Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Rússia vai Retaliar o Ataque ‘Terrorista’ em Moscou e aponta participação da Ucrânia. 11 ‘Terroristas’ são capturados

Volodymyr Zelensky-ucrania

O número oficial de mortos das autoridades russas na sequência do ataque terrorista de sexta-feira a uma sala de concertos num shopping center de Moscou  atingiu 133 mortos, com alguns relatórios não oficiais a dizer que pode haver 140 ou mais vítimas fatais, incluindo crianças. À medida que a cena de horror continua a ser processada e investigada, e dado que alguns dos hospitalizados estão em estado crítico, o número de mortos provavelmente aumentará.

Rússia vai Retaliar o Ataque ‘Terrorista’ em Moscou e aponta participação da Ucrânia. 11 ‘Terroristas’ são capturados

Fonte: Zero Hedge

Mais de 150 cidadãos russos, de todas as idades, ficaram feridos no ataque, que envolveu um grupo de agressores muito bem equipados atirando aleatoriamente contra multidões de civis cercados e desarmados enquanto caminhavam pelas dependências do shopping e entravam na sala de concertos.  Três crianças ainda estão hospitalizadas, sendo uma em estado crítico.

O shopping e o complexo da casa de shows Crocus City Hall parecem ter queimado por muitas horas durante a noite, com o fogo tendo sido iniciado pelos atiradores em uma ação coordenada para infligir a máxima destruição.

O Comitê Investigativo da Rússia disse mais tarde que mais corpos foram recuperados do prédio em chamas. É importante ressaltar que as autoridades anunciaram no sábado a captura de quatro supostos homens armados, também em meio a vídeos não confirmados nas redes sociais que pretendiam mostrar alguns dos supostos homens armados detidos.

Onze pessoas foram detidas no total devido ao ataque terrorista que o Serviço Federal de Segurança (FSB) disse incluir “quatro terroristas que estiveram diretamente envolvidos no ataque terrorista às dependências do Crocus City Hall “.

Após o tumulto de sexta-feira à noite no local nos arredores de Moscou, “os perpetradores tentaram escapar de carro, fugindo em direção à fronteira entre a Rússia e a Ucrânia“, disse o FSB no sábado. “Os criminosos pretendiam cruzar a fronteira entre a Rússia e a Ucrânia e tinham contatos relevantes em no lado ucraniano”,  alegou o comunicado do FSB.

Os quatro alegados homens armados foram detidos VIVOS “não muito longe da fronteira com a Ucrânia”. Isto levantou suspeitas no Kremlin sobre o envolvimento da Ucrânia, apesar dos relatos generalizados nos meios de comunicação social no Ocidente de que se tratava [convenientemente] do “grupo muçulmano” terrorista ISIS-K. Como observamos anteriormente, a mídia russa não fez eco aos relatórios ocidentais que destacam uma declaração de responsabilidade do ISIS-K.

Um dos terroristas da Prefeitura de Moscou Crocus foi capturado e está sendo interrogado. De quais nomes [dos MANDANTES] ele abrirá o bico?

Em vez disso, ao abordar a crise, o Presidente Vladimir Putin prometeu punir os autores do bárbaro ato terrorista, ao mesmo tempo que acusou a Ucrânia de ter preparado uma “janela” para ajudar os terroristas a escapar para o seu território.

A certa altura, durante o vídeo de cinco minutos e meio, Putin declarou :

“Todos os perpetradores, organizadores e clientes deste crime sofrerão uma punição justa e inevitável. Quem quer que sejam, quem quer que os oriente. Repito, iremos identificar e punir todos os que estão por trás dos terroristas, que prepararam esta atrocidade, este ataque à Rússia, ao nosso povo.”

Putin continuou apontando o dedo para a Ucrânia:

“Todos os quatro autores participantes diretos do ataque terrorista, todos aqueles que atiraram e mataram pessoas [inocentes], foram encontrados e detidos, foi preparado para que eles, do lado ucraniano, cruzassem a fronteira da Rússia . Um total de 11 pessoas foram detidas.”

Putin acrescentou então:

“O Serviço Federal de Segurança da Rússia [FSB] e outras agências de aplicação da lei estão trabalhando para identificar e descobrir toda a base cúmplice dos terroristas: aqueles que lhes forneceram transporte, traçaram rotas de fuga da cena do crime, prepararam esconderijos, forneceram armas e munições. O principal objetivo agora é evitar que aqueles que estão por trás deste banho de sangue cometam novos crimes”, sublinhou o líder russo.

ELES CAPTURARAM O TERCEIRO SUPOSTO TERRORISTA. Ele estava tentando se esconder nas florestas da região de Bryansk.

Mas tanto Washington como Kiev rejeitaram rapidamente qualquer narrativa sobre o envolvimento da Ucrânia. O porta-voz da Casa Branca, John Kirby, disse na sexta-feira:

“As imagens são simplesmente horríveis. Apenas difíceis de assistir, e nossos pensamentos obviamente estarão com as vítimas deste terrível, terrível ataque a tiros”, antes de enfatizar que não há “nenhuma indicação neste momento que a Ucrânia ou os ucranianos estiveram envolvidos no tiroteio.”

Autoridades de inteligência dos EUA falando ao The New York Times disseram que o Estado Islâmico (ISIS-K) estava por trás disso e alegaram que Washington até tentou alertar Moscou de que algum tipo de grande ataque terrorista estava por acontecer.

No início deste mês, a Embaixada dos EUA em Moscou emitiu um alerta de segurança apelando a todos os cidadãos dos EUA na Rússia para evitarem locais públicos. Desde então, isto levantou questões, levando o Ministério dos Negócios Estrangeiros da Rússia a exigir respostas sobre o que os funcionários dos serviços secretos dos EUA sabiam e quando é que o souberam.

O próprio governo ucraniano rapidamente procurou distanciar-se do ataque, com o conselheiro do presidente ucraniano Volodymyr Zelensky, Mykhailo Podolyak, afirmando o seguinte : 

” A Ucrânia certamente não tem nada a ver com os tiroteios/explosões na Prefeitura de Crocus (região de Moscou, Rússia)”, disse Podolyak em seu post. “Não faz sentido algum. Em primeiro lugar, a Ucrânia luta com o exército russo há mais de dois anos. E tudo nesta guerra será decidido apenas no campo de batalha”, continuou Podolyak. “Só pela quantidade de armas e decisões militares qualitativas. Os ataques terroristas não resolvem nenhum problema …”

Há um mês (até hoje!) no Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais, Victoria “Fuck UE” Nuland prometeu que permitiria a Ucrânia “acelerar a Guerra Assimétrica que seria mais eficaz” e que Putin pode ter “certeza de enfrentar algumas surpresas desagradáveis”. [a judeu khazar] Nuland deixou o cargo de Vice-Secretária de Estado 10 dias antes deste vídeo. Civis de Moscou foram mortos hoje num ato de terrorismo (Guerra Assimétrica)”.

Para complicar as coisas para Moscou, ou talvez para as esclarecer, é que o ISIS-K teria emitido declarações de acompanhamento reivindicando a responsabilidade pelo ataque…

Ainda no sábado, as autoridades do Kremlin mantiveram as suas acusações centradas na Ucrânia, e também atacaram o Ocidente, com a porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Maria Zakharova, a dizer no Telegram:

“O ponto principal é que as autoridades americanas não se esqueçam de como a sua informação e o ambiente político estão ligados os terroristas que atiraram em pessoas na Prefeitura de Crocus para a organização terrorista proibida ISIS .”

“Agora já sabemos em que país estes malditos bastardos planejaram esconder-se da perseguição – era na Ucrânia”, continuou Zakharova. “O mesmo país que durante dez anos se transformou, através dos regimes liberais ocidentais, num centro de terrorismo espalhado na Europa.”

Os EUA/Israel usaram o ISIS, a Al-Qaeda e outros grupos extremistas relacionados para desestabilizar os seus inimigos no passado, incluindo durante uma grande insurreição contra a Rússia na Chechénia na década de 1990.

Os EUA e Israel também usaram estes grupos na esperança de  derrubar  os governos da Síria e do Iraque. Em 2015, a Rússia interveio militarmente para evitar a queda da Síria nas mãos do ISIS e de outros grupos extremistas de ISRAEL.

Em 2017, 14 pessoas morreram numa explosão no metrô de São Petersburgo, enquanto homens-bomba mataram 34 pessoas em Volgogrado em 2013, antes dos Jogos Olímpicos de Sochi. Em 2011, homens-bomba mataram 30 pessoas no aeroporto Domodedovo, em Moscou.


Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *