Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

OTAN começa a Rachar: Em reviravolta, a Polônia anuncia que não cederá mais armas a Ucrânia

A barragem do apoio ocidental até aqui unificado à Ucrânia está se rompendo e o momento não poderia ser pior para Zelensky, visto que amanhã se espera que ele se encontre com o presidente Biden na Casa Branca. Na quarta-feira à noite há notícias monumentais vindas da Polônia que poderão potencialmente mudar todo o curso da guerra com a Rússia, que já esta indo de mal à pior.

Fraturas da OTAN: Em reviravolta, a Polônia anuncia que não armará mais a Ucrânia

Fonte: Zero Hedge

“A Polônia não armará mais a Ucrânia para se concentrar na sua própria defesa”, anunciou o primeiro-ministro polaco Mateusz Morawiecki poucas horas depois de Varsóvia ter convocado o embaixador da Ucrânia devido a uma nova guerra de palavras e cuspidas por causa dos cereais bloqueados, segundo a AFP. Varsóvia tem sido, ao longo de mais de um ano e meio de guerra entre a Ucrânia e a Rússia, o apoiante mais firme, mais próximo e mais sincero de Kiev.

Esta reviravolta massiva e extremamente significativa marcará o início do fim [da Guerra e, principalmente, da OTAN]? As negociações de paz e a cessão de território no Donbass são inevitáveis ​​neste momento? 

Nas últimas 48 horas, as relações entre a Polônia e a Ucrânia atingiram rapidamente o seu ponto mais baixo desde a invasão russa, e está diretamente relacionada com o fato de Varsóvia ter liderado um punhado de países da UE a alargar a proibição de exportação de cereais da Ucrânia, no meio da contínua raiva e indignação de agricultores da Polônia, que estão sofrendo devido ao fato de o seu país ser inundado com trigo ucraniano barato.

Crucialmente, a Polônia realizará eleições parlamentares em 15 de Outubro. A atmosfera anterior de retórica entusiástica pró-Kiev mudou drasticamente, agora com comparações que comparam a Ucrânia a um “homem que se afoga” . Como explica a Associated Press :

Os líderes polacos compararam a Ucrânia a uma pessoa que se afoga e afunda o seu ajudante e ameaçaram expandir a proibição de produtos alimentares provenientes do país devastado pela guerra. Entretanto,  o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy,  sugeriu que os aliados da UE que proíbem as importações de cereais do seu país estão ajudando a Rússia.

Agora, as autoridades polacas, que estão tentando  vencer as eleições parlamentares  no próximo mês com a ajuda dos votos dos agricultores, estão expressando consternação com algumas das últimas medidas da Ucrânia, incluindo uma  queixa da Organização Mundial do Comércio  sobre as proibições de cereais ucranianos provenientes da Polônia e de dois outros países da UE.

Em palavras surpreendentemente concisas ditas aos repórteres à margem da Assembleia Geral da ONU, o presidente polaco Andrzej Duda disse na terça-feira: “A Ucrânia está a comportar-se como uma pessoa que se afoga, agarrada a tudo o que está disponível”.

Ele então disse: “Uma pessoa que está se afogando é extremamente perigosa, capaz de puxar você para as profundezas… simplesmente afogando o salvador.” Dadas as perdas da Ucrânia no campo de batalha e uma vez que o país está atualmente atolado numa contra-ofensiva fracassada, as palavras sem dúvida doeram. Mas, como The Hill observa ainda mais sobre o contexto político interno na Polónia :

Contudo, o sentimento público em torno desta questão começou a deteriorar-se, colocando o partido no poder numa posição difícil antes das eleições apertadas de Outubro. O partido de extrema-direita Confederação espera capitalizar o apoio cada vez menor no país . 

A Reuters informou  que uma sondagem recente mostrou que o apoio aos refugiados ucranianos caiu de 91 por cento quando a guerra começou para apenas 69 por cento recentemente. A mesma pesquisa mostrou que um quarto dos polacos é contra o apoio aos refugiados, em comparação com 4% no início de 2022.

Em resposta à proibição dos cereais, Zelensky, durante o seu discurso na ONU, condenou o comportamento “alarmante” dos aliados em relação à proibição das importações, mas sem nomear especificamente a Polônia. Além disso, Kiev anunciou planos para processar Varsóvia na Organização Mundial do Comércio, ao mesmo tempo que mantém a possibilidade do seu próprio embargo aos produtos alimentares polacos, incluindo cebolas, tomates, couves e maçãs. Novamente, tudo isso representa uma crise diplomática total para Zelensky, que não poderia ocorrer em pior momento, já que ele está em Washington DC, em encontro com os seus manipuladores

Para revisar, estes são alguns dos principais desenvolvimentos e retrocessos apenas nos últimos dias:

  • Zelensky demitiu pelo menos 6 altos funcionários da defesa por corrupção, depois de recentemente demitir [transferir para a embaixada em Londres !!] o antigo ministro da Defesa, Oleksii Reznikov, em meio a uma investigação de corrupção.
  • A porta-voz transgênero americano [que pensa que é mulher] das Forças de Defesa Territorial da Ucrânia, Sarah Ashton-Cirillo, foi suspensa indefinidamente pelos militares ucranianos  em um desastre embaraçoso de relações públicas quando pediu o assassinato de jornalistas russos.
  • O New York Times publicou um artigo que dizia que um míssil disparado pela Ucrânia – e não pela Rússia  –  atingiu um movimentado mercado civil matando vários civis …marcando uma reviravolta inesperada das pre$$tituta$ nos meios de comunicação de mídia. 
  • Biden ainda não prometeu quaisquer novas armas para a Ucrânia, uma vez que Zelensky está nos EUA, e há relatos de que os mísseis de longo alcance ATACMS não serão aprovados .

E o mais importante, há isso pelo Politico…

Novo: Os senadores estão se preparando para dar a Zelenskyy algumas notícias difíceis amanhã de que, diante da oposição do Partido Republicano à ajuda – e da paralisação do [orçamento do] governo – eles podem estar mandando-o para casa de mãos vazias

De acordo com o novo relatório de quarta-feira :

A prestação de qualquer nova ajuda à Ucrânia para ajudar na defesa contra a Rússia, ainda este ano, parece mais difícil do que nunca .

Os obstáculos estão se acumulando : os republicanos da Câmara são céticos em relação a qualquer dinheiro novo. Além do mais, a sua disfunção ameaça levar o governo a uma paralisação – uma medida que certamente não deixa Zelenskyy mais perto de obter os bilhões solicitados pela administração Biden. Os republicanos do Senado, entretanto, estão divididos sobre a possibilidade de continuar a fornecer ajuda humanitária, argumentando que o resto da Europa precisa de intensificar a sua ação .

Como se estivesse plenamente consciente de que a torneira à custa dos contribuintes dos EUA pode acabar, Zelensky tem-se reunido em Nova Iorque com um quem é quem dos principais bancos, fundos de cobertura e investidores privados [em sua maioria judeus khazares, como ele mesmo]. 

A Fox Business, que divulgou a história, afirma que as reuniões em curso fazem parte de esforços mais amplos para garantir investimentos para reconstruir a Ucrânia e consertar infraestruturas destruídas :  

A reunião foi organizada pelo JPMorgan, o grande banco [Khazar] que serve como consultor financeiro de Zelenskyy para atrair capital privado para um novo fundo de investimento para reconstruir a infra-estrutura da Ucrânia destruída na guerra com a Rússia, segundo pessoas com conhecimento do assunto. 

No início da tarde, Zelenskyy se encontrou em particular com o CEO da BlackRock, Larry Fink [judeu khazar], dizem as fontes. A BlackRock [controlada por khazares] é a maior gestora de ativos do mundo e também tem aconselhado Zelenskyy sobre como atrair dinheiro do setor privado dos EUA para o esforço de reconstrução.

A lista de convidados, segundo fontes, inclui William Ackman, chefe do fundo de hedge Pershing Square Capital; Ken Griffin, do império de investimentos Citadel; Jonathan Gray, presidente e diretor de operações da potência de private equity Blackstone; Philipp Hildebrand, vice-presidente da BlackRock; Michael Bloomberg , ex-prefeito de Nova Iorque e fundador da Bloomberg LP; e Eric Schmidt , ex-CEO do Google e agora chefe da Schmidt Futures, uma organização filantrópica.

A visita de Zelensky amanhã à Casa Branca e o encontro planeado dele com o presidente republicano da Câmara, Kevin McCarthy, serão certamente interessantes.

Enquanto isso, para uma amostra e um indicador de quanto a maré está mudando – e a ótica muito diferente e moderada – especialmente em comparação com a última viagem de Zelensky a Washington (em dezembro de 2022), quando foi recebido com o status de estrela do rock, há isto do “porta voz” de Washington DC…

O presidente da Câmara, Kevin McCarthy, enfrentando uma rebelião de direita em suas fileiras e aumentando a resistência do Partido Republicano em ajudar a Ucrânia, recusou-se a convocar um fórum para o presidente Volodymyr Zelensky se dirigir aos membros da Câmara na quinta-feira, durante uma visita ao Capitólio.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *