browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Ucrânia e Armas Biológicas: o Plano do Globalismo para Exterminar russos

Posted by on 06/03/2022

Há uma história secreta da Ucrânia que não está sendo contada ao público em geral pois é mantida nas sombras. A opinião pública ocidental basicamente desconhece o que realmente vem acontecendo neste país há anos. Tudo o que veio da Ucrânia nos últimos anos através do filtro das mentiras da mídia de propaganda pre$$titute$ europeia e americana é a imagem de um país que fez a chamada “transição democrática” realizada pelo Deep State de Washington com a “revolução da Praça Maidan” em 2014.

Ucrânia e Armas Biológicas: o Plano do Globalismo para exterminar russos

Fonte: LaCrunadell’Ago – Por Cesare Sachetti – Itália

O que se chama de “exportação da democracia”, termo bastante caro aos lobbies sionistas [dos judeus khazares] neoconservadores dos anos 2000, nada mais é do que a derrubada de governos considerados hostis aos grupos da agenda de poder que há décadas dominam a Casa Branca, sobretudo o Conselho de Relações Exteriores financiado pela família Rockefeller.

A Ucrânia não foge a essa regra devido à sua posição estratégica como vizinha da Rússia e, como vimos no artigo anterior, era vital que os lobbies atlanticistas derrubassem a presidência de Yanukovych, segundo o Departamento de Estado dos EUA, ao Kremlin através do golpe chamado Euromaidan em 2014 . . .

Mas há também um outro lado para o qual o controle da Ucrânia é essencial para esses ambientes. É um lado muito mais sombrio onde ocorrem os piores e mais sujos negócios do planeta. Estamos a falar da produção e desenvolvimento de armas biológicas, do tráfico de crianças, de órgãos e de seres humanos.

O regime neonazista que protegia o fantoche telecomandado da OTAN, o judeu khazar Zelensky foi o que garantiu a prosperidade desses negócios. Desde que Poroshenko foi instalado no poder, esses comércios começaram a proliferar e infestar toda a Ucrânia. No entanto, há um em particular em que devemos nos concentrar e é o que diz respeito às armas bacteriológicas.

Para entender como começaram os programas para usar a Ucrânia como base para o estudo e desenvolvimento dessas armas, é preciso dar um passo atrás e voltar ao ano de 2005, quando o país era governado pelo então presidente Yushchenko. Yushchenko foi o produto direto de outra revolução colorida, a primeira que ocorreu na Ucrânia em 2004 e 2005.

Mesmo naquela época, Washington estava bastante preocupado que este país pudesse se mover muito para dentro da órbita de Moscou e decidiu-se desencadear os habituais tumultos causados ​​pelas ONGs habituais de George [outro khazar, nascido na Hungria] Soros – profissional da subversão internacional – para enviar o presidente fantoche de plantão ao poder, Yushchenko neste caso, para melhor cumprir as ordens das potências financeiras ocidentais à serviço da agenda do Deep State.

Viagem de Obama à Ucrânia: fundos para laboratórios de armas químicas

Assim que o novo presidente ucraniano assumiu o cargo, começou uma série de viagens do então jovem e desconhecido senador democrata de Illinois, Barack Obama , junto com seu colega republicano Richard Lugar. Obama e Lugar foram enviados à Ucrânia por um motivo muito específico, que foi iniciar um programa conjunto entre os governos dos EUA e da Ucrânia para realizar pesquisas científicas sobre armas biológicas.

A notícia desta viagem foi o jornal que sempre foi o porta-voz do verdadeiro poder oculto que domina em Washington, o Washington Post [WaPo]. A história foi noticiada pelo jornal com uma manchete de propaganda como “Os Estados Unidos ajudarão a Ucrânia a combater armas biológicas“.

Na realidade, se você ler o artigo, entenderá que essa “ajuda” consistiu em realizar as atualizações de segurança de alguns institutos biológicos que tinham exatamente esse objetivo. Esses laboratórios eram em parte um legado da Guerra Fria, mas Washington não tinha interesse em desmantelá-los.

Em vez disso, eles estavam interessados ​​em apoiar e praticamente comandar o governo ucraniano por meio de recursos financeiros e científicos superiores na gestão desses laboratórios. Os Estados Unidos, portanto, a partir desses anos, já assumiram o controle direto sobre o desenvolvimento e a pesquisa de armas químicas e bacteriológicas na Ucrânia. Este país tornou-se então uma base para essas pesquisas que na verdade não tinham nenhum propósito “científico”.

O objetivo era trabalhar em armas que pudessem ser usadas contra quaisquer países “inimigos” do estado [Deep State] profundo de Washington, e na época, como então, o verdadeiro adversário desses círculos era considerado a Rússia de Putin, que aos poucos voltava a se recuperar do desastre dos anos 90, com o fim da URSS.

O Pentágono coletou amostra de DNA dos russos

Nesse sentido, foi o próprio presidente russo que revelou que na Rússia em 2017 havia ONGs estrangeiras que estavam fazendo algo bastante inusitado. Essas ONGs já haviam na época e em anos anteriores começado a coletar amostras de DNA da população russa em todas as regiões do país. Essas associações não estavam interessadas de forma alguma em coletar amostras de outras populações eslavas presentes na Rússia, mas estavam interessadas única e exclusivamente em ter o DNA dos russos.

O Kremlin tomou conhecimento dessas atividades um tanto anômalas e suspeitas, e Putin na época emitiu uma declaração oficial.

“Você está ciente de que material biológico foi coletado em todo o país [Rússia], de diferentes grupos étnicos e pessoas que vivem em diferentes regiões geográficas da Federação Russa? A questão é por que isso foi feito? E isso foi feito profissional e intencionalmente.”

Mesmo na câmara alta do parlamento russo, o Conselho Federal, eles perceberam que essa atividade não era nada comum e começaram a tratar do assunto oficialmente. O então vice-presidente do Comitê de Segurança e Defesa do Conselho Federal, Franz Klintsevich, declarou publicamente que tudo isso sugeria que alguém estava pensando expressamente no cenário de estudar e desenvolver uma arma biológica que só poderia afetar os russos.

O senador russo explicou corretamente que grupos étnicos reagem de forma diferente ao contágio com agentes bacteriológicos e isso explica o motivo de tanto interesse em coletar única e exclusivamente amostras de DNA russas.

Era necessária uma arma bacteriológica sob medida, projetada para atingir e matar apenas a população russa. Para desvendar o mistério por ordem de quem essas ONGs estavam procedendo para coletar essas amostras e quem eram seus mandantes que não eram outros que, por coincidência, os homens da aviação militar norte-americana, a USAF.

Falando na ocasião foi um porta-voz da AETC , sigla que identifica os comandos de treinamento e educação da força aérea americana. A AETC especificou que estas eram apenas amostras de DNA justificadas pela necessidade de realizar pesquisas sobre o sistema musculoesquelético humano.

Em Moscou, no entanto, eles não beberam dessa fonte porque o fato de que apenas e exclusivamente amostras de DNA da população russa foram coletadas e o fato de os militares americanos estarem envolvidos levou a pensar que o objetivo real daquele programa era justamente criar um patógeno projetado apenas para prejudicar as populações étnicas russas.

Considerando a longa história de programas do estado profundo financiados por Washington para desenvolver armas biológicas, em muitos casos testados na mesma população americana inconsciente, a suspeita da Rússia é bem fundamentada.

A Ucrânia poderia, portanto, ser a chave para explicar o que aconteceu na Rússia em 2017, quando a Força Aérea dos EUA coletou partes do DNA russo, e o que aconteceu doze anos antes, quando Barack Obama visitou a Ucrânia para garantir mais fundos para os laboratórios ucranianos que estavam envolvidos nesses programas de guerra química e bacteriológica.

Rússia confirma que a Ucrânia foi usada para produzir armas bacteriológicas e químicas contra os russos

Nos dias de hoje tem circulado muito na mídia alternativa a hipótese de que a operação militar russa, além de ter o objetivo de desnazificar e libertar a Ucrânia do controle e manipulação ocidental, também tem o objetivo de destruir aqueles centros onde eram mantidos os vírus letais.

Para confirmar oficialmente esta tese foi a mesma embaixada russa na Bósnia-Herzegovina que declarou publicamente que os Estados Unidos “enchiam a Ucrânia de laboratórios biológicos, que eram – muito possivelmente – usados ​​para estudar métodos destinados a destruir o povo russo em nível genético”.

Os círculos que conceberam o golpe Euromaidan em 2014 e a revolução colorida de 2005 usaram este país como base para programas criminosos e genocidas destinados exclusivamente à população russa. Há, portanto, uma verdadeira obsessão por parte do globalismo em relação à Rússia a ponto de pensar em uma arma que poderia exterminar sua população.

A guerra entre a Rússia e o topo do poder financeiro internacional é na verdade muito mais antiga e remonta pelo menos a 1815, quando a família judeu khazar Rothschild, que já financiou e governou as monarquias europeias, jurou destruir e matar os Romanov que se opuseram aos seus planos de dominação da Europa.

Mesmo a história mais recente da Ucrânia não parece ser uma exceção ao ódio feroz que a Nova Ordem Mundial tem contra a Rússia. Nos últimos dias, foram recebidas informações sobre a destruição real desses laboratórios pelos russos durante sua operação militar.

Para dar noticias deste pano de fundo em particular foi o site americano Real Raw News que por alguns é considerado polêmico, e não confiável, por seus artigos que falam de supostos julgamentos em andamento em Guantánamo contra os homens que organizaram o golpe de Estado de Spygate. e a fraude eleitoral de 2020 contra Donald Trump.

No entanto, conseguimos verificar de outras formas e através de outras fontes fidedignas esta informação que parece corresponder à verdade. Os militares russos teriam destruído todos esses laboratórios e ficariam de posse dos documentos secretos em que os cientistas ucranianos e americanos estavam trabalhando no desenvolvimento de patógenos.

Aparentemente, também nesta ocasião, a Rússia mais uma vez provou ser o pesadelo das grandes agendas de dominação e governo mundial único [estilo Nova Ordem Mundial] que aspiram a erigir um supergoverno global. E mesmo nesta ocasião este país infligiu uma amarga derrota à família judeu khazar Rothschild, cuja imensa riqueza está no rio de sangue das guerras que causou nos últimos dois séculos.

[Nota de Thoth: Para esclarecer um pouco mais a questão judeu khazar, é necessário dizer que a Ucrânia é a origem destes falsos judeus desde o século X quando os Khazares adotaram a religião judaica como a sua profissão de fé, NÃO SENDO JUDEUS ÉTNICOS, descendentes de Sem, portanto não sendo semitas. Saiba mais acessando os seguintes links: O Reino dos (judeus) Khazares, parte I e O Reino dos (judeus) Khazares, parte II final ]


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

3 Responses to Ucrânia e Armas Biológicas: o Plano do Globalismo para Exterminar russos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.