O Controle do Fluxo de dinheiro para criar uma ‘Nova Ordem Mundial’

“Somos gratos ao The Washington Post , The New York Times, Time Magazine e outras grandes publicações [PRE$$TITUTE$]…. por suas promessas de discrição por quase quarenta anos … [o] trabalho é agora muito mais sofisticado e preparado para marcharmos em direção a um Governo MundialA soberania supranacional [O GOVERNO POR] de uma elite intelectual e banqueiros [OLIGARCAS MULTIBILIONÁRIOS] mundiais é certamente preferível à autodeterminação nacional praticada nos séculos passados”. – Declaração de David Rockefeller para a Comissão Trilateral, 1991 .

O Controle do Fluxo de dinheiro para criar uma ‘Nova Ordem Mundial’

Fonte: American Thinker – Por ME Boyd

“Dê-me o controle do dinheiro de uma Nação e pouco me importa quem faça suas leis.” – Mayer Amschel Bauer (ROTHSCHILD)

Essa declaração de David Rockefeller, feita há trinta anos, significa que a conspiração para substituir nossa República Constitucional começou quarenta anos antes disso – em 1951 – com a ajuda de “jornalistas [Pre$$tituta$] respeitados“. Setenta anos de esforço concentrado para deixar Nós, o Povo, no escuro. (É provavelmente mais de cem anos.)

James Warburg, consultor financeiro do presidente FDR, e parte de uma família de banqueiros que tinha a ganhar financeiramente com o governo mundial, testemunhou em 1950 perante uma subcomissão do Congresso do Senado declarou sem rodeios que “Teremos um governo mundial, queira você ou não, por conquista ou consentimento”.

Isso deixa o “We the People” com duas grandes questões: como isso aconteceu e o que podemos fazer se uma dessas duas opções for inaceitável para o povo americano?

Essa questão está conosco desde que George Washington assumiu o cargo em 1789. Um pequeno grupo de banqueiros interconectados [comandados pelos irmão Rothschild] já estava bem estabelecido na Inglaterra, França, Áustria, Alemanha e Itália. Esses banqueiros aproveitaram-se do caos que crescia da rejeição do catolicismo romano e do colapso social e ódios veementes que surgiram da Reforma Protestante, financiando ambos os lados (por meio da dívida do governo) das muitas guerras e revoluções resultantes e, em seguida, financiando a paz depois.

Os lucros foram enormes. Enquanto a Europa passava pela turbulência revolucionária do século 19 e início do século 20, os banqueiros mundiais teciam sociedades como uma malignidade, manipulando líderes mundiais, desestabilizando nações inteiras de pessoas e apoiando filosofias e regimes que promoveram autoridade centralizada (incluindo autoridade internacional) que fortaleceria os arranjos bancários para controlar o mundo.

A América é um assunto diferente. Em primeiro lugar, estamos isolados por dois oceanos e desenvolvemos uma sociedade estável e produtiva, longe dos horrores e do frio intelecto da Europa. Não tínhamos experiência católica romana para rejeitar. Rejeitamos o ateísmo – somos uma nação que teme e respeita a Deus. A Constituição federal, assim como a Constituição de cada estado, criou uma estrutura para a Liberdade ordenada – o Estado de Direito único e insubstituível da América. A descentralização da autoridade – federalismo – é uma das âncoras filosóficas dessa estrutura.

Mas os EUA sempre foi o maior prêmio deste grupo desde o início de nossa República. A criação de bancos centrais em cada país que o cartel de banqueiros europeus pudesse controlar fazia parte do esquema. George Washington apoiou relutantemente a criação do Primeiro Banco dos Estados Unidos de Alexander Hamilton. O financiamento desse banco veio quase inteiramente de investidores privados, sendo um dos mais significativos o Banco da Inglaterra, desde sua criação controlado pelos nefastos Rothschild.

Quando a carta patente do Primeiro Banco dos Estados Unidos não foi renovada em meio a grande oposição pública em 1811, foi mais um ponto de discórdia entre ingleses e americanos levando à guerra de 1812, tanto que o Banco da Inglaterra teve um papel de liderança na decisão de ir para a guerra. Se o Banco da Inglaterra não quisesse a guerra, provavelmente ela não teria acontecido. (Outros motivos estavam relacionados às guerras napoleônicas. A Inglaterra estava preocupada que os EUA estivessem ajudando Napoleão. Os britânicos estavam impressionando os marinheiros dos EUA na Marinha britânica, eles temiam o apoio americano à França, colocavam restrições ao comércio e ainda havia consequências do ataque britânico de 1807 ao USS Chesapeake .)

Após a paz, um Segundo Banco dos Estados Unidos foi licenciado, mas foi veementemente contestado pelo presidente Andrew Jackson quando sua carta foi renovada em 1832. A visão de Jackson sobre os banqueiros europeus era “Você é um covil de víboras e ladrões”Ele foi atacado por um assassino à queima-roupa cujas pistolas falharam. Não sabemos se os dois eventos estão “ligados”. Abraham Lincoln, Garfield e Kennedy também se opuseram a esse câncer. Como disse o presidente Garfield: “Quem controla o dinheiro de uma nação, controla essa nação”.

A América se rendeu à pressão por um banco central em 1913 com a ajuda do pai de James Warburg, Paul. O presidente Woodrow Wilson assinou o Federal Reserve Act, seguindo o modelo da Europa, mas de uma forma considerada palatável para o povo americano. Assim, estamos em guerra constante desde 1917 e permitimos que nossa riqueza fosse transferida para outro lugar. Em cem anos, passamos de uma dívida de US$ 3 bilhões para US$ 30 trilhões. A Autoridade descentralizada – Federalismo – abriu caminho para o poder federal mais facilmente corruptível.

Esta é a realidade de hoje – a missão daqueles que se opõem à nossa República Constitucional é agora como fazer com que o povo americano consinta com a perda de seu sistema constitucional e aceite a escravidão por dívida perpétua e o controle por meio das Nações Unidas. “A soberania supranacional de uma elite intelectual e banqueiros mundiais”, como nos diz David Rockefeller; “Por conquista ou consentimento” acrescenta James Warburg.

E se os americanos simplesmente dissessem “não”. A América não precisa abrir mão de sua riqueza, sua riqueza potencial, nosso sistema constitucional ou nosso estado-nação. Não somos a Europa. Não queremos descartar os alicerces de nossas raízes morais e acabar como ateus sem alma, presos no niilismo e se afogando na dependência.  George Washington nos avisou sobre isso; o mesmo fez Dwight Eisenhower e muitos outros.

Nós, o Povo, precisamos urgentemente exigir um plano abrangente de nossos funcionários públicos para restabelecer a prosperidade de nossa nação, estabilizar e reduzir nossa dívida nacional e estabelecer uma defesa militar forte o suficiente para nos dar tempo de colocar nossa casa financeira nacional em ordem . Um componente importante desta defesa é reconstruir e fortalecer um forte núcleo moral no povo americano e encorajar a educação autêntica em história, civismo, filosofia e economia. É por meio da oração, disciplina, coragem e educação que nossa República será salva – pela Graça de Deus. Se levar duas gerações ou mais cem anos para realizá-lo, que seja.

Se recuperado pais, esperemos que Nós, o Povo, Soberano da América, nunca mais deixe nosso sistema ou nosso país ir para o controle deste “covil de víboras e ladrões”, novamente.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


“Você não é deste mundo. Você não é este corpo que habita. Você não é essas emoções, esses pensamentos, esse ego com o qual se identifica. Você nem mesmo é sua vida ou morte. Quando você é capaz de se distanciar dessas coisas, então o verdadeiro você, o você gnóstico, entra no foco de sua cognição. Mais puro que o éter, mais radiante que o sol, mais puro que a neve acumulada, cheio de vida e retirado do contexto da morte, este é o eu que você é. Para ajudá-lo a saber disso, Jesus e Buddha e todos os outros grandes mensageiros de luz vieram a este mundo, fazendo o sacrifício de vir da plenitude para o vazio para trazer isso a você. Você deve saber disso, e deve fazer isso, porque sem ele você não está realmente vivo, não está realmente consciente, mas com ele, você é todas as coisas, você tem todas as coisas, e o Tudo se tornou você. Esta é a mensagem da Gnose! ”  – Richard, Duc de Palatine (1916–1977)


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

0 resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.327 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth