browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

O Perigoso Caminho para o Despertar da Consciência Espiritual (4b)

Posted by on 21/10/2020

Capítulo IV – Armadilhas no caminho para o despertar:  Vamos continuar a dar uma olhada em algumas das armadilhas da jornada para o despertar da nossa consciência, e também examinar algumas das armadilhas em que podemos cair ao experimentar um vislumbre da profunda “outra coisa” de um estado desperto (ainda que impermanente). Todas as armadilhas descritas abaixo (essa é apenas uma seleção das principais que observei em mim e nos outros) podem acontecer em qualquer estágio do processo de despertar, e muitas podem ocorrer simultaneamente [por isso o aviso do grande mestre: “Orai e Vigiai”]. 

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

O perigoso caminho para o despertar da Consciência Espiritual

Fonte:  https://veilofreality.com/2017/01/29/the-perilous-path-towards-awakening/

As expressões entre [ ] são de autoria do tradutor.

Por Bernhard Guenther


Capítulo IV (b) – Armadilhas no caminho para o despertar

Armadilha da Mente Revolucionária (preso em 3D)

Essa é também uma armadilha muito comum: somos apanhados na visão de túnel da Matrix 3D (combatendo-a externamente e em seus “efeitos”), que é, afinal, apenas uma manifestação (sintoma) da matrix hiperdimensional não física; ao fazê-lo, inadvertidamente, alimentamos a agenda do Reino Negativo de dividir e conquistar, e então a “matrix nos tem preso” trabalhando  através de nós, alimentando-se de todo o “desassossego” emocional projetado pela polarização mental. Ele também se vincula às limitações do pensamento 3D (preso na cabeça) com relação à tentativa de “consertar” o mundo, bem como à má percepção do “mal” e à tentativa de erradicá-lo, em vez de transcendê-lo e à matrix . Essa armadilha baseia-se na falta de consciência / compreensão / discernimento das forças hostis ocultas que operam fora do nosso alcance da percepção sensorial dos cinco sentidos mundanos.

“[Veja] o que aconteceu em 1914 [1ª Guerra Mundial]- ou o que realmente aconteceu e está acontecendo na história da humanidade – o olho do iogue vê não apenas os eventos, pessoas e causas externas, mas também as enormes forças que os precipitam em ação. Se os homens que lutaram eram instrumentos nas mãos de governantes e financiadores, estes eram, por sua vez, meros fantoches nas garras daquelas forças ocultas [hiperdimensionais]. Quando alguém está habituado a ver as coisas por trás e como um espectador, não está mais propenso a ser tocado pelos aspectos externos – ou a esperar qualquer remédio contra mudanças políticas, institucionais ou sociais; a única saída é através da descida de uma consciência [incorporada] que não é a marionete dessas forças, mas é maior do que elas são. 

– Sri Aurobindo, as forças ocultas da vida – o Yoga Integral

Abordei essa armadilha (também relacionada à armadilha de “combater o mal”) com mais profundidade em ensaios anteriores:

Armadilha da falta de sentido

Outro estado autodestrutivo do ser em que algumas pessoas se encontram em algum momento de sua jornada de despertar é a noção de falta de sentido, ou “nada importa mesmo”. Podemos entrar neste estado de empoderamento mesmo depois de termos experimentado uma experiência mais profunda de auto-realização (em que incorporamos a totalidade e a unidade de tudo isso, com a dissolução da personalidade do “eu” e a perda da consciência separativa, dando caminho para uma experiência abrangente do Divino, percebendo a ilusão do estado de sonho em que fomos apanhados). É também assim que o ego pode roubar sorrateiramente experiências tão profundas depois que o período de “descida” começa na sequência de tais revelações, distorcendo assim as verdades mais elevadas (como “tudo é ilusão”) em uma espécie de niilismo paradoxal e espiritualizado .

Portanto, não vemos nenhum objetivo de fazer absolutamente nada, pois o que fazemos é irrelevante, pois acreditamos que nada importa de qualquer maneira da perspectiva absoluta, que essa perspectiva é “verdadeira”. No entanto, a armadilha é assumir o “ponto de vista de Deus” (sem falar de nenhuma ideia religiosa externa de “deus”) e “esquecer” que ainda temos que desempenhar nossos papéis em alinhamento com a Vontade Divina, encarnada em um corpo e colocada dentro do grande esquema da evolução da consciência. As frequências de criação do “Um” transduzem através de todas as expressões da manifestação energética, misturando-se com o nosso Ser encarnado, e são todas uma expressão única de “Deus”, que (de uma perspectiva individual) é o nosso caminho de alma único, com todas as suas expressões, talentos únicos e lições (ou seja, “propósito”).

Essa armadilha é ainda mais grave quando se usa verdades absolutas como “tudo é um” e “tudo é ilusão” de uma perspectiva estritamente intelectual da estrutura de crenças, sem nunca ter experimentado um verdadeiro despertar corporificado. Muitos seguidores [de “gurus”] da filosofia da não dualidade podem cair nessa armadilha, reforçados por suas próprias racionalizações e superestimando seu nível de Ser. Vemos isso também nos ensinamentos espirituais distorcidos da Nova Era que cooptaram e distorceram as “verdades superiores”.

Cair na armadilha da “falta de sentido” também pode ocorrer quando somos esmagados pela loucura coletiva do colapso. À medida que abandonamos as camadas de ilusões e mentiras com as quais nos doutrinamos, e podemos perceber cada vez mais a patologia normalizada em nosso mundo (com milhões de pessoas programadas sonhando estar acordadas), podemos sucumbir a um estado de “congelamento”. Essa rigidez pode se segurar quando ficamos presos no processo necessário de desilusão e as resultantes sensações de desespero, depressão e desesperança tomam conta; só vemos negatividade em nosso mundo e nos isolamos de tudo e de todos (nota: aprender a ficar sozinho na solidão – a não ser confundido com a solidão – é uma lição necessária para aprender também neste processo). Dizemos então a nós mesmos que “não serve para nada”, “o mundo sempre será como é”, “Não há nada que eu / nós possamos fazer”, “nada importa”, etc. Este é o aperto desesperado do ego para não deixar ir, voltar à ilusão da separação e também seqüestrar o processo de “conscientizar a escuridão” transformando-o em negatividade auto-reversa. Ataques e interferências de seres hiperdimensionais também podem aumentar durante essa “noite escura da alma”, tentando nos manter no “submundo das trevas”, até a ponto de nos levar a tendências suicidas.

No entanto, como mencionado anteriormente, o processo de desilusão é um estágio necessário (e de fato positivo) do processo de despertar (isto é, a dissolução de ilusões); portanto, sentimentos e períodos de desespero, depressão, choque, solidão e falta de sentido são sintomas normais de um despertar mais profundo da alma, e há uma luz no fim do túnel se tivermos fé e persistirmos sem ceder à escuridão interior e exterior. Por fim, estabelece as bases para acender o fogo alquímico interior da transmutação; do chumbo (matéria / consciência do ego) ao ouro (espírito / vontade divina).

Evitar responsabilidades diárias comuns

Algumas pessoas podem ficar tão apaixonadas por viver uma “vida espiritual” – ou ficar presas na mentalidade revolucionária – que a usam como desculpa para evitar lidar com os assuntos cotidianos comuns. Eles tendem a rejeitar qualquer coisa que não percebem como “espiritual” (ou o que vêem como a realidade “da matrix” de controle) de uma maneira reacionária brusca / preta e branca – como não pagar suas contas, aluguel ou se sentir muito “Bom / espiritual” até para obter uma fonte de renda e trabalho. Nos casos mais extremos, eles tendem a manipular, drenar (e essencialmente se alimentar) dos outros, a fim de sustentar a si mesmos.

A rejeição do mundo material é outra área de um entendimento distorcido com relação à vida espiritual (o outro lado da moeda está usando conceitos espirituais como justificativa / meio de obter ganância / vícios materialistas). Muitos buscadores da verdade / espiritual acreditam que sua incapacidade de funcionar no “mundo 3D” e a incapacidade (recusa) de gerenciar assuntos cotidianos comuns é como usar um distintivo de mérito – uma prova de sua grande espiritualidade (“sou espiritual demais para…” ) Isso também se vincula ao complexo mártir (abordado posteriormente). O ditado zen: “ Antes da iluminação: corte madeira, leve água; depois da Iluminação: cortar madeira, carregar água ”se aplica aqui, o que basicamente significa ter humildade.

Isso também se aplica à armadilha de “combater a matriz 3D”. Enquanto o sistema de controle matricial extrai nossa energia e mantém muitos de nós preocupados com a sobrevivência e “ganhar a vida”, roubando-nos (impostos) ou manipulando-nos em dívidas (ou pior), precisamos ser planejadores estratégicos para para evitar atrair atenção negativa desnecessária da matrix que possa comprometer nossa capacidade de funcionar e ajudar os outros. Quando nos recusamos a lidar com assuntos comuns da vida – decorrentes de um senso inflado de ser “espiritual” ou uma atitude emocional “foda-se com o sistema” (projetada nos sintomas / sombras na parede da matrix 3D) – a “matrix nos controla ”neste caso, também, pois reagimos essencialmente a partir da consciência do ego / sobrevivência, que é exatamente a frequência em que os senhores da matrix querem que estejamos.

Algumas pessoas concentram toda sua energia e vida para “sair da rede” do sistema de controle ou procurar brechas e maneiras de não pagar seus impostos, tentando essencialmente viver “sob o radar”, o que pode comprometer sua capacidade de prestar serviço. Também pode se tornar uma estratégia de fuga, baseada no pensamento de sobrevivência em 3D. Embora eu obviamente não esteja tolerando o sistema tributário (roubo), nem sou contra o esforço em direção à auto-sustentabilidade ou a viver “fora da rede” (pelo contrário), precisamos ter cuidado para não cair no revolucionário 3D (circulo, voltamos ao ponto novamente) armadilha da mentalidade, nem no pensamento / comportamento reacionário em preto e branco. Como é mencionado em vários ensinamentos esotéricos, como “Gnose”, de Boris Mouravieff:

“Desde seus primeiros passos no caminho [caminho de acesso ao despertar – transcendendo a Lei Geral / Matrix Hiperdimensional], o homem deve aplicar o princípio: ‘alimente o crocodilo para que não sejamos devorados.’”

Em outras palavras, às vezes precisamos alimentar os “crocodilos” para mantê-los calmos, ou seja, brincar de acordo com as “regras” da matrix até certo ponto, a fim de nos proteger para que possamos continuar com a Grande Obra e não chamar atenção negativa desnecessária para nós mesmos. 

Armadilha da vítima e culpa da consciência

Ao acordarmos para o “horror da situação” (como Gurdjieff a descreveu) e percebermos a loucura do mundo – com as pessoas entorpecidas “sonhando estar acordadas”, bem como nosso próprio estado de sono e condicionamento -, pode parecer que somos apanhados em uma prisão e essa analogia está correta de várias maneiras. Como resultado desse “choque”, pode ser natural, a princípio, sentir-se uma vítima e culpar os poderes dominantes (a elite global em nível 3D ou os seus marionetes hiper-dimensionais) por nossa situação. No entanto, ser pego na culpa e na vitimização é essencialmente um estado de empoderamento que alimenta a matrix. Enquanto toda a organização parece estar em uma prisão mental, de uma perspectiva mais alta, a vida na Terra é uma “escola” para a evolução da consciência, e tudo o que existe são essencialmente lições de alma.

Quando somos sujeitos a ataques pessoais (hiperdimensionais ou de outras pessoas), ou temos que lidar com relacionamentos interpessoais difíceis (onde tendemos a culpar os outros ou nosso parceiro pelo que eles fizeram “conosco”), e entramos em reatividade, a matrix está sendo nutrida. Obviamente, isso não significa tolerar abusos, e é preciso estabelecer limites. No entanto, essencialmente, não podemos culpar os outros pela forma como nos sentimos. A frequência vítima / culpa é exatamente o que a matrix hiperdimensional se alimenta, e “eles” querem que participemos de brigas interpessoais, pois tudo isso cria o “vazamento” emocional para que eles se alimentem.  No momento em que você leva algo para o lado pessoal, a matriz o detém, desencadeando sua auto-importância (identificação com sua personalidade / ego).

A auto-importância é o nosso maior inimigo. Pense nisso – o que nos enfraquece é sentir-nos ofendidos pelas ações e más ações de nossos semelhantes. Nossa auto-importância exige que passemos a maior parte de nossas vidas ofendidos por alguém.

Todo esforço deve ser feito para erradicar a auto-importância da vida dos guerreiros. Sem auto-importância, somos invulneráveis. Auto-importância não é algo simples e ingênuo. Por um lado, é o cerne de tudo que é bom em nós e, por outro, o cerne de tudo que está podre. Livrar-se da auto-importância que está podre requer uma obra-prima da estratégia.

Para seguir o caminho do conhecimento, é preciso ter muita imaginação. No caminho do conhecimento, nada é tão claro quanto gostaríamos que fosse. Os guerreiros combatem a auto-importância como uma questão de estratégia, não de princípio. Impecabilidade é apenas o uso adequado de energia.  Minhas declarações não têm indícios de moralidade. Economizei energia e isso me deixa impecável. Para entender isso, você precisa economizar energia suficiente.

Os guerreiros fazem inventários estratégicos. Eles listam tudo o que fazem. Depois, decidem quais dessas coisas podem ser alteradas para permitir uma pausa, em termos de gasto de energia. O inventário estratégico abrange apenas padrões comportamentais que não são essenciais para nossa sobrevivência e bem-estar. Nos inventários estratégicos dos guerreiros, a auto-importância figura como a atividade que consome a maior quantidade de energia, portanto, seu esforço para erradicá-la.

Uma das primeiras preocupações dos guerreiros é liberar essa energia para enfrentar o desconhecido com ela. A ação de recanalizar essa energia é impecável.

A estratégia mais eficaz para recanalizar essa energia consiste em seis elementos que interagem entre si. Cinco deles são chamados de atributos de navio de guerra: controle, disciplina, paciência, tempo e vontade. Eles pertencem ao mundo do guerreiro que luta para perder a auto-importância. O sexto elemento, que talvez seja o mais importante de todos, pertence ao mundo exterior e é chamado de pequeno tirano.

Um tirano mesquinho é um atormentador. Alguém que detém o poder da vida e da morte sobre os guerreiros ou simplesmente os irrita com a distração. Pequenos tiranos nos ensinam o desapego. Os ingredientes da estratégia dos novos videntes mostram quão eficiente e inteligente é o dispositivo de usar um tirano mesquinho. A estratégia não apenas elimina a auto-importância; também prepara os guerreiros para a conclusão final de que a impecabilidade é a única coisa que conta no caminho do conhecimento.

Se os videntes conseguem se defender diante de pequenos tiranos, certamente podem enfrentar o desconhecido com impunidade, e podem até suportar a presença do incognoscível. O erro que os homens comuns cometem ao enfrentar pequenos tiranos não é ter uma estratégia para recorrer; a falha fatal é que os homens comuns se levam a sério demais; suas ações e sentimentos, bem como os dos pequenos tiranos, são de extrema importância. Os guerreiros, por outro lado, não apenas têm uma estratégia bem pensada, mas são livres de importância pessoal.

Pequenos tiranos se consideram com seriedade mortal, enquanto os guerreiros não. O que geralmente nos esgota é o desgaste de nossa auto-importância. Qualquer homem que tem um pingo de orgulho é despedaçado por se sentir inútil.

– Don Juan em “O fogo de dentro”, de Carlos Castaneda

Independentemente do que aconteceu “conosco”, à luz do processo de despertar, precisamos tomar consciência do arquétipo da vítima, que está fortemente incorporado à nossa psique coletiva, a fim de nos capacitar e assumir a responsabilidade por nossa cura, crescimento e Jornada de vida.

“A raiz do arquétipo da vítima é um medo de que você não possa sobreviver ou não sobreviverá. Não apenas a sobrevivência física, mas a sobrevivência de sua identidade, suas esperanças e sonhos ou senso de si. No fundo, existe uma crença de que você não merece prosperar e a vítima é uma maneira de ter controle passivo sobre sua vida. Todas as vítimas têm direito. Pode levar algum tempo para você perceber seu próprio senso de direito, mas é importante identificá-lo para transformar esse arquétipo interessante de sombra em luz. Trabalhar com a vítima pode ser a coisa mais difícil que você faz, mas também é a maior mudança de vida.
[…]
A Vítima Iluminada entende que o verdadeiro poder vem de dentro e está vinculado à responsabilidade pessoal. Quando você é a vítima iluminada, não pode culpar os outros porque pode ver que a perda de poder acontece por dentro. Seria inútil procurar capacitação onde ela não existe. A Vítima Iluminada pergunta “o que posso fazer com a situação que me foi dada?”

Há uma grande cena do filme O Senhor dos Anéis, onde Frodo, sentindo-se vitimado pelo fato de o anel de poder ter chegado a ele, diz a Gandalf: “ Eu gostaria que o anel nunca tivesse chegado a mim. Quem me dera que nada disto tivesse acontecido. E Gandalf responde sabiamente: “O mesmo acontece com todos que vivem para ver esses tempos. mas isso não é para eles decidirem. Tudo o que temos que decidir é o que fazer com o tempo que nos é dado. Existem outras forças em ação neste mundo, Frodo, além da vontade do mal. Bilbo foi criado para encontrar o Anel. Nesse caso, você também deveria tê-lo. E esse é um pensamento encorajador.Aqui Gandalf mostra a Frodo onde está seu verdadeiro poder. Há algumas coisas na vida que não devemos decidir, mas podemos decidir o que fazer com o que nos foi dado ou o que aconteceu conosco. É um pensamento muito encorajador. […]

A vítima iluminada não tem medo de fraqueza e fragilidade, porque você mantém a vulnerabilidade como força. Você aprendeu que o poder pode ser encontrado mesmo na pior vitimização. Você não tem mais medo de fracassos, perdas, tragédias, sofrimento e infelicidade, porque nenhuma dessas circunstâncias exteriores tem o poder de controlar sua vida. A vulnerabilidade é a pedra angular da sua força, pois permite descobrir diferentes tipos de poder e, especialmente, reconhecer a força da abertura. A vulnerabilidade o torna flexível e disposto a ser alterado pelas suas circunstâncias sem perder seu poder. ”

– Susanna Barlow, Entendendo o arquétipo da vítima

Vemos também o arquétipo da vítima / culpa nas mídias sociais hoje em dia. Uma boa maneira de verificar a si mesmo para garantir que você não caia nessa armadilha (e, portanto, essencialmente doando seu poder energeticamente) é observar a facilidade com que você é desencadeado / chateado com as postagens, opiniões, fotos, etc. de outras pessoas, especialmente em um nível emocional básico. Observe como você pode estar projetando turbulência interior em pessoas que nunca conheceu pessoalmente, nem conversou cara a cara … levando as coisas pessoalmente, ficando ofendido, mesmo que você se sinta justificado em fazê-lo porque foi “atacado” (a propósito, não não há nada errado em bloquear / excluir pessoas – é importante estabelecer limites claros também!). Observe, ao compartilhar coisas pessoais, se elas realmente vêm de um lugar de autopiedade, necessidade de aceitação e culpa,

Tudo isso dessa “confusão” emocional – baseada no egocentrismo egoísta – é o sustento da Matrix. Às vezes, é difícil capturá-lo, e a mente ego / predador pode se camuflar e mudar de forma como um camaleão. A sinceridade, a honestidade radical e a observação de si mesmo são ferramentas essenciais a serem implementadas, a fim de verificar sempre nossas ações e pensamentos a esse respeito (uma boa pergunta para se fazer: qual é a minha verdadeira – na maioria das vezes oculta – intenção de publicar isto ou aquilo?). Tudo isso é especialmente verdadeiro em relação à Internet e à infecção por IA dos Arcontes à qual estamos expostos via tecnologia, mantendo-nos focados e isolados (apesar do lado “positivo” da conexão [se existir algum], rede e compartilhamento de informações).

Da mesma forma, é importante não nos culparmos, especialmente ao comprar a idéia distorcida da  Nova Era de “Você Cria sua Própria Realidade”  e a idéia simplificada de que você “criou” tudo em sua vida, com base em seus pensamentos e Estado emocional.

A chamada “Lei da Atração” (como é usada atualmente nos conceitos corrompidos da Nova Era / espiritualidade pop de “Você Cria Sua Própria Realidade”) é uma distorção grosseira de seu verdadeiro significado e fonte esotéricos, assim como a dizer “Pergunte e a você será dado” também foi corrompido de seu significado esotérico original e diluído em “Eu posso ter o que quiser do “universo”, se eu apenas “pedir” e alinhar meus pensamentos e emoções com meus desejos”. Antes de tudo, a “lei da atração” (baseada no ditado “o igual atrai o igual”) foi voltada para o buscador sincero envolvido em trabalho autônomo esotérico, o que significa que ele / ela “atrairá” (através de sua “solicitação SINCERA” ) qualquer coisa que o ajude a evoluir sua alma com o objetivo de se unir ao “Um”, isto é, corporificação da alma, auto-realização, despertar / iluminação, etc.

No entanto, o que ele / ela será “dado” ou “atraído” não depende de “ele / ela”, mas está relacionado às lições de sua alma e até inclui (além de coisas “positivas”, como o professor / professora certos e assistência que aparece no momento certo) situações desafiadoras, provações e iniciações (incluindo ataques de forças ocultas, que podem ser ensinamentos / iniciações disfarçadas) que podem parecer “negativas” para os olhos não iniciados, mas são lições [as mais importantes] necessárias para ele/ela passar como parte do processo de despertar. Eles não têm nada a ver com “atraí-los por causa de sua atitude negativa”. No final, trata-se de abandonar o condicionamento mental dos macacos e realizar a ilusão de “vontade pessoal” (identificação do ego) para dar lugar à “Vontade Divina” para sua evolução – tornar-se um indivíduo soberano corporificado, um instrumento consciente para o Espírito trabalhar com e através.

Armadilha da Consciência do Salvador e Mártir

Do outro lado da moeda da vítima está o complexo de Salvador / Mártir, que se vincula à armadilha de ‘acordar / ajudar os outros’ anteriormente discutida. Esse estado inflado – sendo identificado com o “salvador” – baseia-se na ilusão de que há algo “errado” com a realidade (como na força criativa da Fonte / Deus / Universo da qual tudo se origina / se manifesta). de alguma forma, um “erro”) e, portanto, precisamos “salvar” ou “consertar” o mundo. Ao assumir o “ponto de vista de Deus” e, assim, resultar em um senso de grandiosidade e sentimentos de “especialidade” (complexo de superioridade), essa armadilha se liga ao equívoco do que realmente é o “mal” e como ele opera dentro do mundo de dualidade entre luz e escuridão. Não significa apenas sentar-se ao lado de cada um, mas sim, envolver-se ativamente na evolução da consciência,

O complexo salvador também é muito comum em pessoas que são excessivamente identificadas com o conceito ‘andarilho / renegado / semente estelar / família de luz’, que seu ego sequestra para se colocar em pedestais enquanto “olha para baixo” para os seres humanos (como mencionado anteriormente na armadilha da superioridade). Este tópico é explorado em profundidade neste ensaio:  Andarilhos, propósito e trabalho esotérico neste tempo de transição

Também se relaciona com pessoas que são muito apegadas (e identificadas) ao que elas percebem como sua “missão” e “propósito” divinos. Enquanto todos temos nossos chamados individuais na vida – pelos quais podemos (e devemos) ser apaixonados -, é importante ter em mente que o propósito não é uma definição, mas um processo, e deve ser visto à luz da nossa alma individual em evolução e como ela se alinha com nossos talentos únicos, nosso desenvolvimento e nossas lições de aprendizado. No momento em que a ambição, o orgulho, a ação plena de vontade ou a necessidade de “provar a nós mesmos” surgem, não estamos alinhados com o espírito interior, mas com a consciência do ego … os desejos tomam conta e a matriz nos tem.

O complexo mártir é uma forma ainda mais exagerada do complexo salvador – é ativado sempre que sentimos que precisamos sofrer “pelos outros” e nos orgulhamos de carregar o peso do mundo sobre nossos ombros. Ela se mostra quando orgulhosamente “mostramos” como estamos sendo “atacados” pelo que fazemos (ativismo ou manifestação) e, muitas vezes, desnecessariamente nos colocamos em situações comprometedoras para provar de alguma forma como estávamos certos o tempo todo. Esse comportamento também se baseia na falta de consideração externa e anexo estratégico, como explorado anteriormente neste artigo. Também se relaciona à programação religiosa dogmática profunda, especialmente à ideia católica de que “Jesus morreu por nossos pecados” e se vincula ao programa coletivo de salvadores externos, com as massas procurando alguém para salvá-las / liderá-las (com base em programação autoritária).

Para evitar qualquer uma dessas armadilhas (ou sair delas novamente se cairmos em uma), humildade e modéstia são os principais assistentes em um nível básico básico:

“Goste ou não, a humildade existe apenas na sequência da arrogância. Poucas pessoas conhecem a humildade por si mesmas ou optam imediatamente por ela. A maioria de nós caiu em arrogância e egoísmo e falhou. Chegamos à humildade depois de testar exaustivamente a alternativa.

A verdadeira humildade é uma escolha que fazemos sempre que há um confronto e, a menos que uma pessoa seja extremamente confortável, segura de si e segura, ela não pode ser facilmente humilde. A pessoa dinamicamente modesta escolhe ser humilde por força. A humildade das Mudanças [I Ching / Yijing] é um poder ativo. Como tal, é mais do que uma posição moral: é uma virtude.

A humildade é semelhante à compaixão – pelo menos no sentido de que verdadeira compaixão significa estender a energia e o talento de alguém em favor dos outros. Não se pode ser misericordioso com uma posição de fraqueza. […] Permanecer humilde, mesmo quando você está sob grande pressão, mantendo-se auto-controlado diante de insultos e recusando-se a intimidar os outros com sua posição e poder são exemplos de humildade da parte de si, uma vantagem de grande força.

Aqueles que são humildes descobrirão gradualmente outras vantagens. Eles não hesitarão em ir além de si mesmos. Sem nada para provar, eles estão dispostos a explorar novas situações. É verdade que eles podem cometer erros. Eles podem até sofrer vergonha. Mas a pessoa humilde reconhece e aceita isso. Os indecentes cometem erros também – mas tentam ocultar seus erros e negam sua falibilidade. Isso piora seus erros e aumenta seu isolamento.

– Deng Ming-Dao, “The Living I Ching; Usando a sabedoria chinesa antiga para moldar sua vida ”(Hexagrama 15)

O CAMINHO PARA O TEMPLO DE SEGREDOS

O Templo dos Segredos está localizado em uma montanha alta e “em todos os lugares os espinhos cobrem o caminho” que leva ao Templo. A altura inconcebível e misteriosa da montanha é a razão pela qual muitas pessoas duvidam da existência do Templo dos Segredos. Alguns pensam nisso como um conto de fadas, alguns consideram um mito antigo e outros acreditam que é a verdade.

Na entrada do caminho estreito está a Ignorância, com suas irmãs Estupidez e Preguiça, e eles contam histórias horríveis para os viajantes e aventuras horríveis que os viajantes encontrarão se pisarem nesse caminho. É assim que seres humanos preguiçosos e seres humanos medrosos podem facilmente ser persuadidos a voltar.

Existem alguns seres humanos nos quais a ignorância tenta seus enganos em vão. Eles escalam a primeira parte do caminho íngreme e espinhoso e, quando estão a meio caminho da montanha, alcançam um platô no qual encontram o Templo do Amor Próprio. Ao lado deste templo, está a autoconfiança, o orgulho e o conhecimento de tudo, e eles oferecem ao viajante um copo, do qual ele bebe seu próprio eu em grandes goles e, assim, fica intoxicado e embriagado consigo mesmo, com seu próprio “eu”.

Esses viajantes ficam tão intoxicados consigo mesmos que imaginam que seu templo, o templo do amor próprio, é o templo dos segredos e não há nada, mais nada, acima deles. A inscrição neste templo, o Templo do Amor Próprio, tem a seguinte redação: O Santuário da Sabedoria do Mundo. Desejos, paixões e devaneios são os servos desses sacerdotes. No entanto, aqueles cujo coração busca a verdade não encontrarão satisfação com isso e continuarão procurando.

A alguns milhares de passos deste templo, você encontrará uma cabana muito isolada, habitada por um eremita, com a seguinte inscrição acima da porta: A Residência da Humildade.

O homem que mora aqui guia os estranhos para a residência da humildade, que por sua vez os leva ao auto-reconhecimento. Essa Beleza Divina se torna a companheira do viajante e, com ela, ele conquista a montanha inacessível . Todo aquele que tenta alcançar o Templo dos Segredos sem essa Beleza Divina pode facilmente ser enganado por seu Amor-Próprio e, como resultado, seguirá o caminho errado.

Sua ganância e curiosidade superficial pelo conhecimento o levará ao Templo da Curiosidade. Os habitantes deste templo são: fraude, sedução e engano, os fundadores da maioria das sociedades secretas e os seres humanos que, em busca da verdade e do templo dos segredos, serão roubados, se ingressarem nessas sociedades secretas. a capacidade de ver com sua própria alma. Eles são então conduzidos ao topo da montanha, onde caem no abismo ou no labirinto, no qual andarão em círculos pela eternidade sem encontrar a Verdade.

Humildade sozinha é o melhor guia. Isso por si só levará o buscador ao Mestre dos Professores de todos os segredos. Este Mestre é a pura vontade. Essa pura vontade se torna amiga do mais alto conhecimento e eles entram em um vínculo de união eterna [Vontade Divina]. O conhecimento dos efeitos da Luz Eterna da piedade em todos os seres criados é a Verdadeira Magia na Teoria. A concepção desta luz, ou a transição do intelecto para a vontade, é a verdadeira magia na prática.

– Von Eckarthausen, Magia: Os Princípios do Conhecimento Superior, 1788


“A sabedoria (Sophia) clama lá fora; pelas ruas levanta a sua voz. Nas esquinas movimentadas ela brada; nas entradas das portas e nas cidades profere as suas palavras:  Até quando vocês, inexperientes, irão contentar-se com a sua inexperiência? Vocês, zombadores, até quando terão prazer na zombaria? E vocês, tolos, até quando desprezarão o conhecimento? Atentai para a minha repreensão; pois eis que vos derramarei abundantemente do meu espírito e vos farei saber [o conhecimento] as minhas palavras. – Provérbios 1:20-23



Mais informações, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.