Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Revelado projeto da CIA sobre como ‘Viajar no Espaço-Tempo’ com a Mente

Molecular Thoughts

Em 2017, a CIA desclassificou cerca de 12 milhões de páginas de documentos revelando detalhes até então desconhecidos sobre o programa, que viria a ser conhecido como Projeto Stargate.  Quando o programa foi encerrado em 1995, médiuns conhecidos como “telespectadores” haviam participado de muitas operações secretas, desde localizar reféns sequestrados por grupos terroristas islâmicos até rastrear criminosos que fugiam para os EUA. Mas agora, os usuários do TikTok descobriram um relatório da CIA de quase quatro décadas atrás, que afirma que as pessoas podem viajar no tempo e no espaço usando suas mentes usando uma técnica chamada Experiência de Gateway. [“Gateway Process Analysis and Evaluation“]

Descoberto Relatório da CIA sobre como ‘Viajar no Espaço-Tempo’ com a Mente

Fonte:  Segni dal Cielo

Durante o período tenso da Guerra Fria, o governo dos Estados Unidos tentou implantar uma nova arma poderosa contra a União Soviética: os médiuns e sua habilidade de “Visão Remota“. Em um projeto altamente classificado conduzido em um laboratório de pesquisa da Califórnia na década de 1970 e, posteriormente, em uma base do Exército em Maryland, a CIA, o Exército e a Agência de Inteligência de Defesa [DIA] recrutaram homens e mulheres que tinham capacidades psíquicas de percepção extra-sensorial (ESP) para ajudar a descobrir segredos militares do inimigo.

Em 2017, a CIA desclassificou cerca de 12 milhões de páginas de documentos revelando detalhes até então desconhecidos sobre o programa, que viria a ser conhecido como Projeto Stargate.

Quando o programa foi encerrado em 1995, médiuns conhecidos como “telespectadores remotos” haviam participado de muitas operações secretas, desde localizar reféns sequestrados por grupos terroristas islâmicos, rastrear criminosos que fugiam para os EUA e até mesmo rastrear civilizações extraterrestres em Marte.

Mas agora, os usuários do TikTok descobriram um relatório da CIA de quase quatro décadas atrás, que afirma que as pessoas podem viajar no tempo e no espaço usando suas mentes usando uma técnica chamada Experiência de Gateway. O relatório liberado em meio aos documentos da Cia, intitulado “Gateway Process Analysis and Evaluation“, foi escrito em 1983 pelo Tenente Coronel Wayne M. McDonnell do Exército dos EUA.

McDonnell descreveu o Gateway Experience como um sistema de treinamento em programa projetado para melhorar a força, o foco e a consistência da amplitude e frequência da saída das ondas cerebrais entre os hemisférios esquerdo e direito para alterar a consciência movendo-a para fora do caminho usual. para também escapar das restrições e limitações humanas de tempo e espaço.

Em termos mais simples, o Gateway Experience usa o som para manipular as ondas cerebrais a fim de criar um estado alterado de consciência no qual uma pessoa pode interagir com aspectos não físicos da “realidade”. Os usos práticos da técnica, de acordo com o relatório da CIA, incluem a manifestação de objetivos, a conversão de energia para curar o corpo e até mesmo viajar através do espaço e do tempo para acessar novas informações.

O relatório McDonnell concluiu que o Gateway Experience é de fato “plausível” em termos de ciência física e que poderia ter usos práticos na inteligência dos Estados Unidos, mas que mais pesquisas eram necessárias para expor suas descobertas preliminares.

O documento foi divulgado pela CIA em 2003 e passou completamente despercebido. Quase duas décadas depois, a Gateway Experience se tornou viral no TikTok. A popular tiktoker Abigail Carey (abby_careyyy), que tem mais de 500.000 seguidores, explicou o longo relacionamento em uma sequência de vídeo. Carey disse que o relatório da CIA confirma a meditação transcendental, a hipnose e a manifestação / biofeedback. Ela acredita que o motivo pelo qual o relatório não recebeu reconhecimento suficiente é que é muito longo e difícil de entender.

Segundo Carey, o documento explica literalmente: “Para onde vamos quando morremos, o que é ‘consciência’, nosso universo é um holograma, a viagem no tempo e como enviar mensagens telepáticas”. E de acordo com suas publicações, no último mês, dezenas de tiktokers gravaram vídeos compartilhando suas experiências usando a técnica Gateway Experience.

Como funciona a experiência da técnica Gateway Experience

O tenente-coronel Wayne M. McDonnell foi encarregado de explorar a Gateway Experience [Experiência do Portal] na década de 1980, numa época em que as agências de inteligência americanas estavam profundamente interessadas em várias formas de pesquisa psíquica. Os registros da CIA sugerem que o interesse se originou em grande parte da União Soviética também conduzindo suas próprias investigações sobre psicocinese e PES para fins de espionagem durante a Guerra Fria.

Mais especificamente, o Projeto Gateway foi baseado principalmente em “experiências da consciência humana fora do corpo”. O termo foi cunhado pelo pesquisador americano Robert Monroe, que começou a estudar os efeitos do som na consciência humana na década de 1950.

Na primeira parte do relatório, McDonnell discute três técnicas principais de alteração da consciência: hipnose, meditação transcendental e biofeedback, para explicar como eles lidam com a Gateway Experience [Experiência do Portal]. McDonnell diz que compreender essas três técnicas pode ajudar a estabelecer a base para atingir a meta do projeto.

A principal diferença entre essas técnicas e a Gateway Experience [Experiência do Portal] é que a última requer a criação de Hemi-Sync, um estado de consciência no qual a frequência e a amplitude dos padrões elétricos do cérebro em ambos os hemisférios são iguais. O relatório toma nota da definição do Instituto Monroe de Hemi-Sync e cita alguns estudos sobre os sons nas fitas que o instituto comercializou como capazes de criá-lo.

O Tenente Coronel explica como Hemi-Sync é alcançado com o que ele chama de Resposta de Rastreamento de Frequência (FFR), o que significa que se um sujeito ouvir um som produzido em uma frequência que emula um associado com a função cerebral, o cérebro humano tentará imitar a mesma frequência ajustando sua saída.

O cérebro humano funciona em uma frequência Beta quando a pessoa está totalmente acordada e em uma frequência Theta quando adormecida. Com o FFR, os pesquisadores podem induzir o cérebro a mudar de Beta para Theta, introduzindo uma frequência Theta externa. O relatório então segue para uma explicação mais abstrata de como a consciência é criada por meio do processamento de energia do cérebro. no mundo físico e transformando-o no que McDonnell compara a um “holograma”.

McDonnell descreve o universo como “um holograma gigantesco de incrível complexidade”. O holograma universal é composto de campos de energia que interagem em movimento e em repouso, e contém todas as fases do tempo: passado, presente e futuro. Os hologramas formados pela mente humana estão “em sintonia” com o holograma universal, com o hemisfério direito recebendo energia do holograma universal e o hemisfério esquerdo traduzindo-a no que conhecemos como a consciência.

Ao mudar a matriz de energia no cérebro, a Gateway Experience [Experiência do Portal] expande e altera a consciência humana de uma forma que permite que a mente perceba e compreenda cada vez mais o holograma universal. McDonnell continua explicando como a Gateway Experience [Experiência do Portal] pode permitir que uma pessoa transcenda o tempo e o espaço se a frequência do cérebro atingir um certo nível fora da faixa normal de percepção, ganhando acesso às dimensões do holograma universal que normalmente estão fora de alcance.

Em outras palavras, McDonnell descobriu que a Gateway Experience [Experiência do Portal] é real e possível, mas mais pesquisas eram necessárias para serem usadas pela CIA. Ele fez recomendações sobre como a agência deveria desenvolver mais estudos sobre o Gateway, embora não esteja claro se a agência os conduziu.

Curiosamente, o relatório de McDonnell está “faltando uma página”, a de número 25, no meio de uma seção que descreve os possíveis usos práticos do Gateway. A omissão atraiu a atenção de alguns investigadores que pediram à CIA, através do Change.org, um pedido de publicação. No entanto, a Agência Central de Inteligência disse que nunca teve tal página em sua posse, alimentando a teoria de que McDonnell a deixou propositalmente como um desafio para alguém dominar a a Gateway Experience [Experiência do Portal] por conta própria.

Sem dúvida, este é o mais interessante de todos os desafios que se tornaram virais na internet nos últimos anos. E se ainda havia dúvidas, reafirma também o interesse da CIA pelas habilidades psíquicas e seu uso na segurança de um país. E estamos convencidos de que eles continuam a usar essas “armas” ainda hoje, provavelmente muito mais “aperfeiçoadas”.


“O indivíduo é [TÃO] deficiente mentalmente [os zumbis], por ficar cara a cara, com uma conspiração tão monstruosa, que nem acredita que ela exista. A mente americana [humana] simplesmente não se deu conta do mal que foi introduzido em seu meio. . . Ela rejeita até mesmo a suposição de que as [algumas] criaturas humanas possam adotar uma filosofia, que deve, em última instância, destruir tudo o que é bom, verdadeiro e decente”.  – Diretor do FBI J. Edgar Hoover, em 1956


Mais informações, leitura adicional:

Permitido reproduzir desde que mantida a formatação original e a conversão como fontes.

phi-cosmoswww.thoth3126.com.br

0 resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *