Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

A Morte de um Mito, o ‘Poder’ dos EUA

Os americanos precisam acordar para a realidade de um mundo pós-unipolar antes que seja tarde demais. Enquanto testemunhamos o colapso de várias narrativas convencionais, especialmente aquelas que cercam a guerra dos EUA/OTAN com a Rússia na Ucrânia, os americanos devem começar a reavaliar sua compreensão da liderança nacional dos EUA. A maioria dos cidadãos americanos não tem noção da grande disparidade entre o que seu governo faz no exterior e as histórias que ouvem de seus porta-vozes. 

A Morte de um Mito, o ‘Poder’ dos EUA

Fonte: TheAmericanConservative – Por George D. O’Neill Jr

Como resultado, e pela ignorância, os americanos apoiam involuntariamente todos os tipos de operações estrangeiras com pouca ou nenhuma compreensão do que realmente está acontecendo.  Durante anos, eles foram enganados por uma campanha da máquina de propaganda ininterrupta das pre$$tituta$ da mídia que só agora começa a desmoronar.

Estamos experimentando os estertores da hegemonia unipolar dos Estados Unidos sobre grandes partes do mundo. Até que os cidadãos comecem a perceber a magnitude das decepções políticas de seu governo, será cada vez mais difícil entender a mudança da posição global dos Estados Unidos e ajustar-se aos efeitos da crescente percepção negativa de nosso país por muitas pessoas de diferentes países ao redor do mundo.

Desde a Segunda Guerra Mundial, e particularmente após o colapso da União Soviética, os Estados Unidos eram a potência mundial dominante e incomparável. Em vez de ser um pacificador e um “policial do mundo” honesto, os EUA têm sido cada vez mais um psicopata frio, cruel e desestabilizador.

Muitos líderes políticos de países em todo o mundo relutam em falar sobre a natureza cada vez mais destrutiva da política externa dos EUA por medo de serem punidos. Mas à medida que a estatura e o poder dos EUA diminuem, grandes partes do mundo têm buscado acordos para se proteger da predação e psicose dos EUA.

A maioria dos norte americanos, os que vivem na ignorância, não entende por que tais realinhamentos estão ocorrendo, graças a um fluxo constante de propaganda das pre$$tituta$ da mídia sobre a América ser a “mais generosa”, a “nação excepcional”, uma “nação que coloca de lado seus interesses em benefício do mundo”, uma “fonte importante do bem” em todo o mundo como o “protetor da ordem baseada em regras”, sempre assumindo a pesada responsabilidade de proteger o sistema internacional e as nações fracas de maus atores, ad nauseam

De acordo com várias fontes, as guerras causadas pelos EUA foram diretamente responsáveis ??pela morte de mais de 10 milhões de pessoas desde a Segunda Guerra Mundial. Os neoconservadores, os esquerdistas ‘acordados’, os liberais et caterva vão zombar desses fatos e de suas fontes, mas a maior parte do resto do mundo acredita [SABE] que isso seja verdade.

A maioria dos americanos não pode aceitar essas observações porque elas contradizem a narrativa dada a eles pela onipresente máquina de propaganda das pre$$tituta$ da mídia à serviço do establishment. Embora a  lista cada vez maior  de delitos americanos no exterior durante anos não tenha sido contestada em casa, tornou-se cada vez mais óbvia para muitos em todo o mundo. Os americanos devem tomar nota. 

Por exemplo, o Ministério das Relações Exteriores da China acaba de publicar uma  visão geral  do que eles veem como ‘mau comportamento’ dos EUA. O establishment americano e os patriotas bem-intencionados podem descartar as observações chinesas, mas soam verdadeiras para muitos que vivem fora da bolha da propaganda neoconservadora.

Ao contrário da mitologia estabelecida, os EUA são famosos por quebrar suas promessas, violar tratados e abandonar acordos. A lista é longa: a promessa dos EUA  de 1990  de não mover a OTAN para o leste em países da antiga Convenção de Varsóvia, a revogação dos acordos ABMINFOpen Skies, os tratados START, o JCPOA, o acordo com a Líbia e outros. Os EUA também desrespeitaram  repetidamente a lei internacional ao invadir países que não se curvam à hegemonia dos EUA.

Há uma série de agências dos EUA que secretamente financiam operações de interferência eleitoral de ONGs. A maioria dos americanos não tem ideia de que o National Endowment for Democracy, da era da Guerra Fria, foi criado para influenciar eleições em países ao redor do mundo e interferiu em muitos. (O National Endowment for Democracy estava gastando dinheiro na Rússia até que os russos  os expulsaram). Depois, há as famosas “Revoluções Coloridas” patrocinadas por várias agências dos EUA.  Alguns estimam que os EUA tenham interferido em até cinquenta países.

Os dias de fingir ignorar esse comportamento destrutivo estão chegando ao fim. Estamos entrando em um período em que as populações de muitos países podem decidir que a sujeição à hegemonia americana não é do seu interesse. Um número crescente de países se juntou e formou alianças alternativas fora da nefasta influência dos EUA [e da decadente Europa]. SCOBRICS+OPEP+ e outros têm experimentado o aumento da adesão à medida que os países que acreditam que seus interesses são mais bem protegidos por essas alianças não afiliadas aos EUA.

As consequências da trágica e desnecessária guerra na Ucrânia e às sanções contra a Rússia aceleraram esse movimento de busca de outras associações cooperativas. Como os aliados europeus [lacaios servis] dos Estados Unidos estão aprendendo, pode haver enormes custos políticos e econômicos associados ás agendas dos EUA. As populações da Europa viram suas próprias economias sofrerem e pagaram caro pela energia por causa das dez rodadas de sanções autodestrutivas impostas à Rússia.

O fornecedor e protetor da “ordem baseada em regras” decidiu que a Alemanha não deveria importar gás natural russo barato. O presidente dos Estados Unidos e um alto funcionário do Departamento de Estado ameaçaram cortar o gasoduto Nord Stream 1 e 2 que fornecem gás natural barato à Rússia se a Rússia não se curvasse aos desejos de Washington. 

Coincidentemente, os gasodutos Nord Stream foram explodidos pouco tempo depois. O secretário de Estado dos EUA disse que a sabotagem foi uma “oportunidade”, e o secretário de Estado adjunto pareceu satisfeito. Os neoconservadores que elogiam este ato de terrorismo contra um aliado dos EUA podem acreditar que fingir que Washington não foi o responsável tranquilizará a América e a Europa, mas o resto do mundo acredita no contrário.

Muitos irão ignorar ou diminuir as consequências de um possível papel dos EUA na destruição dos gasodutos Nord Stream. Mas essa adição à lista de atos impunes que se acredita serem perpetrados pelos EUA no exterior prejudicaria ainda mais a narrativa da América como a “nação generosa”, “líder do mundo livre”, “protetor da ordem baseada em regras”. 

Durante anos, essas contradições foram hábil e hipocritamente contornadas e ignoradas por uma imprensa pre$$titute$ ‘complacente’ e instituições cúmplices que lucraram com esses enganos. Mas como os EUA gradualmente estão menos poderosos, o resto do mundo está começando a perceber e está se movendo em busca de outras amizades protetoras e mais produtivas.

Menos de dois anos atrás, o “pais mais poderoso da história do homem” foi expulso do Afeganistão por um grupo de militantes maltrapilhos armados com armas pequenas e montados em burros, bicicletas e motonetas. O Talibã agora tem US$ 80 bilhões em equipamentos militares americanos que nossos [pseudo] líderes deixaram para trás. As desculpas podem ter sido convincentes para as elites de Washington e foram vendidas vigorosamente pelos meios de comunicação alinhados ao regime. 

O resto do mundo sabe melhor. Os velhos tropos do colapso pós-Vietnã, alegando que “teríamos vencido se realmente tivéssemos permissão para lutar”, soam vazios depois de vinte anos, centenas de milhares de mortos e desabrigados e vários trilhões de dólares gastos naquele desastre.

Ao contrário das muitas afirmações de que os russos entrariam em colapso com o choque e o temor das “sanções do Inferno”, o rublo não se transformou em escombros como previu [‘Dementia’ Joe] Biden. Os EUA e seus lacaios europeus da OTAN estão ficando sem munição e armas para enviar à Ucrânia, que está sendo sangrada a mando deles, talvez o último “jogo de poder” que levará à dissolução a própria OTAN. 

Parece que a Rússia vai oprimir constantemente as forças armadas ucranianas. Tudo isso lembra a Primeira Guerra Mundial. Os proto-neoconservadores venderam aquela guerra como um confronto rápido que terminaria no Natal de 1914. Quatro anos depois, 20 milhões de europeus estavam mortos e muitos mais feridos ou deslocados; subseqüente [e felizmente], a maioria das monarquias européias entrou em colapso, a Rússia mergulhou no pesadelo de setenta anos do comunismo e a “Guerra para acabar com todas as guerras” para tornar o mundo “seguro para a democracia” preparou o cenário para a ainda mais terrível Segunda Guerra Mundial.

Um século depois, estamos caminhando como sonâmbulos para a Terceira Guerra Mundial. Os americanos devem ignorar a propaganda patrocinada pelo estado (estranhamente semelhante à que levou à Primeira Guerra Mundial), despertar [largando o ‘Wokism’ acordado], olhar para o que os seus líderes fizeram e fazer tudo o que puderem para acabar com o apoio a esta guerra cruel antes de enfrentarmos uma Grande Guerra. como uma conflagração mundial ou ainda pior . . .


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é fim-dominio-eua-otan-nabucodonosor-fim-roma.jpg

{Nota de Thoth: A estrondosa queda da “Estátua de Nabucodonosor“, com o fim do Hospício e os psicopatas da civilização ocidental e a própria destruição da região da cidade de Roma [incluso a cloaca do Vaticano] estão bem próximos de acontecer. O Hospício Ocidental, o circo do G-7 os ditos “Países de Primeiro Mundo” vão fazer face ao seu carma “liberal“}


Mais informações, leitura adicional:

Permitido reproduzir desde que mantida a formatação original e a conversão como fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *