Um ‘Grande Banco’ irá Quebrar: o Credit Suisse em dificuldades, avisa economista Robert Kiyosaki que previu a quebra do Lehman Brothers

O gigante bancário suíço Credit Suisse será o próximo a quebrar após a falência de vários bancos americanos em meio à crise financeira em curso, de acordo com o economista Robert Kiyosaki, que previu o colapso do Lehman Brothers em 2008. Ele explicou na segunda-feira que o mercado de títulos, que é maior que o mercado de ações, é o “maior problema” da economia dos EUA, que está em “sérios problemas”. O dólar americano está perdendo sua hegemonia no mundo atualmente. Então, eles vão imprimir cada vez mais e mais dinheiro… tentando impedir que tudo afunde”, explicou.

Um ‘Grande Banco’ irá Quebrar: o Credit Suisse, segundo maior da Suíça, em dificuldades, avisa economista Robert Kiyosaki que previu a quebra do Lehman Brothers

Fonte: Rússia TodayZero Hedge

O problema é o mercado de títulos e, segundo minha previsão, lembrei do Lehman Brothers anos atrás e acho que o próximo banco a cair é o Credit Suisse”, disse o coautor do livro best-seller ‘Pai Rico, Pai Pobre’“porque é o mercado de títulos que está quebrando.”

O alerta de Kiyosaki veio poucas horas antes de o próprio Credit Suisse identificar “fraquezas materiais” quando o custo de garantir a inadimplência de seus títulos atingisse o nível mais alto. O banco de investimento admitiu em seu relatório anual atrasado [desde dezembro] na terça-feira que ainda não havia contido as saídas [dos depósitos e investimentos] de clientes.

De acordo com o Credit Suisse, que foi atingido por uma série de escândalos recentemente, as saídas de clientes no quarto trimestre saltaram para mais de $ 110 bilhões de francos suíços (US$ 120 bilhões), violando alguns “amortecedores” de liquidez.

Na segunda-feira, o preço das ações do banco caiu mais de 14%, para uma mínima recorde, em meio à turbulência do mercado desencadeada pelo colapso dos bancos investidores em startups e tecnologia dos EUA.

Credit Suisse atinge nova baixa com “fraquezas materiais” encontradas nos relatórios financeiros e fluxos de saída continuam

O Credit Suisse Group AG publicou seu relatório anual, previsto para ser divulgado na última quinta-feira, mas foi  adiado  pela Comissão de Valores Mobiliários dos EUA devido a “fraquezas materiais” em seus controles internos sobre relatórios financeiros (!!??)

No relatório anual divulgado na terça-feira, o atribulado banco suíço disse que “a administração não projetou e manteve um processo eficaz de avaliação de risco para identificar e analisar o risco de distorções materiais em suas demonstrações financeiras“.

O Credit Suisse divulgou na semana passada, após uma ligação de última hora da SEC, que atrasaria seu relatório anual. Os problemas, descritos como “técnicos”, estavam relacionados às demonstrações de fluxo de caixa desde 2019

As ações do banco suíço caíram mais 4%. A ação foi negociada em uma nova baixa histórica (caíram para apenas $ 2,12 francos suíços) nas negociações europeias, com queda de, pasmem, 97% de seu máximo em 2007

Apesar de iniciar uma campanha para reconquistar clientes, o Credit Suisse informou que as saídas de depósitos de clientes continuaram este mês. Em consequência das saídas, o banco também admitiu ter utilizado os seus colchões de liquidez. Ele alertou que essas circunstâncias “exacerbaram e podem continuar a exacerbar” os riscos de liquidez

O CEO Ulrich Koerner disse aos investidores em uma conferência organizada pelo Morgan Stanley na terça-feira que deseja reconstruir o que foi perdido após a reestruturação, “e quando estivermos lá, vamos além e expandiremos o negócio novamente”.

Como parte da reestruturação em curso visando restaurar a lucratividade, o banco propôs conceder participação acionária aos gerentes seniores em seu braço de banco de investimento, o CS First Boston, que deve ser desmembrado em breve. De acordo com o plano, os membros da equipe poderiam possuir até 20% das ações do empreendimento. 

Resta sabermos se haverá tempo para que todos os planos de recuperação deem resultado ANTES QUE O RESTANTE DOS SEUS CLIENTES continuem sacando seus recursos levando o banco à sua inevitável falência . . .


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informações, leitura adicional:

Permitido reproduzir desde que mantida a formatação original e a conversão como fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.326 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth