Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

SCO dá as boas-vindas ao Irã e a um novo ‘Mundo Global’

As discussões na recente Cúpula da SCO em Nova Delhi agora apontam para o inevitável: a fusão de novas organizações multipolares e sua reorganização coletiva das finanças globais….A 23ª Cúpula de Chefes de Estado da Organização de Cooperação de Xangai (SCO), realizada virtualmente em Nova Delhi, representou a História em formação: três BRICS (Rússia, Índia, China), mais o Paquistão e quatro “stans” da Ásia Central (Cazaquistão, Quirguistão, Uzbequistão e Tadjiquistão), final e formalmente, deu as boas-vindas à República Islâmica do Irã como um novo membro permanente.

SCO dá as boas-vindas ao Irã e a um novo ‘Mundo Global’

Fonte: The Cradle – De autoria de Pepe Escobar

E no ano que vem será a vez da Bielorrússia, como confirmou o primeiro vice-ministro das Relações Exteriores da Índia, Vinay Kvatra. Bielorrússia e Mongólia participaram da cúpula de 2023 como observadores, e o ferozmente independente Turquemenistão, como convidado.

Depois de anos de “pressão máxima” dos EUA, Teerã pode agora finalmente se livrar da demência das sanções [do Hospício Ocidental] e solidificar seu papel de liderança regional no processo contínuo de integração da Eurásia.

Indiscutivelmente, a estrela do show em Nova Delhi foi o presidente bielorrusso Alexander Lukashenko, que “lidera” seu país desde 1994.

O velho Luka, imbatível no departamento de roubo de manchetes, especialmente depois de seu papel de mediador na saga de Prighozin-Wagner, pode ter cunhado o slogan definitivo da multipolaridade.  Esqueça o chamado “bilhão de ouro” ocidental, que na verdade mal chega a 100 milhões; abrace agora o “Mundo Global” – com um foco firme nos países do Sul Global.

Como argumento decisivo, Lukashenko propôs a integração total entre os blocos de países da SCO e do BRICS – que em sua próxima cúpula na África do Sul seguirá o caminho do BRICS+. E nem é preciso dizer que essa integração também se aplica à União Econômica da Eurásia (EAEU).

O próximo passo para o “Mundo Global” – o que o coletivo [do Hospício] ocidental qualifica com desdém como “o resto” – é trabalhar na complexa coordenação de vários bancos de desenvolvimento e depois no processo de emissão de títulos atrelados a uma nova moeda comercial.

As ideias principais e o modelo básico já existem. Os novos títulos serão um verdadeiro refúgio seguro em comparação com o dólar e os títulos do Tesouro dos EUA e implicarão uma desdolarização acelerada no mundo dos negócios. O capital usado para comprar esses títulos deve ser usado para financiar o comércio e o desenvolvimento sustentável, no que será um certificado “ganha-ganha” ao estilo chinês.

Um foco geoeconômico convergente

declaração da SCO  deixou claro que o órgão multilateral em expansão “não é dirigido contra outros estados e organizações internacionais” por algum tipo de Hegemon. Pelo contrário, está “aberto a uma ampla cooperação com eles de acordo com os propósitos e princípios da Carta da ONU, da Carta da SCO e do direito internacional, com base na consideração de interesses mútuos”.

O cerne da questão é, obviamente, o impulso em direção a uma ordem mundial multipolar justa – o oposto polar da “ordem internacional baseada em regras” imposta pelo Hegemon norte americano. E os três nós principais são segurança mútua; comércio em moedas locais e, eventualmente, a desdolarização.

É bastante esclarecedor delinear o foco convergente, expresso pela maioria dos líderes, durante a cúpula de Nova Delhi.

O primeiro-ministro da Índia, Modi, afirmou em seu discurso de abertura que a SCO será tão importante quanto a ONU. Tradução: uma ONU desdentada controlada pelo Hegemon pode acabar sendo marginalizada por uma verdadeira organização “Mundo Global”.

Paralelamente a Modi elogiando o papel fundamental do Irã no desenvolvimento do Corredor Internacional de Transporte Norte-Sul (INSTC), o presidente iraniano Ebrahim Raisi apoiou firmemente o comércio da SCO em moedas nacionais para quebrar decisivamente a hegemonia do dólar americano.

O presidente chinês Xi Jinping, por sua vez, foi inflexível: a China é totalmente a favor de deixar de lado o dólar americano, permanecer firme contra todas as formas de “revoluções coloridas” e lutar contra as sanções econômicas unilaterais.

O presidente russo, Vladimir Putin, mais uma vez enfatizou como “forças externas colocaram a segurança da Rússia em risco ao desencadear uma guerra híbrida contra a Rússia e os russos na Ucrânia”. Pragmaticamente, Putin espera que o comércio dentro da SCO, usando moedas nacionais, cresça – 80% do comércio da Rússia agora é em rublos e yuans – além de uma renovada unidade de cooperação em bancos, digitalização, alta tecnologia e agricultura.

O presidente do Quirguistão, Sadyr Japarov, também enfatizou acordos mútuos em moedas nacionais, além de um movimento crucial: a criação de um banco de desenvolvimento SCO e um fundo de desenvolvimento, bastante semelhante ao Novo Banco de Desenvolvimento (NDB) do BRICS.

O presidente Kassym-Jomart Tokayev, do Cazaquistão, que exercerá a presidência da SCO em 2024, também apoiou um fundo de investimento comum, além da configuração de uma rede de parceiros dos principais portos estratégicos conectados ao BRI da China, bem como ao Trans-Caspian, com sede em Astana Rota de Transporte Internacional, ligando o Sudeste Asiático, China, Cazaquistão, Mar Cáspio, Azerbaijão, Geórgia e Europa.

É claro que todos os países membros da SCO concordaram que nenhuma integração da Eurásia é possível sem estabilizar o Afeganistão – de fato, ligando Cabul geoeconomicamente com o BRI e o INSTC. Mas essa é outra história longa e tortuosa.

Regras de conectividade estratégica

Agora compare toda aquela ação em Nova Delhi com o que aconteceu em Tianjin alguns dias antes, no final de junho: o evento do Fórum Econômico Mundial (WEF), conhecido como “Davos de verão”, realizado pela primeira vez após a pandemia de Covid-19.

A crítica do primeiro-ministro chinês, Li Qiang, ao novo slogan dos EUA/UE para “reduzir o risco” pode ter sido previsivelmente aguda. O que foi muito mais intrigante foi um painel de discussão do BRI  intitulado “O futuro da Iniciativa do Cinturão e Rota-BRI”.

Em poucas palavras, isso foi uma espécie de apoteose “verde”. Liang Linchong, do Departamento de Abertura Regional da Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma (NDRC), essencial para promover a BRI, detalhou vários projetos de energia limpa, por exemplo, nos principais nós da iniciativa BRI, o Cazaquistão e Paquistão.

A África também foi destaque. Sekai Nzenza, Ministro da Indústria e Comércio do Zimbábue, é totalmente a favor dos projetos da BRI, aumentando o comércio “e trazendo a tecnologia mais recente” na África e globalmente. Pequim reviverá o Fórum do Cinturão e Rota ainda este ano. Há grandes expectativas de negócios em todo o “Mundo Global”.

Liang Linchong detalhou o que está por vir: “conectividade pesada” (que significa construção de infraestrutura), “conectividade suave” (ênfase em habilidades, tecnologias e padrões) e “conexão de corações”, que se traduz no notório conceito chinês de “trocas entre pessoas”.

Então, o que o “Mundo Global” deve esperar, segundo Liang, é uma onda de projetos “small is beautiful”, muito pragmáticos. Isso está de acordo com o novo foco de bancos e empresas chinesas: projetos de infraestrutura muito grandes em todo o mundo podem ser problemáticos por enquanto, já que a China se concentra no mercado interno e arregimenta todas as frentes para combater as múltiplas guerras híbridas do Hegemon. A conectividade estratégica, porém, não será afetada.

Aqui está um excelente exemplo. Dois nós industriais cruciais da China – a Grande Área da Baía de Guangdong-Hong Kong-Macau e o cluster Beijing-Tianjin-Hebei – lançaram seus primeiros trens de carga multimodais internacionais China-Quirguistão-Uzbequistão (CKU) no mesmo dia da cúpula da SCO em Nova Delhi.

Este é o clássico BRI: Conectividade de ponta, usando o sistema multimodal “ferrovia-rodovia” conteinerizado. O INSTC usará o mesmo sistema para o comércio entre a Rússia, o Mar Cáspio, o Irã e depois por mar para a Índia.

No CKU, a carga chega a Xinjiang pela ferrovia, depois segue pela estrada pela fronteira de Irkeshtam, passa pelo Quirguistão e chega ao Uzbequistão. Toda a viagem economiza quase cinco dias em tempo de trânsito. O próximo passo é construir a ferrovia China-Quirguistão-Uzbequistão: a construção começa no final de 2023.

A iniciativa BRI está fazendo incursões proverbiais na África. Por exemplo, no mês passado, a China Aerospace Science and Technology Corporation (CASC) entregou um protótipo de satélite desenvolvido em parceria com o Egito para a Cidade Espacial do Cairo. O Egito é agora a primeira nação africana capaz de montar, integrar e testar satélites. Cairo o considera um excelente exemplo de desenvolvimento sustentável.

Essa também é a primeira vez que Pequim monta e testa um satélite no exterior. Mais uma vez, o clássico BRI: “Consulta, Cooperação e Benefícios Compartilhados”, conforme definido pelo CASC. E não se esqueçam da nova capital egípcia: um satélite ultramoderno do Cairo construído literalmente do zero no deserto por US$ 50 bilhões, financiado por títulos e – o que mais – capital chinês.

A longa e sinuosa estrada da desdolarização

Toda essa atividade frenética se correlaciona com o dossiê chave a ser tratado pelo BRICS+: a desdolarização de tudo.

O ministro das Relações Exteriores da Índia, Jaishankar, confirmou que não haverá nova moeda do BRICS – por enquanto. A ênfase está no aumento do comércio em moedas nacionais. Quando se trata da Rússia peso-pesado do BRICS, a ênfase por enquanto é elevar os preços das commodities em benefício do rublo russo.

Fontes diplomáticas confirmam que o acordo tácito entre os sherpas do BRICS – que esta semana estão preparando as diretrizes para o BRICS+ a serem discutidas na cúpula da África do Sul no próximo mês – é para acelerar o colapso do dólar fiduciário: o financiamento dos déficits comerciais e orçamentários dos EUA se tornaria impossível às taxas de juros atuais e acabaria com o financiamento das intermináveis guerras e revoluções do Hegemon.

A questão é como apressá-lo imperceptível mas constantemente.

A estratégia de marca registrada de Putin é sempre deixar os psicopatas do Hospício ocidental coletivo embarcar em todos os tipos de erros estratégicos sem intervenção russa direta. Assim, o que acontecer a seguir no campo de batalha em Donbass – a maior humilhação da OTAN – será um fator crucial na frente de desdolarização. Os chineses, por sua vez, se preocupam com o colapso da recuperação do dólar na base manufatureira da China.

O roteiro à frente sugere uma nova moeda de liquidação comercial projetada pela primeira vez na EAEU, supervisionada pelo chefe de macroeconomia da Comissão Econômica da Eurásia, Sergey Glazyev. Isso levaria a uma implantação mais ampla do BRICS e da SCO. Mas primeiro a EAEU precisa trazer a China a bordo. Essa foi uma das questões-chave discutidas recentemente por Glazyev, pessoalmente, em Pequim.

Portanto, o Santo Graal é uma nova moeda comercial supranacional para os países membros dos grupos BRICS, SCO e EAEU. E é fundamental que o seu estatuto de reserva não permita a sobreposição de poder a uma só nação, como acontece com o dólar americano.

O único meio prático de vincular a nova moeda comercial a uma cesta de múltiplas mercadorias – para não mencionar uma cesta de interesses nacionais – seria por meio do ouro.

Imagine tudo isso sendo discutido a fundo naquela fila interminável de membros do BRICS. Do jeito que está, pelo menos 31 nações entraram com pedidos formais ou manifestaram interesse em ingressar em um BRICS+ atualizado.

As interconexões são fascinantes. Além do Irã e do Paquistão, os únicos membros plenos da SCO que não são membros do BRICS são quatro “stans” da Ásia Central[Eurásia], que já são membros da EAEU. O Irã está prestes a se tornar um membro do BRICS+. Nada menos que nove nações entre os observadores ou parceiros de diálogo da SCO estão entre os candidatos do BRICS.

Lukashenko chamou: A fusão dos BRICS e SCO parece virtualmente inevitável.

Para os principais impulsionadores gêmeos de ambas as organizações – a parceria estratégica Rússia-China – esta fusão representará a instituição multilateral definitiva, baseada no verdadeiro comércio livre e justo, capaz de superar tanto os EUA quanto a UE e se estender muito além da Eurásia para o “Mundo Global”.

Os círculos da indústria/negócios alemães já parecem ter visto o que está escrito na parede, assim como alguns de seus colegas franceses, que incluem notavelmente o presidente da França, Emmanuel Macron. A tendência é para um cisma da UE – e ainda mais poder da Eurásia.

Um bloco comercial BRICS-SCO tornará as sanções ocidentais absolutamente sem sentido. Afirmará total independência do dólar americano e do euro, oferecerá uma gama de alternativas financeiras ao SWIFT e encorajará uma estreita cooperação militar e de inteligência contra as operações negras em série dos Cinco Olhos-OTAN-G7, parte das guerras híbridas em andamento.

Em termos de desenvolvimento pacífico, a Ásia Ocidental mostrou o caminho. No minuto em que a Arábia Saudita ficou do lado da China e da Rússia – e agora é candidata a membros do BRICS e da SCO – surgiu um novo jogo na mesa, para desespero do Hegemon e seus lacaios europeus.

Rublo Dourado 3.0?

Tal como está, há um enorme potencial para um rublo lastreado em ouro. Se e quando cair na estrada, será um renascimento do lastro do ouro na URSS entre 1944 e 1961.

Glazyev observou crucialmente que o superávit comercial da Rússia com os membros da SCO permitiu que as empresas russas saldassem dívidas externas e as substituíssem por empréstimos em rublos.

Paralelamente, a Rússia está usando cada vez mais o yuan para acordos internacionais. Mais adiante, os principais participantes do “Mundo Global” – China, Irã, Turquia, Emirados Árabes Unidos – estarão interessados ??em pagamentos em ouro não sancionado em vez de moedas locais. Isso abrirá caminho para uma moeda de liquidação comercial BRICS-SCO atrelada ao ouro.

Afinal, nada supera o ouro quando se trata de combater as sanções coletivas ocidentais, precificando petróleo, gás, alimentos, fertilizantes, metais, minerais. Glazyev já estabeleceu a lei: a Rússia tem que ir para o Golden Rublo 3.0.

Aproxima-se rapidamente o tempo para a Rússia criar a tempestade perfeita para desferir um golpe maciço no dólar americano. Isso é o que está sendo discutido nos bastidores da SCO, EAEU e algumas sessões do BRICS, e é isso que está deixando as elites atlantistas furiosas e desesperadas.

A maneira “imperceptível” para a Rússia fazer isso acontecer é deixar que os mercados elevem os preços de quase todas as exportações russas de commodities. Os países neutros em todo o “Mundo Global” interpretarão isso como uma “resposta natural do mercado” aos imperativos geopolíticos cognitivos dissonantes dos psicopatas do Hospício do ocidente coletivo. A alta dos preços da energia e das commodities acabará provocando uma forte queda no poder de compra do dólar americano.

Portanto, não é de admirar que vários líderes na cúpula da SCO tenham sido a favor do que equivale, na prática, a uma expansão do Banco Central BRICS-SCO. Quando a nova moeda BRICS-SCO-EAEU for finalmente adotada – é claro que ainda está muito longe, talvez no início dos anos 2030 – ela será trocada por ouro físico pelos bancos participantes dos países membros da SCO, BRICS e EAU.

Tudo o que foi dito acima deve ser interpretado como o esboço de um caminho possível e realista para a multipolaridade real. Não tem nada a ver com o yuan como moeda de reserva internacional, reproduzindo o esquema existente de extração de renda para o lucro de uma minúscula plutocracia – completa com um enorme aparato militar especializado em intimidar o “Mundo Global”.

Uma união BRICS-SCO-EAEU estará focada na construção – e expansão – da economia física e não especulativa baseada no desenvolvimento de infraestrutura, capacidade industrial e compartilhamento de tecnologia. Outro “sistema de mundo”, agora mais do que nunca, é possível.


“O indivíduo é deficiente mentalmente [os zumbis], por ficar cara a cara, com uma conspiração tão monstruosa, que nem acredita que ela exista. A mente americana [humana] simplesmente não se deu conta do mal que foi introduzido em seu meio. . . Ela rejeita até mesmo a suposição de que as [algumas] criaturas humanas possam adotar uma filosofia, que deve, em última instância, destruir tudo o que é bom, verdadeiro e decente”.  – Diretor do FBI J. Edgar Hoover, em 1956.

A estátua do sonho de Nabucodonosor, um símbolo daquilo que a humanidade construiria na Terra. Os dias de insanidade da atualidade estão contados, muito em breve, a “Grande Prostituta”, a cidade de Roma será varrida da face da Terra PELO IMPACTO DE UM METEORO/ASTEROIDE, dando início a derrota completa dos servidores das trevas e o fim de seus planos nefastos para o controle do planeta.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *