Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

O Livro (Etíope) de Enoch, Anjos Caídos, Anunnaki, Nephilim e os Vigilantes (6)

Introdução: Este livro teve como base a tradução acadêmica de Michael A. Knibb do Manuscritos etíopes, (The Ethiopic Book of Enoch, Oxford University Press), que acredito ser a melhor tradução disponível atualmente. Eu ouvi pela primeira vez sobre o Livro de Enoch alguns anos atrás, quando eu estava pesquisando sobre as profecias do “Fim dos Dias”. Quando eu finalmente consegui segurar uma cópia em minhas mãos, descobri que era um livro muito estranho e incomum. A primeira vez que o li fiquei cético e um tanto perplexo; eu me perguntei quem teria escrito um livro tão estranho como este.

O Livro (Etíope) de Enoch, Anjos Caídos, Nephilim e os Vigilantes

Fonte: The Ethiopic Book of Enoch – Oxford University Press

6) O LIVRO DA REPROVAÇÃO

14.1 Este livro é a palavra de justiça e de repreensão para os Vigilantes que são da Eternidade; como o Santo e Grande ordenou nessa visão.

14.2 Eu vi em meu sono o que agora direi, com a língua da carne, e com a minha respiração, que o Altíssimo deu aos homens na boca, para que eles possam falar com ele e entender com o coração.

14.3 Como Ele criou e nomeou homens para entender a palavra do conhecimento, então Ele me criou e me designou para reprovar os Vigilantes, os Filhos do Céu [que à Terra caíram].

14.4 E eu escrevi sua petição, mas em minha visão, assim parecia, que sua petição não seria concedida a eles, por todos os dias da eternidade; um julgamento completo foi decretado contra eles, e eles não terão Paz.

14.5 E de agora em diante, eles não vão subir aos Céus, por toda a eternidade, e foi decretado que eles ficarão na Terra por todos os dias da eternidade.

14.6 E antes disso, eles verão a destruição de seus amados filhos [os Gigantes Nephilim?], e eles não serão capazes de apreciá-los, mas eles cairão diante deles pela espada.

14.7 E sua petição não será concedida em relação a eles ou a respeito deles. E enquanto eles choram e me suplicam, eles não falam uma única palavra dos escritos que escrevi.

14.8 E a visão me apareceu, como segue: – Eis; nuvens me chamaram na visão, e a névoa me chamou. E o caminho das estrelas, e flashes de relâmpago, me apressaram e me levaram. E nessa visão os ventos causaram que eu voasse, e me apressaram, e me ergueram para o céu.

14.9 E eu prossegui até que cheguei perto de uma parede que era feita de granizo e uma língua de fogo a cercava, e isso começou a me deixar com medo.

14.10 E eu entrei na língua de fogo e cheguei perto de uma casa grande, que era construída com pedras de granizo, e a parede daquela casa era como um mosaico de pedras de granizo e seu chão era neve.

14.11 Seu telhado era como o caminho das estrelas e flashes de relâmpagos, e entre eles havia querubins de fogo, e seu céu era como água.

14.12 E havia um fogo queimando em torno de sua parede e sua porta estava em chamas com fogo.

14.13 E eu entrei naquela casa, e estava tão quente como o fogo e tão frio quanto a neve, e não havia prazer nem vida nela. O medo me cobriu e o tremor tomou conta de mim.

14,14 E enquanto eu estava tremendo e gemendo, eu caí no chão e cobri meu rosto.

14,15 E eu vi na visão, e eis, outra casa que era maior do que o anterior e todas as suas portas se abriram diante de mim, e era construída de um língua de fogo.

14,16 E em tudo, se destacava tanto em glória e esplendor e tamanho, então que não consigo descrever sua glória e seu tamanho.

14,17 E seu chão era fogo, e acima relâmpagos e o caminho das estrelas, e seu telhado também era um fogo ardente.

14,18 E eu olhei, e vi nele, um trono alto, e sua aparência era como gelo, e seus arredores como o sol brilhante e o som de querubins.

14,19 E de debaixo do trono alto fluíam rios de fogo de modo que era impossível olhar para ele.

14.20 E Aquele que é Grande em Glória sentou-se sobre ele, e sua vestimenta era mais brilhante do que o Sol e mais branca do que qualquer neve.

14.21 E nenhum anjo poderia entrar, e ao aparecimento da face dele quem é Honrado e Louvado, nenhuma criatura de carne poderia olhar.

14.22 Um mar de fogo ardia ao redor Dele, e um grande fogo ficou na frente Dele, e nenhum daqueles ao seu redor chegou perto Dele. Dez mil vezes dez mil estavam diante Dele, mas Ele não precisava de nenhum Conselho Santo.

14.23 E os Santos que estavam perto Dele não saíram de noite ou dia e não se afastavam Dele.

14,24 E até então eu tinha encoberto o meu rosto, porque eu tremia. E o Senhor me chamou com sua própria boca, e disse-me: “Vem cá, Enoch, ouça à minha Santa Palavra”.

14.25 E Ele me levantou e me trouxe para perto da porta. E eu olhei, com o rosto para baixo.

15.1 E Ele me respondeu, e disse-me com Sua voz: “Ouça! tenha medo, Enoch, homem justo e escriba da justiça. Venha aqui e ouça minha voz.

15.2 E vá dizer aos Vigilantes do Céu, que o enviaram para fazer uma petição em seu nome: Você deve fazer uma petição em nome dos homens, não dos vigilantes em nome de vocês.

15.3 Por que eles deixaram o Alto, Santo e Eterno Céu, e se deitaram com as mulheres da Terra, e tornaram-se impuros com as filhas dos homens, e tomaram esposas para eles mesmos, e fizeram como os filhos da Terra, e geraram filhos gigantes!

15.4 E eles eram espirituais, Santos, vivendo uma vida eterna, mas se tornaram impuros com as mulheres, e geraram filhos pelo sangue da carne, e cobiçaram o sangue dos homens, e produziram carne e sangue, como eles fizeram, que morrem e são destruídos.

15.5 E por esta razão eu dou esposas aos homens; para que eles possam semear filhos nelas, e para que os filhos possam nascer por eles, para que as ações possam ser feitas na Terra.

15.6 Mas eles, anteriormente, eram espirituais, vivendo uma vida eterna e imortal, por todas as gerações do mundo.

15.7 Por esta razão eu não arranjei esposas para eles; porque a habitação dos [seres] espirituais está no céu.

15.8 E agora, os gigantes que nasceram do corpo e da carne serão chamados de “Os espíritos malignos na Terra” e na Terra terão sua morada.

15.9 E espíritos malignos saíram de sua carne, porque de cima eles foram criados, dos Santos Vigilantes foi sua origem e primeiro fundamento. Como Espíritos Malignos eles estarão na Terra e de “Espíritos Malignos” eles serão chamados.

15.10 E a morada dos Espíritos do Céu é o Céu, mas o morada dos espíritos da Terra, que nasceram na Terra, é a Terra.

15.11 E os espíritos dos gigantes erram, são corruptos, atacam, lutam, quebram a Terra, e causam tristezas. E eles não comem, não têm sede, e não são observados.

15.12 E esses espíritos se levantarão contra os filhos dos homens e contra as mulheres, porque eles saíram deles durante os dias de matança e destruição.

16.1 E a morte dos gigantes, de onde quer que os espíritos tenham saído para seus corpos, as suas carnes serão destruídas, antes do Juízo. Assim eles serão destruídos até que o Dia da Grande Consumação seja realizado, na Grande Era, sobre os Vigilantes e aqueles ímpios

16.2 E agora aos Vigilantes, que o enviaram para fazer uma petição em seu nome, que estavam anteriormente no céu:

16.3 “Estavam no Céu, mas os seus segredos [do “Céu”] ainda não te foram revelados; e um mistério inútil que você conhecia. Isso vocês deram a conhecer às mulheres, com a a dureza de seus corações. E através [do conhecimento] deste mistério as mulheres e os homens fazem com que o mal cresça na Terra. “

16.4 Diga-lhes, portanto: “Vocês não terão paz”.

Notas

(6) O LIVRO DA REPROVAÇÃO (páginas 26-29)

Esta é a resposta à carta dos 200 anjos caídos e rebeldes. O julgamento é descrito em 14.4-7. Eles devem ficar ligados na Terra, (14.5), isso pode significar uma reencarnação sem fim; presumivelmente, eles saberiam exatamente o que isso significava. Em 14,6, a morte de seus filhos é prevista novamente, e em 14,7, eles são ainda mais criticados pela forma de sua petição.

A seção em 14.8 é interessante; aqui Enoch entra em mais detalhes sobre como ele teve a sua visão. Parece-me que Enoch foi levado em um “veículo capaz de voar”!

(Veja também a seção 15 em 81.5, aqui três dos Vigilantes levam Enoch para casa e o deixam cair fora pela porta da frente).

De-14,9 a 15,1, Enoch descreve sua jornada e o lugar onde ele estava ocupado. Ele estava obviamente muito impressionado e bastante assustado. A “parede de granizo “pode ​​ser vidro, e a” língua de fogo “pode ​​ser iluminação artificial.

Em 15,1, o Altíssimo fala com Enoch, e ele zomba dos anjos fugitivos por enviarem Enoch para cumprir sua petição (15.2). Ele prossegue explicando as razões para a severidade do julgamento. Aos 16,3, ele critica-os por terem saído antes de concluírem os estudos. Ele diz que o que eles sabiam [em termos tecnológicos?] que não valia nada e que sua “falta de sabedoria” levaria a consequências ruins na Terra.


“A sabedoria (Sophia) clama lá fora; pelas ruas levanta a sua voz. Nas esquinas movimentadas ela brada; nas entradas das portas e nas cidades profere as suas palavras:  “Até quando vocês, inexperientes, irão contentar-se com a sua inexperiência? Vocês, zombadores, até quando terão prazer na zombaria? E vocês, tolos [ignorantes], até quando desprezarão o conhecimento?  Atentai para a minha repreensão; pois eis que vos derramarei abundantemente do meu espírito e vos farei saber as minhas palavras [o conhecimento]”. – Provérbios 1:20-23


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.311 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

NOSSOS PRODUTOS

Indicações Thoth

Seja um Anunciante

Divulge seu produto ou serviço em nosso portal!
Converse com a equipe comercial no WhatsApp