Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Pandemia Covid: Maior ‘Evento de Conformidade Social’ da História Humana. 

Essa experiência de indução [controle] comportamental concentra-se em alimentar o comportamento autônomo e inconsciente, agindo sobre emoções como medo, vergonha, culpa, desejo de manter uma auto-imagem positiva ou desejo de pertencer ao grupo. Ou, apresentando informações ou possibilidades de tal forma que a escolha ‘certa e desejada’ seja feita automatica e bovinamente.

Pandemia Covid: Maior “Evento de Conformidade Social” da História. A política da Pandemia foi destinada a “Mudar e Moldar o Comportamento”, não para melhorar a saúde.

Fonte: Global Research

A política dos lockdowns impostos na pandemia Covid foi focada principalmente em direcionar o comportamento do cidadão, como usar máscaras [focinheiras] na face, manter distanciamento social, ficar em casa e prontidão bovina para testes e vacinação em massa, tantas injeções quantas forem determinadas pelo governo – medidas experimentais sem base científica. 

Isso foi evidenciado pelo uso em larga escala de cientistas comportamentais na implementação e comunicação da política do Covid. O governo e a mídia pre$$tituta$ holandeses são apoiados neste gerenciamento comportamental pela Unidade de Comportamento Covid do RIVM (o CDC holandês) e pela Equipe de Comportamento Covid em todo o governo da Holanda

A aplicação de insights comportamentais está decolando durante a pandemia covid-19, e vários departamentos governamentais estão trabalhando juntos para desenvolver “intervenções” que tornem os cidadãos mais compatíveis e obedientes com as regras impostas da covid. “Este é o primeiro tópico de política no qual o governo implantou quantidades relativamente grandes de conhecimento comportamental”, escreve a BIN NL no relatório “Rich in Behavioral Insights” (2021). 

Essa experiência de indução [controle] comportamental concentra-se em alimentar o comportamento autônomo e inconsciente, agindo sobre emoções como medo, vergonha, culpa, desejo de manter uma auto-imagem positiva ou desejo de pertencer ao grupo. Ou, apresentando informações ou possibilidades de tal forma que a escolha ‘certa e desejada’ seja feita automatica e bovinamente.

No início da crise, em março de 2021, foi estabelecida a Unidade de Comportamento RIVM Corona. A unidade comportamental visa “promover a saúde física, mental e social da população”, e é apoiada por um conselho consultivo e várias equipes de especialistas, incluindo 40 professores e 19 médicos. Eles realizam pesquisas com as quais apoiam a comunicação e a política do governo. 

A unidade se reporta, entre outros, ao Coordenador Nacional de Terrorismo e Segurança (NCTV, a versão holandesa de ‘Segurança Interna’) e à Equipe Nacional de Comunicação de Crises (NKC). Além do BIN-NL, foi estabelecida a Unidade de Comportamento Covid do RIVM, a Equipe de Comportamento Covid em todo o governo. Eles cooperam no desenvolvimento de intervenções para promover a adesão do público. O NKC coordena a imprensa e as comunicações públicas,

O compromisso com a orientação comportamental é muito explícito em um memorando divulgado a pedido da FOIA do Ministério da Saúde de 12 de maio de 2020: “É preciso mais para orientar o comportamento. Mas também é preciso mais do que cutucar. Trata-se de pensar em toda a jornada que as pessoas fazem em determinadas situações, contextos, momentos do dia e assim por diante. E que escolhas eles fazem no processo. O que é difícil ou fácil de fazer? O que podemos fazer para ajudar as pessoas a exibir o comportamento correto? Você quer que as pessoas não tenham que pensar. Como acontecem as ações e escolhas? As perguntas-chave então são:

  • Como podemos engajar adequadamente a parte inconsciente das pessoas com dicas e sugestões (por exemplo, lavar as mãos, como surge um novo ritual?)?
  • Como as pessoas se mantêm intrinsecamente motivadas?
  • Como as próprias pessoas podem se tornar especialistas em fazer bons julgamentos?”

A unidade de comportamento do RIVM Covid é solicitada no memorando para aconselhamento e apoio: “De que maneira podemos, a muito curto prazo, dar um melhor lugar na comunicação do governo nacional quando se trata de medidas de monitoramento?” 

O NKC aplica esses insights “recompensando o comportamento exemplar ou falando de ‘nós'”. Eles são questionados, “que necessidade existe em nível local e regional, por exemplo, um kit de ferramentas ou uma visão geral dos princípios de induzir à obediencia?”

O relatório “Rich in Behavioral Insights Edition 2021”, publicado pela BIN-NL, mostra como os esforços foram feitos para manipular o comportamento do cidadão e que o foco não estava nos resultados de saúde pública. 

A pesquisa e as intervenções se concentraram em saber se os cidadãos ficaram em casa após um teste de PCr positivo, na vontade de testar regularmente e em estimular testes em larga escala mesmo quando não há sintomas. Os cientistas comportamentais ignoram o fato de que os testes não têm nenhum valor diagnóstico e que a transmissão assintomática não foi cientificamente comprovada – e que ficar em casa quando você não tem sintomas, mas fez um teste positivo não traz nenhum benefício médico. 

Enquanto isso, sem contexto, as “infecções” resultantes de testes em larga escala são apresentadas diariamente na mídia como uma medida da pandemia, criando assim um medo persistente de ser infectado.

Além disso, documentos de investigações que foram divulgados sob a FOIA mostram ainda mais explicitamente que as intervenções governamentais foram focadas na mudança de comportamento. Por exemplo, no verão de 2020, foram realizados experimentos em Amsterdã e Roterdã investigando o efeito do uso de máscaras no distanciamento, uma medida que o RIVM observa ter “apoio científico modesto”. 

Já se sabia que o uso de máscaras não impediria a propagação do vírus. A medida de experimentos não mede nenhum indicador de saúde. Um especialista em comportamento fundamenta o mascaramento da seguinte forma: “As máscaras se tornaram a evidência mais visível do Covid”. Ver as máscaras causa ansiedade, além de sinalizar a “norma social”, quem segue as regras e quem não as segue. Eles são muito eficazes para a obediência contínua da massa.

MEDO

Semelhante à Holanda, o governo britânico tem vários departamentos que aconselham sobre a aplicação do conhecimento comportamental. Um desses departamentos é o “SPI-B”, o “Grupo Científico da Gripe Pandêmica sobre Comportamento”, estava preocupado em março de 2020 porque um grande número de cidadãos não se sentia suficientemente ameaçado pelo vírus porque sabiam que ele não representava risco para sua idade no grupo. 

Portanto, a unidade comportamental britânica recomendou que “o nível percebido de ameaça pessoal precisa ser aumentado entre aqueles que são complacentes, usando mensagens emocionais contundentes baseadas em informações precisas sobre o risco”

O governo britânico seguiu com uma campanha com imagens de idosos em respiradores com a mensagem “Olhe nos olhos dela. E diga-lhe para nunca quebrar as regras”. Na Alemanha, uma recomendação semelhante vazou do Ministério do Interior. Essa recomendação para aumentar o medo ficou conhecida como ‘papel do pânico’. Sabe-se que manipular o medo é uma das formas mais efetivas de instilar obediência junto as massas.

Embora nenhum “papel do pânico” tenha saído na Holanda, as campanhas de comunicação em torno da covid jogaram pesado com o medo, por exemplo, apresentando imagens de valas comuns e manchetes e por meio de manchetes ou anúncios como:

  • “Quase 170.000 novas infecções por dia enquanto a variante britânica engole a Holanda” (AD, janeiro de 2021)
  • “Variante britânica mais de 60% mais mortal” (NRC, março de 2021)
  • “1,5 metro de distância pode salvar a vida da sua mãe” (Amsterdã, 2020)
  • “Mantenha sua avó fora da UTI” (Amsterdã, 2020)
  • “Um teste de covid é gratuito. Sua avó não tem preço” (Campanha Do What Must, Haia).

Orientação comportamental para prontidão para vacinação

“Que tipo de mensagens são mais persuasivas para aumentar a vontade de ser vacinado?”, esta questão foi investigada por cinco cientistas afiliados à prestigiosa Universidade Americana de Yale. Eles desenvolveram e testaram mensagens voltadas para o interesse próprio, culpa e vergonha, raiva, coragem, confiança na ciência, recuperação da liberdade pessoal e liberdade econômica e publicaram suas descobertas no artigo Mensagens persuasivas para aumentar as intenções de aceitação da vacina COVID-19”. na revista científica Vaccine. 

Os cientistas escreveram: “Mensagens persuasivas evocam uma sensação de que a vacinação é social, abordam preocupações sobre como os outros o veem e também ajudam a convencer os outros a serem vacinados e condenam aqueles que não o fazem”. 

A primeira parte do estudo foi realizada entre maio e julho de 2020, bem antes do desenvolvimento da primeira vacina covid, muito menos temporariamente autorizada. Os cientistas não abordam se as preocupações com a segurança ou eficácia da vacina podem ser justificadas. A suposição é que a vacinação é a solução para a crise, e o uso do conhecimento comportamental é desejável para aumentar a disposição do público para a vacinação – uma suposição que também encontramos entre as unidades comportamentais e o governo na Holanda.

Exemplos de mensagens recomendadas incluíram:

  • “Parar a covid é importante porque você pode ficar doente e morrer com isso. É perigoso para pessoas de todas as idades. Vacinar-se é a forma mais eficaz de não adoecer.”
  • “Ao se vacinar, você pode proteger todos ao seu redor, reduz o risco de sua família ou pessoas ao seu redor ficarem doentes.
  • “Imagine como você se sentiria culpado quando deixa alguém doente…”
  • “Imagine como você se sentiria envergonhado quando deixa alguém doente…”
  • “Quem não toma vacina não é corajoso, mas imprudente… está colocando em risco a saúde de sua família.”
  • “A única maneira de derrotar a covid é seguir ‘abordagens’ científicas… as pessoas que recusam uma vacina não conhecem a ciência”
  • “Cada pessoa vacinada reduz a probabilidade de voltarmos ao confinamento.”

As mensagens ecoam quase uma a uma na campanha holandesa para incentivar a prontidão para a vacinação:

Hugo de Jonge: “Ou se vacina ou fica doente” (julho 2021)

  • “Vacinação corona: ‘arregaçamos as mangas. Para proteger a si e aos que estão ao seu redor, a vacinação é o passo mais importante” (Ministério da Saúde, Bem-Estar e Esporte)
  • “Você quer abraçar o outro de novo? Você vai se vacinar contra o corona?” (Cartaz no lar de idosos).
  • “Suspeita de vacinação lenta causa de alta mortalidade excessiva na Holanda” (2022, Trouw)
  • “Uma pessoa não vacinada na UTI custa de quatro a dez pessoas a sua operação” (Trouw, outubro de 2021)
  • “Prefeita de Amsterdã, Femke Halsema: os recusadores de vacinas são frequentemente mal informados” (AT5, dezembro de 2021)
  • “Pessoas não vacinadas são egoístas. Graças a eles, a sociedade permanece trancada.  (Noordhollands Dagblad).

Na Holanda, há um compromisso particularmente forte para recuperar (!) a liberdade:

  • “A vacinação torna cada vez mais possível” (Spot TV, Ministério da VWS)
  • “OMT: final de janeiro, espaço para relaxamento, desde que sejam tomadas doses suficientes de reforço” (janeiro de 2022).
  • “Acampar com meu avô novamente, é para isso que vacinei. Daan, 22 anos”. (Campanha Apenas Juntos)
  • “Quero poder ir para a escola novamente. Foi por isso que tomei a vacina. Tome suas vacinas sem hora marcada” (Girl year at 14, anunciando GGD Amsterdam)
  • “Sinto vontade de ir a um festival novamente. Apenas me dê a vacina!” (GGD Amsterdã)
  • “Este fim de semana DJs no local de vacinação NDSM para conquistar os jovens” (AT5, julho de 2021)
  • “Heineken: a noite é dos vacinados” (Anúncio de cerveja)

Mais tarde, a pressão para ser “vacinado” aumentou muito com o aumento da pressão, coerção, ameaças de exclusão e intimidação:

  • “Os não vacinados são frequentemente mal educados, ‘cristãos de direita’ ou imigrantes” Trouw, novembro de 2021)
  • “A maioria dos vacinados pensa que as pessoas sem vacinas podem ser impedidas de entrar em locais públicos” (EenVandaag julho de 2021)
  • Ministro da Saúde Hugo de Jonge: “Continuamos a vacinar, bairro a bairro, porta a porta, braço a braço” [zumbi à zumbi] (Conferência de Imprensa, 2021)
  • Ministro da Saúde Hugo de Jonge: “Não me resigno ao direito de dizer não à vacina” (Conferência de imprensa, dezembro de 2021)

Os slogans e mensagens jogam propositalmente em processos automáticos e inconscientes. Como resultado, uma imagem se forma, sob o radar, de que se você se vacinar, você se preocupa com sua família, está cumprindo seu dever social, está ajudando a sociedade a sair do bloqueio, você é inteligente – porque entende a ciência e que aqueles que não participam são particularmente anti-sociais, maus e estúpidos. Nenhum dos slogans fornece informações reais que o ajudem a fazer uma escolha informada e educada, pior ainda, a imagem inconsciente que é criada causa uma resistência em olhar para essa informação.

Substituindo o debate político pela ‘engenharia [manipulação] social’

As campanhas de influência comportamental partem do pressuposto de que estamos lidando com um vírus potencialmente apocalíptico que justifica as medidas extremas. Mas ficou claro desde o início da crise, em parte por causa da pesquisa do principal virologista de Stanford, John PA Ioannidis, que estamos lidando com uma doença semelhante à uma gripe grave, que é principalmente um risco para os idosos. 

Nem as medidas – como manter distância de 1,5 metro, uso de máscaras, testes PCR em massa, bloqueios ou cobertura máxima de ‘vacinação’ – para impedir a propagação do vírus que, para a maioria, oferece uma taxa de sobrevivência de mais de 99,7%, tiveram uma boa [alguma] base científica . O que sabemos agora, com base na investigação de documentos que foram divulgados sob a FOIA, é que isso também era do conhecimento do governo.

Isso mostra o problema real com a influência comportamental: a troca racional baseada em informações científicas e factuais não era possível dentro do domínio público. Na verdade, é ativamente censurado, suprimido, banido e excluído. Ao mesmo tempo, os engenheiros sociais assumem um consenso, pois o controle comportamental seria justificado. A política é substituída pela engenharia social.

Se fosse possível uma discussão aberta e real de alternativas, o dinheiro gasto em controle e manipulação comportamental, comunicação e vigilância poderia ter sido alocado para expandir os cuidados e apoiar os cuidadores. Onde a justificativa para a manipulação começa com a suposição de que os cidadãos têm “racionalidade limitada” e que o governo deve, portanto, ‘orientá-los’ em suas escolhas, ela se transforma no desejo de que esses cidadãos parem de pensar por si mesmos.

Nota aos leitores: Por favor, clique nos botões de compartilhamento acima ou abaixo. Siga-nos no Instagram e no Twitter e assine nosso canal no Telegram. Sinta-se à vontade para republicar e compartilhar amplamente os artigos da Global Research.

Este artigo foi publicado anteriormente no jornal holandês financiado pelo leitor De Andere Krant .


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é fim-dominio-eua-otan-nabucodonosor-fim-roma.jpg

“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1

Artigos Relacionados:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *