O Pentágono é uma Fraude Multitrilionária

O Departamento de Defesa dos EUA (DoD) foi reprovado na sua sexta auditoria anual consecutiva, mas o dinheiro dos contribuintes continuará a ir por esse ‘Buraco Negro’ de corrupção. Recentemente, o Pentágono admitiu que não conseguia contabilizar bilhões de dólares do dinheiro dos contribuintes dos EUA, tendo sido reprovado numa enorme auditoria anual pelo sexto ano consecutivo. O fracasso deste ano ganhou algumas manchetes, foi brevemente comentado pelos principais meios de comunicação social e depois, com a mesma rapidez, esquecido por uma sociedade americana habituada a despejar dinheiro no buraco negro das despesas com a “defesa“.

O Pentágono é uma Fraude Multitrilionária

Fonte: Rússia Today

O processo consistiu em 29 subauditorias dos vários serviços do DoD, e apenas sete foram aprovadas este ano – nenhuma melhoria em relação ao último. Estas auditorias só começaram a ser realizadas em 2017, o que significa que o Pentágono nunca passou por nenhuma delas com sucesso.

O fracasso deste ano ganhou algumas manchetes, foi brevemente comentado pelos principais meios de comunicação social e depois, com a mesma rapidez, esquecido por uma sociedade americana habituada a despejar dinheiro no buraco negro das despesas com a defesa.

O orçamento de defesa dos Estados Unidos é grotescamente grande, os seus $ 877 bilhões de dólares superam os $ 849 bilhões de dólares gastos pelas próximas dez nações com as maiores despesas de defesa.

E, no entanto, o Pentágono não consegue contabilizar totalmente os $ 3,8 bilhões de dólares em ativos e $ 4 biliões de dólares em passivos que acumulou às custas dos contribuintes dos EUA, ostensivamente em defesa dos Estados Unidos e dos seus aliados.

Enquanto a administração Biden procura $ 886 bilhões de dólares para o orçamento de defesa do próximo ano (e o Congresso parece preparado para adicionar mais $ 80 bilhões de dólares a esse montante), a aparente indiferença da sociedade americana – do governo, das pre$$tituta$ dos meios de comunicação e do público – relativamente à forma como quase $1 trilhao de dólares em impostos dos contribuintes serão gastos diz muito sobre a natureza globalmente falida do establishment americano. 

As auditorias, no entanto, são um truque de contabilidade, uma série de números num livro-razão que, para a pessoa média, não corresponde à realidade. Os americanos habituaram-se a ver grandes números quando se trata de gastos com defesa e, como resultado, também esperamos grandes resultados das nossas forças armadas. Mas a verdade é que o sistema de defesa dos EUA se assemelha cada vez mais fisicamente aos números dos livros de contabilidade que os contabilistas têm tentado equilibrar – simplesmente não batem. 

Apesar de gastar cerca de $ 2,3 Trilhões de dólares numa desventura militar de duas décadas no Afeganistão, o povo americano testemunhou a retirada ignominiosa daquela nação ao vivo pela televisão em Agosto de 2021.

Da mesma forma, um investimento de $ 758 bilhões de dólares na invasão de 2003 e na subsequente ocupação do Iraque durante uma década, foi para o ralo quando os EUA foram obrigados a retirar-se em 2011 – apenas para regressar em 2014 para mais uma década de perseguição ao ISIS, em si uma manifestação dos fracassos do empreendimento iraquiano original. No geral, os EUA gastaram mais de $ 1,8 Trilhões de dólares no seu pesadelo de 20 anos no Iraque e na Síria. 

Esses números são assustadoramente grandes – tão grandes que se tornam sem sentido para a pessoa média. O empreendimento de defesa dos EUA é tão grande que é literalmente uma missão impossível falar em equilibrar as contas. O povo americano pode estar disposto a ignorar um ou dois erros contabilísticos. Mas o orçamento da defesa equivale ao poder militar americano e às percepções de valor nacional que se traduzem em noções de excepcionalismo americano.

A verdade é que a nossa abordagem descuidada aos gastos com a defesa resultou numa fraude em grande escala. Foi vendida ao povo americano uma lista de mercadorias – um exército capaz de projetar poder em todo o mundo para sustentar a chamada “ordem internacional baseada em regras” sobre a qual a noção de excepcionalismo americano foi baseada.

Acontece que as forças armadas dos EUA são tão vazias como os números dos livros do Pentágono. O povo americano comprou um aparelho que é incapaz de lutar e vencer uma grande guerra contra qualquer um dos potenciais adversários dispostos contra ele. Não conseguimos derrotar a Al Qaeda, o ISIS e os Taliban. E não somos capazes de derrotar nem a China nem a Rússia, muito menos potências regionais como a Coreia do Norte e o Irã.

E, no entanto, continuaremos simplesmente a investir, de uma forma aparentemente inquestionável, neste empreendimento, esperando de alguma forma que um sistema que não consegue passar numa auditoria produza de alguma forma magicamente um resultado diferente, apesar do fato de nós, o povo americano, não estarmos fazendo nada para exigir tal resultado.

Resumindo, o orçamento de defesa equivale a “pay-to-play”,” em que o povo americano paga ao governo dos EUA para produzir os resultados necessários para sustentar seu senso superinflado de autoestima. Nós, americanos, ficamos tão acostumados a ser os maiores e piores valentões na arena global que presumimos que simplesmente injetando dinheiro em um sistema que produziu os resultados desejados por mais de setenta anos, poderíamos manter os bons tempos.

Mas quando você aloca dinheiro para um sistema que foi condicionado a operar sem responsabilidade, não se surpreenda quando a mansão brilhante na colina que você pensava que estava comprando se revelar pouco mais que um castelo de cartas construído na areia.

Scott Ritter é um ex-oficial de inteligência do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA e autor de “Disarmament in the Time of Perestroika: Arms Control and the End of the Soviet Union.”. 39; Serviu na União Soviética como inspetor de implementação do Tratado INF, no estado-maior do General Schwarzkopf durante a Guerra do Golfo, e de 1991 a 1998 como inspetor de armas da ONU. @RealScottRitter


“Parece duvidoso se, de fato, a política de “Botas no rosto” pode continuar indefinidamente. Minha própria convicção é que a oligarquia governante encontrará maneiras menos árduas e perdulárias de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas formas serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo [uma verdadeira profecia publicada em 1932]. Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento INFANTIL e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que prisões e campos de concentração, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito sugerindo às pessoas que amem sua servidão ao invés de açoita-los e chuta-los até à obediência”. – Carta de Aldous Huxley  EM 1949 para George Orwell autor do livro “1984”


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.328 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth