browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

O Futuro Está Aqui: filmes Distópicos Previram o atual mundo distópico

Posted by on 30/03/2022

Finalmente chegamos lá, muito antes do previsto, ao futuro distópico sonhado por escritores de ficção científica como George Orwell, Aldous Huxley, Margaret Atwood e o genial Philip K. Dick. Assim como o Big Brother de George Orwell em seu livro “1984” , o governo e seus espiões corporativos agora observam cada movimento nosso. Muito parecido com “A Brave New World” de Huxley , estamos produzindo uma sociedade de zumbis controlados mentalmente que “têm suas liberdades tiradas deles”, mas . . .

O Futuro Está Aqui: filmes Distópicos Previram o atual mundo distópico

Fonte: The Rutherford Institute

“A Internet está nos observando agora. Se eles quiserem. Eles podem ver quais sites você visita. No futuro, a televisão estará nos assistindo e se adaptando ao que sabe sobre nós. O emocionante é que isso nos fará sentir que somos parte do meio. O assustador é que perderemos nosso direito à privacidade.  Um anúncio aparecerá no ar ao nosso redor, falando diretamente conosco”. — Diretor Steven Spielberg, em seu filme Minority Report

Assim como em The Handmaid’s Tale, de Atwood, a população agora é ensinada a “conhecer seu lugar e seus deveres, a entender que não têm direitos reais, mas “serão protegidos” até certo ponto se se conformarem, e a pensar tão mal de si mesmos  que aceitarão seu destino designado e não se rebelarão ou fugirão“.

E de acordo com a visão sombria e profética de Philip K. Dick de um estado policial distópico – que se tornou a base  do thriller futurista de Steven Spielberg,  Minority Report, lançado há 20 anos – agora estamos presos em um mundo em que o governo vê tudo, é onisciente e todo-poderoso, e se você ousar sair da linha, equipes da SWAT da polícia vestidas de negro e unidades pré-crime quebrarão alguns crânios para controlar a população.

Minority Report  é realidade no ano de 2054, mas poderia muito bem ter ocorrido já em 2022. Aparentemente seguindo o exemplo da ficção científica, a tecnologia se moveu tão rápido no curto espaço de tempo desde que  o Minority Report  estreou em 2002 que o que antes parecia futurista não ocupa mais o reino da ficção científica.

Incrivelmente, à medida que as várias tecnologias nascentes empregadas e compartilhadas pelo governo e pelas grandes corporações – reconhecimento facial, scanners de íris, bancos de dados maciços, software de previsão de comportamento e assim por diante – são incorporadas a uma rede cibernética complexa e entrelaçada destinada a rastrear nossos movimentos, prever nossos pensamentos e controlando nosso comportamento, a enervante visão de futuro de Spielberg está rapidamente se tornando nossa realidade.

Ambos os mundos – nossa realidade atual e a visão de celuloide do futuro de Spielberg – são caracterizados por vigilância generalizada, tecnologias de previsão de comportamento, mineração de dados, centros de fusão, carros sem motorista, casas controladas por voz, sistemas de reconhecimento facial, cybugs e drones e sistemas preditivos. policiamento (pré-crime) destinado a capturar possíveis criminosos antes que eles possam causar algum dano.

As câmeras de vigilância estão por toda parte. Agentes do governo ouvem nossas ligações telefônicas e leem nossos e-mails. O politicamente correto — uma filosofia que desencoraja a diversidade — tornou-se um princípio orientador da sociedade moderna.

Os tribunais destruíram as proteções da Quarta Emenda contra buscas e apreensões não razoáveis. Na verdade, equipes da SWAT derrubando portas sem mandados de busca e agentes do FBI agindo como uma polícia secreta que investiga cidadãos dissidentes são ocorrências comuns na América contemporânea.

Somos cada vez mais governados por multicorporações apegadas ao estado policial. Grande parte da população está viciada em drogas ilegais ou prescritas por médicos como exemplifica a crise de opioides. E a privacidade e integridade corporal foram totalmente evisceradas por uma visão predominante de que os americanos não têm direitos sobre o que acontece com seus corpos durante um encontro com funcionários do governo, que têm permissão para revistar, apreender, despir, escanear, espionar, sondar, revistar, taser e prender qualquer indivíduo a qualquer momento e pela menor provocação.

Tudo isso aconteceu com pouco mais do que um gemido de uma população americana inconsciente composta em grande parte por cidadãos que não leem sequer um livro e zumbis da televisão e mídia social da internet, mas fomos avisados ​​sobre um futuro tão sinistro em romances e filmes durante as últimas décadas.

Os 15 filmes a seguir podem ser a melhor representação do que agora enfrentamos como sociedade.

Fahrenheit 451  (1966). Adaptado do romance de Ray Bradbury e dirigido por François Truffaut, este filme retrata uma sociedade futurista na qual os livros são proibidos e os bombeiros ironicamente são chamados a queimar livros contrabandeados – 451 Fahrenheit [232,7º Celsius] sendo a temperatura na qual os livros queimam. Montag é um bombeiro que desenvolve uma consciência e começa a questionar sua queima de livros. Este filme é uma metáfora adequada para nossa sociedade obsessivamente politicamente correta e obtusamente idiota, onde praticamente todo mundo agora pré-censura o discurso. Aqui, um povo com lavagem cerebral viciado em televisão e drogas faz pouco para resistir aos opressores governamentais.

2001: Uma Odisseia no Espaço (1968). O enredo da obra-prima de Stanley Kubrick, baseado em um conto de Arthur C. Clarke, gira em torno de uma viagem espacial a Júpiter. Os astronautas logo descobrem, no entanto, que a nave totalmente automatizada é comandada por um sistema de computador – conhecido como HAL 9000 – que se tornou um ser de pensamento autônomo que até mata para manter o controle. A ideia é que em algum momento da evolução humana, a tecnologia na forma de inteligência artificial se tornará autônoma e os seres humanos se tornarão meros apêndices da tecnologia. De fato, atualmente, estamos vendo esse desenvolvimento com enormes bancos de dados gerados e controlados pelo governo que são administrados por agências secretas como a Agência de Segurança Nacional [NHS] e varrem todos os sites e outros dispositivos de informação que coletam informações sobre os cidadãos comuns.

Planeta dos Macacos  (1968). Baseado no romance de Pierre Boulle, os astronautas caem em um planeta onde os macacos são os mestres e os humanos são tratados como brutos e escravos. Ao fugir de gorilas a cavalo, o astronauta Taylor é baleado na garganta, capturado e alojado em uma jaula. A partir daí, Taylor começa uma jornada em que a verdade revelada é que o planeta já foi controlado por humanos tecnologicamente avançados que destruíram a civilização. A jornada de Taylor para a sinistra Zona Proibida revela o fato surpreendente de que ele estava no planeta Terra o tempo todo. Descendo em um ataque de raiva com o que ele vê na cena final, Taylor grita: “Nós finalmente conseguimos. Seus maníacos! Você explodiram! Malditos.” A lição é óbvia, mas vamos ouvir? O roteiro, embora reescrito, foi inicialmente elaborado por Rod Serling e mantém o estilo de Serling. Final de Twilight Zone -ish.

THX 1138  (1970). A estreia de George Lucas na direção, esta é uma visão sombria de uma sociedade desumanizada totalmente controlada por um estado policial. As pessoas são alimentadas à força com drogas para mantê-las passivas, e elas não têm mais nomes, mas apenas combinações de letras/números, como THX 1138. Qualquer cidadão que saia da linha é rapidamente posto em conformidade pela polícia robótica equipada com “bastões de dor” — bastões de eletrochoque. Parecem os taser atuais?

Laranja Mecânica  (1971). O diretor Stanley Kubrick apresenta um futuro governado por gangues punk sádicas e um governo caótico que reprime seus cidadãos esporadicamente. Alex é um punk violento que se encontra nas rodas da injustiça. Este filme pode retratar com precisão o futuro da sociedade [o hospício] ocidental que paralisa à medida que os suprimentos de petróleo diminuem, as crises ambientais aumentam, o caos governa e a única coisa que resta é a força bruta e a permissividade.

Soylent Green  (1973). Situado em uma cidade futurista e superpovoada de Nova York, as pessoas dependem de alimentos sintéticos fabricados pela Soylent Corporation. Um policial que investiga um assassinato descobre a terrível verdade sobre do que o verde soylent é realmente feito. O tema é o caos onde o mundo é governado por corporações implacáveis ​​cujo único objetivo é a ganância e o lucro. Soa familiar?

Blade Runner  ( 1982). Em uma Los Angeles do século 21 um policial cansado do mundo persegue um punhado de “replicantes” renegados (escravos humanos produzidos sinteticamente). A vida agora é dominada por megacorporações, e as pessoas caminham como sonâmbulos pelas ruas encharcadas de chuva. Este é um mundo onde a vida humana é barata e onde qualquer um pode ser exterminado à vontade pela polícia (ou blade runners).  Baseado em um romance de Philip K. Dick, este requintado filme de Ridley Scott questiona o que significa ser humano em um mundo desumano.

Mil novecentos e oitenta e quatro  (1984). A melhor adaptação do conto sombrio de Orwell, este filme visualiza a perda total da liberdade em um mundo dominado pela tecnologia e seu uso indevido, e a desumanidade esmagadora de um estado onisciente. O governo controla as massas controlando seus pensamentos, alterando a história e mudando o significado das palavras. Winston Smith é um cético que recorre à auto expressão através de seu diário e então começa a questionar os caminhos e métodos do Big Brother antes de ser reeducado da maneira mais brutal.

Brazil (1985). Compartilhando uma visão semelhante do futuro próximo como em 1984  e romance de Franz Kafka  The Trial , este é sem dúvida o melhor trabalho do diretor Terry Gilliam, repleto de uma fusão da realidade fantástica e dura. Aqui, um funcionário infeliz e dominado pela mãe se refugia em voos de fantasia para escapar da monotonia comum da vida. Preso nos tentáculos caóticos de um estado policial, o anseio por tempos mais inocentes e livres está por trás da superfície viciosa deste filme.

They Live [Eles Vivem (1988). O bizarro filme de ação de sátira social de ficção científica de John Carpenter assume que o futuro já chegou. John Nada é um sem-abrigo que se depara com um movimento de resistência e encontra um par de óculos de sol que lhe permite ver o mundo real à sua volta. O que ele descobre é um mundo controlado por seres sinistros que bombardeiam os cidadãos com mensagens subliminares como “obedecer” e “conforme-se”. Carpenter consegue fazer uma observação política eficaz sobre a subclasse – ou seja, todos, exceto aqueles que estão no poder. O ponto: nós, os prisioneiros de nossos dispositivos eletrônicos, estamos muito ocupados sugando as curiosidades do entretenimento transmitidas em nossos cérebros e atacando uns aos outros para iniciar um movimento de resistência eficaz.

The Matrix  (1999). A história gira em torno de um programador de computador Thomas A. Anderson, secretamente um hacker conhecido pelo pseudônimo “Neo”, que inicia uma busca incansável para aprender o significado de “The Matrix” – referências enigmáticas que aparecem em seu computador. A busca de Neo o leva a Morpheus, que revela a verdade de que a realidade presente não é o que parece e que Anderson está realmente vivendo no futuro – 2199. A humanidade está em guerra contra a tecnologia que assumiu a forma de seres inteligentes, e Neo está realmente vivendo em Matrix, um mundo ilusório que parece ser ambientado no presente para manter os humanos dóceis e sob controle. Neo logo se junta a Morpheus e seus companheiros em uma rebelião contra as máquinas que usam táticas de equipe da SWAT para manter as coisas sob controle.

A Matrix (o SISTEMA de CONTROLE): “A Matrix é um sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres [ZUMBIS]… As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando despertar. Mas até que nós consigamos despertá-los, essas pessoas ainda serão parte desse sistema de controle e isso as transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle. E muitos deles estão tão habituados, tão profunda e desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …”

Minority Report  (2002). Baseado em um conto de Philip K. Dick e dirigido por Steven Spielberg, o filme oferece uma visão tecnológica carregada de efeitos especiais de um mundo futurista no qual o governo é onisciente, onipresente e onipotente. E se você se atrever a sair da linha, as equipes da SWAT da polícia vestidas de negro o colocarão sob controle. O cenário é 2054, onde a PreCrime, uma unidade policial especializada, prende criminosos antes que eles possam cometer o crime. O capitão Anderton é o chefe da força de Washington, DC, PreCrime, que usa visões futuras geradas por “pré-cogs” (humanos mutantes com habilidades precognitivas) para impedir assassinatos. Logo Anderton se torna o foco de uma investigação quando os precogs prevêem que ele cometerá um assassinato. Mas o sistema pode ser manipulado. Este filme levanta a questão do perigo da tecnologia operar de forma autônoma – o que acontecerá eventualmente, se já não tiver ocorrido. Para um martelo, todo o mundo parece um prego. Da mesma forma, para um computador do estado policial, todos nós parecemos suspeitos. Na verdade, em pouco tempo, todos nós podemos ser meras extensões ou apêndices do estado policial – todos suspeitos em um mundo comandado por máquinas.

V de Vingança  (2006). Este filme retrata uma sociedade governada por um governo corrupto e totalitário onde tudo é dirigido por uma polícia secreta abusiva. Um vigilante chamado V veste uma máscara e lidera uma rebelião contra o estado. O subtexto aqui é que os regimes autoritários por meio da repressão criam seus próprios inimigos – ou seja, terroristas – forçando agentes do governo e terroristas a um ciclo recorrente de violência. E quem é pego no meio? Os cidadãos, é claro. Este filme tem seguidores cult entre vários grupos políticos clandestinos, como o Anonymous, cujos membros usam a mesma máscara de Guy Fawkes usada por V.

Children of Men [Filhos dos Homens]  (2006). Este filme retrata um mundo futurista sem esperança desde que a humanidade perdeu sua capacidade de procriar. A civilização desceu ao caos e é mantida unida por um estado militar e um governo que tenta manter sua fortaleza totalitária sobre a população. A maioria dos governos entrou em colapso, deixando a Grã-Bretanha como uma das poucas sociedades intactas remanescentes. Como resultado, milhões de refugiados buscam asilo apenas para serem presos e detidos pela polícia. O suicídio é uma opção viável, pois um kit suicida chamado Quietus é promovido em outdoors, televisão e jornais. Mas a esperança de um novo dia surge quando uma mulher fica inexplicavelmente grávida.

Land of the Blind [Terra de Cegos]  (2006). Nesta sátira política sombria, governantes tirânicos são derrubados por novos líderes que provam ser tão maus quanto seus antecessores. Maximilian II é um governante fascista demente de uma terra problemática chamada Everycountry que tem dois interesses principais: atormentar seus subordinados e administrar a indústria cinematográfica de seu país. Cidadãos que são vistos como questionadores do Estado são enviados para “campos de reeducação”, onde o conceito de realidade do Estado é martelado em suas cabeças. Joe, um guarda prisional, fica emocionado com o prisioneiro e renomado autor Thorne e acaba se juntando a um golpe para remover o sádico Maximilian, substituindo-o por Thorne. Mas logo Joe se vê alvo do novo governo.

Todos esses filmes – e os escritores que os inspiraram – entenderam o que muitos americanos, presos em seus estados partidários, agitando bandeiras e zumbificados, ainda estão lutando para chegar a um acordo: que não existe um governo organizado para o bem do povo. Mesmo as melhores intenções entre os governantes inevitavelmente dão lugar ao desejo de manter o poder e o controle a todo custo.

Eventualmente, como deixo claro em meu livro  Battlefield America: The War on the American People e em seu homólogo ficcional The Erik Blair Diaries , até mesmo as massas sonâmbulas (que continuam convencidas de que todas as coisas ruins que acontecem no estado policial – a polícia tiroteios, os espancamentos da polícia, as batidas policiais, as revistas nas ruas – estão acontecendo com outras pessoas [e são culpa da Rússia . . .]) terão que acordar.

Mais cedo ou mais tarde, as coisas que acontecem com outras pessoas começarão a acontecer conosco.

Quando essa realidade dolorosa emergir completa e dolorosamente, ela será atingida com a força de uma equipe da SWAT batendo na sua porta, um taser apontado para seu estômago e uma arma apontada para sua cabeça. E não haverá nenhum canal para mudar, nenhuma realidade para alterar e nenhuma farsa fabricada para se esconder.

Como George Orwell alertou: “Se você quer uma imagem do futuro, imagine uma bota pisando em um rosto humano para sempre”.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.