas com a propriedade dos bancos centrais do mundo. Henderson envolve esses oligarcas na orquestração de uma série de conspirações desde Pearl Harbor ao assassinato de Kennedy e os atentados às torres gêmeas do 11 de setembro. Ele segue o rastro de dinheiro sujo na “cadeia alimentar” até as Oito Famílias cruzadas que – de sua base na cidade de Londres – controlam os Quatro Cavaleiros do Petróleo, o comércio global de drogas e a economia de guerra permanente.”Big Oil… é uma exposição extraordinária dos poderes e eventos que estão cobrando um preço alto de todos nós, o povo.” – Nexus New Times Magazine – Austrália. 

Big Oil… é de arrepiar os cabelos e uma obra-prima que merece nada menos que o Prêmio Pulitzer de Jornalismo. Este livro deve ser um requisito para todo americano estudar.” – Dr. Carlos J. Canggiano, MD, Juana Diaz, Porto Rico.


Dizem que existem apenas três tipos de pessoas no mundo:

  • Aquelas que fazem as coisas acontecer;
  • Aquelas que observam as coisas acontecerem e
  • Aquelas que ficam se perguntando o que aconteceu?
  • A vasta maioria da humanidade encontra-se nas duas últimas categorias.
  • A maioria tem “olhos para ver”, mas não enxerga o que está acontecendo.
  • A maioria tem “ouvidos para ouvir”, mas não compreende o que está acontecendo,
  • LOCAL, NACIONAL, ou INTERNACIONALMENTE.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *