Seca Severa na Europa afeta água dos Rios, Bosques, Agricultura e Logística

Nível de água baixo prejudica o transporte fluvial e agricultores de diversos países veem suas colheitas passarem dificuldades. Na França, a restrição ao uso de água forçou o desligamento de usinas nucleares agravando a crise de energia. A Europa enfrenta neste ano um verão muito seco e de altas temperaturas com efeitos múltiplos em incêndios florestais em seus bosques e florestas, disrupção das cadeias logísticas, da produção industrial, geração de energia e na agricultura.

Seca Severa na Europa afeta água dos Rios, Bosques, Agricultura e Logística

Fonte: Deutsche Welle

Uma manifestação visível da seca são as margens de alguns rios europeus, que se alargaram e expuseram rochas, detritos e até artefatos explosivos da Segunda Guerra Mundial que costumavam ficar submersos. O baixo nível da água afeta o transporte fluvial, a logística de transportes com repercussões na economia como um todo, já impactada pela guerra na Ucrânia.

Rio Reno com pouca água

Esse drama fica claro no rio Reno, que conecta os Alpes ao Mar do Norte é o segundo rio mais longo da Europa, depois do Danúbio. O Reno é uma artéria logística na Alemanha, e o nível baixo da água já obriga as barcaças que o percorrem a adotarem uma capacidade de carga reduzida. Algumas empresas anunciaram que interromperão o transporte fluvial a partir da próxima semana no Alto e Médio Reno, da fronteira com a Suíça até Bonn.

O ponto de referência mais importante do Médio Reno é o medidor Kaub, a cerca de 50 quilômetros rio abaixo da cidade de Mainz. Nesta sexta-feira, ele estava em 37 centímetros, quando a média para este dia do ano, nos últimos cinco anos, é de cerca de dois metros – a medida é registrada a partir de um mesmo ponto de referência, e não do ponto mais fundo do leito do rio.

As barcaças podem navegar ali, com carga parcial, com uma indicação mínima de 30 a 35 centímetros. Para carga completa, elas precisam em geral de 1,5 metro naquele ponto.

Rio Reno pode cair abaixo da marca crítica, arriscando indústria - Plu7
O Reno é uma artéria logística na Alemanha, e o nível baixo da água já obriga as barcaças que o percorrem a adotarem uma capacidade de carga reduzida.

O mínimo nível já registrado foi em outubro de 2019, de 25 centímetros. Em geral, o ponto mais baixo não ocorre em julho e agosto, que costumam ser meses chuvosos na região, mas em outubro – o que sinaliza más perspectivas para os próximos meses se não voltar a chover.

Problemas logísticos

O Instituto Federal de Hidrologia alemão (BfG) informou na quinta-feira que o nível da água do Reno deve continuar caindo pelo menos até o início da próxima semana. E a companha de logística fluvial Contargo anunciou que irá suspender na próxima semana a maioria de suas operações nos Alto e Médio Reno.

“Nossas barcaças não terão condições de navegar sem riscos, e por motivo de segurança precisaremos interromper a maioria de nossa navegação no Alto e Médio Reno”, afirmou a empresa em um comunicado.

O Rio Reno é utilizado por diversas indústrias alemãs para o transporte de carga, especialmente para matérias-primas como petróleo, produtos químicos básicos, coque e carvão, cuja demanda aumentou para termelétricas recém-reativadas diante da crise de energia da falta do gás russo.

Os ministérios do Transporte e da Economia da Alemanha estão tentando desviar as cargas fluviais para as ferrovias, que no entanto já estão sobrecarregadas. O governo considera intervir para priorizar o transporte de bens essenciais.

O gargalo nos transportes também pode afetar o escoamento da próxima safra na Alemanha. A associação do agronegócio Raiffeisen afirmou que silos de armazenamento no sul do país já estão cheios, e que os grãos não estão sendo transportados dali em quantidade suficiente. Para substituir uma barcaça com grãos, são necessários até 40 caminhões. E o setor de transporte rodoviário tem escassez de motoristas.

Um estudo da consultoria britânica Capital Economics divulgado na quinta-feira estimou que o baixo nível da água aumenta a chance de recessão na Alemanha e tem potencial de reduzir em 0,2 ponto percentual o PIB do terceiro e do quarto trimestres do país.

O rio Danúbio também enfrenta baixos níveis de água, e o rio Tille secou completamente no sudoeste da França, na altura da Vila de Lux, deixando milhares de peixes mortos. O rio Pó, o mais longo da Itália, que fornece irrigação a cerca de um terço da produção agrícola do país no vale que ele banha, também sofre com a pior seca do norte italiano em 70 anos.

Plantação com girassóis secos
Na Andaluzia, na Espanha, os efeitos da seca também aparecem nas plantações de girassol

Risco para colheitas de grãos

O presidente da Associação Alemã de Agricultores, Joachim Rukwied, advertiu na sexta-feira que, se a seca continuar, as colheitas deste ano podem ser severamente afetadas. Rukwied afirmou que “se não chover bastante e logo, tememos que os rendimentos da colheita [produção de alimentos] possam ser reduzidos em até 30% ou 40%”.

Ele disse que a colheita de grãos estava de acordo com o planejado, mas as de batatas e beterrabas estavam em risco. Ele acrescentou que os agricultores já enfrentam outros problemas como alta do preço dos fertilizantes, da energia e de rações, em parte devido às sanções impostas à Rússia pelos países da Europa pela guerra na Ucrânia.

Além disso, Rukwied apontou que a seca pode afetar também os estoques de pastagem para alimentar o gado no inverno, já que os campos estão em sua maioria secos no momento.

Na Espanha, a seca também tem afetado as plantações. Algumas fazendas de abacateiros estão removendo parte das árvores para que possa sobrar mais água para as demais. Milhões de oliveiras e girassóis estão secando na região de Andaluzia, enquanto laranjeiras e limoeiros enfrentam o mesmo em Valência.

Incêndios florestais

O Serviço de Monitoramento Atmosférico Copernicus, da União Europeia, informou nesta sexta-feira que 2022 bateu o recorde de incêndios florestais no sudoeste da Europa, com diversos casos em Portugal, Espanha e França.

Na França, um grande incêndio nos departamentos de Gironde e Landes queimou pelo menos 74 km² de floresta desde terça-feira. Cerca de 1.100 bombeiros franceses foram mobilizados para combater as chamas. Eles tiveram o apoio de mais 360 bombeiros de outros países, como Alemanha, Polônia e Romênia, enquanto Grécia e Itália enviaram aeronaves capazes de atuar contra incêndios. Dez mil pessoas tiveram que ser realocadas por segurança.

Bombeiro combate chamas em floresta
Incêndio no sudoeste da França queimou pelo menos 74 km² de floresta nesta semana

Na noite de quinta para sexta-feira, o incêndio parecia ter parado de crescer, mas os bombeiros seguem em alerta pois a baixa umidade e a alta temperatura podem facilitar que as chamas se espalhem. Nesta sexta-feira, a França teve temperaturas máximas projetadas de 38 a 41 graus celsius.

A França registrou nos últimos três meses seu maior nível de emissão de gás carbônico a partir de incêndios florestais desde o início dos registros, em 2003. O mesmo ocorreu na Espanha em julho.

Outros problemas

A seca na Inglaterra levou à proibição do uso de mangueiras para regar jardins, lavar veículos, encher piscinas ou limpar casas, válida em diversas partes do país, e o Rio Tâmisa enfrenta também níveis muito baixos de água

O serviço meteorológico nacional do Reino Unido declarou no mês de julho como o mais seco da Inglaterra desde 1935, com uma precipitação média de 23,1 milímetros, e algumas regiões experimentaram seu mês de julho mais seco desde o início dos registros.

No rio Weser, no noroeste da Alemanha, os passeios turísticos de barco foram cancelados devido ao baixo nível da água, e no lago Constance, na fronteira com a Suíça e a Áustria, barcos de passeio também estão ancorados devido ao baixo nível da água, que não se via desde 2003.

A França também foi forçada a adotar medidas para reduzir o consumo de água, que afetaram inclusive a geração de energia nuclear. Diversas usinas nucleares na França dependem da água de rios para o resfriamento de reatores, e algumas tiveram que interromper o funcionamento por esse motivo, levando o país a ter que importar eletricidade de seus vizinhos. [bl (DW, ots)]

Nas últimas semanas, a França e a Espanha tiveram que fazer racionamento de água devido a uma seca severa. O governo francês declarou que o país enfrenta a pior seca da história o mesmo acontecendo na bacia do rio Pó na Itália, que esta experimentando sua pior seca em setenta anos.


SOBRE AS ATUAIS MUDANÇAS CLIMÁTICAS EM CURSO NO PLANETA:

A seguir citamos passagem de um livro (Contato com Discos Voadores, de Dino Kraspedon, páginas 33 a 37) publicado ainda em 1957, sobre encontros com extraterrestres vindos das luas de Júpiter, Ganimedes e Io, em que são feitas referências (há 65 anos atrás) à chegada de um SEGUNDO SOL ao nosso sistema solar:

— “Em breve os terrestres terão outros problemas a resolver. Se até agora não tem solução para o problema dos três corpos, brevemente haverá maior dificuldade com a inclusão de um outro sol no nosso sistema. Agora são três; depois serão quatro corpos, representados pela Terra, dois sóis e o centro magnético do sistema.

P. Não estou compreendendo bem o que você se está referindo.Que outro sol é esse que fará parte do nosso sistema?

— É o que lhe estou afirmando: um outro sol penetrará, dentro em breve, no nosso sistema planetário, e teremos um invejável sistema de sóis duplos. Aliás, essa é uma das razões porque aqui nos encontramos, além de vir preveni-los contra os perigos a que estão expostos com o advento da era atômica e de vir saudá-los.

P: Sim, eu quero saber quais os perigos a que estamos expostos com o advento da idade atômica, mas primeiro seria interessante ouvir mais a respeito desse novo sol.

— Esse corpo é um monstro, que em breve poderá ser visto na direção (da Constelação) de Câncer, de luz apagada ainda. A luz de um sol só passa a brilhar quando penetra num campo magnético secundário como o nosso. Penetrando no sistema, toma um movimento de rotação, deforma o espaço e gera correntes magnéticas que lhe darão brilho. Se viesse luminoso, sua luz (e energia) provocaria forte repulsão e seria desviado da sua rota. Sem brilho, ele sofre a pressão do nosso sol mas o seu momento cinético lhe garantirá a penetração no sistema solar. De inicio será uma luz avermelhada, depois azul.

https://youtu.be/OVA6U0s7AA0

Após vencer a zona das grandes massas planetárias (Júpiter, Saturno, Urano e Netuno), terá a oposição solar pela frente, mas na retaguarda terá o peso das grandes massas a impulsioná-lo por uma ação repulsiva. A repulsão contra os planetas, pela retaguarda, a sua luz brilhando e o volume de sua massa descomunal fará o nosso sol atual deslocar-se das proximidades do centro magnético, situando se mais longe. Então os dois sóis demarcarão as suas órbitas, ficando o de maior massa e menos luz mais próximo do centro (E sucederá naquele dia, diz o Senhor, que farei que o sol se ponha ao meio dia, e a Terra se entenebreça em dia de luz. (Amos: 8-9). 

A chegada e penetração desse novo corpo foi predita por Nostradamus nas suas célebres Centúrias, II, quadra 41, onde se lê: “La grande estoille par sept jours bruslera. Nuee fera deux soleils apparoir”. 

Traduzido, significa: “Por sete dias a GRANDE ESTRELA brilhará, nuvem fará dois sóis aparecer”.

— Dois sóis no sistema criarão problemas MUITO difíceis. Todos os planetas terão as suas atuais órbitas modificadas. Mercúrio cairá na zona hoje compreendida entre Vênus e a Terra. Vênus irá para o lugar que medeia entre a Terra e Marte. A Terra sentirá o efeito, antes que o novo sol  se coloque no seu lugar definitivo. À medida que esse corpo começar a brilhar, a pressão da luz fará com que a Lua se desloque da sua órbita e vá situar-se num ponto que passe à categoria de planeta. Com esse deslocamento conduzirá uma quantidade da massa etérea da Terra, que lhe garantirá uma estabilização de movimento. A Terra, por sua vez, sob a pressão combinada de dois sóis, irá se situar na zona hoje ocupada pelos asteroides (entre Marte e Júpiter).

— Em suma, haverá um deslocamento generalizado (todos os planetas e luas assumirão uma NOVA ÓRBITA) de todos os corpos que povoam o nosso atual sistema solar. Plutão será lançado para fora, e vagará errante pelo espaço, até que um seio acolhedor o recolha. Um dos satélites de Marte será arrancado da sua atual posição e será projetado no espaço. De massa bastante densa, em vez de repelido será atraído para o interior. Sua trajetória será de tal forma que viria a constituir-se em novo satélite da Terra. Depende do sentido em que ele tomar contato com o planeta. Se isso se der contra o sentido de rotação da Terra, o choque provocado pelo encontro da sua massa com o éter fá-lo-á em pedaços; se for a favor, ficará ligado ao planeta.

sol-duplo-sistema-binário-maldek
Foto batida recentemente, em 24 dezembro de 2015, em infravermelho, do sol e do seu novo companheiro que ainda não esta completamente visível em nossa realidade tridimensional

P: Quando será isso? Ainda levara muito tempo?

— A Terra não sofrerá com um choque direto, pois a sua camada etérea (atmosfera) oferece proteção. Pelos nossos cálculos, apenas cairá uma chuva de pedras (Nota de Thoth: queda de meteoros, previstas no livro de João, Apocalipse:

“E sobre os homens caiu do céu uma grande saraiva, pedras do peso de um talento; e os homens blasfemaram de Deus por causa da praga da saraiva; porque a sua praga era mui grande.   Apocalipse 16:21

{Nota de Thoth: Conhecemos pessoas que já tiveram sonhos com meteoros caindo em grandes cidades com muita destruição, haverá queda de muitos aviões durante este momento…} sobre a superfície deste globo, principalmente na zona compreendida pelo sul europeu, norte da África, Ásia Menor, o norte da América do Sul e o sul da América do Norte. O impacto transformará o atual esplêndido satélite marciano em pedacinhos de uns 20 kg cada um, que devastará as zonas acima descritas. Depois tudo se normalizara. Nós teremos um novo céu onde viajar, e vocês uma nova Terra.

— Será muito em breve, no fim deste século XX. A Terra começará o seu novo milênio com uma nova fonte de luz a iluminar os seus prados. Muitos desaparecerão para sempre do cenário terrestre, mas um pequenino rebanho restará, obediente às leis de Deus, e não haverá mais as lágrimas que aqui existem. Haverá paz e abundância, justiça e misericórdia. As almas injustas terão o seu castigo merecido, e só os bons terão guarida. Nesse dia o homem compreenderá o triunfo dos justos, e verá porque Deus não puniu imediatamente os maus. O Sol, que há de vir, será chamado o “Sol da Justiça”.  O seu aparecimento nos céus da Terra será o sinal precursor da vinda d’Aquele que brilha ainda mais que o próprio Sol.

P: E o que tem a ver a vinda dos discos voadores (extraterrestres) à Terra com o Sol que há de vir?

— Estudamos todos os efeitos que o seu aparecimento trará. Se nos fosse permitido, poderíamos enviar, por meio de aparelhos apropriados, pulsações eletromagnéticas contra ele, e evitaríamos a sua entrada, fazendo que a sua luz acendesse fora do sistema. Mas evitar a sua Vinda seria querer nos opor contra à vontade de Deus e deixar que a injustiça aqui se perpetuasse. Quem está com a sua consciência tranqüila e em paz com o seu Criador nada precisa temer. Deixemo-lo vir.

— Viemos com finalidade de estudos e também, para fazer um supremo apelo ao homem para que evitem a catástrofe e vivam em paz. A Terra não é o centro do sistema planetário, como antes pensavam, mas é o atual centro do mal. Se os homens se tornassem bons, talvez que o Criador tivesse ainda mais compaixão. Evitem a guerra, porque pode dar-se o caso que o homem destrua o seu próprio planeta com as suas próprias mãos evitando assim, que as forças da natureza o façam. Não é difícil ser bom; já é o bastante não fazer o mal. O restante Deus suprirá.” (Fim de citação)}


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é fim-dominio-eua-otan-nabucodonosor-fim-roma.jpg

{Nota de Thoth: Em breve haverá um novo papa, será um francês, e será o ÚLTIMO  . . .  A estrondosa queda da “Estátua de Nabucodonosor“, com o fim do Hospício e os psicopatas da civilização ocidental e a própria destruição da região da cidade de Roma [incluso a cloaca do Vaticano] estão bem próximos de acontecer. O Hospício Ocidental, o circo do G-7 [do qual dois marionetes já caíram, Mario Draghi e Boris Johnson], os ditos “Países de Primeiro Mundo” vão fazer face ao seu carma “liberal“}


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.330 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth