Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

O Perigoso Caminho para o Despertar da Consciência Espiritual (6)

Capítulo VI – Sinceridade e auto-honestidade radical: 

A parte mais importante no processo e no trabalho em direção ao despertar é a auto-honestidade, o quão sinceros somos conosco. Como mencionado no início deste ensaio, as mentiras para si mesmo são as maiores e mais prejudiciais barreiras no trabalho autônomo esotérico e também as mais difíceis de se detectar. À medida que adquirimos níveis mais elevados de consciência e maior consciência, percebemos a responsabilidade que temos, o que é realmente o “despertar” e o quão desafiador é a verdadeira liberdade, pois implica abandonar o controle (a ilusão / limitação da vontade pessoal), percebendo que não podemos culpar ninguém ou nada a não ser nós mesmos.

O perigoso caminho para o despertar da Consciência Espiritual

Fonte:  Veilofreality.com

Por Bernhard GuentherAs expressões entre [ ] são de autoria do tradutor.


Capitulo VI – Sinceridade e auto-honestidade radical

“O perdão é o movimento mais fundamental para a frente em direção à integração da luz e da sombra no mundo interno. Sem ele, ficamos encalhados no pântano do julgamento e da negação. É o fundamento da jornada xamânica, que exige que mergulhemos nas águas da renovação perpétua. O perdão xamânico instiga uma dinâmica que emprega não apenas as emoções e o intelecto, mas atinge a própria fonte do comportamento – o DNA – estabelecendo novas vias neurais e alterando o equilíbrio químico dentro do cérebro humano.

Dessa forma, o campo eletromagnético mantém um sistema ressonante de perdão, criando um diálogo interno de compaixão. Quando perdoamos, abraçamos absolutamente nossa capacidade de resposta dentro da interconectividade de toda a criação. A porta de entrada para o caminho que leva à transmutação do ciclo de vida-morte-renascimento é aberta através do perdão e é o derramamento da primeira camada de mortalidade, iniciando a jornada da vitimização à criação”. – Juliet Carter

Quanto mais sinceros formos nesse processo, mais detectaremos as armadilhas em que seremos apanhados, e mais predominante nossa voz interior (Espírito) se tornará, à medida que cada vez mais se registra em nós; por outro lado, quanto mais sinceros formos nesse processo, menos seremos capazes de fingir para nós mesmos – e para o mundo exterior (e para os outros) – de ser alguém que “não somos”. Essencialmente, trata-se de sair do esconderijo, dissolver os amortecedores e máscaras que encobrem o verdadeiro “eu”.

“ Descobri ao longo dos anos trabalhando com pessoas, mesmo pessoas que tiveram despertares muito profundos e intensos, que a maioria das pessoas tem medo de ser sincera, realmente honesta – não apenas com os outros, mas também e principalmente consigo mesma . Certamente, o cerne desse medo é que a maioria das pessoas sabe intuitivamente que, se fossem realmente verdadeiras, sinceras e honestas, não seriam mais capazes de controlar ninguém.

Não podemos controlar alguém com quem somos sinceros. Só podemos controlar as pessoas se contarmos meias-verdades, se reduzirmos o que é verdade. Quando dizemos a verdade total, nosso interior fica repentinamente do lado de fora. Não há mais nada escondido. Para a maioria dos seres humanos, estar exposto [à Luz] traz um medo incrível. A maioria das pessoas anda por aí pensando: “Meu Deus, se alguém pudesse olhar dentro de mim, se alguém pudesse ver o que está acontecendo lá dentro, quais são meus medos, quais são minhas dúvidas, quais são minhas verdades, o que eu realmente percebo, elas veriam que fiquei horrorizado”.

A maioria das pessoas está se protegendo. Eles estão mantendo muitas coisas. Eles não estão vivendo uma vida honesta, verdadeira e sincera, porque, se o fizessem, não teriam controle. É claro que eles não têm controle de qualquer maneira, mas também não teriam ilusão de controle.

A maioria das pessoas não sai da infância sem ter muitas experiências de ser ferida por dizer a verdade.  Alguém disse: “Você não pode dizer isso” ou “Você não deveria dizer isso” ou “Isso não era apropriado”.  Como resultado, a maioria de nós tem um profundo condicionamento subjacente de que ser apenas quem somos não está bem. Fomos condicionados a acreditar que há momentos em que não há problema em ser sincero e honesto, e há momentos em que há problemas em ser sincero e honesto. A maioria dos seres humanos realmente tem uma impressão – não apenas em suas mentes, mas em seus corpos e emoções – de que, se forem honestos, se forem reais, algo ruim acontecerá. Alguém não vai gostar. Eles não serão capazes de controlar seu ambiente se eles disserem a verdade.

Mas dizer a verdade é um aspecto do despertar. Pode não parecer, porque é muito prático e muito humano. Não é transcendente. Não se trata de pura consciência, é sobre como a consciência pura se manifesta como um ser humano de maneira indivisa. Devemos ser capazes de manifestar o que percebemos e também devemos entender e começar a perceber as próprias forças dentro de nós que nos impedem de manifestar a veracidade em todas as situações.

Quase toda vez que eu falo em público assim, alguém vem até mim mais tarde e diz: “Você conhece aquela palestra que deu sobre veracidade, honestidade e tudo mais?” E eu respondo: “Sim, eu lembro da conversa.” E eles dizem: “Bem, alguém apareceu no estacionamento depois e decidiu que ela precisava me contar todas as coisas ruins que ela pensava sobre mim, em nome da honestidade”.

E eu meio que sacudo a cabeça. Hesito em até dar palestras sobre esse assunto, porque é muito fácil ser mal entendido.

A verdade é um padrão muito alto. A verdade não é um brinquedo.  Dizer o que é verdadeiro dentro de nós mesmos não é dizer o que pensamos; não é para dizer a nossa opinião. Não é despejar a lata de lixo da nossa mente em outra pessoa. Tudo isso é ilusão, distorção, projeção. A verdade não é descarregar nossas opiniões para alguém. Isso não é verdade. A verdade não está em dizer nossas crenças sobre as coisas. Isso não é verdade. Essas são as maneiras pelas quais realmente escondemos a verdade.

A verdade é muito mais íntima do que isso. Quando dizemos a verdade, ela tem a sensação de uma confissão. Não quero dizer a confissão de algo ruim ou errado, mas quero dizer a sensação de que saímos completamente do esconderijo. A verdade é uma coisa simples. Falar a verdade é falar de um sentimento de total e absoluta desproteção.

Para dizer a verdade com alguma consistência, não apenas precisamos encontrar todos os lugares em nós mesmos que têm medo de dizer a verdade, mas também precisamos ver a estrutura de crenças que temos e que nos diz: “Eu não posso fazer isso”. Essas estruturas de crença são, por sua própria natureza, baseadas na irrealidade. Saber isso não é suficiente; você precisa realmente vê-lo, realmente perceber exatamente no que você acredita. Quais são as estruturas de crenças exatas que fazem você entrar na dualidade, que fazem você entrar em conflito e se esconder? Só então você pode dizer a verdade da maneira como estou discutindo aqui.

Liberdade é a percepção de que tudo e todos passam a ser exatamente como são. A menos que tenhamos chegado a esse ponto, a menos que vimos que é assim que a realidade vê as coisas, na verdade estamos retendo a liberdade do mundo. Estamos vendo isso como uma possessão e só estamos preocupados conosco. Quão bom eu posso me sentir? Quão livre eu posso me sentir? A verdadeira liberdade é um presente para tudo e para todos.

O importante é permitir que o mundo inteiro acorde. Parte de permitir que o mundo inteiro acorde é reconhecer que o mundo inteiro é livre – todos são livres para serem como são. Até que o mundo inteiro esteja livre para concordar com você ou discordar de você, até que você tenha dado a liberdade para que todos gostem ou não de você, amem ou odeiem você, vejam as coisas como voce as vêem ou vejam as coisas de maneira diferente. – até que você tenha dado ao mundo inteiro sua liberdade – você nunca terá sua própria liberdade .

Esta é uma parte importante do despertar, e é uma parte fácil de perder. Novamente, se estivéssemos totalmente acordados, seria impossível perder isso, mas a maioria das pessoas não acorda de uma só vez. A ideia de liberdade é muito importante, no entanto. Todo mundo começa a ser como é. Somente quando todos podem ser como são – quando você lhes concede essa liberdade, a liberdade que eles já possuem – você encontra dentro de si a capacidade de ser honesto, real e verdadeiro.

Não podemos ser verdadeiros enquanto esperamos ou queremos que outros concordem conosco . Isso nos fará conjeturar – talvez eles não gostem do que eu digo; talvez eles não concordem;  talvez eles não gostem de mim. Quando estamos nos protegendo, também estamos retendo a liberdade de todos os outros. Quando percebemos que somos o único Espírito que se manifesta como tudo e todos, na própria natureza dessa realização há total liberdade para todos.

Há uma certa destemor nessa realização. Às vezes, as pessoas vêm até mim e dizem: “Bem, Adya, ainda há algum lugar interior” – e, eu acho, muitas vezes é um local de primeira infância – “que tem medo de ser apenas o que eu sei que é verdade”. E, é claro, direi: “Você precisa olhar para isso para ver como você mesmo formou certas estruturas de crenças com base no que aconteceu no passado. Você tem que investigar e ver se essas estruturas de crença são realmente verdadeiras. ” Mas também precisamos reconhecer que não temos como saber ou prever como o mundo nos receberá. Parte de estar acordado é estar disposto a ser “crucificado”[em nosso Ego]. Se pensamos que estar acordado significa que o mundo inteiro vai concordar conosco, então estamos em uma ilusão total .

Dentro da consciência humana, existe um profundo tabu que diz que não há problema em perceber a verdade do ser. Não estou falando sobre pregar, necessariamente; Estou falando apenas de ser o que você percebe. Este tabu diz: “Isso não está bem. Você será crucificado por isso; você será morto por isso.  Obviamente, em nossa história humana, pessoas foram mortas por isso. Em muitas sociedades, temos uma longa história de livrar-se ou matar seres verdadeiramente iluminados, porque a verdadeira iluminação não se conforma ao estado de sonho [pesadelo do mundo material]. De fato, muitas vezes o estado onírico se sente ofendido e ameaçado pela verdadeira iluminação, porque um ser verdadeiramente iluminado não pode ser controlado. Mesmo a ameaça de morte não pode controlar um ser iluminado [porque ele sabe que a própria morte é uma grande ilusão].

Assim, como ser humano, não podemos ter essas idéias infantis que iluminação significa “todo mundo me ama e me aceita”. Talvez todo mundo te ame, mas é mais provável que alguns o amem e outros não. Mas quando você concede liberdade ao mundo inteiro, percorre um longo caminho para encontrar sua própria liberdade. Eles estão amarrados inextricavelmente, um ao outro.

O mais importante não é que você tente convencer alguém da verdade que vê. O que é realmente importante é que você seja sincero consigo mesmo. Se você pode ser sincero consigo mesmo, pode ser sincero com qualquer pessoa . Não há utilidade real em se concentrar demais em ser sincero com todos os outros. Embora seja necessário, o ponto de partida é você mesmo – você pode ser totalmente sincero consigo mesmo? Você pode ir para aquele lugar que está além da culpa, além do julgamento, além do que deveria e não deveria ser? Você pode ir a um lugar tão sincero que não se coíbe de qualquer parte de si que ainda esteja em conflito; você não usará a percepção da verdade para se esconder de algo que parece menos do que libertador?

É realmente uma questão de sinceridade. Como eu disse, este não é um programa de auto-aperfeiçoamento. Depois de descobrir o nível de sinceridade e honestidade que estou descrevendo, você descobre que sinceridade e honestidade são manifestações da natureza absoluta do ser. Ser sincero consigo mesmo pode não ser fácil, inicialmente. Você pode ver coisas sobre você que não quer ver. Você pode ver as partes de si mesmo que contrastam aparentemente com tudo o que você percebeu sobre si mesmo. No entanto, é aqui que o despertar se move; o despertar se move em direção ao que não está acordado. Sinceridade é o que permite que esse movimento aconteça, e isso acontece se você é real e honesto consigo mesmo.

Sair completamente do esconderijo, estar disposto a ver todos os pontos de fixação em apegos, todas as formas de entrar em divisão, permite que essa parte da jornada continue. Quando isso acontece, você sente seu coração se abrindo, sua mente se abrindo; você se sente abrindo em níveis que você nunca sonhou ser possível. Esses níveis não são apenas transcendentais da humanidade, mas também dentro da sua humanidade, porque não há separação entre seu ser humano e seu ser divino.

Sinceridade é a chave . Você tem que estar disposto; você tem que querer ver tudo. Quando você quiser ver tudo, verá tudo.

Muitos estudantes que vêm me ver têm a ideia inconsciente de que iluminação significa que devemos sentir felicidade completa, felicidade total e liberdade total em qualquer situação. Essa é uma das crenças inconscientes que muitas pessoas têm sobre o despertar, e é outra percepção equivocada.

Se você acredita que a percepção equivocada de que a iluminação se refere apenas à felicidade, bem-aventurança e liberdade, você será motivado a transcender ou escapar das áreas de sua vida que parecem menos do que totalmente funcionais. Mais cedo ou mais tarde, porém, à medida que nos tornamos mais acordados, descobrimos que há cada vez mais pressão para encontrar e lidar com as áreas de nossas vidas que estamos evitando, onde estamos menos do que plenamente conscientes.

Descobri que muitas pessoas ficam com muito medo quando começam a perceber para onde todo esse movimento do despertar está levando-as, que as leva a uma área onde serão chamadas a ser extraordinariamente honestas e reais e sair completamente de cena. se escondendo. Isso é contrário à ideia de despertar sendo simplesmente uma transcendência da vida, a descoberta de um porto seguro em alguma experiência interior em que não precisamos lidar com a vida como ela é. O despertar é, de fato, exatamente o oposto: é um estado de ser em que encontramos a capacidade de lidar com nossas vidas como elas realmente são. Mas, como eu disse, muitas pessoas têm medo dessa parte do processo, porque isso exige que saímos da clandestinidade em todos os níveis. 

~ Adyashanti, o fim do seu mundo

Sair do esconderijo – e ser sincero consigo mesmo – pode ser particularmente desafiador para as pessoas que vivem predominantemente em suas cabeças pelo intelecto (presas no aspecto masculino da consciência). Essa personalidade possui um intelecto forte que tem a capacidade de racionalizar e auto-justificar tudo (inclusive a criação de uma personalidade exterior inteligente), especialmente em relação às mentiras decorrentes da falsa personalidade – ela também tem uma tendência a ficar presa na paralisia da análise , sendo incapaz de reconhecer algo “acima / além” de si mesmos, isto é, a inteligência superior do Divino e do Espírito. Presos em ciclos primordiais de pensamento e na mente racionalizadora, a porta do Divino está, portanto, fechada – eles são cortados dentro da prisão da mente do macaco. 

O mecanismo subjacente a esse comportamento é realmente o medo inconsciente, decorrentes da identificação do ego. Medo da perda de controle. O medo de se render ao fluxo da vida / o Tao (com o consequente medo ilusório do caos), que se baseia no medo da natureza (o aspecto feminino da consciência) e, essencialmente, no medo do verdadeiro amor e liberdade. Também se vincula ao medo de ser “insignificante”, ao medo de não ser “forte” (medo de parecer “fraco”), ao medo de “não saber” (e essencialmente ao “desconhecido”) e ao medo de como os outros nos perceberão [medo do julgamento] se nos abrirmos a expressões mais profundas e autênticas de humildade e vulnerabilidade.

“Um hábito perigoso é a auto-justificação constante. Quando isso se torna forte no buscador, é impossível transformá-lo nesta parte do ser na consciência e ação corretas, porque a cada passo sua preocupação é justificar-se. Sua mente corre ao mesmo tempo para manter sua própria ideia, sua própria posição ou seu próprio curso de ação.

Ele está pronto para fazer isso por qualquer tipo de argumento, às vezes o mais desajeitado e tolo ou inconsistente com o que ele estava protestando no momento anterior [mas não óbvio para ele], por qualquer tipo de declaração incorreta ou qualquer tipo de artifício. Este é um uso indevido comum, mas não obstante um uso indevido da mente pensante; mas que ele tem em consideração exagerada e enquanto ele se mantiver assim, será impossível para ele ver ou viver a Verdade ”

~ Sri Aurobindo, o Yoga Integral

“Se o homem não aceita sua situação e, em particular, seu estado interior como lhe parece, graças a breves iluminações da consciência do real ‘eu – se ele é obstinado contra todas as evidências, justificando sua Personalidade, protegendo-se por trás da lógica, legitimidade e justiça, ele virará as costas para o caminho do Acesso ao Divino e se lançará ainda mais no deserto. Ninguém pode alcançar o caminho de Acesso ao Caminho [de união com o Divino], sem antes passar por uma falência interior; um colapso moral [desilusão] de suas estruturas. ” –  Boris Mouravieff, Gnose


“Precisamos do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”


“A sabedoria (Sophia) clama lá fora; pelas ruas levanta a sua voz. Nas esquinas movimentadas ela brada; nas entradas das portas e nas cidades profere as suas palavras:  Até quando vocês, inexperientes, irão contentar-se com a sua inexperiência? Vocês,zombadores, até quando terão prazer na zombaria? E vocês, tolos, até quando desprezarão o conhecimento?  Atentai para a minha repreensão; pois eis que vos derramarei abundantemente do meu espírito e vos farei saber [o conhecimento] as minhas palavras. – Provérbios 1:20-23


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.311 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

NOSSOS PRODUTOS

Indicações Thoth

Seja um Anunciante

Divulge seu produto ou serviço em nosso portal!
Converse com a equipe comercial no WhatsApp