O Livro (Etíope) de Enoch, Anjos Caídos, Anunnaki, Nephilim e os Vigilantes (7 e 8)

Introdução: Este livro teve como base a tradução acadêmica de Michael A. Knibb do Manuscritos etíopes, (The Ethiopic Book of Enoch, Oxford University Press), que acredito ser a melhor tradução disponível atualmente. Eu ouvi pela primeira vez sobre o Livro de Enoch alguns anos atrás, quando eu estava pesquisando sobre as profecias do “Fim dos Dias”. Quando eu finalmente consegui segurar uma cópia em minhas mãos, descobri que era um livro muito estranho e incomum. A primeira vez que o li fiquei cético e um tanto perplexo; eu me perguntei quem teria escrito um livro tão estranho como este.

O Livro (Etíope) de Enoch, Anjos Caídos, Nephilim e os Vigilantes

Fonte: The Ethiopic Book of Enoch – Oxford University Press

7) ESTADA DE ENOCH POR UM TEMPO COM OS WATCHERS

17.1 E eles me levaram para um lugar onde eles eram como fogo ardente, e, quando desejavam, faziam-se parecer como homens.

17.2 E eles me levaram a um lugar de tempestade, e a uma montanha, a ponta de cujo cume alcançava o céu.

17.3 E eu vi lugares iluminados e trovões nas extremidades mais externas, em suas profundidades um arco de fogo, e flechas e suas aljavas, e uma espada de fogo, e todos os flashes de relâmpagos.

17.4 E eles me levaram para a Água da Vida, como é chamada, e para o Fogo do Ocidente, que recebe cada pôr do sol.

17.5 E cheguei a um rio de fogo, cujo fogo flui como água e derrama para o Grande Mar, que está em direção ao oeste.

17.6 E eu vi todos os grandes rios, e alcancei a Grande Escuridão, e foi aonde toda a carne anda.

17.7 E eu vi as Montanhas da Escuridão do Inverno e o lugar onde a água de todas as profundezas jorra.

17.8 E eu vi a foz de todos os rios da Terra, e a foz do profundo.

18.1 E eu vi os depósitos de todos os ventos, e vi como como Ele adornou toda a criação e vi as fundações da Terra.

18.2 E eu vi a pedra angular da Terra. E eu vi os quatro ventos que sustentam a Terra e o céu.

18.3 E eu vi como os ventos estendem-se pelas alturas do Céu, e como eles se posicionam entre o Céu e a Terra; eles são os pilares do Paraíso.

18.4 E eu vi os ventos que giram o céu e fazem o disco do Sol e todas as estrelas se definirem.

18.5 E eu vi os ventos na Terra que sustentam as nuvens e eu vi os caminhos dos Anjos. Eu vi no fim da Terra; o firmamento do Céu acima.

18.6 E eu fui em direção ao sul, e estava queimando dia e noite, onde havia sete montanhas de pedras preciosas, três para o leste e três para o sul.

18.7 E aqueles para o leste eram de pedra colorida, e um era de pérola e uma de pedra de cura; e as do sul, de pedra vermelha.

18.8 E a do meio alcançava o Céu, como o trono do Senhor, de stibium, e o topo do trono era de safira.

18.9 E vi um fogo ardente, e o que havia em todas as montanhas.

18.10 E vi um lugar ali, além da grande terra; lá as águas reuniram-se.

18.11 E eu vi um abismo profundo na terra, com colunas de fogo celestial, e eu vi entre eles pilares de fogo do céu, que estavam caindo, e como em relação à altura e profundidade, eles eram incomensuráveis.

18.12 E além deste abismo, eu vi um lugar, e não tinha nem o céu acima dela, nem a fundação da Terra abaixo dela; não havia água nele, e nem pássaros, mas era um lugar deserto.

18.13 E uma coisa terrível eu vi lá, sete estrelas, como um grande incêndio nas montanhas.

18.14 E como um espírito me questionando, o Anjo disse: “Este é o lugar do fim do Céu e da Terra; esta é a prisão para as estrelas do céu e o anfitrião do céu.

18.15 E as estrelas que rolam sobre o fogo, estas são as que transgrediram o comando do Senhor, desde o início de sua ascensão, porque eles não saíram em seus momentos apropriados.

18.16 E Ele ficou irado com eles, e os amarrou até o tempo da consumação de seu pecado, no Ano do Mistério”.

19.1 E Uriel disse-me: “Os espíritos dos Anjos que foram promíscuos com as mulheres estarão aqui; e eles, assumindo muitas formas, tornaram os homens impuros e os desviaram para que eles se sacrifiquem para demônios como deuses. E eles ficarão lá até o grande dia do julgamento, em que eles serão julgados, de modo que um fim será feito deles.

19.2 E suas esposas, tendo desencaminhado os Anjos do Céu, tornar-se-ão pacíficas.”

19.3 E eu, Enoch, sozinho tive esta visão, o fim de tudo; e nenhum homem viu o que eu vi.

Notas:

(7) ESTADA DE ENOCH POR UM TEMPO COM OS WATCHERS (páginas 31-33)

Esta seção descreve as impressões de Enoch sobre ser levado pelos Observadores.

Em 17.1, ele diz que estava em um lugar onde os Vigilantes [anjos rebeldes] eram como fogo ardente, (eu não sei o que isso significa, embora me lembre de Moisés e da queima da sarça ardente na Península do Sinai durante o Êxodus), mas ele também diz que eles poderiam se parecer como homens.

A descrição em 17.5 me lembra de fluxos de larvas vulcânicas, como na Islândia onde novas terras estão sendo criadas.

As montanhas mencionadas em 18.6 são mencionadas novamente mais tarde neste livro. Eu tenho muitas vezes me perguntado se seria possível identificar este lugar a partir dessas descrições.

A melhor combinação que encontrei até agora é o grupo de ilhas South Sandwich, perto da Antártida. A principal ilha agora está submersa, mas os topos das altas montanhas agora formam a cadeia de ilhas South Sandwich.

Para mais informações, leia ‘Thoth Architect of the Universe’, de Ralph Ellis. Essa parte termina com mais detalhes sobre a punição para os fugitivos.


8) OS ANJOS QUE CONTINUAM VIGILANTES [NÃO “CAÍRAM”]

20.1 E estes são os nomes dos Santos Anjos que vigiam desde os céus [não se rebelaram, não “caíram].

20.2 Uriel, um dos Santos Anjos; ou seja, o Santo Anjo dos Espíritos dos Homens.

20.4 Raguel, um dos Santos Anjos; que se vinga do mundo, e nas luzes.

20.5 Michael, um dos Santos Anjos, ou seja, aquele colocado no comando da melhor parte da humanidade, no comando da[s] nação [nações].

20.6 Saraqael, um dos Santos Anjos; quem está no comando dos espíritos de homens que fazem os espíritos pecarem.

20.7 Gabriel, um dos Santos Anjos, que está encarregado das Serpentes, e do Jardim e dos Querubins.

21.1 E fui a um lugar onde nada foi feito.

21.2 E eu vi uma coisa terrível, nem o Alto Céu nem a terra, mas um lugar deserto, preparado e terrível.

21.3 E lá, eu vi sete Estrelas do Céu, amarradas nelas juntas, como grandes montanhas, e queimando como fogo.

21.4 Então eu disse: “Por que pecado eles foram amarrados, e por que elas foram jogados aqui? “

21.5 E Uriel, um dos Santos Anjos, que estava comigo e me conduziu, falou comigo e disse: “Enoch, sobre quem você pergunta? Sobre quem você pergunta e se importa?

21.6 Estas são algumas das “estrelas” que transgrediram o comando do Senhor Altíssimo, e elas estão presas aqui até completarem dez mil anos; o número de dias de seu pecado. “

21.7 E de lá fui para outro lugar, mais terrível do que este. E eu vi uma coisa terrível: havia um grande incêndio ali, que ardia sem parar. E o lugar tinha uma fenda que alcançava o abismo, cheia de grandes colunas de fogo, que foram feitas para cair; nem sua extensão nem seu tamanho pude ver, nem pude ver a sua fonte.

21.8 Então eu disse: “Quão terrível é este lugar, e como é doloroso olhar para ele!”

21.9 Então Uriel, um dos Santos Anjos, que estava comigo, me respondeu. Ele me respondeu e disse: “Enoch, por que você tem tanto medo, esta dor e terror por causa deste lugar terrível? “

21,10 E ele me disse: “Este lugar é a prisão dos Anjos, e ali eles serão mantidos presos para sempre. “

22.1 E de lá, eu fui para outro lugar, e ele me mostrou no Oeste uma montanha grande e alta, e uma rocha dura e quatro belos lugares.

22.2 E por dentro era profundo, largo e muito liso. Como isso é bom, e profundo e escuro para se olhar!

22.3 Então Rafael, um dos Santos Anjos que estava comigo, respondeu e me disse: “Esses lugares lindos existem para que os espíritos, as almas dos mortos, possam ser reunidas neles. Para elas o lugar foi criado; para que aqui eles possam reunir as almas dos filhos dos homens.

22.4 E esses lugares eles fizeram, onde eles vão mantê-los até o dia do Julgamento, e até a hora marcada, e essa hora marcada será muito tempo, até que o grande julgamento venha sobre eles.

22.5 E eu vi os espíritos dos filhos dos homens que estavam mortos e suas vozes alcançaram o céu e reclamaram.

22.6 Então perguntei a Rafael, o anjo que estava comigo, e disse a ele: “De quem é esse espírito, cuja voz chega ao céu e reclama?”

22.7 E ele me respondeu, e disse-me, falando: “Este espírito é o único que saiu de Abel, a quem Caim, seu irmão, matou. E ele vai reclamar dele até que sua descendência seja destruída da face da Terra, e de entre a descendência dos homens, sua descendência perecerá. “

22.8 Então eu perguntei sobre ele, e sobre o julgamento de todos, e eu disse: “Por que um está separado do outro? “

22.9 E ele me respondeu, e disse-me: “Estes três lugares que foram feitos, a fim de que eles possam separar os espíritos dos mortos. E assim as almas dos justos foram separadas; esta é a fonte de água, e nela há a Luz.

22.10 Da mesma forma, um lugar foi criado para os pecadores, quando eles morrem e são enterrados na terra, e o julgamento não caiu sobre eles durante suas vidas.

22.11 E aqui suas almas serão separadas para este grande tormento, até o Grande Dia de Julgamento e Punição e Tormento para aqueles que amaldiçoam, para sempre, e de vingança em suas almas. E lá ele os amarrará para todo sempre. Verdadeiramente, Ele Existe, desde o início do mundo.

22.12 E assim um lugar foi separado para as almas daqueles que reclamam e dão informações sobre sua destruição, sobre quando foram mortos, nos dias dos pecadores.

22.13 Assim, um lugar foi criado, para as almas dos homens que não são justos, mas pecadores, consumados em transgressões, e com os malfeitores serão o seu lote. Mas suas almas não serão mortas no dia do julgamento, nem eles vão subir daqui. “

22.14 Então eu bendisse o Senhor da Glória, e disse: “Bendito seja meu Senhor, o Senhor da Glória e da Justiça, que governa tudo para sempre. “

23.1 E de lá fui para outro lugar, em direção ao oeste, até os confins da Terra.

23.2 E eu vi um fogo que queimava e corria, sem descansar ou cessar de correr, de dia ou de noite, mas continuava exatamente da mesma maneira.

23.3 E eu perguntei dizendo: “O que é isto que não tem descanso?”

23.4 Então Raguel, um dos Santos Anjos, que estava comigo, respondeu para mim, e disse-me: “Este fogo ardente, cujo curso você viu em direção ao oeste, é o fogo de todas as Luzes [sóis, estrelas] do Céu”.


Notas:

(8) OS ANJOS QUE CONTINUAM VIGILANTES (páginas 35-37)

Aqui somos apresentados a alguns dos Vigilantes que não se rebelarem e, em seguida, Enoch tem uma conversa com eles. No início, eles discutem a punição dos fugitivos, em seguida, a vida após a morte em termos gerais.

Os Vigilantes podem ter fornecido algum tipo de exibição visual pois Enoch descreve o que ele vê. A descrição em 22.2 é estranha, mas convincente.

A história de Caim e Abel é mencionada em 22.7 e na próxima seção a história de Adão e Eva é mencionada, em 32.6. Então, essas histórias devem ter existido, de certa forma, mesmo na época pré dilúvio de Enoch já eram contadas.


“A sabedoria (Sophia) clama lá fora; pelas ruas levanta a sua voz. Nas esquinas movimentadas ela brada; nas entradas das portas e nas cidades profere as suas palavras:  “Até quando vocês, inexperientes, irão contentar-se com a sua inexperiência? Vocês, zombadores, até quando terão prazer na zombaria? E vocês, tolos [ignorantes], até quando desprezarão o conhecimento?  Atentai para a minha repreensão; pois eis que vos derramarei abundantemente do meu espírito e vos farei saber as minhas palavras [o conhecimento]”. – Provérbios 1:20-23


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.328 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth