Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Outro navio do Reino Unido Atacado e incendiado perto do Iêmen pelos rebeldes Houthis

Os últimos dias testemunharam mais de meia dúzia de ataques ou tentativas de ataques por parte dos Houthis a navios e petroleiros estrangeiros no Mar Vermelho. Por exemplo, os militares dos EUA confirmaram na terça-feira que dois petroleiros de propriedade dos EUA foram atingidos no dia anterior. Esses ataques ocorrem agora simultaneamente e várias vezes ao dia.

Outro navio do Reino Unido atacado e incendiado perto do Iêmen pelos rebeldes Houthis. Mar fica cheio de petroleiros deficientes

Na quinta-feira, o Pentágono disse que os navios da sua coligação no Mar Vermelho interceptaram mais seis drones sobre as águas ao largo do Iémen. Isto ocorreu depois que outro navio de propriedade do Reino Unido foi atingido e está supostamente em chamas e imóvel a cerca de 70 milhas náuticas a sudeste de Aden.

Um novo alerta da agência de Operações de Comércio Marítimo do Reino Unido (UKMTO) disse que o navio de propriedade britânica e de bandeira Palau foi atingido por dois mísseis enquanto viajava da Tailândia para o Egito.

Cada vez mais, as águas do Mar Vermelho ao largo do Iémen estão repletas de petroleiros desativados e afundando, como demonstrou a saga do Rubymar, com bandeira de Belize e registo britânico. No início da semana, foi atingido por fogo Houthi e a tripulação abandonou o navio que esta afundando. 

Há relatos de que os operadores do navio estão atualmente tentando rebocar o navio para Djibuti, e que ele permanece parcialmente abaixo da água, tendo a casa de máquinas sofrido graves danos. A BBC escreveu sobre uma imagem do Rubymar que circula amplamente que “diz-se que é de terça-feira e mostra um navio ainda acima da água.”

O cargueiro Rubymar, de propriedade do Reino Unido, no início desta semana, via BBC

Com base na taxa crescente destes ataques dos Houthis, espera-se que surjam mais imagens deste tipo de outros navios nas próximas semanas e meses, à medida que a guerra em Gaza continua.

Entretanto, os Houthis emitiram um novo alerta, formalizando a proibição da passagem de todos os navios estrangeiros (presumivelmente excluindo navios russos, chineses e iranianos, claro). De acordo com a notificação de quinta-feira :

A comunicação dos Houthis, a primeira à indústria naval delineando uma proibição formalizada, veio na forma de dois avisos do recém-denominado Centro de Coordenação de Operações Humanitárias dos Houthis, enviados às seguradoras e empresas de transporte marítimo .

Os navios que são total ou parcialmente propriedade de indivíduos ou entidades israelitas e navios com bandeira de Israel, ou que são propriedade de indivíduos ou entidades dos EUA ou do Reino Unido, ou que navegam sob as suas bandeiras, estão proibidos de navegar no Mar Vermelho, no Golfo de Áden e no Mar da Arábia, avisos disseram nesta quinta-feira. .

“O Centro de Operações Humanitárias foi estabelecido em Sanaa para coordenar a passagem segura e pacífica de navios e embarcações que não têm ligação com Israel”, disse um oficial Houthi à Reuters.

De acordo com as últimas informações do porta-voz militar Houthi na quinta-feira: “Em resposta à agressão dos EUA-Reino Unido, as forças armadas do Iêmen realizaram 3 operações”...

  • O lançamento de uma série de mísseis balísticos e drones contra vários alvos em Umm al-Rashrash (Eilat), ao sul da Palestina ocupada.
  • O ataque a um navio britânico “ISLANDER” no Golfo de Aden, utilizando mísseis anti-navio. O navio foi atingido diretamente, causando um incêndio a bordo.
  • O ataque a um contratorpedeiro americano (navio de guerra) no Mar Vermelho usando vários drones kamikaze.

Tamas Varga, do corretor de petróleo PVM, escreveu numa nova nota: “Na verdade, os ataques Houthis a navios de carga estão intensificando-se no Mar Vermelho e em torno do Golfo de Aden”.  A coligação liderada pelos EUA denominada Operação Prosperity Guardian não dissuadiu estes ataques. Na verdade, eles apenas fizeram aumentar.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *