Putin e a ‘Montanha Multipolar’ mágica

Houve uma espécie de sopro de ‘A Montanha Mágica‘ de Thomas Mann na 20ª reunião anual de Valdai esta semana em um hotel nas lindas alturas de Krasnaya Polyana. a noroeste do pitoresco resort em Sochi, na Rússia. Mas em vez de mergulharmos profundamente na sedução e na degenerescência das ideias numa comunidade introvertida nos Alpes Suíços, às vésperas da Primeira Guerra Mundial, mergulhamos em ideias novas e poderosas, expressas por uma comunidade de intelectuais da Maioria Global, nas possíveis vésperas da uma Terceira Guerra Mundial pretendida por psicopatas neocons do Hospício Ocidental.

Putin e a ‘Montanha Multipolar’ mágica

Fonte: Sputnik-Moscou

E depois, claro, o Presidente Putin interveio, atingindo a sessão plenária como um raio. Este é um resumo Top Ten não oficial de seu discurso, antes das perguntas e respostas que foram caracteristicamente envolventes:

  • “Eu até sugeri aderir à OTAN pela Rússia. Mas não, a OTAN não precisa de um país como o nosso (…) Aparentemente, o problema são os interesses geopolíticos e uma atitude arrogante para com os outros.”
  • “Nunca iniciamos a chamada guerra na Ucrânia. Estamos tentando acabar com isso.”
  • “No sistema internacional, a ilegalidade reina suprema.”
  • “Esta não é uma guerra territorial. A questão é muito mais ampla e fundamental: trata-se dos princípios sobre os quais uma nova ordem mundial será construída.”
  • “A história do Ocidente é uma crônica de expansão sem fim e de uma enorme pirâmide financeira.”
  • “Uma certa parte do Ocidente sempre precisa de um inimigo. Para preservar o controle interno de seu sistema.”
  • “Talvez [o Ocidente] devesse controlar a sua arrogância.”
  • “Essa era [de dominação ocidental] já passou. Nunca mais vai voltar.”
  • “A Rússia é um estado-civilização distinto”.
  • “Nossa compreensão da civilização é bem diferente. Primeiro, existem muitas civilizações. E nenhuma delas é melhor ou pior que as outras. São iguais, como expressões das aspirações das suas culturas, das suas tradições, dos seus povos. Para cada um de nós é diferente.”

A caminho da “multipolaridade assíncrona”

O tema do Valdai 2023 foi, mais apropriadamente, “Multipolaridade Justa”. Os principais eixos de discussão foram apresentados neste  relatório provocativo e detalhado . É como se o relatório tivesse preparado o terreno para o discurso de Putin e as suas respostas cuidadosamente elaboradas às perguntas do plenário.

O conceito de multipolaridade no espaço russo foi articulado pela primeira vez pelo grande e falecido Yevgeny Primakov em meados dos anos noventa. Agora, o caminho para a multipolaridade baseia-se no conceito de “paciência estratégica” do Ministro dos Negócios Estrangeiros, Sergey Lavrov.

Numa cornucópia entrecruzada de Estados-nação, blocos maiores, blocos de segurança e blocos históricos ideológicos, estamos agora mergulhados em mega-alinhamentos – mesmo enquanto o Ocidente político cultiva as suas ambições universalistas. O “não-bloco” eurasiano é na verdade um mega-alinhamento, tal como o revitalizado Movimento dos Países Não-Alinhados (NAM), que encontra a sua expressão no G77 (na verdade formado por 134 nações).

O caminho ideal a seguir poderia ser o horizontalismo – no sentido Deleuze-Guattari – onde teríamos 200 Estados-nação iguais. É claro que o Ocidente coletivo não permitirá isso. Andrey Shushentov, Reitor da Escola de Relações Internacionais da Universidade Moscow State Institute of International Relations (MGIMO), propõe a noção de “multipolaridade assíncrona”. Radhika Desai, da Universidade de Manitoba, (Canadá) propõe a “pluripolaridade” – tomando emprestado de Hugo Chávez.

O risco, tal como expresso pelo cientista político turco Ilter Turan, é que, ao tentar construir uma réplica do atual sistema ocidental doente através, por exemplo, do  BRICS+6, possamos estar correndo para um sistema paralelo que simplesmente não consegue organizar-se como líder de um nova ordem. Assim, um resultado claramente possível é um sistema bipolar – considerando a impossível convergência de valores comuns.

Ao mesmo tempo, uma perspectiva do Sudeste Asiático, expressa pelo Presidente da Academia Diplomática do Vietnam, Pham Lan Dung, aponta para o que é realmente relevante para os países médios e pequenos: tudo deve prosseguir com base nas amizades Sul-Sul.

O Banco BRICS: é complicado

Num dos principais painéis sobre  o BRICS como protótipo de uma nova arquitetura internacional , a estrela da mostra foi o economista brasileiro Paulo Nogueira Batista Jr, que valeu-se de sua vasta experiência anterior no FMI e como vice-presidente do NDB – o Banco BRICS – para uma apresentação realista.

O principal problema do banco NBD é como manter a unidade enquanto navega na política de poder e alcança as próximas fases de desdolarização.

Batista descreveu como uma nova arquitetura financeira internacional pode implicar uma futura moeda comum. Ele enfatizou o sucesso da implementação de duas experiências práticas: um  fundo monetário dos BRICS  (chamado Acordo de Reserva Contingente, CRA) e um banco multilateral de desenvolvimento, o NDB.

No entanto, o progresso “tem sido lento”. O fundo monetário “foi congelado pelos cinco Bancos Centrais” e deve ser ampliado. As ligações com o FMI “devem ser cortadas”, mas isso incorre em “resistência feroz” por parte dos cinco bancos centrais dos membros do BRICS (que em breve serão 11).

Reverter o NDB será uma tarefa de Sísifo. O desembolso de empréstimos, bem como a implementação de projetos têm sido “lentos”. O dólar americano “é a unidade de conta do banco” – o que por si só é contraproducente. O NDB está longe de ser um banco global: até agora apenas três países aderiram. A atual presidente do NDB, Dilma Rousseff, tem apenas dois anos para reverter a situação.

Batista observou como a ideia da moeda comum veio pela primeira vez da Rússia e foi imediatamente abraçada por Lula quando este era presidente do Brasil na década de 2000. O conceito R5 – as moedas de todos os atuais cinco membros do BRICS começam com “R” – pode perdurar; mas agora isso terá que ser expandido para R+6.

O primeiro passo substancial, após a renovação do NBD, deveria ser uma moeda de um banco emissor apoiada por obrigações garantidas pelos países membros, livremente convertíveis, com swaps cambiais denominados em R5.

Uma perspectiva saudável é que a Rússia nomeie o próximo presidente do banco a partir de 2025. Portanto, o caminho a seguir depende substancialmente da Rússia e do Brasil, enfatizou Batista. Na cúpula dos BRICS+6 em Kazan, no sudoeste da Rússia, no próximo ano, “uma decisão fundamental deverá ser tomada”. E durante a presidência brasileira do BRICS em 2025, “os primeiros passos práticos deverão ser anunciados”.

Procurando por uma nova universalidade

Quase todos os painéis em Valdai centraram-se na forma de desenvolver um sistema alternativo, mas os dois temas principais foram inevitavelmente a falta de democracia nas atuais instituições internacionais e a transformação do dólar americano em arma. Batista observou corretamente como os  próprios EUA são o principal inimigo do dólar americano quando o utilizam como arma.

Nas perguntas e respostas, Putin abordou a questão fundamental dos corredores econômicos. Ele observou como a iniciativa Nova Rota da Seda-BRI e a  União Económica da Eurásia  (EAEU) podem ter interesses diferentes: “Não é verdade. Eles são harmoniosos e se complementam”. Isto reflete-se na forma como estão orientados para “garantir novas rotas logísticas e cadeias industriais”, e tudo isso “complementado pelo setor produtivo real”.

No futuro, há uma necessidade premente de cunhar uma nova terminologia para esta nova “universalidade” emergente – mesmo que as nações continuem a comportar-se na maioria das vezes seguindo os interesses nacionais.

O que está claro é que a [pseudo] “universalidade” coletiva do Ocidente já não é válida. Um notável painel sobre a “Civilização Russa ao Longo dos Séculos” mostrou como a noção de “universalidade” entrou efetivamente na civilização Ocidental através de São Paulo – depois do seu momento em Damasco – enquanto a Índia a noção de equilíbrio inerente aos Upanishads seria muito mais apropriada.

Ainda assim, estamos agora num debate acalorado sobre a noção de “Estado-civilização”, tal como configurado principalmente pela Índia e pela China, pela  Rússia e pelo Irã.

Pierre de Gaulle, neto do icônico General, expandiu a noção francesa de universalidade, incorporada no muito citado slogan “liberté, egalité, fraternité” – não exatamente defendido pelo Macronismo. Fez questão de sublinhar que era o “único representante da França” em Valdai (apenas um punhado de acadêmicos europeus veio a Sochi, e nenhum diplomata).

De Gaulle lembrou a todos como São Simão era um russófilo e como Voltaire se correspondia com Catarina, a Grande. Ele aludiu aos profundos laços culturais franco-russos; uma “comunidade de interesses compartilhada”; e “o vínculo do cristianismo”.

Em contraste, o que é crucial é que “os EUA nunca aceitaram que a Rússia pudesse desenvolver-se sob um modelo diferente”. E agora isso é ilustrado pelo “quão pouco as elites intelectuais de hoje no Ocidente sabem sobre a Eurásia”.

De Gaulle enfatizou que “o erro trágico é ver a Rússia através dos [vesgos e míopes] olhos ocidentais”. Ele invocou Dostoiévski ao lamentar a atual “destruição dos valores familiares” e o “vazio existencial” inerentes ao processo de fabricação do consentimento. Prometeu “lutar pela independência”, tal como o seu avô, sob o selo da “fé, família e honra”, e sublinhou “devemos repensar a Europa”, convidando “os aproveitadores da guerra a virem para a Rússia”.

Topo da Colina: Catedral ou Fortaleza?

Para além de Valdai, e especialmente durante o ano crucial de 2024 – enquanto a Rússia detém a presidência dos BRICS+6 – haverá muito mais discussão sobre “polos” de civilizações antigas. Uma ampla coligação de Estados que apoiam a multipolaridade, na verdade, não apoia o conceito de “civilização”; em vez disso, apoiam a noção de soberania popular.

Coube a Dayan Jayatilleka, antigo embaixador plenipotenciário do Sri Lanka na Rússia, apresentar uma formulação brilhante.

Ele mostrou como  o Vietnam  enfrentou com sucesso uma guerra por procuração contra o hegemon – “usando 5.000 anos de civilização vietnamita”. Esse foi “um fenômeno internacionalista”. Ho Chi Minh inspirou-se nas ideias de Lenin – ao mesmo tempo que gozava de total apoio de estudantes nos EUA e na Europa.

A Rússia poderá, portanto, aprender com a experiência vietnamita como conquistar corações e mentes jovens em todo o Ocidente para a sua busca pela multipolaridade.

Ficou claro para a esmagadora maioria dos analistas de Valdai que o conceito de civilização russa é um “desafio existencial” para os psicopatas do hospício do Ocidente coletivo. Especialmente porque inclui, historicamente, a universalidade radical da União Soviética. Agora é hora de os pensadores russos trabalharem arduamente para refinar o aspecto internacionalista.

Alexander Prokhanov apresentou outra formulação surpreendente. Ele comparou o sonho russo a uma catedral no topo de uma colina, enquanto o sonho anglo-saxão é uma fortaleza no topo de uma colina, sujeita a vigilância constante. E se você se comportar mal, “receberá alguns Tomahawks”.

A conclusão: “Estaremos sempre em conflito com o Ocidente”. E daí? O futuro, como discuti em off com o Grão-Mestre Sergey Karaganov, um dos fundadores de Valdai, está no vasto Oriente. E foi Karaganov quem, sem dúvida, colocou a questão mais desafiadora a Putin. Ele enfatizou como a dissuasão nuclear não funciona mais. Então, deveríamos diminuir o limiar nuclear?”

Putin respondeu:

“Estou bem ciente da sua posição. Deixe-me lembrá-lo de que a doutrina militar russa tem duas razões para o possível uso de armas nucleares. A primeira é se armas nucleares forem usadas contra nós – como retaliação. A nossa resposta é absolutamente inaceitável para qualquer potencial agressor. Porque a partir do momento em que um lançamento de míssil é detectado, não importa de onde ele venha – de qualquer lugar dos oceanos do mundo ou de qualquer território – num ataque de retaliação, tantas, tantas centenas de nossos mísseis aparecem no ar que nenhum inimigo terá uma chance de sobrevivência, e em várias direções ao mesmo tempo.”

A segunda razão é “uma ameaça à existência do Estado russo, mesmo que apenas sejam utilizadas armas convencionais”.

E então veio o argumento decisivo – na verdade, uma mensagem velada para os personagens cujo sonho é a “vitória” através de um primeiro ataque nuclear:

“Precisamos mudar isso? Por que? Não vejo sentido. Não há situação em que algo possa ameaçar a existência do Estado russo. Nenhuma pessoa sã consideraria o uso de armas nucleares contra a Rússia”. 

Mas uma grande pergunta deve ser feita, existe alguma pessoa SÃ no hospício ocidental, povoado por psicopatas com sonhos de grandeza?


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.326 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth