browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

O dia em que o Sol “parou”: dia maior em Israel, noite maior nas Américas

Posted by on 05/10/2019

O estranho relato do fenômeno astronômico no dia em que o sol “parou” na Palestina é repetido sem modificações substanciais em versões posteriores e alternativas da Bíblia. Embora muitas vezes seja visto como uma passagem que não deve ser “tomada literalmente”, existem numerosos outros relatos históricos de outros povos antigos que descrevem em essência o mesmo evento e, assim, dão crédito à precisão da descrição bíblica. Do mesmo modo e no mesmo momento, do outro lado da Terra foi registrado pelos povos das Américas que a noite avançou durante o dia com o sol não surgindo ao amanhecer.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

O dia em que o SOL “PAROU” cerca de 20 horas, aumentando o dia no Oriente Médio e a noite nas Américas

Fonte:  http://www.halexandria.org/dward233.htm

No curso de muitos debates sobre ciência e religião, um dos alvos favoritos dos cientistas é a passagem bíblica no livro do velho testamento de Josué 10: 12-14, na qual conclui-se que “o sol parou no céu e a lua não apareceu”, com aquele dia durando 20 horas a mais do que o normal:

“Então Josué falou ao “Senhor”, no dia em que o “Senhor” deu os amorreus nas mãos dos filhos de Israel, e disse na presença dos israelitas: Sol, detém-te em Gibeom, e tu, Lua, no vale de Ajalom. E o sol se deteve, e a lua não apareceu, até que o povo se vingou de seus inimigos. Isto não está escrito no Livro de Jasher? O sol, pois, se deteve no meio do céu, e não se apressou a pôr-se, quase um dia inteiro. E não houve dia semelhante a este, nem antes nem depois dele, ouvindo o “Senhor” assim a voz de um homem; porque o “Senhor” pelejava por Israel”.  –  Josué 10:12-14

Related imageOs cientistas gostam de apontar a dificuldade mecânica nesse processo astronômico para que o fenômeno relatado possa acontecer, para a qual os religiosos têm pouca resposta, exceto confiar na sua fé e na sua crença. Como se vê, aqueles a favor da tradução mais literal de Josué provavelmente estão corretos, e os cientistas mais uma vez confundiram fenômenos que eles não entendem por entusiasmo religioso.  

O conceito básico está contido no artigo “Sol, fique parado; uma consideração da possibilidade”.    Basicamente, o artigo baseia-se em registros históricos bíblicos e outros textos de povos antigos da América Central e do Sul que descrevem uma ocorrência em tempos históricos (por volta de 1500-1400 a.C.) em que aparentemente a rotação da Terra foi interrompida por um período de aproximadamente vinte horas, após o qual a rotação normal foi retomada.

O objetivo é considerar se tal ocorrência é fisicamente possível, e implicar se a descrição, por um lado, “O Sol e a Lua estão parados” e, por outro lado, o Sol não nascendo após uma noite prolongada de cerca de mais vinte horas constitui descrições precisas de um evento real ocorrido e registrados na história de antigos povos da Terra. A combinação de registros históricos de apoio e a combinação da viabilidade de um mecanismo físico para interromper temporariamente a rotação da Terra {para dar a ilusão de que o Sol ficou parado no céu} sugere fortemente que, em um determinado momento dos tempos históricos de antigos povos da Terra, sem contato entre si, registraram um mesmo evento em que o Sol realmente parou nos céus.  


No Livro de Jasher esta escrito:

“E quando eles estavam lutando, o dia estava declinando para o entardecer e Josué disse aos olhos de todo o povo que o sol permanecesse parado sobre Gibeão para a Lua no vale de Ajalon até que a nação de Israel se vingue de seus inimigos. E o “Senhor” deu ouvidos à voz de Josué e o sol parou no meio dos céus e ficou parado seis e trinta momentos, e a lua também parou e apressou-se a não sair durante o dia inteiro. 65 E não houve dia assim antes ou depois que o “Senhor” deu ouvidos à voz de um homem, pois o Senhor lutou por Israel” –  Livro de Jasher 88: 63-65


O Sol parado no mesmo ponto no céu: uma consideração da possibilidade de a Terra ter parado sua rotação durante quase um dia em evento registrado por povos antigos em torno de 3.520 a 3420 anos atrás.

Dan Sewell Ward (Direitos autorais 1990, 1995 Dan Sewell Ward)

Uma das passagens mais surpreendentes da Bíblia tradicional [Versão King James] é a que está contida em Josué 10: 12-14:  

“Então Josué falou ao “Senhor”, no dia em que o “Senhor” deu os amorreus nas mãos dos filhos de Israel, e disse na presença dos israelitas: Sol, detém-te em Gibeom, e tu, lua, no vale de Ajalom. E o sol se deteve, e a lua não apareceu, até que o povo se vingou de seus inimigos. Isto não está escrito no Livro de Jasher? O sol, pois, se deteve no meio do céu, e não se apressou a pôr-se, quase um dia inteiro. E não houve dia semelhante a este, nem antes nem depois dele, ouvindo o “Senhor” assim a voz de um homem; porque o “Senhor” pelejava por Israel”.  –  Josué 10:12-14

Esse estranho relato do fenômeno astronômico é repetido sem modificações substanciais em versões posteriores e alternativas da Bíblia. Embora muitas vezes seja visto como uma passagem que não deve ser “tomada literalmente”, existem numerosos outros relatos históricos de outros povos antigos que descrevem em essência o mesmo evento e, assim, dão crédito à precisão da descrição bíblica. Mais significativos para a credibilidade potencial dessas observações são os relatos das civilizações primitivas da Meso América (por exemplo, dos Anais de Cuautitlan – como relatado por Immanuel Velikovsky [1]), que se referem a um dia em que o sol nasceu um pouco, se pôs novamente no leste, e depois de uma noite prolongada ressuscitou.   Zecharia Sitchin [2] também abordou esse fenômeno, observando a tradição andina de que durante o terceiro ano do reinado de Titu Yupanqui Pachacuti II, décimo quinto monarca dos tempos do Império Antigo, ocorreu uma noite prolongada de mais 20 horas.           

O fator crítico, é claro, é que o sol parado “no meio do céu” sobre Israel, se tal fato aconteceu, corresponderia a uma noite prolongada do outro lado do mundo. Assim, a versão dos Anais de Cuautitlán de um breve, mas abortado, nascer do sol nas Américas corresponde ao por do sol na Palestina (com 06:00 horas na América Central correspondendo às 14:00 horas em Israel).  Ao descrever o mesmo evento, mas vindo de (antípoda) lados oposto na esfera da Terra – e, assim, fornecendo um ponto de vista alternativo e oposto ao descrever o mesmo evento – atesta fortemente a precisão potencial de cada uma das tradições.  Além disso, a natureza distinta das descrições reduz a probabilidade de as civilizações mesoamericanas antigas se emprestarem do folclore ou das tradições do Oriente Médio, a menos que, é claro, tivessem se dado ao trabalho de converter coordenadas para explicar que o mundo era um esfera.

A principal dificuldade em aceitar esses relatos históricos pelo valor de face é a falta de um mecanismo físico pelo qual o sol e a lua possam parecer parados no céu. A implicação óbvia de que não era de fato nem o sol nem a lua que pararam, mas, na realidade, a cessação temporária da rotação da Terra descrita, não altera o inevitável ceticismo. Pelo contrário, o fato de que o sol e a lua foram observados parando ao mesmo tempo (o que para uma mente que acredita na estabilidade da Terra não seria uma suposição automática) dá mais crédito ao conceito de que a Terra de fato, mas temporariamente, deixou de girar sobre o seu próprio eixo, no movimento de rotação, para que e depois de muitas horas, retomar o que aparentemente era sua rotação normal.  

A inércia da Terra 

A questão essencial é se uma modificação importante, embora temporária, da rotação da Terra (equivalente ao sol e a lua parados) é fisicamente possível.   Em outras palavras, o evento se enquadra nas leis físicas e naturais comumente aceitas pela ciência moderna?   Obviamente, se tal evento é fisicamente possível, devemos considerar as teorias de Velikovsky e Sitchin (e outros) muito mais seriamente, e questionar se eventos semelhantes podem ocorrer no futuro próximo.  A recente colisão do cometa Shoemaker-Levy com o planeta Júpiter implica que tais eventos em nosso sistema solar e em nosso período de tempo e, portanto, não possam ser descartados de imediato.

Vídeo de uma explosão solar, feito pela sonda STEREO da NASA, no dia 28 de novembro de 2013, que revelou a existência de um imenso objeto (à esquerda) já dentro do sistema solar. Os dois pequenos círculos no meio são Mercúrio e Vênus. FONTE

Em seu livro altamente controverso, Worlds in Collision, Velikovsky [1]  subsequentemente propôs a teoria surpreendente e altamente controversa de que a Terra encontrou uma quase colisão com o planeta Vênus, e que nessa quase colisão, a presença de Vênus afetou a rotação da Terra de maneira a resultar na aparente observação do sol e da lua parando no céu seu movimento. Velikovsky, no entanto, não tentou explicar o mecanismo físico que permitiria a Vênus temporariamente  parar ou retardar a rotação da Terra. O autor Zecharia Sitchin [2] sugeriu a possibilidade de uma interrupção na rotação da Terra pela aproximação de um corpo celeste errante, mas também não considerou detalhadamente o mecanismo físico pelo qual isso poderia ocorrer.

Para parar a rotação da Terra, seria necessária uma grande quantidade de energia (e massa) para superar a enorme inércia da Terra em rotação. É razoável perguntar se uma quase colisão com o planeta Vênus ou algum outro corpo astronômico de tamanho significativo poderia fornecer essa quantidade de energia de uma forma que poderia ser aplicada para interromper a rotação da Terra – e ao mesmo tempo não resultar na destruição verdadeiramente catastrófica do planeta e sua biosfera. Por exemplo, a energia cinética associada à rotação da Terra (ou qualquer esfera sólida) está relacionada ao seu momento de inércia pela equação:

E   =   (1/2) I w 2  

onde o momento de inércia, I , é dado por:

I   =   (2/5) MR 2  

e onde as outras variáveis ​​nas duas equações são:

              =   velocidade de rotação da Terra   =   7,29 x 10-5 rad / s,

            M  =   massa da Terra   =   5,983 x 10 24 kg e

            R  =   raio da Terra   =   6,37 x 10 6 m (no equador).

A necessidade de energia para interromper a rotação é, portanto, aproximadamente de:

E   =   (1/5) MR 2 w 2 2,58 x 10 29 joules    

Com a quase colisão da Terra e de outro planeta, a energia potencial gravitacional é dada por:

U   =   GM m / r

Onde:

            G  =   Constante de Gravitação Universal   =   6,67 x 10 -11 J m / kg 2 ,

            m  =   massa do segundo corpo planetário, e

            r  =   a distância (centro a centro) entre os planetas.

Se assumirmos que o corpo em colisão possui as características físicas de Vênus (como alega Velikovsky [1]), podemos determinar que m seja igual a 0,81 vezes a massa da Terra e, então, relacionar a energia potencial gravitacional, U , à distância entre os planetas, r :

U   =   GM (0,81) M (1 / r)   =   1,934 x 10 39 J m (1 / r)

Assim, para ter energia potencial gravitacional suficiente para interromper a rotação da Terra, U deve ser igual ou superior a E, e a distância necessária entre os planetas deve ser dada por:

r   =   (1,934 x 10 39 J m) / (2,58 x 10 29 J) 7,5 x 10 9 metros    

Ou aproximadamente 4.660.000 milhas.   Isso pode ser comparado à distância terra-lua de cerca de 240.000 milhas.

Esses cálculos indicam que existe energia potencial gravitacional suficiente em um encontro planetário entre a Terra e (como um exemplo) Vênus para fazer com que a Terra pare de girar. Ao mesmo tempo, o outro corpo astronômico não precisa chegar nem perto de dez vezes a distância entre a Terra e a Lua. Na medida em que a lua ainda está conosco, é improvável que uma aproximação muito mais próxima teria deixado intacta a atual distância da órbita da lua.

Algo estranho e mantido em segredo já esta acontecendo: as imagens abaixo são fascinantes e mostram um gigantesco e até então, invisível objeto visto pelo SECCHI (Sun Earth Connection Coronal and Heliospheric Investigation)  e que ainda estava sendo visível. É verdade que as câmeras do telescópio do SOHO teriam perdido mais de 12 horas de gravação? Por que será? 

A necessidade de um identificador

A dificuldade com o cálculo acima é que ele pressupõe que a maior parte da energia potencial gravitacional total possa ser utilizada para retardar ou interromper a rotação da Terra. É improvável que essa “eficiência” seja realizada em primeiro lugar, e em segundo lugar, precisaríamos de uma “alavanca”  – um torque – que a atração gravitacional entre os planetas pudesse utilizar para diminuir ou parar completamente a rotação. Ainda mais significativamente, se a rotação da Terra fosse de fato interrompida, seria necessário postular um mecanismo pelo qual a rotação pudesse ser reiniciada e, além disso, aumentada essencialmente para a mesma velocidade de rotação anterior ao fenômeno (de modo que o número de dias no ano seria aproximadamente o mesmo). Curiosamente, parece que temos essa “alça”.

A crosta (Litosfera) terrestre é uma fina camada de rocha “flutuando” na superfície subjacente da Terra. Se assumirmos que o encontro próximo proposto entre a Terra e outro corpo planetário resulta apenas no deslocamento da crosta em relação ao núcleo e manto em rotação da Terra, potencialmente resolvemos vários problemas ao mesmo tempo. Primeiro, a distribuição desigual das massas continentais da Terra sobre o planeta (em oposição às profundezas do oceano) fornece a “alça” gravitacional com a qual interrompe a rotação da crosta da Litosfera.  

Em segundo lugar, o mecanismo de reinicialização da rotação é facilmente disponibilizado em virtude do fato de que durante o encontro a grande massa da Terra continuaria a girar enquanto a crosta (ou concha externa da Terra) se moveria em relação ao núcleo, escorregando essencialmente como um cinto relativamente solto em um volante giratório. Então, à medida que o outro corpo planetário se afastava do encontro e a força gravitacional mútua era reduzida, as forças de atrito entre o núcleo em rotação e o manto da Terra e a crosta “estacionária” temporária da Terra causariam uma rápida recuperação da aceleração da crosta.

A velocidade rotacional resultante provavelmente seria afetada até certo ponto, mas dependendo da mecânica específica do encontro poderia ser aumentada ou diminuída levemente.  O número de dias no ano seria, portanto, modificado por vários dias de qualquer maneira, mas não tão alterados que mudassem radicalmente as características físicas da Terra.

Deslizamento continental  

Podemos recalcular a energia necessária para interromper a rotação da crosta em relação ao núcleo e manto da Terra, observando que o momento de inércia de uma concha desta (isto é, a crosta da Terra) é dado por:

I   =   (2/3) H c R 2

onde c é a massa da crosta.

sol-duplo-sistema-binário-maldek

Foto batida recentemente, em 24 dezembro de 2015, em infravermelho, do sol e do seu novo companheiro que ainda não esta completamente visível em nossa realidade tridimensional. FONTE

Segundo Strahler [3], a densidade da crosta da Terra é de cerca de 2.900 kg / m3; sua espessura varia de cerca de 3 km (no fundo do oceano) a 40 km (nas massas continentais). Em média, a espessura dos continentes que cobrem um terço da superfície da Terra é de cerca de 33 quilômetros, enquanto a espessura média da crosta oceânica é de cerca de 8 quilômetros. Se o raio da Terra (conforme definido pelos oceanos), o , é de aproximadamente 6,37 x 10 6 metros, e o raio da Terra (conforme definido pelos continentes), c , é de aproximadamente (6,37 + 0,017) x 10 6 metros, podemos fazer uma estimativa aproximada da massa da porção continental da crosta terrestre como:

M c   =   (densidade) (volume)   =   2900 kg / m 3 [(R c ) 3 – (R o ) 3 ] 4/3 (3,14)   =   2,52 x 10 22 kg.  

Recalculando a energia necessária, E, obtemos:

E   =   1,82 x 10 27 J  

A energia potencial gravitacional disponível entre o corpo planetário (um corpo com a massa de Vênus) e as massas continentais da crosta terrestre é:

U   =   (8,15 x 10 36 J m) (1 / r)  

Resolvendo as duas últimas equações para r, obtemos:

r   =   4,48 x 10 9 metros 

ou aproximadamente 2.780.000 milhas.

Conclusão

Podemos concluir que é possível, dentro das leis conhecidas da mecânica e da física atuais, que a crosta terrestre (as áreas continentais – que eram as áreas de maior preocupação para as pessoas que viviam naquela época) tenha deixado de girar por um período de aproximadamente um dia.  Dado o mecanismo físico pelo qual as massas continentais da Terra são atraídas gravitacionalmente para um encontro próximo com outro corpo planetário e, assim, deslizam sobre o núcleo e manto rotativos, o subseqüente retorno à velocidade devido às forças de atrito entre a crosta e o núcleo rotativo / manto (e a variação na atração gravitacional devido à passagem do outro corpo planetário), a confirmação independente de histórias antigas com o relato bíblico nos leva à conclusão de que pelo menos uma vez nos tempos antigos a rotação da Terra foi interrompida para que a sol e lua parecessem  ficar fixos na mesma posição do céu.

Na cultura MAIA há uma profecia: “Um corpo, um astro celeste gigante, misterioso e estranho se aproximará da Terra EM BREVE. Este corpo cósmico (uma estrela Anã Marrom, um SEGUNDO SOL) iludirá os mais sábios e eruditos cientistas e astrônomos do planeta. Esgotaste teu tempo sobre a Terra, oh homem (e mulher)! Só os CONSCIENTES viverão a plenitude da Nova Era de Paz e Fraternidade Universal. Nenhuma religião (ou PARTIDO  POLÍTICO) prevalecerá sobre o Conhecimento e o Discernimento, todos os ignorantes sucumbirão”FONTE

Existem duas implicações notáveis ​​decorrentes desta conclusão. A primeira é que a distância entre as várias massas continentais terrestres pode ter sido efetuada, resultando em um movimento relativo continental consideravelmente mais notável do que em uma “deriva continental” em movimento lento. Isso poderia resultar em um episódio importante de construção de montanhas, se o processo do mecanismo de reinicialização fizesse com que os continentes da Terra interagissem com um núcleo / manto rotativo desigual, de modo a amassar a borda principal dos continentes quando atingissem um nódulo no manto.

Mesmo que esse processo de construção de montanhas não tenha ocorrido durante o encontro descrito por Josue, as colisões anteriores podem de fato ser responsáveis ​​pelos episódios de construção/elevação de montanhas e pelo movimento continental. É claro que, neste caso, não estamos mais falando de uma deriva continental lenta, mas de um movimento continental repentino e rápido, efetivamente reorganizando as massas continentais na superfície da Terra em questão de horas ou dias (em oposição aos longos prazos da geologia).

A segunda implicação é, é claro, que uma quase colisão da Terra com um grande corpo planetário em tempos históricos, combinada com a recente colisão do cometa Shoemaker-Levy em Júpiter, nos leva inevitavelmente à conclusão de que tais eventos podem ter ocorrido mais do que uma vez em tempos pré-históricos – levando-nos a especular sobre a revisão de nossas teorias de mudanças evolutivas graduais ao longo do tempo que proporcionam mudanças geológicas (substituindo efetivamente o catastrofismo por gradualismo) – e que essas colisões podem ocorrer no nosso sistema solar no futuro, ou pelo menos, com muito mais frequência do que gostaríamos de pensar.              

Para leitura:

Referências:

  1. Immanuel VelikovskyWorlds in Collision , Cidade Jardim, NY: Doubleday and Company, Inc, 1950.
  2. Zecharia Sitchin , Zecharia, The Lost Realms , Nova York, Avon Books, 1990.
  3. Strahler, Arthur N., The Earth Sciences , Segunda Edição, Nova York: Harper & Row, 1971.

“E NOS ÚLTIMOS DIAS ACONTECERÁ, diz Deus, Que do meu Espírito derramarei sobre toda a carne; e os vossos filhos e as vossas filhas profetizarão, os vossos jovens terão visões, E os vossos velhos sonharão sonhos; e também do meu Espírito derramarei sobre os meus servos e as minhas servas naqueles dias, e eles profetizarão

E farei aparecer prodígios em cima, no céu; E sinais em baixo na terra, Sangue, fogo e vapor de fumo. O SOL SE CONVERTERÁ EM TREVAS, E a lua em sangue, ANTES de chegar o grande e glorioso dia do Senhor; e acontecerá que todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo.”   Atos 2:17-21


Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

One Response to O dia em que o Sol “parou”: dia maior em Israel, noite maior nas Américas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.