browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Wuhan é Racoon City de Resident Evil, laboratório de patógenos contaminou região ?

Posted by on 24/01/2020

A real Umbrella Corp de “Resident Evil: O Laboratório Wuhan Ultra Biohazard Lab. estava estudando “os patógenos mais perigosos do mundo”. Um deles parece ter escapado … 

Agora que não apenas uma, mas oito cidades chinesas – incluindo Wuhan e sete cidades vizinhas, é o marco zero da epidemia de coronavírus – e abrigando coletivamente cerca de 23 milhões de pessoas confinadas, pois estão em QUARENTENA, as comparações com a infame Raccoon City de Resident Evil estão chegando quente e pesado pela web. 

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

A real Umbrella Corp de “Resident Evil: O Laboratório Wuhan Ultra Biohazard Lab. estava estudando “Os patógenos mais perigosos do mundo”. Um deles pode ter escapado …

Fonte:  https://www.zerohedge.com/

E, como a realidade tende a imitar, senão a arte, certamente Hollywood, mais cedo hoje perguntamos, de brincadeira, se o Instituto de Pesquisa Médica da Universidade Wuhan acabaria sendo a versão chinesa da infame empresa Umbrella Corp. da série de filmes Resident Evil, estrelado por Milla Jovovich …

Acontece que não era uma piada, porque momentos atrás foi lembrado que em fevereiro de 2017, a revista Nature publicou um extenso perfil do que chamava de “ laboratório chinês preparado para estudar os patógenos mais perigosos do mundo“. A localização deste laboratório classificado como BSL-4? Por que, Wuhan.

Uma rápida leitura do que este laboratório deveria fazer, surge a pergunta imediata se a epidemia de coronavírus não é um vírus criado como uma arma em laboratório [weaponized vírus] que acabou de escapar dos seus criadores:

O laboratório de Wuhan custou 300 milhões de yuans (US$ 44 milhões) e , para aliviar as preocupações de segurança, foi construído muito acima da planície de inundação e com capacidade para suportar um terremoto de magnitude 7 º na escala Richter, embora a área não tenha histórico de fortes terremotos. Ele se concentrará no controle de doenças emergentes, armazenará vírus “purificados” e atuará como um ‘laboratório de referência’ da Organização Mundial da Saúde, vinculado a laboratórios similares em todo o mundo. “Será um nó-chave na rede global de laboratórios de biossegurança”, diz o diretor do laboratório Yuan Zhiming.

A Academia Chinesa de Ciências aprovou a construção de um laboratório BSL-4 em 2003, e a epidemia de SARS (síndrome respiratória aguda grave) na mesma época deu impulso ao projeto . O laboratório foi projetado e construído com assistência francesa como parte de um acordo cooperativo de 2004 sobre prevenção e controle de doenças infecciosas emergentes. Mas a complexidade do projeto, a falta de experiência da China, a dificuldade em manter o financiamento e os longos procedimentos de aprovação do governo fizeram com que a construção não fosse concluída até o final de 2014.

O primeiro projeto do laboratório será o estudo do patógeno BSL-3 que causa a febre hemorrágica da Crimeia-Congo : um vírus mortal transmitido por carrapatos que afeta a pecuária em todo o mundo, inclusive no noroeste da China, e que pode pular para os seres humanos.

Os planos futuros incluem o estudo do patógeno que causa a SARS, que também não requer um laboratório de BSL-4, antes de passar para o estudo do Ebola e o vírus Lassa da África Ocidental,

O que significa a sigla BSL-4?

O BSL-4 é o mais alto nível de biocontenção: seus critérios incluem filtrar o ar e tratar a água e os resíduos antes de saírem do laboratório e estipular que os pesquisadores troquem de roupa e tomem banho antes e depois de usar as instalações do laboratório . Tais laboratórios são frequentemente controversos. O primeiro laboratório BSL-4 no Japão foi construído em 1981, mas operava com patógenos de menor risco até 2015, quando finalmente foram superadas as preocupações com segurança.

E aqui está o porquê de tudo isso ser um problema:

Preocupações cercam o laboratório chinês. O vírus da SARS escapou das instalações de contenção de alto nível em Pequim várias vezes, observa Richard Ebright, biólogo molecular da Rutgers University em Piscataway, Nova Jersey.

A seguir, republicamos o artigo completo da Nature, porque sugere fortemente, sem evidências no momento, que a epidemia de coronavírus pode muito bem ter sido um vírus “armado” [weaponized] que “acidentalmente” escapou da instalação de risco biológico de Wuhan.

Dentro do laboratório chinês pronto para estudar os patógenos mais perigosos do mundo

Um laboratório em Wuhan [China] está prestes a ser liberado para trabalhar com os patógenos mais perigosos do mundo. A medida faz parte de um plano para construir entre cinco e sete laboratórios de nível 4 de Biossegurança-4 (BSL-4) no continente chinês até 2025 e gerou muita empolgação, além de algumas preocupações.

Roupas para situações de pesquisa perigosas estão no Laboratório Nacional de Biossegurança, Wuhan, o primeiro laboratório no continente chinês equipado para o mais alto nível de biocontenção.

Alguns cientistas fora da China se preocupam com a fuga de patógenos e a adição de uma dimensão biológica às tensões geopolíticas entre a China e outras nações. Mas os microbiologistas chineses estão comemorando sua entrada no quadro de elite com poderes para enfrentar [ E CRIAR] as maiores ameaças biológicas do mundo.

“Ele oferecerá mais oportunidades para pesquisadores chineses, e nossa contribuição para os patógenos de nível BSL-4 ‘beneficiará’ o mundo”, diz George Gao, diretor do Laboratório Chave de Microbiologia e Imunologia Patogênica da Academia Chinesa de Ciências, em Pequim. Já existem dois laboratórios BSL-4 em Taiwan, mas o Laboratório Nacional de Biossegurança, Wuhan, seria o primeiro no continente chinês.

O laboratório foi certificado como atendendo aos padrões e critérios do BSL-4 pelo Serviço Nacional de Acreditação da China para Avaliação da Conformidade (CNAS) em janeiro. O CNAS examinou a infraestrutura, o equipamento e o gerenciamento do laboratório, afirma um representante do CNAS, abrindo caminho para o Ministério da Saúde aprovar. Um representante do ministério diz que se moverá devagar e com cautela; se a avaliação ocorrer sem problemas, ela poderá aprovar o laboratório até o final de junho.

O BSL-4 é o mais alto nível de biocontenção: seus critérios incluem filtrar o ar e tratar a água e os resíduos antes de sair do laboratório e estipular que os pesquisadores troquem de roupa e tomem banho antes e depois de usar as instalações do laboratório. Tais laboratórios são frequentemente controversos.  O primeiro laboratório BSL-4 no Japão foi construído em 1981, mas operava com patógenos de menor risco até 2015, quando finalmente foram superadas as preocupações com segurança.

A expansão das redes de laboratório BSL-4 nos Estados Unidos e na Europa nos últimos 15 anos – com mais de uma dúzia agora em operação ou em construção em cada região – também encontrou resistência, incluindo questões sobre a necessidade de tantas instalações .

O laboratório de Wuhan custou 300 milhões de yuans (US$ 44 milhões) e , para aliviar as preocupações de segurança, foi construído muito acima da planície de inundação e com capacidade para suportar um terremoto de magnitude 7º , embora a área não tenha histórico de fortes terremotos. Ele se concentrará no controle de doenças emergentes, armazenará vírus purificados e atuará como um ‘laboratório de referência’ da Organização Mundial da Saúde, vinculado a laboratórios similares em todo o mundo. “Será um nó-chave na rede global de laboratórios de biossegurança”, diz o diretor do laboratório Yuan Zhiming.

A Academia Chinesa de Ciências aprovou a construção de um laboratório BSL-4 em 2003, e a epidemia de SARS (síndrome respiratória aguda grave) na mesma época deu impulso ao projeto. O laboratório foi projetado e construído com assistência francesa como parte de um acordo cooperativo de 2004 sobre prevenção e controle de doenças infecciosas emergentes. Mas a complexidade do projeto, a falta de experiência da China, a dificuldade em manter o financiamento e os longos procedimentos de aprovação do governo fizeram com que a construção não fosse concluída até o final de 2014.

O primeiro projeto do laboratório será o estudo do patógeno BSL-3 que causa a febre hemorrágica da Crimeia-Congo: um vírus mortal transmitido por carrapatos que afeta a pecuária em todo o mundo, inclusive no noroeste da China, e que pode pular para as pessoas.

Os planos futuros incluem o estudo do patógeno que causa a SARS, que também não requer um laboratório de BSL-4, antes de passar para o Ebola e o vírus Lassa da África Ocidental, que não o fazem . Cerca de um milhão de chineses trabalham na África; o país precisa estar pronto para qualquer eventualidade, diz Yuan. “Os vírus não conhecem fronteiras.”

Gao viajou para Serra Leoa durante o recente surto de Ebola, permitindo que sua equipe relate a velocidade com que o vírus se transformou em novas cepas. O laboratório de Wuhan dará ao grupo a chance de estudar como esses vírus causam doenças e desenvolver tratamentos baseados em anticorpos e pequenas moléculas, diz ele.

Enquanto isso, as oportunidades de colaboração internacional ajudarão a análise genética e epidemiologia de doenças emergentes. “O mundo está enfrentando mais novos vírus emergentes e precisamos de mais contribuição da China”, diz Gao. Em particular, o surgimento de vírus zoonóticos – aqueles que saltam de animais para seres humanos, como SARS ou o mortal Ebola – é uma preocupação, diz Bruno Lina, diretor do laboratório de virologia VirPath em Lyon, França.

Muitos funcionários do laboratório de Wuhan estão treinando em um laboratório BSL-4 em Lyon, o que alguns cientistas consideram reconfortante. E a instalação já realizou um teste usando um vírus de baixo risco.

Mas as preocupações também cercam o laboratório chinês. O vírus da SARS escapou das instalações de contenção de alto nível em Pequim várias vezes, observa Richard Ebright, biólogo molecular da Rutgers University em Piscataway, Nova Jersey. Tim Trevan, fundador da CHROME Biosafety and Biosecurity Consulting em Damasco, Maryland [EUA], diz que uma cultura aberta é importante para manter os laboratórios do BSL-4 em segurança, e questiona quão fácil isso será na China, onde a sociedade enfatiza a hierarquia. “Diversidade de pontos de vista, estruturas planas onde todos se sentem livres para falar e a abertura de informações é importante”, diz ele.

Yuan diz que trabalhou para resolver esse problema com a equipe. “Dizemos a eles que o mais importante é que eles relatem o que fizeram ou não fizeram”, diz ele. E as colaborações internacionais do laboratório aumentarão a abertura. “A transparência é a base do laboratório”, acrescenta ele.

O plano de expansão para uma rede aumenta essas preocupações. Um laboratório BSL-4 em Harbin já está aguardando acreditação; os próximos dois devem estar em Pequim e Kunming, este último focado no uso de modelos de macacos para estudar doenças.

Lina diz que o tamanho da China justifica essa escala e que a oportunidade de combinar a pesquisa BSL-4 com uma abundância de macacos de pesquisa – os pesquisadores chineses enfrentam menos burocracia do que os do Ocidente quando se trata de pesquisa com primatas – pode ser poderosa. “Se você deseja testar vacinas ou antivirais, precisa de um modelo de primata não humano”, diz Lina.

Mas a Ebright não está convencida da necessidade de mais de um laboratório BSL-4 na China continental. Ele suspeita que a expansão cause uma reação às redes nos Estados Unidos e na Europa, que, segundo ele, também são injustificadas. Ele acrescenta que os governos assumirão que esse excesso de capacidade é para o potencial desenvolvimento de armas biológicas.

“Essas instalações são inerentemente de uso duplo“, diz ele. A perspectiva de aumentar as oportunidades de injetar patógenos em macacos também o preocupa, em vez de excitar: ele pode correr, arranhar, morder.

A sala central de monitoramento do Laboratório Nacional de Biossegurança da China

Se isso não bastasse, aqui está o comunicado de imprensa de janeiro de 2018 do Instituto de Virologia Wuhan, anunciando o lançamento do “laboratório de biossegurança de nível superior”.

A China colocou em operação seu primeiro laboratório de biossegurança nível quatro, capaz de realizar experimentos com microorganismos altamente patogênicos que podem causar doenças fatais, segundo a autoridade nacional de saúde. O nível quatro é o mais alto nível de biossegurança, usado para trabalhos de diagnóstico e pesquisa de patógenos de fácil transmissão que podem causar doenças fatais, incluindo o mortal vírus Ebola.

O laboratório nacional de biossegurança em nível quatro de Wuhan passou recentemente em uma avaliação organizada pela Comissão Nacional de Saúde e Planejamento Familiar, de acordo com um comunicado de imprensa divulgado na sexta-feira pelo Instituto de Virologia Wuhan da Academia Chinesa de Ciências.

Os virologistas leem dados em um recipiente para amostras virais no primeiro laboratório de biossegurança de nível quatro da China no Instituto de Virologia de Wuhan

Depois de avaliar aspectos como o gerenciamento de pessoal, instalações, animais, descartes e vírus, os especialistas acreditam que o laboratório de Wuhan está qualificado para realizar experimentos com microorganismos altamente patogênicos que podem causar doenças fatais, como Marburg, Variola, Nipah e Ebola.

“O laboratório fornece um sistema completo de biossegurança líder mundial. Isso significa que os cientistas chineses podem estudar os microorganismos patogênicos mais perigosos em seu próprio laboratório”, disse o instituto Wuhan.

Servirá como centro de pesquisa e desenvolvimento do país em prevenção e controle de doenças infecciosas , como centro de coleta de patógenos e como laboratório de referência das Nações Unidas para doenças infecciosas, informou o instituto.

Relatórios anteriores da mídia disseram que o laboratório Wuhan P4 será aberto a cientistas nacionais e estrangeiros. Os cientistas podem realizar pesquisas sobre medicamentos antivírus e vacinas no laboratório. O laboratório faz parte da cooperação sino-francesa na prevenção e controle de doenças infecciosas emergentes, de acordo com o comunicado à imprensa.

O governo central aprovou o laboratório P4 em 2003, quando o surto de síndrome respiratória aguda grave espalhou alarme por todo o país. Em outubro de 2004, a China assinou um acordo de cooperação com a França para a prevenção e controle de doenças infecciosas emergentes. Isto foi seguido por uma sucessão de acordos complementares.

Finalmente, é assim que o verdadeiro laboratório – Wuhan Institute Of  Virology estilo “Umbrella Corp” se parece visto do espaço:

Com a assistência francesa em projeto de laboratório, estabelecimento de padrões de biossegurança e treinamento de pessoal, a construção começou em 2011 e durou três anos. Em 2015, o laboratório foi colocado em operação experimental.


“E ouvireis de guerras e de rumores de guerras; olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim.  Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá fomes, e PESTES, e terremotos, em vários lugares. Mas todas estas coisas são [APENAS] o princípio de dores. Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos ão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome. Nesse tempo muitos serão escandalizados, e trair-se-ão uns aos outros, e uns aos outros se odiarão. E surgirão muitos falsos profetas, e enganarão a muitos. E, por se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos esfriará. Mas aquele que perseverar até ao fim, esse será salvo”Mateus 24:6-13


Leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com

7 Responses to Wuhan é Racoon City de Resident Evil, laboratório de patógenos contaminou região ?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.