Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Para Entender os Globalistas, devemos compreender seu sistema de Crença Psicopático

No final dos anos 1800 e início dos anos 1900, o mundo ocidental experimentou uma súbita explosão de interesse pelo ocultismo entre as elites ultra-ricas do ocidente. A ascensão da “Teosofia” de madame Blavatsky estava em andamento, tornando-se uma espécie de tendência da moda que acabaria por preparar o terreno para o que mais tarde seria chamado de espiritismo da “nova era”. O principal impulsionador do movimento teosófico foi um pequeno grupo de acadêmicos obscuros liderados em parte por uma mulher russa chamada H.P. Blavatsky. O grupo era obcecado pela crença esotérica, pelo gnosticismo, misticismo e até pelo luciferianismo.

Fonte: Alt-Market.us, – De autoria de Brandon Smith

Blavatsky foi cofundadora da Sociedade Teosófica em Nova Iorque em 1875, alegando que tinha uma ligação psíquica com seres chamados “os Mahatmas” ou “Os Mestres”. Essas criaturas, afirmou ela, ajudaram-na a escrever os livros fundamentais da Teosofia, incluindo “Ísis Sem Véu” e “A Doutrina Secreta”.

Menciono a Teosofia e Blavatsky porque o movimento que ela ajudou a lançar era principalmente elitista – a propagação do ocultismo no início dos anos 1900 visava especificamente as classes altas e isto resultou no envolvimento de muitos líderes políticos e líderes financeiros em organizações obscuras com mandatos secretos.

Tais grupos sempre existiram no passado, desde os Rosacruzes e Maçons até aos alquimistas da Idade Média que escondiam as suas crenças ocultas em textos codificados. No entanto, nunca antes eles haviam sido tão públicos em seus esforços.

Para seu crédito, os primeiros teosofistas eram em sua maioria apolíticos (pelo menos externamente) e argumentavam contra a intrusão política na vida das pessoas. Suspeito, no entanto, que isto se devia ao fato de, naquele momento, os governos ocidentais girarem em torno de valores cristãos e conservadores. À medida que os políticos se tornaram mais separados do Cristianismo, o interesse teosofista em controlar o governo cresceu e o movimento tornou-se cada vez mais socialista na sua prática.

Invariavelmente, esses sistemas espirituais giravam em torno de divindades pagãs do passado, muitas delas de origem babilônica ou do antigo Egito. Dito isto, há também numerosas menções na Teosofia de uma figura em particular – Lúcifer, também referido como “o Portador da Luz, o anjo da luz, o Prometeu (simbolicamente), o dragão, a estrela da manhã e Satanás”.

Os luciferianos modernos negarão consistentemente que o nome “Lúcifer” tenha algo a ver com a figura bíblica de Satanás, mas isso é uma mentira. A própria Blavatsky trata as duas figuras como sinônimos em “A Doutrina Secreta”. Como ela admite em seu livro:

“… E agora está provado que Satanás, ou o Dragão Vermelho de Fogo, o ‘Senhor do Fósforo’, e Lúcifer, ou ‘Portador da Luz’, está em nós: é a nossa Mente…”

Blavatsky, citando textos herméticos da Doutrina Secreta, também repete o mantra:

“ É Satanás o deus do nosso planeta e o único deus…”

Luciferianos e ocultistas também argumentarão que a Bíblia cristã menciona o nome “Lúcifer” apenas uma vez e que as duas figuras não estão associadas. Isto é mais uma vez uma mentira por omissão. De fato, a Bíblia menciona o “portador da luz”, o “anjo de luz” e o “dragão” em referência a Satanás em múltiplas ocasiões, e todos estes nomes são usados ​​pelas elites para descrever a figura a que chamam Lúcifer.

Como mencionado em Coríntios 11:14 –  “E não é de admirar, porque o próprio Satanás se disfarça em anjo de luz…”

Por outras palavras, quando qualquer grupo elitista menciona termos como “portador da luz” ou Lúcifer, está de fato a referir-se a Satanás. Não é apenas uma questão de discussão arquetípica, de semântica, isto é de fato uma parte da sua religião. Mas nos nossos tempos modernos algumas pessoas podem dizer “quem se importa?” É tudo magia e fantasia mítica, certo?

Eu responderia com uma pergunta:  Você acha que as crenças religiosas profundamente arraigadas das pessoas com poder financeiro e político são importantes na forma como eles tomam suas decisões? Suas crenças não ajudariam a explicar por que eles fazem as coisas que fazem?  

Se quisermos saber porque é que os globalistas e muitos oligarcas estão envolvidos numa guerra muito real contra as mentes e os corpos das massas, não podemos ignorar as suas motivações religiosas. O que parece fantasia para alguns é MUITO real para os globalistas/oligarcas.

Por exemplo, muitos sabem que o prédio das Nações Unidas em Nova Iorque possui  uma biblioteca ocultista. Mas poucas pessoas sabem que foi construído por um grupo chamado Lucifer Publishing Company (mais tarde alterado para Lucis Trust). Lucis Trust cita constantemente os escritos de HP Blavatsky como inspiração para sua organização. A ONU continua a se associar ao Lucis Trust até hoje. O próprio cerne do globalismo gira em torno dos ideais luciferianos.

Mas não importa o que você ou eu pensamos sobre essas coisas. Não importa se você vê tais conceitos como metafóricos, simbólicos ou imaginários. ELES acreditam, e por isso devemos explorar o que essas crenças significam.

Antes de 1800, os ocultistas engajados no luciferianismo teriam sido queimados na fogueira se fossem descobertos. Estou começando a pensar que talvez essa tenha sido a maneira correta de lidar com essas pessoas o tempo todo. Mas para compreender o porquê, temos de olhar para a progressão desse sistema de crenças, quase uma religião e porque é que ele conduz inevitavelmente ao relativismo moral e à autodestruição social.

Para os teosofistas, Lúcifer/Satanás é uma espécie de figura heróica. Quando argumentam que Lúcifer “não é Satanás”, o que querem dizer é que a sua versão de Satanás é diferente da versão atribuída pelo Cristianismo. Por outras palavras, imagine que um grupo de pessoas pegasse numa figura famosamente maliciosa como Joseph Stalin e depois inventasse uma história totalmente diferente para ele, na qual ele é um filantropo incompreendido em vez de um maníaco genocida. Isso é essencialmente o que é o luciferianismo.

Na revista Teosófica intitulada ‘Lúcifer’ publicada na década de 1880, Blavatsky e seu grupo passam várias páginas tentando separar o termo Lúcifer do Diabo/satanás, ao mesmo tempo que defendem a mitologia do diabo e o pintam como um personagem caluniado pela cultura cristã.

Na versão deles da história de Gênesis, por exemplo, a serpente era o “mocinho” trazendo o fruto do conhecimento para Adão e Eva. Eva é venerada como uma figura raiz na teosofia e no feminismo (um movimento que os teosofistas ajudaram a criar), porque sem Eva a serpente nunca teria sido capaz de fazer Adão consumir o fruto.

O fruto como representação da gnose (conhecimento) é a chave do luciferianismo e do culto globalista. Como argumentaram muitos ateus que encontrei no passado, o conhecimento não é uma coisa intrinsicamente boa? E se esse “deus” bíblico do gênesis está punindo a humanidade por desenvolver o conhecimento, isso não faz deste “deus” um vilão? Este argumento ignora o tema subjacente – o conhecimento por si só não é bom ou mau, mas o mal prospera quando as pessoas começam a adorar o conhecimento em detrimento de todo o resto [mas e principalmente, ao desenvolver o “conhecimento”, qual o USO que se faz dele é que é fundamental]. A aplicação do conhecimento sem sabedoria, desapego, e disciplina moral é muito perigosa.

Como o Dr. Ian Malcolm afirma brilhantemente no filme Jurassic Park:

“ Sim, sim, mas seus cientistas estavam tão preocupados se conseguiriam ou não que não pararam para pensar se deveriam.”

Os Luciferianos admitem abertamente que o objetivo da sua ideologia é buscar o conhecimento até que os seres humanos se tornem ‘deuses’. Essa paixão pela divindade é o que leva ao grande mal; é uma ilusão que envenena a mente e encoraja um comportamento moralmente relativo, para não mencionar uma sede generalizada de poder. Pense no aspecto tecnológico por um momento. Consideremos os numerosos programas globalistas para expandir a inteligência artificial e concretizar o que chamam de “transumanismo”.

Este é um tipo de adoração ao conhecimento que tem implicações terríveis para o futuro. Mentes frias e psicopáticas como a do historiador judeu khazar Yuval Noah Harari, um consultor do também khazar e CEO do WEF-Fórum Econômico Mundial, considera a maioria da humanidade como perfeitamente sacrificável e ele fala sobre isso de maneira aberta.

“Os humanos agora são ANIMAIS hackeaveis, Toda a ideia de os humanos terem “Alma” ou “Espírito”, e ninguém sabe o que esta acontecendo dentro deles, e que os humanos tem Livre Arbítrio, ACABOU”. Decretou o ativista LGBTQ+, um transumanista casado com outro homem, um judeu khazar ateu . . .do alto de sua arrogância.

A integração da tecnologia no estado de vigilância para governar a sociedade já é suficientemente má, mas o que acontece quando os seres humanos começam a integrar a tecnologia na sua própria biologia? Será que isso acabará por apagar qualquer aparência do que chamamos de “alma”? Afinal, as máquinas não sentem, nem refletem sobre suas ações.

O que acontece quando os humanos se distorcem para se tornarem mais parecidos com máquinas? Irá o transumanismo tornar-se um movimento que sufoca todo o amor e empatia, removendo a bússola moral e transformando-nos numa mente coletiva demoníaca controlada por uma I.A. desprovida de pensamento individual?

Os globalistas afirmam que não existe alma, nem identidade individual, nem bússola moral.  Da perspectiva deles, não há perigo de adotar a tecnologia como um caminho para a divindade, porque nada seria perdido; e aqui vemos a verdadeira natureza do luciferianismo em ação. Uma representação perfeita deste cancer é o porta-voz do Fórum Económico Mundial, Yavul Harari – um homem que diz a parte calma em voz alta e promove regularmente os princípios mais sombrios do luciferianismo.

Para compreender o que é o luciferianismo, pense nele como o antideus; uma guerra contra a natureza, ou uma guerra contra o estado natural da humanidade disfarçada de “iluminação”. É por isso que os globalistas tentam impor a visão extremamente oposta de toda disposição natural que rege a vida. A noção dos seres humanos como uma tábula rasa à qual Yuval Harari se apega é uma dessas narrativas falsas. É uma filosofia que foi desmascarada por inúmeros estudos psicológicos e antropológicos.

De Carl Jung a Joseph Campbell, a Steven Pinker e além, todas as evidências científicas sugerem que os seres humanos têm qualidades e características psicológicas inerentes desde o nascimento. Alguns deles são exclusivos da pessoa, alguns são arquétipos e ideias universais que a maioria das pessoas compartilha (como consciência e bússola moral) e adota culturalmente. Se não tivéssemos essas qualidades intrínsecas, a humanidade teria sido extinta há milhares de anos. Ainda não sabemos exatamente de onde elas vêm, apenas sabemos que sem elas não somos mais seres humanos.

Há, no entanto, uma certa percentagem de pessoas (1% ou menos) que na verdade não possuem esses traços de caráter humano inatos. Eles são geralmente conhecidos como psicopatas e sociopatas, e seu comportamento é muito semelhante ao dos globalistas. Há muito que defendo a teoria de que a cabala globalista é, na verdade, um culto de psicopatas de funcionamento intelectual superior.

A sua falta de empatia e de consciência, imoralidade e permissividade, a sua sede de divindade e omnipotência, o seu desejo de alcançar uma vigilância abrangente da população, de saber tudo sobre nós em todos os momentos, de ter controle total sobre o ambiente e a sociedade, a auto-imagem narcisista de um governante supremo que é adorado pelas massas, e a ilusão de que serão capazes de ler mentes e prever o futuro usando tecnologia. Estas são as suas fantasias dementes e psicopáticas, e eles estão dispostos a persegui-las por qualquer meio necessário.

Mas mesmo os psicopatas às vezes precisam de uma estrutura fundamentalista para manter a organização e inspirar devoção dentro de um grupo. Faz todo o sentido que eles escolham o luciferianismo como religião.

A sua filosofia de hedonismo excerbado “faça o que quiseres” assume a ideia de liberdade e remove toda a responsabilidade – é uma visão degenerada, corrupta e permissiva da liberdade, em vez de uma visão baseada em princípios. A liberdade, pensam eles, é apenas para pessoas como eles; as pessoas dispostas a profanar tudo em seu caminho e derrubar a ordem natural.

Como psicopatas, eles são desprovidos de conteúdos internos inatos naturais e são mais robóticos que humanos. Portanto, não é surpresa que pessoas como Harari argumentem que não há alma, não há espírito, não há liberdade (para você) e que as máquinas são capazes da mesma criatividade que os humanos. Uma pessoa vazia, como este ateu khazar, sem alma ou criatividade, presumirá que todas as outras pessoas são vazias. Uma pessoa imoral como este ateu khazar também será obrigada a provar que todos os outros são tão imorais quanto ela. Ou será obrigado a provar que é superior a todos os outros porque abraçou a sua imoralidade e permissividade.

Será que as elites e oligarcas realmente acreditam num verdadeiro “demônio” com cascos, chifres e um forcado? Não sei. O que importa, porém, é o impulso filosófico do seu cultismo. O seu objetivo é convencer a maioria da população de que não existe bem e que não existe mal. Tudo está vazio. Tudo é relativo às demandas do momento e às demandas da sociedade. É claro que eles querem controlar a sociedade, então tudo seria realmente relativo às SUAS demandas.

Se você quiser ver algo verdadeiramente demoníaco, imagine um mundo em que toda verdade inerente seja abandonada em prol da percepção subjetiva. Um mundo que atende às preferências dos psicopatas sem nenhum imperativo ético e moral. Um mundo onde os fins sempre justificam os meios e que a busca pelos prazeres sensoriais não tem limites.

Este é o caminho luciferiano e o caminho globalista e de muitos oligarcas. E não importa o quanto eles neguem, a realidade das suas crenças é visível nos frutos do seu trabalho. Aonde quer que eles vão, por onde eles passam, a destruição, o engano, a manipulação, a permissividade, a subversão, a vilania, a mentira, o caos e a morte os seguem.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *