Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Um ‘Ataque Cibernético’ tipo 11/09 está chegando?

A conversa sobre a ocorrência de um ataque cibernético [também intencional] do “tipo onze de Setembro” já circula há anos na internet. Faltando doze meses para a próxima [novo roubo da] eleição presidencial nos EUA, algumas pessoas estão prevendo que um grande evento cibernético acontecerá antes disso, em função da liderança disparada de Trump, lançando uma chave inglesa no processo eleitoral de 2024.

Um ‘Ataque Cibernético’ tipo 11/09 está chegando?

Fonte: The Organic Prepper

O que diabos é o Cyber ​​11 de Setembro?

O que significa o 11 de setembro cibernético? Existe um risco real de ataque cibernético? Para o que devemos estar preparados?

Existem dois aspectos no conceito do 11 de Setembro Cibernético. O primeiro é o próprio desastre; O 11 de setembro foi uma catástrofe que acabou com a vida de mais de 3.000 pessoas em um dia. Há temores de que, se as redes elétricas fossem hackeadas ou se fossem causados ​​danos suficientes aos centros logísticos, o caos que se seguiria causaria muitas mortes e colapso generalizado.

De forma bastante memorável, em 2000,  um funcionário de obras públicas descontente na Austrália invadiu o sistema de tratamento de água  e fez com que o esgoto bruto fosse despejado em áreas públicas, inundando um hotel Hyatt. Um homem agindo sozinho causou uma bagunça cara e nojenta. É claro que os especialistas em segurança estão preocupados com o que uma equipe de indivíduos especializados, mal intencionados e furiosos poderia fazer.

O segundo aspecto de um possível 11 de Setembro Cibernético é a mudança no cenário regulatório que ocorreu após o 11 de Setembro de 2001. Lembro-me de voar quando era adolescente, nos anos 90.  Tantas coisas mudaram depois dos “atentados” do 11/09. As mudanças em aeroportoe foram mais óbvias para os cidadãos comuns, mas a aprovação do Patriot Act em Outubro de 2001 teve muito mais consequências. Mudou drasticamente a forma como a vigilância era conduzida.

De acordo com a Quarta Emenda, os cidadãos devem ser protegidos de buscas e apreensões sem mandado. O Patriot Act realmente acabou com isso. A aplicação da lei agora pode atrasar a notificação de mandados de busca e apreensão. Eles não precisam de tanta supervisão dos juízes para realizar vigilância por telefone e internet.

Estas mudanças que enfraqueceram a Constituição ocorreram depois do 11 de Setembro de 2001.

Como poderão os nossos direitos constitucionais ser alterados após o 11 de Setembro Cibernético?

Os poderes centralizados tornaram óbvio que adoram usar [e criar] calamidades para promover mudanças que de outra forma o público nunca aceitaria. Winston Churchill foi a primeira pessoa registrada a dizer: “Nunca deixe uma crise ser desperdiçada”, enquanto trabalhava para estabelecer a ONU na década de 1940, mas ele não foi o último.

  • Rahm Emmanuel,  a propósito da crise bancária de 2008 : “Nunca se quer que uma crise grave seja desperdiçada. E o que quero dizer com isso é uma oportunidade de fazer coisas que você acha que não poderia fazer antes.”
  • Hillary Clinton,  relativamente ao impulso para cuidados de saúde universais em 2020 : “Esta seria uma crise terrível para se desperdiçar.”
  • Klaus Schwab,  a respeito da pandemia de Covid : “. . . a pandemia representa uma janela de oportunidade rara, mas estreita, para refletir, reimaginar e redefinir o nosso mundo para criar um futuro mais saudável, mais equitativo, [mais “acordado”, transgênero, LGBTQ+, et caterva] e mais próspero.”

Compreender esta tendência de ver a crise como uma oportunidade é absolutamente vital para compreender tudo o que se passa hoje.

Então, será que o 11 de Setembro Cibernético é algo para o qual deveríamos estar preparados?

Alguns especialistas acreditam que um Ciber 11 de Setembro seria difícil de ser realizado pelos grupos terroristas conhecidos por razões técnicas. E o mundo está demasiado conectado, a nível global, para que a maioria dos governos prossiga ataques cibernéticos em grande escala, mesmo entre nações hostis.   Para as pessoas que querem usar a Internet para prejudicar a sociedade americana, existem formas simplesmente melhores de o fazer.

No entanto, não podemos ignorar o fato de os ataques cibernéticos terem aumentado. Pergunte a qualquer pequeno empresário. Daisy mencionou em artigos anteriores que a maior parte da receita deste site vai para segurança. E ouvi coisas semelhantes de amigos que trabalham em áreas tão diversas como contabilidade e energia.

Essas histórias de amigos também se alinham com o que os profissionais de segurança descobriram. O Fórum de Segurança da Informação é uma empresa com sede em Londres que fornece orientação sobre segurança na Internet para muitas empresas e governos da Fortune 500 em todo o mundo. 

Também registraram um enorme aumento nos ataques cibernéticos e, em Junho deste ano, organizaram um exercício de Simulação Cibernética de Tecnologia Operacional em Bruxelas.  Isto deu aos líderes da indústria a oportunidade  de se encontrarem e colaborarem, trabalhando através de uma simulação de um ataque cibernético a uma instalação de produção fictícia.

Como reagiriam os governos a um grande ataque cibernético?

Não creio que um grande ataque cibernético seja uma preocupação irracional. Também não creio que seja razoável perguntar: se tivéssemos um grande evento cibernético, como reagiriam os nossos governos?

Os bancos centrais e governos em todo o mundo têm falado muito sobre a implementação de CBDCs. No final de junho, 130 países, representando 98% da economia global, exploravam CBDCs. Isto apesar da falta de interesse por parte dos cidadãos comuns para aceitá-los e / ou usá-los. Durante a Covid, muitas pessoas tomaram conhecimento de como a China utilizou o seu sistema de crédito social, interligado com a banca online, para fazer cumprir os seus mandatos tirânicos.

Não é apenas para a China que as pessoas podem olhar com alarme. Quando o governo da Nigéria tentou impor CBDCs aos seus cidadãos, eclodiram protestos generalizados e a coisa não funcionou.

Nos EUA, os senadores republicanos  introduziram legislação  que proibiria o governo federal de implementar um CBDC. Os europeus também não querem CBDCs. Tornou-se simplesmente demasiado óbvio que as CBDCs serão utilizadas como meio de controle total, e os políticos foram apanhados a admitir isso.

Vejam-se os brincalhões do Rumble que convenceram a presidente do Banco Central Europeu, Christine LaGarde, de que ela estava ao telefone com o presidente ucraniano, Vlodymyr Zelensky.  Ela admite, pensando que está falando em particular, que os CBDCs seriam usados ​​para controlar que tipo de pagamentos a população poderia fazer.

Não há mais como colocar o gato de volta no saco. Os políticos e os banqueiros centrais querem o controle financeiro total e pensam que têm a tecnologia para o fazer, através dos CBDCs. Os cidadãos comuns em todo o mundo têm deixado claro que realmente preferem ter a opção de pagamentos privados e descentralizados através de criptografia ou dinheiro físico, e por isso há uma preocupação legítima de que qualquer ataque cibernético futuro (não importa quem realmente o conduza) possa ser usado para redefinir os sistemas financeiros em todo o mundo.

Mas eles têm a tecnologia para conseguir isso com sucesso?

Quem sabe. Já falamos antes sobre  o aplicativo Diia da Ucrânia  e como, logo após seu lançamento, houve uma violação massiva de dados na qual milhões de pessoas tiveram suas informações pessoais divulgadas em toda a dark web. Esta violação foi pequena em comparação com o que aconteceu ao povo da Índia [cerca de 850 milhões de pessoas] na recente violação de dados do sistema de saúde Aadhaar.

Aadhaar é o programa indiano lançado para agilizar o processo de identificação de cidadãos indianos. O programa foi lançado em 2009,  emitindo um número único de 12 dígitos  para cada pessoa que se cadastrasse em troca de seus dados biométricos. Antes do Aadhaar, não existia um programa de identificação universal na Índia e, como podem imaginar, isso levou a abusos e corrupção generalizados.  Aadhaar afirmou ter resolvido esse problema.

Poucos anos após o seu lançamento, o Aadhaar tornou-se o maior serviço de coleta de dados biométricos do mundo. Em 2023, 99% dos indianos, ou 1,3 bilhões de pessoas, entregaram as suas impressões digitais e exames de íris em troca de acesso a serviços governamentais. O governo indiano vangloriou-se de que isto permite que os indianos mais pobres, muitos dos quais não tinham identificação oficial prévia, recebam benefícios.

Uma decisão judicial de 2018 alegou  que o governo indiano poderia exigir dados do Aadhaar, mas que entidades privadas, como bancos e companhias telefônicas, não. No entanto, apesar desta decisão judicial, muitas pessoas instruídas na Índia afirmam que não estava claro quais serviços seriam ou não retidos com base na participação do Aadhaar. Os casos de fraude têm ocorrido desde a sua adoção. Tem sido usado para fraude eleitoral. E, uma vez que você aceita,  não há como cancelar o acesso aos seus dados.

Nas últimas duas semanas,  a Índia sofreu uma enorme violação de dados,  com 815 milhões de pessoas tendo os seus dados biométricos e informações bancárias hackeados e colocados à venda na dark web.

Esta é a maior violação de dados da história. Oitocentos e quinze milhões de pessoas significa que mais de 1 em cada 10 pessoas no planeta Terra acabou de ter os seus dados roubados. Você pode encontrar muitos vídeos no YouTube de indianos furiosos falando sobre a violação de dados, mas as pre$$tituta$ da mídia ocidental ignorou totalmente isso por razões que provavelmente são muito óbvias.

Como estou me preparando?

Então, depois de tudo isso, estou me preparando para o 11 de setembro cibernético? Estou me preparando para o ataque em si ou para lançar algum tipo de CBDC biometricamente vinculado?

O caos geral,  levando à uma situação Terceiro-mundista, é a minha previsão eleitoral pré-2024. Existem algumas pessoas sedentas de poder que adorariam que o mundo inteiro vivesse sob controle de um sistema digital global, mas penso que a implementação forçada tem mais probabilidades de causar o caos do que qualquer outra coisa. Esses sistemas não são infalíveis e causam problemas onde quer que sejam testados.

Talvez não consigamos evitar tentativas de implementação forçada. Mas podemos preparar-nos prestando atenção ao que nos rodeia, tornando-nos  produtores mais qualificados em vez de consumidores e, acima de tudo, desenvolvendo redes de confiança de amigos e familiares no mundo real.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *