Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Xi Jinping das Arábias e o surgimento do PetroYuan

Xi Jinping fez uma oferta difícil de ser ignorada pela Península Arábica: a China terá compradores garantidos de seu petróleo e gás, basta nos pagar em yuan… Seria tão tentador qualificar o desembarque do presidente chinês Xi Jinping em Riad há uma semana, recebido com pompa e circunstância real, como Xi da Arábia proclamando o alvorecer da era do petroyuan e um profundo golpe na hegemonia do dólar.

Xi Jinping das Arábias e o surgimento do PetroYuan

Fonte: The Cradle – Por Pepe Escobar

Mas é mais complicado do que isso. Por mais que a mudança sísmica implícita no movimento petroyuan se aplique, a diplomacia chinesa é sofisticada demais para se envolver em confronto direto, especialmente com um Império feroz e ferido e sua moeda moribunda. Portanto, há muito mais coisas acontecendo aqui do que os olhos (eurasianos) podem ver.

O anúncio de Xi da Arábia foi um prodígio de sutileza: foi embalado como a internacionalização do yuan. De agora em diante, disse Xi, a China usará o yuan para o seu comércio de petróleo, por meio da Bolsa Nacional de Petróleo e Gás de Xangai, e convidou as monarquias do Golfo Pérsico a embarcar nesta ideia.  Quase 80 por cento do comércio no mercado global de petróleo [ainda] continua a ser cotado em dólares americanos.

Ostensivamente, Xi da Arábia e sua grande delegação chinesa de funcionários e líderes empresariais se reuniram com os líderes do Conselho de Cooperação do Golfo (GCC) para promover o aumento do comércio com a região. Pequim prometeu “importar petróleo bruto de maneira consistente e em grandes quantidades do GCC”. E o mesmo vale para o gás natural.

A China é o maior importador de petróleo do planeta há cinco anos – metade saindo da península arábica e mais de um quarto da Arábia Saudita. Portanto, não é de admirar que o prelúdio para as generosas boas-vindas de Xi da Arábia em Riad tenha sido um artigo de opinião especial expandindo o escopo comercial e elogiando o aumento de parcerias estratégicas/comerciais em todo o GCC, completo com “comunicações 5G, nova energia, espaço e economia digital .”

O ministro das Relações Exteriores, Wang Yi ,dobrou a aposta na “escolha estratégica” da China e da Arábia em geral. Mais de US$ 30 bilhões em acordos comerciais foram devidamente assinados – alguns significativamente conectados aos ambiciosos projetos da Iniciativa do Cinturão e Rota (BRI) da China.

E isso nos leva às duas principais conexões estabelecidas por Xi da Arábia: o BRI e a Organização de Cooperação de Xangai (SCO).

As Rotas da Seda da Arábia

O BRI receberá um grande impulso de Pequim em 2023, com o retorno do Fórum do Cinturão e Rota. Os dois primeiros fóruns semestrais aconteceram em 2017 e 2019. Nada aconteceu em 2021 por causa da política estrita de Covid zero da China, agora abandonada para todos os fins práticos.

O ano de 2023 está cheio de significado, pois o BRI foi lançado pela primeira vez há 10 anos por Xi, primeiro na Ásia Central (Astana, no Cazaquistão) e depois no Sudeste Asiático (Jacarta, Indonésia).

A iniciativa BRI não apenas incorpora uma unidade complexa e multifacetada de comércio e conectividade transeurasiana, mas também é o conceito abrangente da política externa chinesa, pelo menos até meados do século XXI. Assim, espera-se que o fórum de 2023 traga à tona uma série de projetos novos e redesenhados, adaptados a um mundo pós-Covid e endividado e, acima de tudo, à carregada esfera geopolítica e geoeconômica da disputa atlantismo x eurasianismo.

Também significativamente, Xi da Arábia em dezembro seguiu Xi de Samarcanda em setembro – sua primeira viagem ao exterior pós-Covid, para a cúpula da SCO na qual o Irã se juntou oficialmente como membro pleno. A China e o Irã em 2021 fecharam um acordo de parceria estratégica de 25 anos no valor de US$ 400 bilhões em investimentos. Esse é o outro nó da estratégia de duas frentes da China na Ásia Ocidental.

Os nove membros permanentes da SCO agora representam 40% da população mundial. Uma de suas principais decisões em Samarcanda foi aumentar o comércio bilateral e o comércio geral em  suas próprias moedas .

E isso nos conecta ainda mais com o que está acontecendo em Bishkek, no Quirguistão, em total sincronia com Riad: a reunião do Conselho Econômico Supremo da Eurásia, o braço de implementação de políticas da União Econômica da Eurásia (EAEU).

O presidente russo, Vladimir Putin, no Quirguistão, não poderia ter sido mais direto“O trabalho foi acelerado na transição para moedas nacionais em acordos comerciais mútuos… O processo de criação de uma infraestrutura de pagamento comum e integração de sistemas nacionais para a transmissão de informações financeiras começou”.

O próximo Conselho Econômico Supremo da Eurásia acontecerá na Rússia em maio de 2023, antes do Fórum do Cinturão e Rota. Junte-os e temos os contornos do roteiro geoeconômico à frente: o impulso em direção ao petroyuan avançando em paralelo ao avanço em direção a uma “infraestrutura de pagamento comum” e, acima de tudo, uma nova moeda alternativa contornando o dólar americano.

É exatamente isso que o chefe da política macroeconômica da EAEU, o russo Sergey Glazyev, vem desenhando ao lado de especialistas chineses.

Guerra financeira total

A mudança em direção ao petroyuan será repleta de imensos perigos.

Em todo cenário de jogo geoeconômico sério, é certo que um petrodólar enfraquecido se traduz como o fim do almoço grátis imperial do hegemon em vigor por mais de cinco décadas.

Concisamente, em 1971, o então presidente dos Estados Unidos Richard “Tricky Dick” Nixon retirou os Estados Unidos do padrão-ouro; três anos depois, após o choque do petróleo de 1973, Washington abordou o ministro do petróleo saudita, o notório Sheikh Yamani, com a proverbial oferta-você-não-pode-recusar: nós compramos seu petróleo em dólares americanos e em troca você compra nossos títulos do Tesouro, muitas armas e recicla o que sobrar em nossos bancos.

Sugestão para Washington agora repentinamente capaz de distribuir dinheiro de helicóptero – apoiado por nada – ad infinitum, e o dólar americano como a arma hegemônica definitiva, completa com uma série de sanções sobre 30 nações que ousam desobedecer à “ordem internacional baseada em regras” imposta unilateralmente”.

Balançar impulsivamente este barco imperial é um anátema. Portanto, Pequim e o GCC adotarão o petroyuan lenta mas seguramente, e certamente sem alarde. O cerne da questão, mais uma vez, é a exposição mútua do cassino financeiro [do hospício] ocidental.

No caso chinês, o que fazer, por exemplo, com aqueles colossais US$ 1 trilhão em títulos do Tesouro dos Estados Unidos? No caso saudita, é difícil pensar em “autonomia estratégica” – como a desfrutada pelo Irã – quando o petrodólar é um produto básico do sistema financeiro ocidental. O menu de possíveis reações imperiais inclui tudo, desde um golpe brando/mudança de regime até Choque e Pavor por Riade – seguido de mudança de regime.

No entanto, o que os chineses – e os russos – pretendem vai muito além de uma situação saudita (e dos Emirados). Pequim e Moscou identificaram claramente como tudo – o mercado de petróleo, os mercados globais de commodities – está ligado ao papel do dólar americano como moeda de reserva.

E é exatamente isso que as discussões da EAEU; as discussões da SCO; a partir de agora as discussões do BRICS+; e a estratégia dupla de Pequim em toda a Ásia Ocidental estão focadas em minar o dolar.

Pequim e Moscou, no âmbito do BRICS, e mais adiante na SCO e na EAEU, têm coordenado estreitamente sua estratégia desde as primeiras sanções à Rússia pós-Maidan em 2014 e a guerra comercial de fato contra a China desencadeada em 2018.

Agora, depois que a Operação Militar Especial de fevereiro de 2022 lançada por Moscou na Ucrânia e a OTAN se transformou, para todos os efeitos práticos, em guerra contra a Rússia, saímos do território da Guerra Híbrida e estamos profundamente envolvidos na Guerra Financeira Total.

Rapidamente se afastando

Todo o Sul Global absorveu a “lição” do [psicopatas do hospício do] oeste coletivo (institucional) congelando, ou simplesmente roubando, as reservas cambiais de um membro do G20, ainda por cima uma superpotência nuclear. Se isso aconteceu com a Rússia, pode acontecer com qualquer um. Não existem mais “regras”.

Desde 2014, a Rússia vem aprimorando seu sistema de pagamento SPFS, em paralelo com o CIPS da China, contornando o sistema de mensagens bancárias SWIFT liderado pelo Ocidente e cada vez mais usado pelos bancos centrais da Ásia Central, Irã e Índia. Em toda a Eurásia, mais pessoas estão descartando Visa e Mastercard e usando cartões UnionPay e/ou Mir, sem mencionar o Alipay e o WeChat Pay, ambos extremamente populares no Sudeste Asiático.

É claro que o petrodólar – e o dólar americano, ainda representando menos de 60% das reservas cambiais globais – não cairá no esquecimento da noite para o dia. Xi da Arábia é apenas o capítulo mais recente de uma mudança sísmica agora conduzida por um grupo seleto no Sul Global, e não pela antiga “hiperpotência”.

Negociar em suas próprias moedas e em uma nova moeda alternativa global está no topo das prioridades dessa longa lista de nações – da América do Sul ao norte da África e Ásia Ocidental – ansiosas para ingressar no BRICS+ ou na SCO, e em algumas poucas casos, em ambos.

As apostas não poderiam ser maiores. E é tudo uma questão de subjugação ou exercício de soberania total. Portanto, vamos deixar as últimas palavras essenciais para o principal diplomata de nossos tempos conturbados, o russo Sergey Lavrov, na conferência interpartidária internacional ‘A escolha da Eurásia como base para o fortalecimento da soberania‘ :

“ A principal razão para as tensões crescentes de hoje é o esforço obstinado do Ocidente coletivo para manter uma dominação historicamente decrescente na arena internacional por todos os meios que puder… É impossível impedir o fortalecimento dos centros independentes de crescimento econômico, poder financeiro e influência política. Eles estão surgindo em nosso continente comum da Eurásia, na América Latina, no Oriente Médio e na África”.

Todos a bordo… do Trem Soberano.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *