Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

O Quê a Parceria Rússia-China pode oferecer ao mundo: uma Alternativa ao Excepcionalismo dos EUA-G-7

Quando o chefe do Estado-Maior da Defesa da Índia, general Anil Chauhan, autorizado a falar sobre questões estratégicas, disser que “a importância geopolítica da Rússia diminuirá nos tempos que virão” e “veremos uma China mais assertiva nos tempos que virão”, é momento de nos perguntarmos se a Índia compreende que a Rússia e a China, em conjunto, estão desempenhando um importante papel na criação e estabilização da nova ordem mundial multipolar.

A parceria estratégica sem limites entre Moscou e Pequim envolve dois países líderes globais que unem as suas forças para desafiar a “ordem baseada em regras” [do Hospício Ocidental] liderada pelos EUA.

Fonte: Rússia Today – Por Pravin Sawhney,  especialista militar e autor baseado em Nova Delhi-Índia

Foi durante a primeira visita do presidente chinês, Xi Jinping, à Rússia, em 2013, que ele propôs a construção de uma “comunidade de futuro compartilhado” no Instituto Estatal de Relações Internacionais de Moscou (Universidade MGIMO). 

Lá ele mencionou conceitos como a Iniciativa de Desenvolvimento Global (GDI), a Iniciativa de Segurança Global (GSI) e a Iniciativa de Civilização Global (GCI), que se tornaram a base do One Belt One Road-BRI (iniciativa Nova Rota da Seda), anunciado no Cazaquistão no mesmo ano. 

Como a One Belt One Road-BRI era uma realidade em evolução, onde mais estradas foram adicionadas, foi mais tarde renomeada como Iniciativa Cinturão e Rota (BRI). Além disso, o GDI, o GSI e o GCI foram anunciados ao mundo por Xi em 2021, 2022 e 2023, respectivamente, para as nações do Sul Global, que foram atraídas pelas alternativas de Pequim em detrimento das instituições de Bretton Woods dominadas pelos [controladores dos] EUA, o Banco Nacional de Desenvolvimento, Banco Asiático de Investimento em Infraestruturas e Fundo da Rota da Seda, mas ainda não tinha aderido à BRI. 

Com a Rússia e a China como dois intervenientes geoestratégicos com visões globais e com capacidade, e determinação política para moldá-las, o presidente russo Vladimir Putin e o presidente chinês Xi Jinping reuniram-se 42 vezes desde 2013. O seu principal objetivo tem sido sincronizar duas visões – a Grande Eurásia da Rússia e a iniciativa BRI-Nova Rota da Seda da China. 

A Grande Eurásia, um conceito dinâmico como a BRI, procura integrar a visão de Putin de um pivô para a Ásia para o desenvolvimento e a conectividade. A região é composta pelo Extremo Oriente da Rússia, pela Índia, pelo Paquistão, pelo Irã, pelo mundo árabe, pelos países da ASEAN e pela China, enquanto a União Econômica Eurasiática (EEU) inclui a Rússia, o Cazaquistão, o Quirguizistão, a Arménia e a Bielorrússia. 

Ao contrário do que as nações ocidentais desejam acreditar, a parceria estratégica sem limites entre a Rússia e a China consiste em dois países líderes globais que unem as suas forças para oferecer uma alternativa à “ordem baseada em regras” liderada pelos EUA ou ao “excepcionalismo Americano”, onde as regras nunca foram explicitadas. Em nítido contraste, a Grande Eurásia-BRI tem sido sugerida como uma parceria multilateral num mundo multipolar sem coerção de ninguém.

É claro que, dada a enorme disparidade entre as duas economias – o PIB de $ 18 bilhões de dólares da China versus o PIB de $ 1,84 bilhões de dólares da Rússia, e a realidade de que a China sozinha se equipara aos EUA no seu ecossistema de Inteligência Artificial (IA) e tecnologias emergentes, permanece a questão de saber se a Rússia iria ser relegada a tornar-se um parceiro júnior da China. A resposta é “não” por três importantes razões:

Primeiro, a Rússia é uma grande potência, maior país do mundo, com uma massa terrestre que abrange onze fusos horários, tem uma abundância de recursos naturais, incluindo alimentos, minerais e elementos de terras raras, e é um grande exportador de energia (petróleo), produtor de gás, alimentos [maios produtor de trigo do planeta] e reatores nucleares. A Rússia e a China estão trabalhando em reatores rápidos de neutrons que contribuirão para o desenvolvimento de energia limpa. A Rússia possui um impressionante complexo militar-industrial, é um grande exportador de armas, tem poder de veto nas Nações Unidas e possui o maior arsenal de armas nucleares do planeta.

Em segundo lugar, embora os recursos financeiros e a capacidade de construção de infra-estruturas da China atraiam as nações do Sul Global, o dinamismo dos BRICS e da OCX provém dos seus dois grandes membros fundadores EM CONJUNTO. 

Terceiro, ao contrário dos EUA, que acreditam no domínio global através do seu poder militar excepcional e mantêm [cerca de 800] bases em todo o mundo, a China procura o respeito global, o que significa que quer que as nações sejam sensíveis à sua política externa e às suas preocupações fundamentais. É improvável que a Rússia tenha problemas com isso. Assim, em todas as reuniões internacionais, é normal encontrar os principais diplomatas da Rússia e da China, Sergei Lavrov e Wang Yi, coordenando os seus movimentos para sincronizar com os objetivos conjuntos mais elevados estabelecidos por Putin e Xi. 

No que diz respeito à assertividade da China, é pertinente ouvir a interação do presidente dos EUA, Joe Biden, com Fareed Zakaria, da CNN, em junho. Alegando ter se encontrado com Xi mais vezes do que qualquer líder mundial, Biden disse que a China não é expansionista e não busca guerras, mas deseja uma China unida. Esta foi provavelmente uma referência a Taiwan e Arunachal Pradesh (um estado no nordeste da Índia), ambos reivindicados pela China como seu território.

Do ponto de vista da Índia, a Rússia ajudou duas vezes o governo Modi a evitar a escalada da crise com a China. No auge da crise Doklam de 2017, que ameaçou evoluir para uma guerra, o primeiro-ministro Modi procurou uma reunião com Xi Jinping. Isso resultou na cúpula de Modi em Wuhan em abril de 2018 com Xi; O primeiro-ministro da Índia reuniu-se com Putin dentro de uma semana em Sochi.

Com as eleições gerais de 2019 à porta, era óbvio que Modi se tinha encontrado com Putin como garantidor da paz prometida por Xi em Wuhan. Além disso, após os assassinatos de Galwan em 15 de junho de 2020, que abalaram o governo indiano, a mediação de Moscou levou o Ministro das Relações Exteriores da Índia, Jaishankar, e o Ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, a assinar uma declaração conjunta pela paz em 15 de setembro de 2020, na presença do Ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov. em Moscou.

Curiosamente, a parceria trilateral Rússia-Índia-China proposta pelo antigo primeiro-ministro russo Yevgeny Primakov evoluiu para o BRICS e será substituída no próximo ano pelo BRICS+6. Da mesma forma, a Rússia facilitou a entrada da Índia na SCO, e a Índia importa uma quantidade máxima de armas e energia da Rússia, bem como tecnologia sensível que nenhuma nação partilhará sem quaisquer condições. 

Uma vez que a geopolítica deve basear-se na geografia, tanto a Rússia como a China querem que a Índia faça parte de uma estratégia Ásia-Pacífico para a paz e o desenvolvimento. A Índia, no entanto, parece ter optado por aderir à estratégia Indo-Pacífico dos EUA, que em parceria com a OTAN parece determinada a conter a China, castrar a Rússia e desfazer a parceria estratégica entre os dois. Embora seja improvável que isso aconteça, a preocupação é que a Índia possa ser apanhada no fogo cruzado, com consequências desastrosas para os seus interesses nacionais.

(O livro mais recente do escritor é A última guerra: como a IA moldará o confronto final da Índia com a China)


“Precisamos do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na CEF AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (CEF)


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *